Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Clique aqui

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''forca''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Hipertrofia
    • Venda de Suplementos
    • Nutrição e Suplementação
    • Treinamento
    • Esteróides Anabolizantes
    • Geral
    • Diário de Treino
    • Saúde e Qualidade de Vida
    • Academia em Casa
    • Área Feminina
    • Assuntos Acadêmicos
    • Entrevistas
    • Arquivo
  • Assuntos gerais
    • Off-Topic
    • Mixed Martial Arts
    • Fisiculturismo, Powerlifting e Outros
  • Fisiculturismo
  • Multimídia
    • Vídeos de Fisiculturismo e Strongman
    • Fotos Fisiculturismo
    • Fotos de Usuários
  • Fórum
    • Críticas, Sugestões e Suporte ao Fórum
    • Lixeira
  • Off-Topic

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Localização


Peso


Altura


Idade

Conteúdo continua após a publicidade.

Encontrado 290 registros

  1. Fala, meu povo, atendendo à demanda popular irei abrir um diário de treinos. Aproveitei que redimensionei minha periodização para ter dói dias de (eca) cardio por semana, irei iniciar os relatos por aqui. Basicamente a semana fica dividida assim Segunda :heavy day Terça: cardio e mobilidade Quarta: medium day Quinta: cardio e mobilidade Sexta: light/speed day Explicando as "intensidades"(são as mesmas que usei num programa que postei a uns mil anos aqui no fórum) Light 60%-70% 3-5 reps for speed| 30 reps total Med 70%-80% 8-12 reps| 30 reps total Heavy 80%-90% 1-3 reps| 12-15 reps total Treino os 4 padrões básicos de movimentos de força (o big 4) DL - terra BP- supino SQ - agachamento OHP - desenvolvimento Ciclo assim cada meso ciclo de 4 semanas W1 - DL BP SQ W2 - OHP DL BP W3 - SQ OHP DL W4 - BP SQ OHP Repete ou faz deload Como se vê isso é meio que uma adaptação do the cube, do Brandon Lilly, com o Mr Gray pubes do 531 Ciclando intensidades para preservar a carcaça e ainda ter a alegria de levantar o que for possível de forma pesada. Seleção de exercícios para o terra: speed: Hanging power clean [power clean saindo] da posição de jump [sem tocar o chão] 10x3 Med: RDLs ou terra convencional 3x10 Heavy: Block Pull em alturas variadas, trabalhando doubles e singles pesados Para o desenvolvimento Speed: Militar 10x3 EMOM Med: Desenvolvimento Halteres inclinação +- 85º Heavy: Push Press para o supino: Speed: Supino pegada inversa Med: Supino fechado Heavy: floor press na Smith machine Agachamento Speed: agachamento frontal 10x3 EMOM [ Med: Agachamento low bar 3x10 Heavy: agachamento zercher em ss com goblet squat  Tudo no esquema de remar antes de supinar e de fazer barra antes de empurrar coisas acima da cabeça. Com o máximo de ss possíveis Após o treino de inferiores vai rolar algum tipo de Farmer walks e nos dê superiores algum complex com barra. Dia de cardio só irei fazer uns minutos de esteira e alongar bem enquanto tento não me matar. Isso posto, segue o treino de hoje. Comprei um cronômetro daqueles de usar no pescoço pra ter o relógio como coach Tenho no máximo 40 minutos para fazer meu treino e tomar banho pra ir ao trabalho. Foi rack pulls subindo até um doble pesado (200 kg, que de dieta e descansando 60 s entre as séries me pareceu pesado) com saltos altos antes. Após baixei o peso da barra pra 100 kg e mandei 3 x5 de snatch grip desdlift. Após foi um Medley com um total de 105 m caminhando segurando halteres de 26 kg nas mãos ( cada volta davam 35 m) só não sei 4 voltas pq entrou um tio fedendo a cigarro e passou do meu lado quando tentava recuperar o fôlego. Daí tive uma crise de tosse. Após isso mandei 70 m por braço de overhead dumbell carry com halter de 14 kg (segura o FDP em Lockout e sai andando com ele acima da cabeça e segurando para não rir da cara de WTF do desinstrutores) Elevação de pernas 3x10 e alongamento de costas em suspensão. Banho, vômito durante o banho, roupas, trânsito e trabalho. That's all folks
  2. [Edit - 09/02/17] - Trocando o treino e Atualizando alguns videos. [Edit - 07/07/19] - Depois de 22 meses de ausência, retorno aos treinos . A partir da página 3 continuam os relatos com fotos, videos , treino, dietas e objetivos atualizados. Fala Galera , abrindo o diario pra poder trocar experiencias , aprender e se puder de alguma forma ajudar alguem tambem =) Vamos então a uma breve introdução sobre mim : Introdução : Tenho 22 anos ,84kg e 1,75m , acredito que sou ectomorfo e sou fã de esporte , não só musculação. Treinei por praticamente 3 anos dos meus 17/18- até 20/21 , tinha 60kg e cheguei a 83kg se nao me engano. Porem quando começei a namorar larguei a musculação ( podem me julgar haha ) , alias a faculdade estava pesando muito tambem (Engenharia integral não é mole =/.) , e tentava tirar dinheiro extra com poquer online e em bancas clandestinas ( me julguem de novo) . Mas sou bem tranquilo , nunca briguei na vida, sou da paz. Aqui um Spoiler com mais detalhes sobre mim : História e Alguns objetivos com treino : Ja testei desde ABCD , ABCAB até chegar no AB2x(push/pull ) com foco em básicos e descobri que levava jeito em alguns levantamentos ( agachamento ) , sempre fui bom. Acho que por sempre jogar futebol com frequencia , tinha uma mobilidade até razoavel. Entre tantos anos de busca e pesquisa fui tendo os meus ganhos , e com 20/21 anos tinha um shape bem legal (pra natural) 11-12% de bf , 40cm de braço e 66cm de pernas. Nunca ciclei , e pretendo nunca ciclar ( opinião propria aqui ). Comparativo : A uns 6 meses atras resolvi voltar a treinar , e resolvi sem influencia externa treinar pra força . Um objetivo novo , queria agachar com 200kg e Terrar com 200kg e nao necessariamente ter 42cm de braço e 10% bf. Comecei com 69kg -12%bf usando ABoffAB - Upper/Lower , e tive bons ganhos , foto no spoiler : Final de julho desse ano com +-83kg acho que 13-14% bf não pretendo mais ganhar peso e com dieta em leve superavit calórico ( 50--100kcal , nem sei se pode ser considerado superavit mesmo). Cambitas e o que era pra ser abdomem haha. ( O embelezamento do telefone deixou parecerendo que sapequei photoshop hahah) Ah e eu estou com intenção de baixar o bf para 10% e depois subir o mais seco possivel até 84kg , que o peso máximo que pretendo manter. E meu objetivo é ter uma progressão de cargas nos básicos , lentamente com menor risco de lesão então trabalho series submáximas . Bom o "resumo" é esse. TREINO : Quanto ao treino. Segunda a Sexta. ABCAB--> A-Lower B-Upper C- Fortalecimento de musculos negligenciados,Mobilidade , alongamento , tecnica. A-Lower B-Upper Detalhado : DIETA : Quanto a Dieta , ainda estou seguindo a dieta antiga e convertendo aos poucos para a dieta nova , mas daqui a 10 dias no máximo ja vou postar a dieta nova. Minha intenção é deixar 35-40% de Gorduras 35-40% carbos e 20-25% de proteinas. Dieta Antiga: ( A parte Azul e que ainda nao coloquei em uso , e a parte verde é o que vou tirar da dieta) VIDEOS : CARGAS ATUAIS E MEDIDAS : Vou tentar atualizar sempre com os treinos , detalhes , situações diferentes , perguntas , e tenho intenção de postar videos sempre dos levantamentos. É isso ai , bora treinar Galera !
  3. Reiniciando o diário, pois o meu antigo foi apagado depois que tentei retomar. Meu programa atual é uma tentativa de misturar um trabalho de força, hipertrofia e potência, tudo ao mesmo tempo e de uma forma que ajude a melhorar o condicionamento. Para isso, estou usando várias ideias dos treinos de strongman, em especial do Brian Alsruhe. O programa é levemente baseado no 531 do Jim Wendler: ciclos de três semanas aumentando o peso e diminuindo as reps, AMRAPS nas últimas séries, 4 treinos por semana (um para cada movimento básico: terra, supino, agachamento e OHP). De diferente: em cada treino faço três exercícios diferentes – um com foco em força (mais peso, menos reps, tensão total do corpo), um com foco em hipertrofia (peso médio, reps medianas, time under tension, mind-muscle conection, etc.) e outro com foco em potência (menos peso, mais reps, foco na velocidade da barra). O movimento que eu treinei para força no dia A vou treinar para hipertrofia no dia B e para potência no dia C. Uma semana de treino fica assim: Dia A: terra força, OHP hipertrofia, agachamento potência. Dia B: supino força, terra hipertrofia, OHP potência. Dia C : agachamento força, supino hipertrofia, terra potência. Dia D : OHP força, agachamento hipertrofia, supino potência. As porcentagens de 1RM e número de reps variam entre os focos e entre as semanas: Força: 65x8 75x6 85x4+ (semana 1), 70x6 80x4 90x2+ (semana 2), 75x5 85x3 95x1+ (semana 3) Hipertrofia: 60x10 70x8 80x6+ (semana 1), 65x8 75x6 85x4+ (semana 2), 70x6 80x4 90x2+ (semana 3) Potência: 55x12 65x10 75x8+ (semana 1), 60x10 70x8 80x6+ (semana 2), 65x8 75x6 85x4+ (semana 3) Como dá pra ver, os treinos vão se repetindo e o que em uma semana é força, na outra vira hipertrofia, etc. Depois de 3 semanas é só reavaliar e aumentar a 1RM para iniciar novo ciclo. Quando o treino é com foco em hipertrofia ou potência, eu posso usar uma variante do movimento principal. Por exemplo: para OHP posso usar a barra H ou fazer séries com halteres; no caso do agachamento, posso fazer uma variação pausada ou unilateral; para o terra, posso variar a pegada, usar a trap bar, etc. Outro conceito que estou incorporando aos poucos é o de giant set: antes de cada série de um movimento principal faço algumas reps de um movimento antagonista e, depois de um descanso mínimo (idealmente só o tempo de chegar até o próximo exercício ou equipamento), já se inicia o movimento principal. Depois de cada série do movimento principal, novamente sem descanso, faço alguma coisa para o core, e só aí descansar realmente. Isso foi um giant set. Meus descansos ainda não são mínimos, ficando na casa de 1 min entre os movimentos de cada giant set e de 3-5 minutos entre os giant sets. A ideia é diminuir esse tempo, o que consequentemente ajuda a aumentar o condicionamento. Como movimento antagonista do supino faço alguma remada. Para antagonizar o OHP, faço barra fixa com peso ou pull down. Para agachamento e terra, faço sempre um trabalho com sandbag. Para o core, sempre algo que não precise de equipamento (pranchas, leg raises, L-sit, super homem, etc.). Já estou terminando a segunda semana do ciclo atual. 13/07/19 - Força: agachamento – 84 kg x6, 96 x4, 108 x4 (antes de cada série: sandbag deadlift com saco de 42 kg, 4 reps; depois de cada série: prancha, 30 seg.). - Hipertrofia: supino reto – 56 x8, 64 x6, 74 x6 (antes de cada série: remada com peito apoiado, 10 kg a menos que o supino, mas o dobro de reps; depois: prancha lateral 30 seg). - Potência: terra com pegada snatch – 88 x10, 102 x8, 116 x3 (antes de cada série: agachamento abraço de urso com saco de 42 kg, 4 reps; depois: knee raise x10). A última série era pra ser 6+ reps, mas a pegada não aguentou. Estranho, pois semana passada consegui 8 reps com 110 kg tranquilamente. Vou tentar fazer outro trabalho de core que não desgaste a pegada também. - Condicionamento: sandbag carry com saco de 42 kg, 3 séries de 40m. Todos os exercícios com o saco de 42 kg foram muito fáceis, como era de se esperar. Vou encher com 50-60 kg para os próximos treinos.
  4. Atualmente estou com 144KG com me sentindo mal com esse estado , obesidade grau 3 , Imc 44 correndo atrás do prejuízo pra recuperar o peso ideal hoje estou com 34 anos e comecei recentemente malhar com o foco nessa redução de peso 5x na semana por 2 horas . a) Peito/ombro/tríceps b)Perna c)Costa/posterior ombro/Bíceps/trapézio d)Aeróbico
  5. Na duvida entre se colocaria esse tópico em Mobilidade ou Treinamento Funcional, coloquei em T. Funcional, por considerar que a mobilidade é uma parte num macro chamado treino funcional, ainda que os artigos que postarei aqui compreendam vários temas relacionados, mas abordados de maneira individual. Os capítulos são: 1 - AVANÇOS NO TREINAMENTO FUNCIONAL (Primeira Parte) 2 - MOBILIDADE E FLEXIBILIDADE (Segunda Parte) 1 - AVANÇOS NO TREINAMENTO FUNCIONAL Reconsiderando o treinamento funcional Devemos começar com uma breve explicação da minha trajetória até tornar-me alguém que crê no treinamento funcional. Toda que vez que mandava um cliente com lesão para um fisioterapeuta, o relatório que voltava para mim não era longo: na maioria das vezes, a lesão ocorria porque um músculo estabilizador estava fraco e o estresse era desviado para outro músculo. Normalmente, os músculos fracos eram estabilizadores do quadril, da coluna ou da articulação escapulotorácica. Uma tendência se tornou óbvia: parecia que eram sempre os mesmos músculos. Não raro, os terapeutas apontavam para fraqueza nos músculos abdominais profundos (transverso do abdome e oblíquo interno), estabilizadores do quadril (glúteo médio, adutores, quadrado lombar e rotadores externos do quadril) e aqueles que fazem retração da escápula (trapézio inferior e romboides). Cada grupo fraco parecia ser a causa de um problema diferente. • Os clientes com lombalgia apresentavam, em geral, fraqueza dos músculos abdominais profundos. • Os atletas com problemas no joelho normalmente demonstravam fraqueza dos músculos estabilizadores do quadril. • Aqueles com problemas no manguito rotador universalmente tinham problemas nos músculos retratores e estabilizadores da escápula. Já que, de maneira repetitiva, viámos a mesma fraqueza, por que não abordá-las? Simplesmente demos ênfase ao fortalecimento dos músculos que os terapeutas alegavam ser consistentemente fracos, mesmo que nossos atletas tenham sempre treinado com exercícios multiarticulares básicos. Não fiz isso por ser uma tendência, mas porque queria resultados. Meu primeiro objetivo era reduzir a incidência de lesão nos meus atletas. Cada melhoria no desempenho vinha como consequência da redução das lesões. A descrição de treinamento funcional em Functional Training for Sports é clara: o treinamento funcional é mais bem descrito como um contínuo de exercícios que ensina os atletas a lidar com o seu peso corporal em todos os planos de movimento. O treinador usa o peso corporal como resistência e tenta empregar posições que façam sentido para o participante. O conceito de treinamento funcional parecia tão intuitivo, que eu me esforçava para encontrar o que poderia ser questionável para os outros, o que certamente era. Quando li a descrição de treinamento funcional de Charles Staley percebi porque tantas pessoas são contra a ideia. Staley descreve o treinamento funcional em seu livro Muscle Logic como “exercícios realizados em vários aparatos como bolas, rolos de espuma e pranchas de equilíbrio, elaborados para criar um ambiente mais desafiador para o propósito de envolver mais os músculos estabilizadores menores e mais profundamente localizados”. Prossegue dizendo, “o treinamento funcional defende a intenção de que o maior envolvimento do estabilizador é a chave para melhorar o desempenho e os resultados gerais do treino”. É óbvio que falhei na minha primeira tentativa de descrever treinamento funcional, pois um homem inteligente e bem informado como Charles não via o conceito básico do treinamento funcional do mesmo modo que eu via. Para mim, função é essencialmente o propósito. O treinamento funcional pode, portanto, ser descrito como um treinamento com um propósito. Treinamento funcional e treinamento em superfície instável não são sinônimos. O treinamento em superfície instável é um aspecto do processo de pensamento mais amplo, que forma o treinamento funcional. Infelizmente, esse treino de equilíbrio instável se tornou sinônimo de treinamento funcional, que muitos consideram a mesma coisa. O treinamento funcional não tem muito a ver com os artefatos usados pelos fisioterapeutas em reabilitação, mas sim com o conhecimento que os fisioterapeutas adquiriram sobre o porquê das lesões ocorrerem. É aí que as pessoas ficam confusas: não se trata de artefatos; trata-se de informações. O treinamento funcional desvia o foco dos exercícios para incorporar os músculos estabilizadores, pois nele está a fonte das lesões segundo os fisioterapeutas. A observação do treino de atletas colegiais ou profissionais de fisiculturismo, levantamento de peso básico e olímpico começou a fazer cada vez menos sentido conforme eu expandia meus conhecimentos. Não que eu não apreciasse as contribuições desses esportes, apenas percebi que havia muito mais à medida que eu começava a desenvolver uma compreensão mais profunda da anatomia e dos mecanismos de lesão. O que o treinamento funcional realmente faz é a aplicação da anatomia funcional do treinamento. Considera o que conhecemos e usa essas informa- ções para selecionar exercícios que reduzam a incidência de lesão e melhorem o desempenho. O treinamento em superfície instável é uma progressão potencial, mas não o estímulo fundamental. USE O QUE FUNCIONA Ao ler este livro é muito importante deixar de lado todas as noções preconcebidas sobre o processo de força e condicionamento. Pense em praticar a arte do bom senso. Muitas vezes, as boas ideias parecem tão básicas que as rejeitamos com base apenas na sua simplicidade. Como preparadores físicos e personal trainers continuamente seguimos e deixamos de seguir as últimas tendências. Tente ficar com as ideias que funcionam e fique atento a tudo que parece muito bom para ser verdade. Velocidade, habilidade de movimento, força e potência são qualidades que podem e devem ser melhoradas. Os bons preparadores físicos estão constantemente inspecionando seus programas. Todo dia, aprendo alguma coisa que me faz considerar uma mudança no programa. Não se trata de impulsos emocionais, mas sim aceitação de que há muitos treinadores e terapeutas que estão se aprimorando e desenvolvendo técnicas melhores. Como treinador, você não pode se permitir cair de amores por alguns exercícios, técnicas e filosofias particulares. Seu trabalho é conseguir resultados e escolher os métodos que tragam esses resultados. Isso quer dizer experimentar tudo que faça sentido para você, rejeitar o que não faz sentido, ou que não faz mais, e manter o que funciona. Às vezes, você pode rejeitar exercícios populares. Eventualmente, você para de utilizar exercícios que gostava antes. E, por vezes, tira alguma coisa do segundo plano e reincorpora em seus programas. Se funcionar, isso é o que importa. Aqui, nenhuma tentativa for feita copiando os programas de equipes ou de atletas de sucesso. Em vez disso, avaliei cada técnica ou conceito para incluí-los. Muitos treinadores copiam o programa da equipe mais bem-sucedida, mas, lembre-se, grande parte do sucesso pode ser consequência de recrutamento, treinamento ou genética. Em vez de copiar indivíduos ou equipes de sucesso, busque as técnicas daqueles que produzem bons resultados de forma consistente em situações não ideais. MAIS NÃO É MELHOR A maioria dos atletas e treinadores jovens acreditam que se duas séries é bom, quatro séries deve ser ainda melhor. Na verdade, você pode exigir demais do corpo e interromper o processo de recuperação. Quando pensar em um programa de força, lembre- -se que o treinamento de força é um jogo de estímulos e resposta. O exercício de fato é um estímulo. A resposta ocorre depois da técnica e é afetada pela qualidade da técnica e pela qualidade da recupera- ção. Repouso e nutrição têm muito a ver com o sucesso, assim como o programa de exercícios. A verdadeira chave para um programa de força bem-sucedido é a redução de lesão. Eu costumava dizer prevenção de lesões, mas, na verdade, apenas a intervenção divina pode evitar a lesão. Redução de lesões representa melhor o objetivo. Semântica à parte, as estatísticas não mentem. Se as lesões diminuem e seus ganhos aumentam, você é bem-sucedido. Obviamente que os ganhos podem ser influenciados pelo talento e pelos treinadores, mas, em geral, as tendências à lesão não são tão afetadas por esses fatores. Seu primeiro objetivo é a redução de lesão e, depois disso, a melhora do desempenho. Durante meus 15 anos de treinamento colegial, observei uma tendência interessante. Conforme evoluíamos de um programa de levantamento de peso olímpico e potência tradicional para um programa com base mais funcional, nossos números de força continuavam consistentes e nossa incidência de lesão caia de maneira drástica. Pense nisso ao longo da sua leitura. Os levantamentos básicos* e o olímpico são excelentes sistemas que ensinam um forte conhecimento técnico e enfatizam levantamentos multiarticulares. No entanto, assim como a invenção do encanamento moderno e o desenvolvimento da internet, força e condicionamento estão avançando constantemente. Para obter sucesso, precisamos avançar com eles. *N. de R. T.: Levantamentos básicos são supino, agachamento e Terra. TREINAMENTO FUNCIONAL Mark Verstegen foi um dos primeiros a sair dos padrões aos quais os treinadores estavam presos quando começou a ensinar movimentos laterais e multidirecionais com a mesma habilidade que esses treinadores ensinavam o movimento linear.* Esse processo foi um salto quântico para mim e para meus atletas. Esse foi meu primeiro passo de preparador físico para especialista em desempenho. O segredo desse processo foi aceitar o fato de que Mark e seus colegas estavam léguas a frente de mim nessa área crítica. Treinamento funcional, treinamento do core** e uso apropriado de superfícies instáveis são apenas alguns exemplos de avanços que devem ser abraçados e incorporados em um programa sólido. Já temos muitos treinadores ‘‘avestruzes’’ em nossa área satisfeitos em enfiar a cabeça na areia. Técnica... técnica... técnica. Nunca perca a qualidade. Use o peso corporal quando possível. Faça muitas flexões de braço, flexões de braço com os pés elevados, agachamento com uma perna só, barra fixa com pegada supinada e barras paralelas. Os exercícios de peso corporal são despretensiosos. Logo use-os com frequência com os iniciantes. Não apenas os atletas aprenderão a respeitar seu peso corporal, como também vão enxergar o valor desses exercícios fáceis. *N. de R. T.: Movimento no plano sagital. **N. de R. T.: Core significa o centro do corpo, ou seja, as paredes anteriores, posterior, inferior, laterais e o diafragma no tronco. TÉCNICAS Se você usará agachamento, ensine primeiro agachamentos com peso corporal. Se um atleta não consegue realizar agachamento com peso corporal com perfeição, ele não pode realizar o exercício com pesos. Ponto final. Ele precisa adquirir amplitude de movimento. É normal conseguir agachar em posi- ção paralela.*** Os atletas que não conseguem precisam trabalhar mobilidade do quadril, do tornozelo ou alongamento dos músculos do jarrete lateral. Se você opta pelo agachamento para seus atletas, faça-os com que realizem agachamentos paralelos sem falhas. Nossos atletas nada fazem, exceto agachamentos frontais com os fêmures paralelos. Usamos até caixas de pliometria de 50 centímetros para garantir a profundidade; pedimos aos atletas *N. de R. T.: Movimento no plano sagital. **N. de R. T.: Core significa o centro do corpo, ou seja, as paredes anteriores, posterior, inferior, laterais e o diafragma no tronco. ***N. de R. T.: Paralela refere-se a uma linha imaginária que liga o trocânter femoral ao epicôndilo lateral do joelho. que agachem em uma caixa que coloca o fêmur paralelo ao chão. Embora seja necessário caixas de tamanhos diferentes para os atletas diferentes, chegamos ao ponto em que cada atleta define o que é paralelo. Essas não são caixas de agachamento Westside Barbell; o atleta simplesmente toca na caixa para garantir a profundidade. Se você usa supino reto, não balance, nem arqueie. Nunca perca a qualidade. Assim que você permitir que um atleta trapaceie ou não adira ao programa, outros o seguirão. Lembre-se por quê os atletas trapaceiam: para levantar mais peso. Levantar mais peso alimenta o ego. Uma vez que você deixa isso acontecer, fica muito difícil pará-los. Para fazer valer o seu ponto, use exercícios como agachamentos frontais e supinos com pausas. Esses exercícios podem ser muito despretensiosos. O preparador físico canadense Charles Poliquin possui um princípio chamado falha técnica. A falha técnica quer dizer nunca contar uma repetição depois do colapso da técnica. Esse princípio encoraja os atletas a levantar o peso da maneira adequada. Consistentemente digo a meus atletas que não me importo quantas repetições eles fazem; importome com quantas boas repetições eles fazem. O treinamento de força e condicionamento pode parecer fácil a princípio, mas é difícil na prática. O segredo para um programa de sucesso é tentar ver cada série e treinar cada atleta. Isso é difícil, consome tempo e é repetitivo. De fato, é impossível. Ao final de um bom dia na sala de musculação, você deve estar rouco e cansado. Um bom preparador físico terá pernas e joelhos doloridos de passar o dia agachando para ver a profundidade dos agachamentos ***N. de R. T.: Paralela refere-se a uma linha imaginária que liga o trocânter femoral ao epicôndilo lateral do joelho. Escolhendo os Exercicios Funcionais Vamos presumir que os treinadores estão sempre buscando os melhores programas e exercícios tanto para reduzir a incidência de lesão quanto para melhorar o desempenho. No entanto, quando vejo os programas que muitos dos nossos atletas de elite recebem, fico confuso e desapontado. Os treinadores continuam prescrevendo exercícios como cadeira extensora, mesa flexora e leg press, mesmo quando parece que existe pouca evidência para respaldar essas prescrições. Anatomia funcional não é uma teoria. O que sabemos sobre função é real e baseado em ciência e pesquisa. A ideia de que precisamos isolar um músculo ou que precisamos de certos exercícios uniarticulares para prevenir lesão não foi comprovada. Os treinadores precisam dar seguimento a seus programas e começar a usar exercícios que façam sentido e que, de fato, reduzam o potencial de lesão. O contínuo funcional foi introduzido primeiramente em Functional Training for Sports para ilustrar as opções de exercícios em um contínuo desde o menos funcional até o mais funcional. Os exercícios são separados em exercícios para a região inferior e superior do corpo e exercícios de fortalecimento do core ou tronco. As categorias são, ainda, desmembradas em joelho dominante, quadril dominante e exercícios de empurrar e de puxar para a parte superior do corpo. Os exercícios progridem em um contínuo que vai desde exercícios baseados em aparelhos a exercícios feitos principalmente na posição de pé. Os exercícios também progridem de um sistema estável, que não estressa os estabilizadores ou neutralizadores, para os elaborados de maneira específica para isso. Os estabilizadores fornecem estabilidade, enquanto os neutralizadores evitam o movimento indesejado. A primeira sequência é a dos exercícios com dominância de joelho. O contínuo começa com o leg press deitado, já que esse é o exercício multiarticular menos funcional da região inferior do corpo que posso imaginar. No leg press, assim como na maioria dos exercícios em aparelhos, o atleta simplesmente atua como motor ou produtor de força. Toda a estabilidade é fornecida pelo aparelho. O segundo exercício no contínuo é o agachamento de pé em aparelho, progredindo na curva funcional para a posição de pé. A posição de pé é mais específica do que a deitada e pode incorporar músculos adicionais não tensionados no leg press. No entanto, a estabilidade ainda é fornecida pelo aparelho. O terceiro passo no contínuo funcional é ir para o exercício de agachamento em pé. O atleta, mais uma vez, se encontra de pé, como no aparelho, mas agora ele mesmo se estabiliza. Obviamente, isso vai for- çar o core em um grau mais alto. Muitos treinadores consideram o agachamento um bom exercício para o core, mesmo que não haja estresse rotacional ou unilateral. De fato, alguns treinadores acreditam que o agachamento é um exercício suficiente para o core. O agachamento de pé com as duas pernas é o ponto onde, muitas vezes, até bons treinadores param. Muitos treinadores aplicam exercícios com base no solo, porém não pensam um pouco mais a frente. O passo seguinte na progressão deve ser trabalhar em uma perna só. Do ponto de vista anatômico funcional, é absolutamente essencial ficar em uma perna só. Quantas pernas você usa para correr por vez? Apenas uma. Você já teve algum atleta que estirou os músculos do jarrete bilateralmente? Nem uma vez. Os músculos que suportam o membro inferior no apoio unipodal – quadrado lombar, glúteo médio e adutores – não são tão ativos nos exercícios que utilizam as duas pernas. A etapa final no contínuo consiste no agachamento unilateral de pé em superfície instável. Agora, o atleta deve empregar os motores primários, os estabilizadores e os neutralizadores ao mesmo tempo em que lida com um estímulo proprioceptivo adicional fornecido pela instabilidade. Vamos abordar cada uma dessas etapas da série contínua nas páginas que se seguem. USO DOS EXERCICIOS FUNCIONAIS Algo interessante sobre exercício funcional é o fato de deixar alguns treinadores mais antigos nervosos. Oponentes ao conceito que o treinamento funcional mostra, com frequência, surgem estudos precários que chamar o treinamento funcional de uma moda passageira. Há pouco tempo, me foi dito que o exercício funcional é bom para reabilitação e que ajuda a restaurar a propriocepção, mas não funciona com atletas saudáveis. Minha experiência não sustenta essa afirmação; em seis anos de futebol profissional e de nível olímpico, nossos atletas não apresentaram lesão no ligamento cruzado anterior (LCA). Isso é obviamente um orgamento baseado em evidências, porém poderoso. Os conceitos descritos no contínuo funcional podem ser aplicados a qualquer região do corpo. Para usar um clichê bastante conhecido: pense fora da caixinha. Não faça o que sempre fez. Não faça o que todo mundo faz. Não copie halterofilistas nem levantadores de peso; eles treinam para seus esportes, não para os nossos. Muitos dos conceitos do halterofilismo ou levantamento de peso olímpico podem ser aplicados em programas de fortalecimento sólidos, mas, lembre-se, esses esportes são diferentes, pois em nossas outras atividades poucas vezes temos os dois pés em contato com o solo. Não é preciso retirar exercícios como agachamento ou levantamento terra de seu programa, mas, em vez disso, complemente-os com exercícios de assistência mais elevados dentro do contínuo funcional. Este livro vai fornecer exemplos de exercícios e programas, mas para lhe dar a ideia básica do conteúdo: • No lugar da cadeira extensora, use agachamentos com base alternada ou outra variação de agachamento unilateral. Agachamentos com base alternada incorporam equilíbrio, flexibilidade e força em uma perna só. • No lugar da mesa flexora use levantamento terra unilateral com perna estendida. Os músculos do jarrete são mais extensores do quadril do que flexores do joelho. De fato, o jarrete é, na verdade, um resistor à extensão da perna na corrida. A mesa flexora não oferece força real útil. • No lugar do banco de supino com halteres, tente o supino com halteres alternado, em que o cliente deve estabilizar os halteres no alto. Isso vai desenvolver a força do core, a estabilidade do ombro e a força unilateral. Ao escolher os exercícios, pergunte a si mesmo por que cada um deles está no programa. Se a razão for porque todo mundo faz ou porque esse é o jeito que você sempre fez, pense novamente. A funcionalidade de um exercício deve ser um fator-chave na escolha dos exercícios para o desenvolvimento atlético. Os exercícios funcionais são, por definição, específicos para um esporte ou atividade. A progressão dos exercícios com duas pernas para exercícios em uma perna só é importante para a maioria dos esportes com base no solo. PUXAR E EMPURRAR NA REGIÃO SUPERIO DO CORPO Na maioria dos programas de treinamento de força, movimentos de puxar como à barra fixa em pegada supinada e remadas ainda recebem pouca ênfase. No lugar deles, a maioria dos treinadores solicita que seus atletas e clientes façam puxadas em polias altas para os músculos da parte superior da coluna sob a premissa equivocada de que isso é suficiente. Além disso, muitos programas ignoram os movimentos de remada. Esse tipo de programa leva ao superdesenvolvimento dos músculos que podem causar problemas de postura e, as vezes, lesões no ombro. Um programa bem elaborado para a região superior do corpo deve incluir uma razão proporcional entre as séries de puxar horizontal e verticalmente e os exercícios de empurrar deitado e acima da cabe- ça. Deve haver, pelo menos, uma série de exercício de puxar para cada série de exercício de empurrar. A proporção inadequada entre puxar e empurrar leva ao superdesenvolvimento do peitoral e subdesenvolvimento dos músculos que fazem retração da escápula, além de predispor os atletas a lesões por uso excessivo no ombro, especialmente tendinose de manguito rotador. A incidência de tendinose do manguito rotador entre atletas que fazem uma grande quantidade de exercícios de supino reto e de variações no banco de supino é extremamente alta. Muitos levantadores de peso aceitam a dor no ombro como parte do esporte, da mesma forma que os nadadores e jogadores de tênis. A realidade é que, com um programa balanceado, poucos atletas apresentam dor anterior no ombro. A dor anterior no ombro não é decorrente do exercício feito no banco de supino propriamente dito, mas provavelmente da falta de proporção apropriada com os movimentos de puxar. O verdadeiro segredo é que o atleta tenha uma boa proporção entre as forças de puxar e de empurrar. Podemos estimar isso melhor, comparando a quantidade máxima de repetições na barra fixa com pegada pronada de um atleta à carga máxima no banco supino. Devemos considerar o peso corporal, mas um atleta capaz de empurrar no banco supino uma carga bem acima do seu peso corporal também deve ser capaz de puxar seu peso corporal, independente do tamanho. Por exemplo, um atleta masculino de 90 kg que consegue levantar 135 kg no banco de supino deve ser capaz de realizar 12 a 15 repetições na barra fixa supinada, e um atleta masculino de 135 kg que consegue levantar 180 kg no banco de supino deve ser capaz de fazer 5 a 8 repetições. Realmente, as mulheres podem se sair melhor na proporção entre banco supino e barra fixa supinada. Encontramos atletas femininas capazes de levantar seu peso corporal no banco supino e de realizar 5 a 10 repetições na barra fixa supinada. MOVIMENTO DE PUXAR NA VERTICAL Um programa de força bem elaborado deve incluir, pelo menos, três séries de duas variações de barra fixa supinada por semana, bem como o mínimo de três séries de dois movimentos de remada por semana. Ou o tipo específico de puxar vertical e horizontalmente, ou a número de repetições deve mudar a cada três semanas; em alguns casos, os dois devem mudar. Puxar na vertical: Barra fixa com pegada supinada. Um ponto importante é não se deixar cair na armadilha de adicionar a seu programa exercícios na barra fixa supinada e não os treinar como exercício de força. Os movimentos de puxar vertical devem ser alternados com os movimentos de empurrar horizontal tal como o banco supino. Se você está fazendo séries de três no banco supino, faça séries de três nos movimentos de puxar vertical. Se está fazendo pirâmide, faça como o puxar vertical. Os atletas masculinos ganham força cervical posterior com muita rapidez com esse tipo de programa. Não é incomum que os homens consigam cinco repetições na barra fixa supinada com uma placa de 20 kg fixada a uma cinta e que atletas femininas façam séries de três repetições na barra fixa supinada com 2,5 a 11 kg. Trate o puxar vertical como um exercício de força e verá grandes aumentos de força e, o mais importante, diminuição das dores no ombro. MOVIMENTO DE PUXAR NA HORIZONTAL Os movimentos de puxar na horizontal são essenciais por duas razões: • A adição de movimentos de remada ao programa ajuda na prevenção de lesões. • Os exercícios de remada são o verdadeiro exercício antagonista quando realizados no banco supino. Embora os praticados na barra fixa supinada e suas variações sejam importantes, os movimentos de remada visam especificamente aos músculos e padrões de movimento que se opõem de maneira direta àqueles treinados no banco supino. Independente da importância, as remadas são omitidas, principalmente, dos programas de força. Os movimentos de remada são uma área do treinamento funcional submetida à grandes mudanças. Avanços recentes no treinamento atlético e na fisioterapia* mostraram que o corpo está ligado tanto anterior quanto posteriormente em padrão diagonal. A força é transmitida do chão pela perna até o quadril, via bíceps femoral e glúteo máximo. Depois disso, a força é transferida pela articulação sacroilíaca para o grande dorsal oposto. A chave desse sistema de ligação cruzada está, não apenas na estabilização do quadril, como no engajamento dos músculos usados no padrão motor adequado. Por essa razão, todos os movimentos de remada, exceto a remada invertida e a remada rotacional, são realizados com apenas um pé em contato com o solo. Com um pé no solo e a carga na mão oposta, o atleta precisa empregar o bíceps femoral e o glúteo para transferir a força do solo via estabilizadores da pelve e rotadores do quadril. Os grupos de rotadores do quadril e de estabilizadores da pelve possuem importância particular, pois toda a força transferida do solo precisa passar pelo quadril estável para ser levada de maneira adequada à região superior do corpo. Até bem recentemente, o grupo de rotadores do quadril era efetivamente ignorado. Os rotadores do quadril são o “manguito rotador” da região inferior do corpo, mas não recebem a mesma atenção que os músculos do manguito rotador do braço. Toda força que se origina do solo, seja um balanço do golfe ou home run do beisebol, precisa ser transferida por meio de um grupo de rotadores do quadril estável, forte e flexível. Os rotadores do quadril precisam receber atenção especial na hora de elaborar um programa. Bem mais a frente no livro seremos mais específicos, contudo, em primeiro lugar, precisamos abordar aquilo que considero a maior mudança na filosofia do treinamento dos últimos anos, a estabilidade articular e a mobilidade articular como foco do treinamento. * N. de R. T.: Trilhos anatômicos Continuo, outro dia, com a parte 2 de Flexibilidade e Mobilidade
  6. Fala meu povo! Seguinte, estou postando um treino que fiz a um ano +- [sempre que postar algo aqui será algo já feito a mais tempo - prefiro falar do que fiz à falar do que pretendo fazer] - Deixo à critério da moderação decidir se aqui é o melhor lugar para isso. EDIT : para deixar no formato padrão da postagem: Idade: 38 Altura: 1,70 bf: ~22-25% [atual] peso: atual 96kg, à época eram uns 107 Objetivo: força [sempre força] foi um treino que bolei baseado numa proposta feita pelo Brian Alsruhe [Never sate Athletics] - esse cara posta umas ideias legais, as vezes ele mostra um programa de treinamento inteiro nos seus videos no esquema "decote e mini saia", ou seja, mostra muita coisa mas aquilo que a turma quer ver ele deixa implícito, o que faz parte de seu modelo de negócio e acho totalmente válido, mas pra quem entende das "macumba" dá pra sacar muita coisa. o bloco de treinamentos para 4 semanas [meso ciclo] ficou assim: 2ª 3ª 5ª 6ª WEEK DEADLIFT OHP SQUAT BENCH 1 POW Heavy Light Med Heavy ASS Med Heavy Light Med STR/COND Light Med Heavy Light 2 POW Light Med Heavy Light ASS Heavy Light Med Heavy STR/COND Med Heavy Light Med 3 POW Med Heavy Light Med ASS Light Med Heavy Light STR/COND Heavy Light Med Heavy 4 POW DELOAD DELOAD DELOAD DELOAD ASS DELOAD DELOAD DELOAD DELOAD STR DELOAD DELOAD DELOAD DELOAD Explicando as "intensidades" Light 60%-70% 3-5 reps for speed| 30 reps total Med 70%-80% 8-12 reps| 30 reps total Heavy 80%-90% 1-3 reps| 12-15 reps total Exercícios programados como Leve eram feitos com 60-70% de 1 RM, com baixas repetições para velocidade (explosão, limpar a técnica etc...) - no programa que montei para mim eram 10 x 3 EMOM [3 reps na cabeça de um minuto, descansa o resto do minuto e faz de novo no próximo minuto] Exercícios programados como médio eram trabalho de volume, normalmente fazia 3x10 com 70-80% 1RM Exercícios programados como pesado eram feitos em triples/doubles/singles até fechar o número de repetições totais pedidas indo de 80-90% 1RM POW = exercícios de powerlifting ASS = exercícios de assistência STR/COND = exercícios de strongman/condicionamento [explicado melhor mais pra frente] os exercícios de powerlifting eram feitos em séries gigantes da seguinte forma: exercícios de empurrar - puxada no mesmo plano de movimento [ex, pra desenvolvimento era pull up, pra supino remada curvada ou remada pendlay], no mesmo esquema de repetições e cargas do exercício principal, exercício principal e um abdominal [isso aumenta a quantidade de trabalho feita e a capacidade de trabalho] - a sacada da puxada antes do exercício de empurrar eu peguei de quando fiz experimentos com V III I e vi que isso fez a dor que sentia nos ombros "ir passear e esquecer o caminho de volta" Terra e agachamento: fazia algum movimento explosivo de quadris antes [na verdade só fazia kettlebell swings] antes do exercício principal e depois fazia ou hiperstensão ou GHR [dependia de como me sentia ] exercícios de assistência - escolhi os que tinham mais similaridades (ou carry over) com o movimento principal para o terra: speed: Hanging power clean [power clean saindo] da posição de jump [sem tocar o chão] 10x3 - era o que usava para dar um tapa na proção superior das costas/trapézios Med: RDLs 3x10 Heavy: Block Pull em alturas variadas, trabalhando doubles e singles pesados Para o desenvolvimento Speed: Militar 10x3 EMOM Med: Desenvolvimento Halteres inclinação +- 85º Heavy: Push Press para o supino: Speed: Supino pegada inversa Med: Supino fechado Heavy: floor press [em academia comercial isso foi uma experiência de vida, só volto a fazer isso se tiver ou minha home gym ou se achar um lugar onde treinam específico pra força] Agachamento Speed: agachamento frontal 10x3 EMOM [nesse eu vi a vó pela greta algumas vezes chegando perto das séries finais] Med: Agachamento barra alta 3x10 Heavy: agachamento com pausa [outro que é muito bom, mas sempre aparecia um "herói" achando que eu havia travado no calabouço... em academia comercial nunca mais tento isso] Strongman/condicionamento nestes tive de usar um pouco de criatividade, não deu para seguir direitinho o planejamento das intensidades, pq nem sempre havia disponibilidade de equipamentos. acabei usando 2 combinações que davam pra fazer sem grandes encheções de saco: Farmer carry medley: Farmer walk por 30 metros (ir e voltar de uma parede a outra da academia) com halteres de 30 kg (os mais pesados da academia)/ 30 metros abraçado com uma anilha de 25 kg / 30 metros segurando uma anilha de 15 kg acima da cabeça/ 15 m para cada mão segurando uma anilha de 10 kg como uma bandeja de garçom/ 30 metros segurando dois halteres bola de 7 kg (os maiores que cabiam nas mãos) segurando pelas "cabeças" dos halteres/ 30 metros de zombie walk (segurando halteres de 4 kg na frente e andando com os braços estendidos). Complex com barra exercícios feitos "back to back" sem soltar a barra até o final - 8 x cada - de 3 a 4 séries RDL/hang clean/agachamento frontal/desenvolvimento/agachamento barra baixa/bom dia Lições aprendidas: 1 - após fazer por 12 semanas, aumentando a carga ao início de cada novo ciclo os ganhos de força foram bons 2- volume muscular deu uma melhorada 3 - os exercícios de STR/Cond ajudaram a perder gordura [uso eles até hoje, mesmo tendo voltado ao 5 3 1 por ser mais simples e dar menos trabalho para acompanhar] 4- agachamento 10x3 são uma experiência de vida, faço com alguma frequência a variação do frontal. 5- no ponto 3 já havia mencionado a questão de manter o simples que funciona - se seu trabalho para monitorar está ficando quase do mesmo tamanho do trabalho de fazer significa que passou da hora de simplificar! 6- mesmo treinando em um horário em que a academia está bem vazia [5:30 da manhã] alguns exercícios atraiam a atenção de "desistrutores" como cocô atrai mosca... para evitar encheção de paciência ando evitando esses. 7- faria de novo? Talvez num momento em que tiver que lidar com menos estresse de vida. 8- estava com 107 -110 kg quando comecei esses treinos, caí para 103 kg ao final deles. hoje estou com 96 e bf entre 22-25% [trabalhando para reduzir esse @#%**] 9- Treino de forma interrupta desde 2006, parando apenas para tratar algumas lesões, misteriosamente quando comecei a treinar mais focado em força a frequência das lesões diminuíram consideravelmente [pode ser que envelhecer tenha enfiado algum juízo na minha cabeça, vai saber] 10- só consegui fazer esse treino em academia comercial pq antes já havia dado sinais de que não me comportava como um babaca, guardava pesos, mantinha as coisas limpas, mostrei para os instrutores que eu tinha uma boa noção do que estava fazendo. Este é meu primeiro tópico, compartilhando o que fiz e o que aprendi no processo. []´s Power_tr00 adestrador de sacis
  7. Namastê amiguinhos. Pelo nobre motivo de difundir alguma informação e praticar inglês, traduzi a série dos cinco artigos “It’s Time To Stop Mocking Indians For Their Clubbells”, (2012) do blog Chaos & Pain. Este é encabeçado pelo powerlifter, maníaco sexual, troglodita, metido a historiador, profissional de TI, crânio, headbanger, empreendedor fabricante/comerciante de suplementos quase ilegais da marca Chaos & Pain e ocasional ator de filmes adultos Jamie Lewis. Explora bastante sobre a cultura física na Índia, especialmente de seus famosos wrestlers, suas crenças e métodos exóticos de treinamento e dieta, além de permitir reflexões muito interessantes sobre o desenvolvimento físico, o esporte e a vida em geral. Considero um dos artigos mais interessantes que já li sobre o tema, e acredito que represente uma fonte de conhecimento pertinente a todos os frequentadores do fórum (maníacos do 5x5, só-pure-raw-natural-low-reps-salva, zyzzetes, odinistass high-bar e low-bar, bodybuilders ou metidos a bodybuilders, control freaks, novatos que acabaram de começar o projeto verão, viciados em mobs, IIFYM, feministas, olavetes e todos os demais). É uma leitura extremamente longa e razoavelmente bizarra. Tentei manter todos as piadas, palavrões e ofensas conforme o texto original. Algo foi cortado, algo está em spoiler. Inverti a ordem de apresentação capítulo original 5 (que trata de treino com pesos) pelo capítulo 4 (que trata de dieta) para melhorar a fluência do texto. Não encontrei estes dois últimos no blog, e sim na coletânea do blog chamada Issuance of Insanity 2. Adicionei algumas imagens e informações também. As referências acadêmicas estão nos links do blog. É basicamente Joseph Alter e uns dois caras. Resumo para quem pretende ir direto para a parte dieta/treino: a parte 1 introduz o assunto e compara a atual e microscópica participação e sucesso da Índia em esportes de força com seu passado glorioso. A parte 2 apresenta as origens e o desenvolvimento da cultura física pelos séculos, a evolução de alguns métodos e ideologias. A parte 3 apresenta a ginástica indiana mallakhamb e como há absurdamente mais do que a ioga que pensamos conhecer. A parte 4 fala sobre o treinamento dos lutadores com pesos e detalha mais sobre seu desenvolvimento. A parte 5 fala sobre a dieta indiana, que faz o bom e velho Gallon of Milk a Day parecer aquela Ana Maria de baunilha que você sentou em cima no recreio. Divirtam-se! E aprendam algo. Fontes: http://chaosandpain.blogspot.com.br/2012/09/its-time-to-stop-mocking-indians-for.html?zx=5c996ca44855b65f http://chaosandpain.blogspot.com.br/2012/09/its-time-to-stop-mocking-indians-for_30.html?zx=d4b9e44a3b454101 http://chaosandpain.blogspot.com.br/2012/11/its-time-to-stop-mocking-indians-for.html?zx=910c663a7262ea06 Estes artigos foram compilados pelo autor em seu e-book Issuance of Insanity 2, disponível em: http://www.mediafire.com/download/f4gtrn7fs7qy7ql/Issuance+of+Insanity+2+(1).pdf Mas pirataria é crime e pecado, então não clique. PARTE 1 – É HORA DE PARAR DE ALOPRAR OS INDIANOS COM SUAS CLAVAS Como um estudante de história, percebi que não deveria estar surpreso com nada que eu possa encontrar nos anais históricos. Apesar desta convicção, eu ainda continuo me surpreendendo com as merdas que pensei ter lido e concluído, e na verdade eu não conhecia nem metade da história. Recentemente, tive esta revelação sobre a Índia, um lugar que em geral só associo com guerras estúpidas com os muçulmanos por geleiras que ninguém realmente quer e “comida” que faria atores pornôs de garagem torcer o nariz. Certamente a última coisa em que penso sobre a Índia é em físicos robustos e levantadores de peso. Após uma pequena pesquisa, descobri que eles têm precisamente uma única medalha no Levantamento de Peso Olímpico: um bronze na categoria feminina até 69 kg nos Jogos de 2000. O que me pareceu justo, porque os indianos só parecem capazes de qualquer excelência no badminton e em perpetuar horríveis doenças geralmente não encontradas fora de suas fronteiras, e não em esportes de força. http://2.bp.blogspot.com/-un1kSGlj9W4/UEo2Ps6imaI/AAAAAAAADxU/7VEF5qcluOE/s1600/HorribleIndianDiseases.jpg (Doença de Harlequin ou progeria? Honestamente, não posso decidir qual é a pior, mas ambas são prova de que se há deuses, eles odeiam a Índia pra caralho e são os piores cus de burro de todo o sempre) [...] Mas, você pode argumentar, eles também são excelentes em dirigir táxis, possuir lojas de conveniência e fazer filmes de 5 horas de duração com intermináveis e inexplicáveis números de dança. Correto, mas isto ainda não explica o como uma nação de 1,2 bilhões consegue produzir menos medalhas na história do que a pequena e miserável Moldávia produziu nas Olimpíadas de 2012? Até onde sei, a economia da Moldávia é baseada em negociar carros roubados de toda a Europa. Se você acha que é piada, por lá a revenda de carros roubados é tão extensiva que o próprio ministro de justiça do país foi pego dirigindo um carro roubado na Áustria. Logo, uma nação com alguns milhões de ladrões de automóveis conseguiu produzir mais medalhas no LPO em 2012 do que um bilhão de indianos em toda sua história. A parte mais bizarra? Indianos têm uma a mais longa e variada história com o levantamento de peso do que qualquer outra etnia na Terra. É aqui que esta história fica interessante. (Rumba com halteres de 5 kg? Aparentemente o Crossfit já estava forjando elite fitness entre os antigos romanos) A maioria de nós acredita que o antigo levantamento de peso começou e acabou com os gregos, egípcios e romanos, e era um assunto morto até o século XVII quando os strongmen europeus o ressucitaram. O historiador David Willoughby registrou que até houveram alguns strongmen que apresentaram-se neste longo intervalo, mas aparentemente não houve nenhum sinal do treinamento de força ou cultura física no Ocidente até o século XVIII, e a coisa só se popularizou no século XIX. Enquanto este pode ter sido o caso no Ocidente, não foi assim no Oriente – os indianos mantiveram o treinamento de força nesse tempo todo, só parando quando alguns ingleses temperamentais afanaram os recursos de seu país e os deixaram com um trapo de orgulho tão miserável que estrelas de reality shows televisivos pareceriam absolutamente nobres em comparação. Ademais, percebi que é injusto pintar a Índia com um tamanha generalização, dado o fato que eles são tão etnolinguisticamente diversos que poderiam ser as três Américas metidas no estado do Texas, mas eu gosto de generalizações. A Índia é um lugar fodidamente louco, mesmo depois de partida em três países em 1949. Quando se pensa na Índia, você provavelmente pensa em pessoas de cor mocha, falando híndi e balançando membros magricelas e panças redondas, procurando por uma vaca para adorar. Você não estaria muito errado, mas há uma pancada de coisas bizarras acontecendo nas frestas, como o povo Toda do sul, que vive em cabanas com formato de barris, estão etnicamente ligados aos gregos cipiotas e possuem um leiteiro sagrado; ou o povo de Kashi, que luta num estilo tão brutal Thai-kickboxing que as pessoas se matam em brigas de rua; ou os Meitei, que vivem na fronteira burmesa e falam uma língua sino-tibetana, tratam as garotas como homens (o que não é o caso no resto da Índia) e cuja escrita é formada de letras que todas correspondem a partes do corpo humano (conste que a primeira letra significa “cabeça”); e a cultura Hindi, que predominou desde as invasões indo-arianas a partir da Sibéria Ocidental por volta de 2500 A.C. É basicamente a esta última a quem vou me referir. Basicamente farei como a maior parte dos estrangeiros lembram-se dos americanos: para eles somos todos gordos, brancos, xenófobos mal letrados que compram tudo do Walmart, são agressivamente ignorantes de outras culturas, nos enrolamos em bandeiras enquanto odiamos homossexuais e apoiamos guerras nos estrangeiro sem qualquer motivo lógico. (O cara nunca viu um rack de agachamento e tem pernas colossais. O choro é livre) De acordo com um número de fontes que descobri recentemente, os indianos foram o único grupo de pessoas absolutamente imerso durante a Idade Média. Foram descobertos manuais de treinamento na Índia que datam dos séculos XI e XII e recomendavam seus leitores a fazer o que você vê nas academias do terceiro mundo hoje – levantando pedras e sacos de areia (Sandow). Pelos anos 1500, o treinamento de força era tão difundido na Índia que poderia ter sido considerado o que é seu cricket hoje em dia: o passatempo nacional. Desde então, lutadores do norte foram tidos como alguns dos atletas com melhor condicionamento de todos os tempos, e alguns autores fizeram carreiras inteiras regurgitando “segredos” de treinamento indiano para uma geração inteira de pessoas que pensam que caminhar e trotar 5k ocasionalmente é um feito físico impressionante. Meu interesse pelo treinamento indiano surgiu com um artigo sobre o Mr. Universo de 1952 Monohar Aich. Sendo o extraordinário gnomo que é, Aich venceu o concurso após mandar uma transformação completa estilo Charles Atlas: ele havia contraído uma das famosas doenças bizarras indianas, a febre negra [leishmaniose visceral = https://pt.wikipedia.org/wiki/Leishmaniose_visceral], e saiu da porta da morte para o auge de seu físico fazendo séries de 100 agachamentos de uma perna, flexões, crunches, barras-fixas e elevações de pernas o dia todo. Monohar tirava um lazer chutando o pau da barraca na Força Aérea Indiana sendo convidado para a prisão britânica por bater boca com os ingleses por serem cuzões mercenários, numa época em que treinava doze horas por dia com uma caralhada de calistênicos. Após sua soltura, Aich lutou para tornar-se a versão indiana do Mighty Atom, metendo repetições em agachamentos de 300 kg, rasgando livros de 1500 páginas, mesmo tendo 1,50m de altura e pesando menos de 70 kg (Tyrrell). A porra mais louca desta história é que apesar de ter nascido tão pobre que as origens simples de George Jefferson já seriam vencer na vida, Aich não só treina 90 minutos por dia mas como ainda está trincado aos 100 anos de idade. Não surpreendentemente, o Rigveda em verdade afirma que pessoas deveriam viver mais de 100, e Aich nem é o único fisiculturista indiano que chega aos três dígitos. Num país onde os corações de nossos “monstros” explodem aos 55 anos de idade mesmo com medicina avançada e grande fortuna (puta que pariu Michael Clarke Duncan, como você conseguiu morrer de um ataque cardíaco aos 55?), os indianos estão basicamente nos fazendo parecer suas vadias. (Aich, fazendo a maior parte das pessoas parecerem bosta de cachorro aos 75 anos) Sistemas codificados de exercícios são tão antigos quanto a própria Índia, e os Vedas fazem frequentes alusões para sistemas de exercícios, apesar de não detalhá-los (Mujumdar 1). Para vocês ignorantes, os Vedas são basicamente a combinação da Wikipedia, Bíblia e do Almanaque do Fazendeiro para os indianos pelos últimos 2000 anos. No Rig Veda é sugerido que se cave, lute com os punhos, nade, corra e pratique arqueria para a obtenção de força física (Mujumdar 2). Interessantemente, Mariusz Pudzianowski regularmente inclui os três do meio em seu treinamento, e Steve Justa mencionou o valor de escavar em seu livro Rock, Iron, Steel (http://www.oldtimestrongman.com/products/rock-iron-steel-steve-justa). Incluir séries de escavação ganham pouca atenção em relação aos treinos de cortar madeira tão mais divulgados na Men’s Health e frequentemente realizados em academias por toda a América [aqui o autor só pode se referir aos EUA ou à América do Norte, puta merda...], mas é um treino infernal. Nos Vedas, o sábio Agastya “desejava desenvolver sua força cavando com uma enxada (vide Rigveda 1-179-6) e sugeriu a outros que fizessem o mesmo”. Justa menciona que levantamentos com pás, em que ele essencialmente imitava o movimento da escavação com um de seus toscos implementos caseiros aumentou todos os seus levantamentos após cortar alguns deles por meras pás carregadas por duas semanas. Francamente, se algum de vocês algum dia já tirou neve por um dia já sabe que é um esforço que chuta sua bunda de dentro pra fora. E qualquer um que já tenha visto uma imagem antiga de carvoeiros, já viu que eles eram trincados apesar de suas dietas consistirem em salsicha e licor. Em adição, o Rigveda mete o louco por recomendar que se use uma variedade de ervas para acrescentar sua força, e comer uma dieta riquíssima em gorduras. Como já cobri anteriormente, dietas ricas em gordura melhoram seus perfis hormonais significativamente, o que resultará em maior desenvolvimento de força com o tempo (aqui: http://chaosandpain.blogspot.com.br/2011/08/cant-gain-weight-guess-what-youre-doing_18.html) (Indianos levam a sério o levantamento de pedras até hoje. “Apenas homens que estão praticando e sabem o quanto podem tolerar participam disso na era da tecnologia, onde as notícias voam. ‘Há o fator insulto’, dis Abbasi. ‘Se alguém participa de uma competição Karachi e perde, seu fracasso será discutido em sua vila (ao norte) por dias.” [Sultan]) O Ramanyana seguia isto com recomendações para o levantamento ou arremesso de pedras, modalidade que persiste no distrito Karachi como Gutti, era parte das Antigas Olimpíadas e ainda é popular nos Jogos Escoses e entre os bascos, ambos povos famosos por sua força física. Também promovia o salto, que ainda é um exercício popular entre os lutadores da Índia Oriental (que contribuíram grandemente para o catch/wrestling/MMA) (Willoughby 200). Além disto, o “balanço” era promovido, o que conforme pesquisei, parecia uma combinação dos abortos de barra-fixa praticados no Crossfit misturados com ginástica olímpica realizados em galhos de árvores. Como qualquer pessoa com olhos e uma televisão sabe, ginastas sempre foram e sempre serão trincados que só a porra. Finalmente, o último par de Vedas basicamente promove “jogos” que consistiam de lutas supostamente-não-letais com maças, punhos e qualquer objeto sem corte que encontrassem. Um olhar para o lutador médio de MMA lhe dará uma ideia do que isto faz ao corpo – apenas benefícios. Ademais, todas as recomendações dos tempos antigos são melhores do que o nonsense ridículo que você lê online hoje em dia – e essa merda saiu da Bíblia deles. Assim que saíram da era bíblica, a porra ficou séria na Índia para o levantamento de peso. PARTE 2 - COMO OS INDIANOS CHEGARAM A SER ALGUNS DOS FILHOS DA PUTA MAIS BRUTOS DA TERRA ENQUANTO OS EUROPEUS ESTAVAM MUITO OCUPADOS EM QUEIMAR OUTROS NA FOGUEIRA E DECLARANDO QUE O ORGASMO FEMININO ERA FEITIÇARIA O período antigo da história indiano definitivamente foi um tempo em que desenvolver força física era importante, mas isto não foi institucionalizado até o reino de Rashtrakuta, que durou dos séculos VI a X. Neste período, a Índia se tornou um lugar que só existe na maior parte de nossos sonhos molhados (exceto talvez pela péssima comida), pois cada vilarejo sob o comando dos Rashtrakuta possuíam uma academia chamada Akhara. Isto deve ter sido um resquício da ocupação grega, uma vez que todas as cidades gregas possuíam uma ágora, onde as pessoas se encontravam, levantavam pesos, lutavam e fodiam. Dado o fato que historiadores modernos acreditam que a maior parte ou todo o grosso das artes marciais asiáticas descende do pankration, que foi introduzido no oriente por Alexandre o Grande na Índia, há de se pensar que as artes marciais em geral podem ter saído de academias no estilo grego. Você deve pensar que eu simplesmente tive um lapso naipe Matrix de uma construção metafórica para outra, mas se acalme Neo – as Akhara, como a ágora grega, eram lugares onde os homens da região desenvolviam suas habilidades marciais e força simultaneamente. Logo, eram similares o bastante, o que não é um lapso. Em qualquer evento, no tempo em que os Rashtrakuta estavam no poder, o giro de clavas e luta livre eram as duas formas de exercício pesado mais comuns, e são creditadas com o desenvolvimento de “inspiradoras” figuras e lendas entre o populaço. É neste ponto em que os primeiros registros de descrições Hulk Hogan-escas começa na história indiana. A febre da cultura física realmente explodiu com a ascenção dos Krishnadevraj ao poder no Império Hindu. De 1509 para frente, a população inteira (homens e mulheres) tornaram-se obcecados com giros de clavas, lutas e outros “exercícios pesados masculinos” (Mujumdar 15). Ainda, num tempo em que os europeus tinham esquecido completamente que já haviam descoberto e dominado o aquecimento doméstico, nós estávamos batendo os dentes em construções de pedra semi-congeldas parecendo corvos anêmicos tentando curar a peste na base da reza enquanto os indianos estavam ocupados ficam gigantes. Para os pouco familizarizados com o giro de clavas, é um exercício revivido recentemente, mas com uma longa história na Índia. A maça de guerra e maça pesada eram duas das mais proeminentes armas na Índia antiga, sendo assim utilizadas pesadamente no treinamento nos akhara para assegurar que os combatentes não se cansassem no meio de uma batalha. No passado, postei sobre quão fodelões foram os marinheiros ingleses que eram capazes e manipular alavancas três vezes mais pesadas que as utilizadas por trabalhadores atuais, mas os lutadores indianos com clavas e maças tiram o cavalo destes infelizes com suas cargas inclusas. Quando se pensa em club bells (clavas de treino), você pode lembrar de algum metido a karateka magrelo sexualmente ambíguo no canto escuro da academia sacudindo pesos de 2 kg mandando gritos ridículos e lançando soco miseráveis em direção ao espelho. E se nunca teve o prazer de testemunhar tal espetáculo, você devia sair mais de casa, há poucas coisas mais divertidas que karatekas americanos fazendo qualquer coisa. Em qualquer situação, indianos treinando em akharas ainda usam maças pesadas de pedra e clavas para treinamento. Eles podem começar com cargas de 5 kg e chegar a maças de 35 a 45 kg, com comprimento médio de 1,40m, e ficando tão bons nisso que podem treinar o dia todo (Wikipedia, Pahlavani). Para os inadvertidos, seria difícil para maior parte das pessoas erguer uma clava desse tipo com as duas mãos, porque a maior parte do peso dista de suas mãos. Este tipo de treinamento deve dar aos seus punhos e mãos forças malignas a rivalizar com o aberrante e implacável arm wrestler Denis Cyplenkov, sem falar em excelente força nos ombros. No treinamento com clavas curtas durante seu auge na Índia, nada assemelhava-se como as merdas que você encontra na internet – em seu tempo, a porra ficava séria quando os indianos erguiam suas maças. (não me parece um pino de boliche... talvez um consolo gigante) Com o passar do tempo, o povo tornou-se mais e mais obcecado com cultura física (levantamento de pedras, arremesso de pedras, luta e levantamento de pessos). Com o estabelecimento do Império Maratha, ginásios tornaram-se incrivelmente difundidos e passaram a ser associados fortemente com a adoração de Hanuman no Hinduísmo. Esta ideologia se tornou tão prevalente que os indianos passaram a manter estátuas de Hanuman, o deus macaco representando a força e coragem, em cada academia do país. Algo semelhante seria colocarem estátuas de Sansão em academias no sudoeste americano, e ressalta uma faceta interessante da cultura física na Índia. No Ocidente, prevalece a lógica cartesiana, que observa corpo e mente como duas entidades separadas. A mente seria o órgão superior, e o corpo seria seu subordinado – o efeminado e adolescente Robin para um grisalho, hirsuto e praguejador Batman. Não existe tal distinção no sistema Hindu, onde corpo e mente seriam muito mais como o Javé católico e Jesus, dois componentes de uma entidade maior, não mais divisíveis do que os elementos componentes do ar por mãos nuas. Logo, um físico potente, trincado, hercúleo é na Índia a evidência de uma mente disciplinada, enquanto no Ocidente está mais associado com o uso pesado de drogas ou outra forma de distúrbio comportamental. (“Na educação física e esporte americanos, força é um fenômeno puramente físico. Pode ser mensurado em termos objetivos: massa muscular, tamanho dos braços, proporção de músculo para gordura, frequência cardíaca, habilidades de levantamento de pesos, e assim por diante. Como tal, a força é algo que pode ser desenvolvida de forma puramente somática, quantificável e ajustável. Enquanto a força também é um atributo físico na Índia, é mais significativamente ligada a valores culturais infalíveis como dever, devoção e moralidade. Não é puramente somática nem estritamente quantificável. Um lutador não pode ser forte se ele não segue as regras de seu guru. Ele não pode ser forte e indulgente com prazeres sensuais. A força é manifesta não só no tamanho de seu braço, mas também na faísca em seu olhar e na lascívia em sua pele, símbolos que indicam espiritualidade, devoção, moral e controle.” [Alter 4]) O fenômeno ocidental mais parecido com isso que pude observar no Ocidente foi o movimento do “cristianismo muscular”, que é sem dúvidas um dos movimentos mais preposteres de qualquer religião, em qualquer lugar. O conceito base no cristianismo muscular é construir o corpo de do fiel para a subjugação do mundo que o deus judeu do Antigo Testamento preparou para os cristãos. Isto é, é claro, retardado que só a pica, desde que o Novo Testamento é mais sobre ser, basicamente, um cara tranquilo. Para emular os indianos, cristãos musculares teriam de modificar estátuas de Jesus para fazê-lo uma mistura de um Jesus Amigão e Derek Poundstone, e daí começar a puxar ferros e agir para convencer a todos de que estão tentando alcançar o limite em si mesmos ao invés de “glorificar a Deus em seu corpo” (1 Coríntios 6:20), como os indianos lutaram para emular o exemplo de Hanuman e invocar seu espírito ao invés de só adorá-lo para se tornarem cada vez mais fodas. Constatada a falha abjeta do cristianismo muscular em sua busca por corações e mentes no Ocidente e em produzir pouco mais de um punhado de atletas de elite, eu apostaria que o método indiano aparenta ser um BMW M5 contra o Fiesta do cristianismo neste assunto. (Hanuman, com um pump fodido) Ao invés de engajar em leve retardo mental como o exibido pelos cristãos musculares, indianos utilizaram uma metodologia bastante holística sobre como desenvolver mente, corpo e espírito simultaneamente. Esta é a razão de estátuas de Hanuman estarem em academias. Na mente dos indianos, um corpo forte e musculoso era um reflexo de sua mente poderosa, ao invés de evidência da capacidade de forçar o corpo é curvar-se à vontade da mente. Adicionalmente, diferentemente do que é praticado aqui, os programas de treino eram adequados para cada indivíduo, para que cada um expresse sua personalidade individual. Assim, do ponto de vista indiano, os ocidentais desenvolvem seus corpos para exibir “as linhas de força do animal humano genérico”, enquanto seu treinamento dispõe em cada indivíduo as “excentricidades, seus gostos e vícios em sua substancia carnal” (Alter 5). Assim, você não vai encontrar qualquer texto antigo com um programa rigidamente definido sobre levantamento de peso e condicionamento, uma vez que eles acreditavam (corretamente), que não há um sistema padrão que irá adequar-se a múltiplas pessoas, e esta crença persistiu por mais de mil anos. (Ex-recordista mundial Kamam Malleswari provavelmente levanta mais no clean do que você – 113 kg aos 54 kg e 174 kg aos 67. Eu mencionei o snatch de 100 kg? Além disso, santo tríceps) “Mas”, você pode pensar, “você não começou esta bosta nos dizendo que os indianos coletivamente são uma nação pior no levantamento do que um país pequeno de ladrões de carros”. Sim, assim o fiz, mas me referi aos indianos modernos, que são basicamente uma sombra triste e pálida de seus antepassados após serem sistematicamente estuprados e roubados pelos britânicos. Quando esses saquearam o tesouro nacional indiano e colocaram suas botas nas gargantas da Índia, os indianos praticamente desistiram dos pesos. Mas eles foram atletas sem igual em eras passadas. No início do século XX, os lutadores profissionais da Índia poderiam “em média, realizar em seu treinamento cinco séries de 300 dands (flexão hindu - https://www.youtube.com/watch?v=vQsQAiE0NQo ) e três séries de 1000 de agachamentos (Willoughby 258)”. Em perspectiva, isto significa que literalmente milhares de homens há cem anos atrás poderiam igualar ou exceder Herschel Walker em seus treinos lendários, sendo vegetarianos. Indianos do leste levaram este treinamento adiante e adicionaram saltos aos agachamentos, sempre com potência máxima em cada repetição. Podiam mandar 700 desses de uma vez, um volume de trabalho que mataria crossfitters que consideram uma grande tigela de rabomiólise parte de um café da manhã balanceado (Willoghby 200). · Rama Murti era uma strongman profissional de Madras (atual Chennai), conhecido como o Hércules Indiano que podiam suportar um elefante de 3,2 ton em uma prancha quando pesava 90 kg; · O Grande Gama, lendário wrestler do início do século XX ainda fazia 200 dands e 400 agachamentos seguidos de uma corrida/caminhada de quatro milhas e três horas de luta por dia... aos 69 (Willoughby); · Hamida Banu, filha de um famoso lutador chamado Nadir, lutou 300 partidas profissionais assim que completou 19 anos e só encarou mulheres em três combates (Willoughby 579). Isto provavelmente se deu porque ela era um muro de concreto pesando quase 100 kg aos 1,60m de altura. Permaneceu solteira por longo tempo pois considerava que só poderia casar com um homem que a derrotasse. E dificilmente alguém poderia; · A já mencionada Karnam Malleswari é a atual fodelona do levantamento indiano e detém a única medalha do país nas Olimpíadas. Outra garota que saiu do nada e já arrisca tomar seu manto é Chandrika Tarafdar, outra pequena levantadora que levou bronze no Youth World Weightlifting Championships. Aos 15 anos e 44 kg, puxou um snatch de 54 kg e um clean and jerk de 72 kg. Já vá preparando as lâminas, seus punhos e veneno de rato. Em seguida, vou cobrir sobre como os indianos treinavam e comiam no auge de sua dominação no wrestling mundial, de modo que você entenderá porque estou tão impressionado com suas habilidades nas flexões e agachamento. PARTE 3 – IOGA, DO JEITO INDIANO, NA VERDADE É FODIDO PRA CARALHO Como mencionei anteriormente, o levantamento de peso era o esporte preeminente na Índia do século XV ao século XVII, com ampla prática popular desde muitas eras atrás. Uma razão para isto, como mencionei, é que não há dualidade cartesiana (separação entre corpo e mente) em sua cultura. Assim, eles puxavam ferro porque pensavam que iam morrer se não o fizessem, literalmente. “Atividade é vida, enquanto estagnação é morte. Exercícios trazem atividade saudável para cada órgão, glândula e célula do corpo; faz o corpo inteiro ativo e radiante com emoções, energias e bem-estar que lhe faz tão flutuante e alerta que você sente como estar correndo e pulando. Exercício é o melhor seguro contra doença e fraqueza. Constrói um fundo de resistência de corpúsculos sanguíneos saudáveis, que podem atacar e superar quaisquer germes contaminantes que entrem em contato com o corpo. Por último, o exercício constrói confiança; não há estrada para a suprema confiança tão certa como o conhecimento de criado pela habilidade mental e física de qualquer um. Cultiva força de vontade e determinação; dá a você completa maestria sobre seu eu físico e mental; promove eficiência pessoa e todas as características mentais desejáveis.” (Mujumdar XVII) Para os religiosos entre vocês, isto deve lhes servir diretamente, pois faz mais sentido do que a maior parte das asneiras que se ouve de pessoas “espirituais”: “Você deveria ter um bom visual e um corpo super saudável. Deus não pode ser agradado com corpos flácidos, fracos, doentes e horrendos. É um sacrilégio não possuir um físico afinado e boa saúde. É um crime contra si mesmo e seu país ser fraco e doente” (Ibid) Raramente sou tão eloquante, mas isto ecoa meus sentimentos com bastante exatidão, e deveria ressoar em muitos de vocês da mesma maneira. É nessas merdas que os indianos estavam antes dos ingleses cortarem suas bolas e mandarem-nas junto com o resto das joias da coroa – eles eram brutos porque pensavam que iriam cair mortos no mesmo segundo que desistissem de se tornar pregos de titânio e queimariam no inferno em seguida por irritar os deuses por tamanho fracasso. A coisa louca aqui é que você não espera este tipo de atitude dos caras hoje em dia. Certamente você pode imaginar um sacerdote ortodoxo estilo Rasputin prometendo fogo e pedras para Dmitri Klokov nos domingos, insistindo que falhar num recorde mundial do snatch implicaria em ter sua alma sugada por Jesus e atirada no pior inferno, e no entanto você não imagina um indiano barrigudo defendendo a cultura física com o mesmo vigor. E eles dominaram boa parte do milênio, tornando-se uma nação de lutadores lendários, no máximo imitados, mas nunca duplicados, como a equipe búlgara de levantamento de peso dos anos 80 e 90. Isto, meus amigos, é como filhos da puta violentos são feitos, e é como a Índia fez para ascender à proeminência como o povo mais condicionado e forte da Terra antes da tecnologia ocidental fodê-los como um modelo infantil numa convenção do NAMBLA. Os métodos de treinamento indianos se dividem em ginástica e levantamento de pesos. Primeiramente, veremos sobre a ginástica. De acordo com Cracked, “Ioga como conhecemos hoje – uma série de posturas (asanas) combinadas com técnicas respiratórias – data de antes de 1960” (Coville). Mas, a hatha yoga nunca foi considerada um exercício na Índia. Na verdade essa merda era usada por iogues que basicamente tentavam se manter parados enquanto jejuavam até a morte. A prática data de antes do século XV e era usado por monges para manter o equilíbrio, e foi introduzida no Ocidente como uma série de movimentos ensinados por pessoas usando cores pastéis falando com um tom ridículo de afeto em sua voz no meio dos anos 90. O ioga ocidental é basicamente uma combinação de posturas praticadas pelos monges e seus exercícios de respiração com um punhado de exercícios básicos de força, e daí os praticantes pensam que é uma forma de “exercício”, eu suponho. Os movimentos de força que formam a base da ioga existem por milhares de anos e são considerados tanto ginástica (mallakhamb) quanto exercícios de fisiculturismo. A maior parte dos movimentos que você vê em uma aula de ioga em sua acadmia surgiram das asanas do mallakhamb, que era usado por lutadores e pessoas comuns para o desenvolvimento de força no século XI sem usar equipamentos. Com o passar do tempo, os movimentos expandiram-se em escopo e floresceram, depois decaíram em popularidade quando forças estrangeiras tomaram a Índia. [...] As posturas assumidas na ioga na verdade são os primeiros passos para as verdadeiras asanas, que são posturas exigem de você um pouco de equilibrista, ginasta e pole dancer. Ah sim, caros filhos da puta, essa merda toda é feita no alto de um poste ou em uma corda suspensa. http://www.indiaschoolnews.com/wp-content/uploads/2015/03/Mallakhmab.jpg Movimentos iogues como eram realizados no passado não são nada semelhante à merda inútil que sua namorada faz todo sábado de manhã. Em verdade, era frequentemente realizado do alto de um pilar. Exato filhos da puta, de acordo com a Enciclopédia da Cultura Física Indiana, que antecede o movimento ioga oeste, “As posturas têm sido tratadas como exercícios de saúde desde tempos antigos na Índia. O controle respiratório (Pranayama) é chave para estes exercícios, que devem ser primeiro praticados com cadência no solo. Quando o realizador adquire pleno controle sobre estes, ele deve tentá-los no topo do pilar com a ajuda de um instrutor. Praticar no alto do pilar exige notória técnica e coragem. Estes feitos são grandemente apreciados pelos espectadores” (Mujumdar 359-360). Considere isto – eram pessoas exertando a quantidade certa de força com seus corpos e mantendo-se em pé em um poste sem suportes enquanto se balançavam como macacos bêbados e tentando não esmagar suas caras no chão. Qualquer um que enxergue e não aprecie isto é ou retardado... ou realmente retardado. Não tem jeito de não se impressionar com isto. Francamente, não deve ser surpresa a ninguém que conhece sobre a Índia para entender eles faziam sua “ioga” no topo de um posto enquanto os passantes gritavam como se estivessem na fila da frente de um show do Metallica em 1987 – e estes filhos da puta tinham não um, mas dois esportes onde lutavam com elefantes bêbados. Satha-Mari é “um esporte masculino onde homens irritam um elefante intoxicado. Consiste em tentar se salvar executando acrobacias para longe de um elefante. “(Mujumdar 296) O outro esporte masculino envolvendo um elefante puto é o Dag-Daree, onde também provocam um elefante intoxicado, mas montados em cavalos. Deixe-me frisar isto: eles sacaneiam com um animal de 2 a 5 toneladas pegando em seu rabo quando o bicho está nervoso, por esporte. Tente fazer o mesmo com um golden retriever e veja o que acontece – eu não consigo imaginar a reação de uma máquina de pisoteamento estilo Godzilla com presas massivas. Se você pensa que este esporte é uma anomalia na Índia, é só mais um dentre os “esportes masculinos”, como a luta Vajra-Mushtee, que é MMA com uma espécie de soco inglês feito de osso; o estilo de kickboxing dos Benares que mencionei anteriormente onde pessoas se matam em combates corpo a corpo; luta Lathee, que basicamente consistem em uma luta com clavas enroladas em couro, sem proteção; luta Ban que é o mais prepóstero da lista – é uma briga entre 100 pessoas envoltas em lona molhada para que NÃO PEGUEM FOGO; e mais uma bagaçada de combates armados com espadas e garrotes. O bagulho era louco, fora das correntes antes da chegada dos britânicos, então sinta-se livre para mijar em um britânico se encontrar algum. Em qualquer caso, não deverá surpreender saber que os indianos acham que a “ioga” é estúpida pra caralho como o resto de nós em termos de exercício. Chegando à ioga moderna, no entanto, o mais proeminente destes exercícios surgiu de algum dos mais antigos movimentos do exercício indiano tradicional – a a surya namaskar, ou o que os seus amigos hippes se referem como a “saudação do sol” durante sua anual desintoxicação da maconha. “De todos os exercícios, indianos e estrangeiros, com o propósito de melhorar a saúde, força e longevidade, o surya namaskar é o primeiro e mais importante. Os principais órgãos que mantém o corpo condicionado são o cérebro, a espinha, o estômago, coração, pulmões e órgãos respiratórios. Todos estes órgãos e outros são completamente desenvolvidos e fortalecidos por surya namaskars. Se o surya namaskar é realizado diariamente e regularmente com dieta adequado e descanso por homens e mulheres, velhos e jovens, não haverá perigo qualquer de serem atacados por doenças. Eles desfrutaram de saúde e força soberbas por toda sua vida. O surya namaskar torna o corpo belo e com dands e baithaks (agachamentos) adicionados para torná-lo gracioso” (Mujumdar XXIII) Este movimento foi inventado com a integridade cultural e nacional indiana em mente, pois combina a ginástica tradicional com meditação e alongamento para criar o que os indianos consideravam o Übermensch dos exercícios. Apesar de parecer uma ideia bizarra para os ocidentais, que creem que nossas mentes controlam nossos corpos, a ausência da dicotomia entre corpo e mente para os indianos resultou nesta conclusão: “Nos belos e harmonizados movimentos do surya namaskar, [o cara que criou este movimento] claramente viu o corpo harmonizado de uma política indiana que viraria as costas, coletivamente, das rudes sensações da vida moderna – sexo, drogas, poder, orgulho, prosperidade – e seguiria em direção à pura experiência da auto-realização” (Alter 9-10). Portanto, este movimento híbrido, desmoralizado aos olhos modernos, era basicamente um movimento capaz de ressuscitar o orgulho indiano quando foi inventado. Consiste em dez movimentos, um par deles que assemelha-se à estranha flexão indiana conhecida como dand. Francamente, eu acho que eles deviam ter ficado com alguma coisa envolvendo o pilar, que é o pináculo do pica das galáxias. De qualquer forma, eles vieram com a saudação do sol, que é o primeiro passo do porquê a Índia fede no levantamento desde então. Até os santos indianos são trincados – Samartha Ramdas é um santo na Índia e costumava mandar 1200 surya namaskars por dia, assim como seus discípulos, e um deles ficou tão rasgado que subjugou a nação inteira e fundou o Império Maratha. O que aparenta ser à primeira vista o exato tipo de besteira que você vê na ioga, a surya namaskar é na verdade considerado um movimento construtor de massa, exercício de fisiculturismo em outras palavras, desde que realizado em alto intensidade, como no exército usando calistênicos ou crianças na escola etc (Mujumdar 453). Uma dieta nacional de namaskars era prescrita para crianças de 8 a 12, 50 a 100 para as crianças, 100-300 para pessoas acima dos 16. Uma breve pesquisa na internet revela que o número máximo recomendado por instrutores de ioga nos EUA é 12, o que nos traz o quão longe a ioga está do exercício indiano. Se não fossem tão gostosas em suas calças elásticas, eu diria que agora é uma boa hora para socar um instrutor de ioga na cara por esmigalhar a cultura de lutadores de MMA e terroristas de elefantes. PARTE 4 [na verdade 5] – TREINANDO COMO UM PEHLWAN Aparentemente, nem toda a excelência da Índia jaz no passado. Alguns deles ainda jogam um esporte chamado Kabaddi, que parece ser uma combinação de mate-a-vaca, luta, e Marco Polo. Honestamente, as regras não fazem muito sentido para mim além do fato que você tem de segurar a respiração se você está com a bola e os jogadores se chutam como se para baixo do pescoço tudo fosse uma grande canela. Acha que estou zuado? Da Wikipedia: “Duas equipes ocupam lados opostos de uma uma pequna piscina/campo e fazem turnos enviando um “atacante” para a outra metade, a fim de obter pontos por golpear membros da outra equipe. Em seguida, o atacante tenta voltar para sua equipe, prendendo o fôlego e cantando a palavra “Kabaddi” durante o ataque todo. O atacante não deve atravessar o centro a não ser que toque em algum de seus oponentes. Se conseguir, ele é declarado “fora”. Há também uma linha bônus que garante pontos extras caso o atacante consiga retornar para seu campo.” Até onde compreendo, os jogadores de Kabaddi começam como Pehlwans (que literalmente significa “homem forte”, mas essencialmente significa “lutador”), uma vez que a luta livre é parte integral do esporte e seu treinamento de força é similar. Além disso, os métodos de treinamento indianos parece ainda produzir resultados impressionantes. O mastodonte trincado acima num campo de rugby e que parece a soma de todos os seus deuses em um só é Manga Mithapuria, um homem que é uma prova viva da eficácia dos métodos de treino de força indianos. Não há porque duvidar disto – seus lutadores utilizam métodos afinados por um milênio de devoção fanática à força e musculação. Assim, apesar de sua atual inabilidade de competir no nível internacional dos esportes de força, seus métodos merecem muito mais investigação e respeito do que o Ocidente lhes oferece. Francamente, se o Ocidente desse o mesmo respeito que o um romeno oferece a um cigano sem banho, qualquer respeito dado aos métodos de treinamento já seria um avanço. Dado o que você já aprendeu sobre levantamento de peso indiano nesta série, não lhe deve ser surpresa que eles são metidos em algumas excentricidades com Howard Hugh com rituais e tradições junto de seu treinamento, apesar de não coletarem amostras fecais e armazená-las em potes etiquetados. Eles são, no entanto, preocupado com uma ampla série de aparentes trivialidades, levadas com grande importância e que após um pouco de reflexão, fazem sentido. Primeiro há a preocupação com limpeza. Antes de entrar na academia, deve-se evacuar/urinar, tomar um banho frio no verão ou quente no inverno e escovar os dentes. Interessantemente, a primeira ação da lista tem importância especial, pois os indianos acreditam plenamente que deve urinar para aliviar o calor interno do organismo antes do banho, ou estarão arriscando “enfurecer o corpo e causar séria doença” (Alter) e entrar numa academia sem cagar poderia destruir a pureza do ambiente, ostensivamente presumindo que você iria se cagar treinando. No que concerne ao banho, eles possuem uma carreta de razões sobre porque deveriam se banhar (especialmente um banho frio) antes de puxar os ferros, mas a lista basicamente torna ao fato de que te desperta e prepara sua mente para o trabalho. Como tal, faz sentido ir no pique urso polar e se congelar antes de encarar o ferro. Adicionalmente, demonstrou-se que banhos frios aumentam os níveis de testosterona, melhoram o sono, sua imunidade, reduzem depressão, aumentam a fertilidade e energia, além de reduzir os efeitos e incidência de lesões (McKay). Logo, eles já começam bem, mesmo que sua racionalização sobre o banho seja pouco ortodoxa. Após o banho, eles possuem outras atividades que valem a pena ser examinadas por nenhuma outra razão que estas podem levar a alterações em sua rotina. Primeiro, eles sempre esfregam um pouco do pó da arena de luta para remover a perspiração e manter seu corpo quente após o treino. Isto é feito para prevenir o “sereno” que a medicina popular afirma que pode nos trazer doenças. Após se resfriar, eles se banham de novo e se besuntam em óleos para facilitar a automassagem e evitam deixar a pele seca. Para todos nós, a automassagem é uma parte essencial da recuperação, então a predileção indiana por besuntar-se em pó e óleo faz sentido. (Dá pra chegar natural?) Assim que completam sua sexta ou oitava hora de treinamento no dia e bebem seu litro de ghi, hora de dormir. Sono é prioridade para seus levantadores, considerado igualmente importante como comida, ar e água (Alter). Eles creem que é essencial para recuperação, ajuda na digestão e permite que os levantadores fique mais mortes, e tentam dormir sempre no mesmo horário, mantendo os ritmos orgânicos em sincronia e otimizando níveis hormonais. De acordo com Alter “a falta de sono produz doença, emaciação, fraqueza, impotência e o risco de morte prematura”, o que parece um pouco extremo mas em geral bate com o que a ciência moderna nos apresenta sobre o descanso/recuperação. A fim de obter o máximo de recuperação a partir do sono, os strongmen indianos exploravam massagens do corpo inteiro às quartas-feiras. Isto lhes permitia treinar com o nível de frequência e intensidade que preferiam – e basicamente qualquer um que está treinando de seis a oito horas por dia, onde três são treino de força bruta, vai precisar de massagem regular. Os lutadores massageavam uns aos outros, e muitos eram altamente experientes na manipulação de articulações, de modo que agiam como uma combinação de massagistas e terapeutas. Uma meta era tornar-se um grande conhecedor de todos os aspectos de manter e melhorar a saúde de si mesmos e dos outros, facilitando treinos mais duros e pesados e assim tornando-se grandes atletas. Francamente, é uma ideia boa pra caralho, e eu já estive em academias onde membros experientes concedem massagens rápidas para outros levantadores, mas há muito tabu sexual no oeste para podermos realmente fazer uso pleno deste método. Como tal, você talvez queira utilizar seu Theracane e foam rollers uma vez por semana para evitar ter de ficar babulciando “no homo” repetidamente enquanto seu parceiro de treino tenta moer seus nós sozinho. (Massagem?) A Carne e as Batatas... Finalmente Há muitas variáveis dentro do sistema indiano, dada sua inclinação marcadamente holística, e você deve estar pensando onde está a porra do levantamento de peso nesse sistema. Como já mencionei, eles na verdade fazem uma pancada de levantamentos, chegando a sólidas 18h por semana. O treino de força é chamado Vyayam na Índia, e deveria desenvolver simultaneamente força, hipertrofia e flexibilidade. Apesar de já ter coberto isto na introdução, há doze leis para o vyayam que todo iniciado supostamente deve aderir para extrair o máximo de seu treinamento (Alter). 1 – Deve acordar antes da alvorada, defecar, banhar e passar óleo, e ir para a akhara; 2 – Na akhara, junte-se à companhia de lutadores semelhantes cujo foco está na tarefa em mãos. Certifique-se de que o local para exercício está claramente demarcado, pois não é menos importante demarcar um local para o treinamento físico do que para a contemplação espiritual; 3 – Não inicie excedendo no exercício. Mantenha um ritmo para que não fique exausto; 4 – Regule seu regime de exercícios contando o número de repetições ou marcando o tempo de duração de seu treino. Apenas nesta forma seu corpo se desenvolverá em um ritmo regular e consistente; 5 – Não caia no hábito de alterar os horários de treinamento. Exercite-se todo dia sempre à mesma hora; 6 – Deve respirar profundamente e em ritmo adequando durante o exercício. Cada exercício deve ser realizado ao ritmo de uma respiração, que sempre deve ser realizada pelo nariz; 7 – Evite o suor. Use o óleo antes do exercício. O óleo preenche os poros e previne o rápido esfriamento; 8 – Foque sua mente em cada exercício. Se sua mente vaga você não desenvolverá força. Considere o trabalhador que trabalha o dia todo. Ele não é forte como o lutador porque não se concentra em seu trabalho, e sim em outras coisas; 9 – Não sente-se após o exercício. Caminhe para continuar aquecido e relaxado; 10 – Descanse o suficiente. Tire um dia de cada semana. Vá dormir às oito da noite; 11 – Não se exercite de estômago vazio ou cheio. E não se exercite antes de esvaziar os intestinos. Não fume ou masque tabaco; 12 – Beba um copo de suco antes do exercício, e beba leite ou outro tônico após o exercício. Isto ajudará a manter seu foco e relaxar seu corpo. Uma olhar breve à lista revela que os indianos sabem mais sobre treino do que, digamos, o babaca no banco Scott em sua academia. Afora algumas exceções, tudo nesta lista segue diretamente os preceitos estabelecidos pela ciência esportiva moderna e o senso comum. Em particular, julgo o número 8 interessante, pois vejo que o problema principal para a maior parte dos praticantes é simplesmente fazer os movimentos mas sem o envolvimento completo com o exercício. Todos somos culpados disto de tempos em tempos, mas a verdadeira força vem de focar-se completamente na tarefa à frente – mesmo se você treina como Benny Podda, que costumava se preparar para um levantamento pesado em absoluta brutalidade, correndo em direção às paredes e batendo a cabeça em telefones montados pela sala, e depois treinando até sangrar pelo nariz. Ou pode treinar em total silêncio, sem espelhos, para se focar totalmente no exercícios seguinte. Ou pode ir no estilo Ricky Bruch, destruindo as luzes do teto comemorando um set poderoso de elevações de pernas... estar no momento pode ter um efeito poderoso em seu treinamento. Os pehlwans, tendo um milênio para descobrir o que deveriam fazer, faziam seus treinos à tarde, sete horas após seu treino matinal de corrida e luta. O que faz sentido com estudos que demonstram que o melhor horário para treinara força e hipertrofia é o anoitecer. Outros estudos científicos mostram que treinos matinais, particularmente entre 07h00 e 09h00 são mais adequados para resistência dado o fato que sua temperatura, flexibilidade, força física e velocidade todas culminam entre 15h00 e 19h00, quando sua respiração é melhor e a tolerância à dor está em seu auge (Venton). O treino noturno dos lutadores durava por volta de três horas, em seguida iam comer novamente e dormir. Isto cai justamente com o que nossa ciência diz ser ideal, provando novamente que os indianos tinham uma boa noção de como ficar fortes e trincados. Os exercícios utilizados pelos pehlwans são mais variados do que se pensa – nossa exposição aos métodos indianos é geralmente limitada ao que Matt Furey nos contrabandeou como “métodos antigos e esquecidos de treinamento” – nomeadamente exercícios de peso corporal, que apesarem de possuir um papel central, há mais no sistema indiano do que isso. Vamos conferir o que esses bostinhas estão fazendo para ganhar massa. Surya namaskar: e não se deixe levar pelo fato que baitolas praticantes de ioga fazem estes – cada filho da puta lendário na história da Índia fazia 1000 desses como se fossem seus ladyboys tailandeses pagando boquetes de $5 quando os marinheiros americanos encostam no porto. Estamos falando de 1000 por dia se você quer ser um desgraçado durão, o que deve ser mais sofrimento do que... receber um boque de $5 de um ladyboy tailandês (desde que você não esteja na Marinha, uma vez que eles realmente curtem este tipo de coisa); Dand: um dos exercícios mais comuns no panteão indiano. [...] Para os que dentre vocês nunca fizeram uma dessas, [...] (descrição minha pica, vou colocar um vídeo e o Lewis que se foda) https://www.youtube.com/watch?v=vQsQAiE0NQo Estas devem ser feitas diariamente, em um volume ridículo, sem intervalos. Assim que assumir a posição inicial, você deve continuar até acabar. Bons lutadores faziam mais de 2000 por dia, e podem fazer 1500 em uma hora, e especialistas em musculatura superior na Índia fazem mais de 5000 por dia. Isto, meus amigos, é fodidamente insano; Bethak/baithak/baitik – são o agachamentos sem carga. Bem simples, mas aí estamos falando do tipo de volume que faz a fama dos indianos: estamos falando de duas a três mil por dia. O mínimo que um pehlwan fará num dia são 500. O que deve lhes dizer o quanto esses caras são sérios sobre pernas foderosamente fortes. Não é difícil imaginar um cara como Monohar Aich conseguindo um agachamento pesadíssimo possuindo tão pouco peso corporal após passar alguns anos numa prisão britânica mandando milhares de agachamentos todos os dias. Eu não sei se isso vai me inspirar a iniciar agachamentos em altas repetições como suplementos à minha rotina básica, mas Aich e seus amigos estão me fazendo considerar a possibilidade. E por mais que você pense que pode cair matando com um Hatebreed e esmagando a porra toda, você aparentemente não pode – a bagaça tem de ser toda espiritual. De novo citando Alter “o detalhe mais importante sobre dands e bethaks é que eles devem ser realizados com ritmo e cadência. A performance de milhares destes exercícios produz um estado mental não diferente de um transe gerado pela recitação de um mantra ou oração. Ademais, dands e bethaks transportam o lutador para um estado alterado de consciência de onde ele deriva purificação psíquica e espiritual. Vyayam é muito como meditação neste aspecto”. Joris e Gadas: são maças e clavas pesadas que os lutadores balançam para construir força no superior. Estes implementos são a provável razão de sua pegada famosa, e a razão para o desenvolvimento tão extremo de seus braços. A diferença entre os dois é que os joris são utilizados aos pares, e gadas singularmente. [...] Jori: https://www.youtube.com/watch?v=6iV76zdkdBY Gada: https://www.youtube.com/watch?v=rHlneNK5_ms [...] Eu certamente não sou autoridade em como utilizar estes implementos. Após assistir um vídeo do Iron Sheik fazendo estes, tentei emular seus movimentos e falhei miseravelmente utilizando maças de 7 kg. Se você quer fazer direito “o balanço começa com o gada equilibrado em um ombro. Então é erguido e puxado de um ombro e se faz um balaço longo como um pêndulo por trás das costas até ser puxado e equilibrado no ombro oposto. O gada é mantido ereto por um instante antes de ser balançado para a direção oposta” (Alter). Estes não são trabalhados com o mesmo volume brutal dos calistênicos, mas como um set pesado de agachamento. Em outras palavras, relativamente baixo volume e foco no peso levantado, e não nas repetições realizadas. Dhakuli: uma prática comum para toda forma de wrestling que já participei, e imagino que seja endêmica para todas as suas variedades por conta de sua utilidade: cambalhotas e backflips. Antes de vocês todos virarem os olhos, considerem isto – aqueles de vocês que raramente se alongam e não praticam nenhum tipo de esporte envolvendo flexibilidade não apreciariam uma cambalhota de qualquer forma. Iriam torcer e estraçalhar seus pescoços, saindo um movimento escroto e com vômito como se você fosse Linda Blair no Exorcista. Cambalhotas são fodas, no entanto, para alongar sua espinha e pescoço, te deixando mais solto, e servindo como um cardio estranho, e protegendo de problemas motores. Pehlwanis tinham uma ampla variedade destas, e todas envolviam variedades rotatórias que imitam as rotações que usariam para sair do agarro de um oponente. Trabalho de pescoço: em toda cultura masculina que já li a respeito, um pescoço grande é um sinal de força física massiva. Dada a escassez de pescoços com mais de 40cm vistos no ocidente, nós simplesmente esquecemos deste conceito, mas culturas “menos avançadas” parecem apreciá-los. Acho que nunca vi um Maori com pescoço de uma caneta. Para construir seus pescoços, os pehlwans utilizam dois métodos: a ponte e a shirhasan (parada de cabeça). Esta última é feita por uma razão divertida: para aumentar o fluxo sanguíneo para a cabeça, a fim de remover pensamentos impuros. Francamente, eu acho que só aumentaria minha depravação se houvesse mais sangue na minha cabeça do que no pau, mas eu não sou indiano. Nals: basicamente pesos livres ocidentais. Pedras grandes e cilíndricas e esvaziadas a uma barra de pedra. Geralmente pesam 30 kg, e antes que você pense “peso de merda”, são projetados para serem levantados acima da cabeça em movimentos suaves, como uma atriz pornô descendo uma pica pela garganta. Gar Nals: estes são anéis de pedra usados para aumentar a dificuldade de dands e bethaks. Na maioria das vezes, o gar nal estará no pescoço do lutador para criar resistência para seus exercícios. É dito que apenas os lutadores mais duros utilizam este método, não diferente dos caras que usam vestes pesadas para fazer do treino comum o incrível... como eu. Estes são resrvados para os mais hardcore. Após revisitar seus métodos, há pouco que alguém possa dizer para criticar sua eficácia. Apesar de não serem necessariamente tão úteis quanto técnicas mais recentes, seus sistemas de treinamento refinados por séculos são claramente projetos para trazer resultados. Eu não acho que encorajaria alguém a abandonar técnicas de levantamento de peso em favor do que os indianos usam, mas a utilização de algumas destas técnicas e a adoção de suas práticas menos esotéricas provavelmente levaria benefícios que vão muito além dos programas clichê cookie-cutter, e iriam pelo menos renovar o interesse de algum já mais entediado. Vai te fazer um maldito tiranossauro sexual? Provavelmente não, visto que os indianos tem um medo hilário de bater uma (o que é um gigantesco saco do Papai Noel da loucura que omiti por bem da fluência), mas pode ser o pequeno empurrão que você precisa para sair de merda para lixo ou de lixo para decente. PARTE 5 - E VOCÊ ACHAVA QUE OS LUTADORES DE SUMÔ TINHAM UMA DIETA FODIDA Antes de terem seus corpos marrons e monstruosos puxados para o frio e repulsivo jugo do Império Britânico, os indianos eram fodidamente duros como pregos. Já cobri as merdas bizarras que eles chamavam de “esporte”, que consistiam em emputecer elefantes bêbados e fazendo o pole dance mais perigoso do mundo. Mas a coisa foi mais longe. Adicionalmente, eles eram tremendamente grandes naquele tempo, apesar de diferentes do padrão que possuímos hoje. Ao invés de parecer como Ronnie “everybody wanna be big but don’t nobody wanna lift no heavy-ass weights” Coleman, eles pareciam mais como imaginamos Paul Bunyan – massa pura, grandes antebraços, e uma seção média com uma dica de abs mas não definidos. Eles perseguiam este visual ativamente, por alguma razão, pensando que fisiculturistas simplesmente parecem como um monde de partes físicas estranhas misturadas e mantidas no lugar com grampos e cola quente. Eu não acho, no entanto, que era seu treinamento que criou seus físicos excepcionais, mas sim suas dietas, e a moderna dieta dos Pehlwans, que é tão selvagem quanto você pode imaginar. Antes de mergulhar nas dietas dos strongmen indianos, vale mencionar que estas variavam grandemente de pessoa para pessoa, pois eles baseavam a dieta em seu personalidade e nível de atividade. Assim, se você possui pavio curto, luta e levanta pesos o dia todo, vai preferir comidas mais frias, mas se você é preguiçoso e estoico, vai comer comidas quentes. Além disso, a medicina ayrurvédica prescreve dietas diferentes para cada estação. E há uma lógica incomum por trás disto, mas eles recomendam, por instância, que você prefira alimentos gordurosos no inverno, comidas leves no verão e refeições “magras”, ricas em proteína e mais secas durante a estação chuvosa. Basicamente, você come para se equilibrar com o mundo ao seu redor. [...] Eles se baseiam, aparentemente, na boa e velha alquimia, algum chutômetro, e possivelmente alguma magia marrom para suas dietas. Há recomendações e proibições para o açúcar também, que são complexas e numerosas para detalhar aqui, mas são tão interessantes quanto absurdas e divertidas para se pesquisar se um dia você se ver entediado na Wikipedia. Ainda vou mergulhar na análise das dietas, pois tenho um mito para derrubar. O mito que os hindus indianos rejeitam carne, e bife seria um de seus principais tabus. Como todo “saber popular”, é estrume total. Longe de me considerar uma autoridade absoluta na história indiana, posso alegar que há evidência notável apresentando que o vegetarianismo na Índia é um fenômeno marcadamente moderno. Parece ter sido imposto com o passar do tempo como um reflexo do sentimento teocrático do que qualquer prescrição religiosa. Similar à proibição de comer carne às sextas-feiras pela Igreja Católica, há apenas uma lógica econômica sombria por trás da proibição do consumo de carne. Curiosamente, a proibição do bife e qualquer carne ocorreu simultaneamente com a queda abismal da Índia de uma posição de potência mundial. O que não quer dizer que estas prescrições eram seguidas, mas que os éditos foram publicados à época. No passado distante, os indianos comiam basicamente qualquer coisa feita de carne que você poderia pensar: as castas mais altas consideravam a carne consagrada uma forma de adoração. O Rigveda frequentemente refere-se ás oferendas de bois cozidos para os deuses (Jha 29), oferendas de 1, 100 e 300 búfalos eram feitas ao deus Indra (Ibid), e o sacrifício de gado aos deuses Mitra e Varuna (Jha 30). Somado a estes pontos no Taittiriya Brahamana que refere-se à matença sacrificial de vacas, que são “bastante nutritivas” (Jha 31) e múltiplas menções ao bife como sendo o melhor tipo de comida no Satapatha Brahmana (Jha 32). Claramente, os antigos arianos estavam ocupando virando espetinhos toda noite enquanto subjuvagam populações existentes, mas você pode imaginar se os indígenas não-arianos ficaram contra ou a favor das pobres vacas. A resposta é exatamente o que qualquer pessoa racional pensaria – eles estavam logo ao lado da grelha em segundos. A civilização harappana já havia estabelecido-se na Índia quando os arianos invadiram, trazendo com eles a religião que tornaria-se o hinduísmo. Estas pessoas não eram meros caçadores-coletores inferiores – possuíam construções avançadas, com banheiros, água encanada e esgotos, o mais avançado sistema de pesagem no mundo antigo, os primeiros dentistas do mundo (foi encontrada evidência de molares perfurados foram encontrados em sítios de cidades harapanas) e um dos mais antigos sistemas de escrita no mundo. Apesar de todo este avanço, eles eram guerreiros de merda e tiveram os freios cortado pelos arianos, que suplantaram sua cultura existente. O produto da religião ariana foram os Vedas, uma série de textos brâmanes escritos pelo tempo, não diferentes dos livros da Bíblia cristã. Similarmente, estes livros frequentemente se contradizem, apesar dos Vedas serem bem uniformes quanto ao consumo de carne: é permitido. Independente do motivo do abatimento do animal, apesar de animais considerados impuros serem evitados. Até o século XIX, os sábios indianos e os fodelões Punjabi divertiam-se com carne. Até que os templos hindus começaram a escrever as leis por todo o país e encher os bolsos que a carne começou a ser evitada numa escala maior, mas o gado ainda é regularmente abatido e comido nas áreas rurais da Índia oriental, e a Enciclopédia Indiana de Cultura Física espoou o consumo de carne da mesma forma, particularmente no outono, o que se adequa à recomendação nutricional ayurvédica. Saltando para a era moderna, Pehlwans infelizmente não estão mandando carne seca o dia todo, o que é um grande “foda-se” para todos os cuzões que os querem manter longe do delicioso bife. Ao invés, eles comem uma catástrofe calórica que faz lutadores de sumô pareceriam positivamente pró-vida em comparação. Sua dieta especializada é referida como khurak, e consiste basicamente em ghi, leite e amêndoas. Eles não estão preocupados com o que comem, e sim com o quanto comem. Não diferentemente do sumo japonês, estes filhos da puta enfiam comida para dentro como se seu nome fosse JM Blakely e eles odiassem ver abdomes definidos mais do que um admirador de banha em um bar de BBW. Assim, eles “bebem baldes de leite, comem quilos de amêndoas e largas quantidades de ghi diariamente” (Alter). Como estão constamente treinando, Pehlwan tentam comer refeições frias, principalmente comidas sattva. Apesar de nem sempre concordarem em qual é a mais sattva, leite e ghi são considerados a espinha dorsal e dois dos alimentos mais importantes, e as refeições adicionais são estruturadas ao seu redor. De acordo com Joseph Alter, muitos Pehlwans ainda comem carne. “Enquanto a carne é tida como rajas (impura/pecado/?) em geral, lutadores que comem carne tendem a racionalizar isto. Eles argumentam que pode-se comer carne e evitar parte de suas consequências. O truque é neutralizar a natureza rajas da carne por uma contra atividades, mas não fui capaz de determinar quais eram. Muitos lutadores afirmam que a carne só irá agravar as paixões de algum indivíduo se este já fosse ‘naturalmente’ predisposto à excitabilidade, raiva e hipertensão. Qualquer um que comesse carne regularmente, poderia ser tão sattva por natureza e a carne não o afetaria. E mais, pela virtude de sua disposição naturalmente agressiva e militar, Rajputs supostamente crescem grandemente com carne (Carstairs 1958; Minturn e Hitchcock 1966; Seesodia 1915; Steed 1955). Alguns lutadores Rajput afirmam que deveriam, de certa forma, comer do que são feitos.” (Alter) Eu vou em frente e afirmar que a vasta maioria dessa merda é completamente insana – para mim, isto é um exercício inteiramente intelectual. Estou certo de que há algo para ser aprendido aqui, então, merece investigação. Esta investigação não inclui o ghi, uma vez que abomino seu gosto e cheiro de merda como manteiga de iaque, que fede como as bolas de um velho. É horrível. Se smegma e merda de cachorro trepassem, sua cria profana seria como velas perfumandas de menta comparada com manteiga de iaque e o ghi não cheira melhor. Adicionalmente, ambas substâncias repulsivas deixam parte do cheiro em suas roupas que duram múltiplas lavagens, não diferente das vitaminas Animal Pak. Deixe um Animal Pak no bolso por um dia e veja quanto tempo dura para tirar o cheiro fora. (não parece ruim) Antes de visitar o Google, aqui está o resumo do ghi – é composto inteiramente de gordura, e a maioria desta é saturada. Ghi tem cinco gramas de gordura por colher de chá, o que será uma medida importante para quando analisarmos o quanto estes maníacos comem por dia. De acordo com os indianos, ghi é “bom para praticamente tudo” e serve como um tônico natural saudável” (Alter). Eles têm uma variedade de jeitos de ingerir gordura liquefeita em seus organismos e surpreendentemente nenhuma envolve uma pistola de cola e uma ferida aberta. [...] http://ghibrasil.com/beneficios/ (NOTA DO TRADUTOR: não parece ruim... Jamie Lewis deve ter o intestino de uma senhora de 89 anos com incontinência) Afora meu abjeto ódio pelo ghi, aparenta haver algum método para esta loucura. Ghi consiste em manteiga líquida, que é praticamente pura gordura saturada. O que significa que é incrivelmente anabólico. Os pehlwans parecem gostar de usar carbos com alto índice glicêmico e proteína ao ghi, tornando-o shake pós treino mais repulsivo mas razoavelmente nutritivo do mundo. Talvez mais razoável que seus hábitos de beber leite. Dependendo do lutador, consomem leite cru ou fervido, e misturam gordura para atender às suas necessidades. Baseado em suas habilidades digestivas, os lutadores aparentam ir em high-carb/low fat ou moderate carb/stupidly high fat. Os primeiros adicionam açúcar ou melaço para leite de baixa gordura e os últimos adicionam frutas e iogurte parao leite integral fazendo um milk-shake de alta gordura chamado lassi. (Alter). Ao passo que há alguma lógica na adição de ghi à sua dieta, o volume deste é um outro assunto. Estes filhos da puta bebem manteiga líquida em quantidades que me deixam doente só de pensar à respeito, isso que acabei de comer quatro libras de costelas. Novamente segundo Joseph Alter: “Lutadores tendem a aumentar o volume de consumo em proporção ao número de exercícios que fazem em seu vyayam (p. 126). Não há equação simples para isto mas os lutadores que fazem 1500 dands e 3000 bethaks consomem meio litro de ghi e dois litros de leite por dia. Como a quantidade de leite, ghi e amêndoas que cada um ingere é um reflexo direto de sua força, lutadores tendem a comer quantidades cada vez maiores destes itens. Em muitos aspectos, ser apto a comer e digerir meio leitro de ghi por dia é como um exercício em seu próprio domínio. Deve-se trabalhar para este volume gradualmente. É dito que Sadhiki Pahlwan, um grande lutador do século XIX, consumia um canistro (5 kg) de ghi por dia.” PUTA QUE PARIU, CINCO QUILOS POR DIA. Façamos a matemática crianças: 5 kg = 5000 g 5000 g de ghi = 4995 g de gordura 4995 g de gordura = 44955 kcal Isto é claramente impossível para um ser humano consumir ou digerir, mas mesmo assim, um décimo disso, seria um inferno de gordura. Não importa que tipo de treino escroto estilo Herschel Walker você esteja fazendo, isto é uma quantidade ridícula de gordura, e uma quantidade absurda de calorias em uma única fonte alimentar... uma fonte alimentar que é uma porra de um condimento. Mesmo meio litro por dia é ridículo: meio litro de ghi são 4495 calorias de gordura. Um número prepostero para uma pessoa consumir por dia. Como mencionei, o terceiro membro do panteão nutricional que é a abominação dietária Pehlwan é uma caralhada de amêndoas, que eles acreditam que melhore sua resistência e velocidade. Amêndoas são caras demais, então são frequentemente substituídas por grão de bico. São amassadas numa pasta e adicionadas ao leite ou ghi, enquanto o grão de bico é deixaddo para dissolver na água, depois adicionado a sal, pimenta e limão. A água utilizada no processo é então bebida para aumentar a força do Pehlwan, aparentemente estimulando outro caminho metabólico que não estou ciente. Aparentemente eles comem uma pancada de grão de bico, uma vez que são a fonte de proteína mais barata ao indiano comum. Além do mencionado, eles comem uma variedade de alimentos, como frutas da estação, verduras, grãos e carne. Todos estes são considerados apenas suplementos para os alimentos acima. Há mais na loucura dietária indiana, mas já são estranhas demais e complexas demais para visitarmos agora - como um preview, envolve não gozar pelo máximo tempo o possível. Se você não consegue entender o que isto tem a ver com alimentação, estamos no mesmo barco, mas tentarei explicar mais à frente. Você sabia? · ~ Nem todos os indianos são hindus. Meros 8 de 10 indianos são hindus. Meu fracasso em mencionar isso antes faz de mim uma má pessoa, aparentemente. Apesar dos indianos terem inventado o Budismo, a população está cagando e andando para isso, pois budistas são menos de 1% da população. Muçulmanos e cristãos são a maioria do restante, e não são vegetarianos. Bem, não como regra geral. Alguns talvez sejam. Só podemos esperar que não; · ~ Não é legal sacanear os ascetas, não importa o quanto eles torrem seu saco simplesmente existindo; · ~ Apesar de eu ter mencionado que certas regiões da Índia comem carne, alguns de vocês perderam essa parte. O vegetarianismo é bastante difundido, especialmente nos grandes centros populacionais, mas não é universal; · ~ Grãos de bico são chamados feijões garbanzo e acredita-se que sejam mágicos. Para conseguir 150g de proteína deles, basta comer 10 copos cheios, ou algo acima de 1,5 kg deles. · ~ Apesar de eu mencionar a dificuldade de cobrir toda a Índia dada sua enlouquecida diversidade, sou uma má pessoas por falhar em mencionar cada detalhe específico de cada subgrupo da cultura indiana e portanto extraordinariamente maligno, e talvez seja um comunista. E não sei merda nenhuma sobre a Índia. Bonus track (Japan only) https://www.youtube.com/watch?v=9-WmiU-p2M8
  8. Zaxe

    Ganho de força em Cut (?)

    Eae pessoal... Bem, tenho 17 anos e já pratico musculação à 2 anos e meio, mas só no começo deste ano é que comecei a praticar serio. Sou meio que falso magro e endomorfo, fiz um bulk de 3100 calorias durante 5 meses e ganhei de facto alguma força, alguma gordura que ficou muito localizada na barriga... e também houve progressão de carga, mas não uma progressão enorme e neste ultimo mês de bulk sentia-me cansado, com menos força e não conseguia aumentar mais a carga.. Entrei em Cut à 2 semanas consumindo 2250 calorias, 190g de carbo, 170 proteina e 85 de gordura, e não sei porque, sento-me muito melhor, com mais força, consegui aumentar a carga em vários exercicios, e não perdi muito peso na balança ainda no maximo cerca de 200g e é estranho porque me vejo bem mais defenido, e com mais força do que em bulk, apesar de estar em restrição calórica.. Alguém me pode dizer se isto têm alguma explicação?
  9. Segunda: Empurrar [força] Terça: A (costas / trapézio / bíceps) [hipertrofia] Quarta: B (Pernas completas) [força/hipertrofia] Quinta: C (peito / ombros / tríceps) [hipertrofia] Sexta: Puxar [força] Abd/panturrilha: seg/qua/sex Sábado: descanso Domingo: descanso Tem como ganhar força com apenas 1 treino de força por semana? Treino a 2 anos. Vale a pena eu fazer esse modelo ou vale mais a pena fazer só para hipertrofia? Qual volume de treino para força? Tenho 1,72m, 69kg, 17 anos, 11% de bf.
  10. Eae galera, tranquilo? Resolvi criar esse post pq to percebendo que meus treinos por mais q "razoavelmente bem executados", não estão afinados como deveriam. Principalmente em dois grandes pontos: - 1 Estou muito forte, mas não muito grande. Reconheço que quando comecei a treinar (coisa de 4 anos atras) eu exagerava nos pesos e cagava pro estimulo e concentração, coisa que ja concertei no passado, porem por muito tempo fiz lutas (muay thay e jiu jitsu) como principal atividade esportiva, deixando a musculação em segundo plano (fazia diariamente, mas após a luta). Agora tive que parar com as lutas e acabei mudando para uma smart fit, e como praticamente todos os exercícios eu tenho q revezar com alguém, eu reparei q pego muito peso (sem esforço extra e mantendo a concentração) do que caras maiores e mais velhos do que eu. Essa situação é muito prejudicial? Tem como "arrumar"? Ja fiquei 1 mes sem treinar nada, mas quando voltei nada mudou. - 2 Tenho dificuldade de focar alguns grupos. Estou muito feliz com meu shape no geral, com a exceção do meu ombro que não está tao "largo" quanto gostaria (estou falando dos deltoides, não da dorsal) e dos braços que tem a forma muito ovalada, sendo que o pico esta bom, mas olhando de frente ele parece fino. Existe alguma forma de realmente focar nesses dois pontos? Li outro dia no insta do hipertrofia um comentário sobre as panturrilhas do arnold, onde ele supostamente treinou-as por 30 dias "seguidos" . Algum protocolo diferenciado pode ajudar? Infelizmente os "professores" da smartfit tão poco se fodendo pra galera q treina la, pq me deram um treino gerado pelo computador, fui atras pedindo pra alteraram vários pontos mas segundo eles "ja esta ótimo". Obs: Estou num "bulking leve", vejo resultados legais no resto do corpo, mas esses dois pontos me irritam. Minha intensão é um shape um pouco mais simples do que o men's physique, nada alem disso.
  11. Ninguém foi capaz de ajudar.
  12. Fala galera blz? Tenho treinado agora pela madrugada, as 5 da manhã, não tenho tempo p tomar café descente, só tomo quando termino o treino. Tenho comido apenas uma banana e tomo o whey com aveia e creatina, mas ainda assim, sinto minha força reduzida,comparada a quando treino bem alimentado. Alguém tem alguma dica do que fazer l melhorar? Pensei em inferir uma macaxeira sozinha e o whey antes do treino.
  13. Olá, Recentemente li esse interessante artigo do Greg Nuckols, onde ele dá algumas dicas de como fazer programas de força para iniciantes promoverem ganhos por mais tempo. Escrevi um post sobre isso no tópico Dicas de treino a partir de artigos ae Schoenfeld, Blade, Nuckols e Lyle, mas resolvi criar um tópico pra aumentar o alcance, já que achei interessante. Basicamente ele dá algumas dicas de como fazer programas de força para iniciantes promoverem ganhos por mais tempo. Alguns exemplos de como melhorar um programa de iniciante: Digamos que queira fazer o famoso SL5x5. Em vez de utilizar a mesma matriz de sets x reps todos os treinos, periodize da forma mais simples que existe: inicie com, digamos, 3x8, progredindo linearmente até estagnar, depois mude pra 4x5, novamente até estagnar e, em seguida, 5x3. Quando estagnar, em vez de simplesmente fazer um deload, reduza em 10-20% as cargas, mas aumente o volume em uma série, por exemplo - o que vai fazer com que seu organismo tenha que se adaptar a um estímulo diferente e não o mesmo estímulo do ciclo anterior. Segundo o Greg, isso tende a promover melhores resultados a longo prazo, através de uma progressão mais duradoura. Ficaria algo do tipo: 3x8 -> progressão linear até estagnar; 4x5 -> progressão linear até estagnar; 5x3 -> progressão linear até estagnar; Reduza 10-20% das cargas; 4x8 -> progressão linear até estagnar; 5x5 -> progressão linear até estagnar; 6x3 -> progressão linear até estagnar; Repita. Esse é só um exemplo de como melhorar um modelo de treinos de iniciante como o SL5x5, SS e tantos outros. Outra possibilidade é utilizar DUP, progredindo linearmente e fazendo a redução de carga e aumento de volume quando estagnar. Basta entender a filosofia e aplicar. Ademais, acho que isso pode servir muito bem pra intermediários também. Abraços, Lucas
  14. Olá a todos. Nos últimos tempos, os treinamentos que visam ganho de força estão cada vez mais populares, muito devido ao papel que fórum tem na divulgação desse modelo de treinamento. Cada vez mais fica claro que a associação entre compostos + progressão da carga resulta em um ganho benéfico não só de força, mas também de estética no corpo. Nesse contexto, decidi escrever sobre periodizações, assunto com pouco conteúdo e pouco esclarecimento dentro do fórum. Assim sendo, segue algumas observações: 1 – Se você treina no modelo ABC (e demais variações), com muitos isoladores e uso de diversas máquinas, você não precisa periodizar seu treinamento. “Porque não preciso periodizar meu treinamento?” Porque simplesmente estímulos isolados e contínuos de hipertrofia fora um contexto de periodização não fazem sentidos de serem feitos. Eu sei o impacto dessa frase e muitos podem reclamar, argumentando que cada um possui suas particularidade e que cresceram fazendo isoladores. Não vou entrar no mérito da discussão. Além disso, para periodizar, é necessário sair da faixa de 6-12 repetições, e isso é incompatível com seu treino ABC. https://www.youtube.com/watch?v=9p8GbADDU00 https://www.youtube.com/watch?v=nMXIeQsDFpM https://www.youtube.com/watch?v=Lew_x1sGraM 2 – Não pense que ao ler esse texto você saberá tudo sobre periodizações. Para entender tudo sobre periodizações, recomendo que você leia os autores do leste europeu, como Tudor Bompa, Verkhoshansky e Matveiev. Ademais, periodizar é como treinar: gradualmente você aprende a treinar, e gradualmente você aprende a periodizar. Você precisar estudar, entender e aplicar uma vez que periodizar envolve conhecimento empírico, envolve erro e acerto. Você vai ler e gradualmente colocará em prática, verificando os erros e acertos. 3 – Esse será um texto direcionado prioritariamente para indivíduos naturais. Hormonizados podem seguir o que está escrito aqui? Sim, podem, no entanto, devido à maior recuperação muscular e à maior recuperação dos tecidos moles de pessoas em vigência de recursos ergogênicos, a periodização para essas pessoas funciona de maneira diferente. 4 – Algumas informações e alguns modelos de periodização eu simplesmente vou omitir. Farei isso para tornar o entendimento mais simples e a leitura do texto mais corrida. Infelizmente não há como abordar tudo a respeito de periodização, portanto escolherei os pontos mais relevantes. 4 – Esse texto certamente sofrerá alterações com o passar do tempo. Pretendo gradualmente adicionar informações para mantê-lo atualizado e esclarecido, já que o assunto é complexo. 5 – Esclarecimento a respeitos de abreviações: · Manterei sempre sets X reps, assim 3x10 serão sempre 3 sets de 10 repetições · RM = 1 repetição máxima __________ Vamos aos tópicos: Tópico 1: conceitos introdutórios Tópico 2: conceitos gerais de treinamento e relação volume X frequência X intensidade Tópico 3: entendimento os tipos de hipertrofia Tópico 4: entendendo a estrutura temporal de periodização Tópico 5: tipos de periodização Tópico 6: aprofundamentos em periodização Tópico 7: análises dos modelos de treinamento X modos de periodização Tópico 8: como fazer a sua periodização TÓPICO 1: Conceitos introdutórios O que é periodização? Periodização é a organização de um modelo de treinamento em unidades de treinamento. Como assim? Periodizar é dividir um certo período de tempo, como, por exemplo, 10 semanas, e, nesse período de tempo, variar o tipo de estímulo induzido ao músculo. Desse modo, dentro de 10 semanas, haverá semanas voltadas para hipertrofia, semanas voltadas para força, semanas para explosão, semanas de peak, semanas de deload. Para que serve periodização? O ser humano funciona com base na teoria geral da adaptação. Essa teoria, de forma grosseira, afirma o seguinte: o corpo se adapta aos estímulos impostos a ele. Isto é, se você agachar, a adaptação do corpo será desenvolver pernas e um core forte. Se você supinar, a adaptação do corpo será desenvolver peito, ombros e tríceps fortes. Contudo, chegará um momento no qual a adaptação será difícil e, até mesmo, não ocorrerá. É aqui que entra a periodização: ela serve para superar esses platôs no intuito de fazer que você continuamente adicione massa muscular com o passar do tempo. Tópico 2: Variáveis e conceitos gerais de treinamento Frequência Frequência corresponde basicamente à quantidade de movimentos feitos dentro de um período de tempo, geralmente 1 semana. É simplesmente o quanto você executa um exercício em 1 semana. Por exemplo: squat/1x por semana. Isso significa que, em 1 semana, em um dos seus dias de treinamento, você irá agachar. Intensidade Intensidade significa o quão pesado algum lift foi ao ser realizado, geralmente medida em % (porcentagem) Exemplo: uma pessoa capaz de supinar 100kg, ao supinar 60kg, a intensidade do lift foi de 60%. Esse conceito, embora banal, é fundamental, visto que é esse conceito que dita se você irá desenvolver hipertrofia ou força. Intensidades, em média, na faixa de 60-80% desenvolvem hipertrofia, ao passo que intensidades acima de 80% desenvolvem força. A tabela de prilepin é um excelente método para compreender isso: http://www.t-nation.com/free_online_article/most_recent/prilepins_table_for_hypertrophy http://articles.elitefts.com/training-articles/sports-training/prilepin%E2%80%99s-chart/ http://articles.elitefts.com/training-articles/set-and-rep-schemes-in-strength-training-part-1/ Volume Enquanto a intensidade irá ditar qual estímulo você irá induzir no músculo (força ou hipertrofia), o volume irá ditar o quanto aquele estímulo é imposto. Por exemplo: você irá supinar 3x10 com 60kg de carga total. Agora você vai supinar 6x10 com 60kg total. As 30 repetições a mais representam um volume de treinamento muito maior, logo mais estímulo para hipertrofia será induzido ao músculo. “Tá, entendi, mas pera aí! Eu sempre achei que 6 a 12 repetições era pra causar hipertrofia” Sim, amigão, 6-12 causam hipertrofia, você está certo. Contudo, não é porque são 6 a 12 repetições que o estímulo hipertrófico irá ocorrer, é porque essa faixa de 6-12 repetições encontra-se na faixa de intensidade de 60-80%, ou seja, faixas de trabalho que indutoras de hipertrofia. “Muito bom, quer dizer então que, se eu treinar 6x na semana, com um volume bem alto e uma intensidade enorme eu vou ficar grandão e forte, isso?” Não, se você treinar desse modo, você irá conseguir somente uma lesão no manguito rotador ou uma hérnia de disco lombar. Aqui vai um conceito fundamental: volume, frequência e intensidade são conceitos cadeados, unidos. É preciso manipulá-los de forma a atingir o melhor desenvolvimento muscular da melhor forma possível, sem se lesionar. Por exemplo: para o meu corpo, agachar mais do que 3x na semana com uma intensidade > 80% é meu limite. Se eu agachar 4x na semana com > 80%, eu estarei taxando meu corpo de forma lesiva, com chances de machucar. Desse modo, você precisa conhecer o seu corpo para entender o volume, a frequência e a intensidade necessários para desenvolvê-lo da melhor maneira possível. Para conhecer o seu corpo, é necessário treinar, é algo empírico, tentativa e erro. https://www.youtube.com/watch?v=ctv12T07fDg https://www.youtube.com/watch?v=1872M8QtfRA https://www.youtube.com/watch?v=fK5yLDIXXKc Tópico 3: entendendo os tipos de hipertrofia Os conceitos mais modernos não mais utilizam a antiga ideia de treino para força e treino para hipertrofia. Atualmente, o que existe é o chamado esforço. Basicamente há 2 tipos de esforço: · O esforço repetitivo: é o novo nome para hipertrofia. É o esforço necessário para induzir hipertrofia, portanto são as faixas 6 a 12 repetições, geralmente. Esse tipo de esforço produz a chamada “hipertrofia sarcoplasmática”. Essa hipertrofia nada mais é do que acúmulo de água e metabólitos intracelular, isto é, de maneira grosseira, água dentro do músculo. E é esse por causa desse tipo de hipertrofia que você murcha quando para de treinar. Você não desenvolveu músculo amigo, você apenas reteve água dentro dele. Ao parar de treinar, ao ficar doente, ao se alimentar mal, você literalmente perde toda essa água e acaba murchando. “MAS O FELIPE FRANCO TREINA ASSIM E TEM UM SHAPE MONSTRO”. Atenção amigo, esse tipo de treinamento, voltado para repetições, é um estímulo hormônio-dependente. Quanto mais hormônio um indivíduo tem circulando, melhor será a sua resposta ao treinamento de hipertrofia. Vou dar um exemplo ridículo, mas que você vai se dar conta bem fácil: já ouviu as mulheres falarem que antes de menstruarem elas estão inchadas? Pois então, a menstrução é um sangramento de privação hormonal: quando os níveis de progesterona e estrogênio caem (sobretudo progesterona), elas menstruam e desincham. Olha só que coincidência: prévio a menstrução, momento no qual os níveis hormonais estão muito altos, elas estão retendo água, estão inchadas! Agora você conseguiu compreender porque o Felipe Franco tem o seu shape monstro, não é? · O esforço máximo: é o novo nome para força. Aqui as faixas de repetição estão entre 1 a 5 repetições, geralmente 3 a 5 (mais adiante explico o motivo porque o foco em 3 a 5). Esse estímulo de força induz a chamada “hipertrofia miofibrilar”. Nesse modelo de hipertrofia, você constrói uma nova miofibrila. “Não entendi, como assim?!” Você constrói músculo, literalmente. O músculo é composto por subunidades, as miofibrilas (existem estruturas antes da miofibrila, mas não contráteis, com funções estruturais e de organização, as quais eu não vou entrar em detalhes), e esse tipo de estímulo proporciona aumento das miofibrilas, ou seja, construção muscular propriamente dita. “Tá, tá bom, entendi. Mas e o estímulo dinâmico, que o Westside Barbell preconiza”. Muito bem, o estímulo dinâmico é o terceiro tipo de estímulo. A teoria por tras dessa afirmação é a seguinte: se você pode mover um peso de X kg em Y segundos, e você fez um esforço Z, então você pode mover um peso de (X-10)kg em (Y-10) segundos fazendo o mesmo esforço Z (esse é um exemplo grosseiro, apenas ilustrativo). Assim, simplificando a teoria: embora a carga do exercício seja menor, essa mesma carga se moverá numa velocidade maior, caso o esforço Z for mantido. Eu não vou entrar em detalhes a respeito da validade desse tipo de treinamento, mas, como já recebi PMs a respeito desse assunto, então, afim de evitar novas PMs, na minha visão, esse não é um bom treinamento. Mais informações, leia os links abaixo e tire suas próprias conclusões: http://www.hipertrofia.org/forum/topic/159774-velocidade-maxima-de-treinamento-produz-mais-ganhos/ http://www.powerliftingtowin.com/westside/ http://www.jtsstrength.com/articles/2013/05/29/west-of-westside/ Tópico 4: Entendendo a estrutura temporal de periodização Agora, sim. Fundada a teoria, vamos realmente abordar o que é periodização. No início desse texto conceituei que periodização é a variação dos estímulos em determinado período de tempo. Assim, esses períodos são divididos e conceituados da seguinte maneira: · Microciclo: compreende o recrutamento de um mínimo de 2 sessões de treino (essa definição é do Dave Tate). O microciclo tem objetivo de cumprir tarefas específicas: trabalhar força, trabalhar hipertrofia, trabalhar resistência, trabalhar explosão. Observe, abaixo, meu atual treinamento: Observe a 1º semana de treinamento e compare com a 2º semana. Claramente a 2º semana possui mais volume de treinamento. Portanto, os treinamentos/microciclos da segunda semana tem a função de adicionar volume, além de adicionar trabalho hipertrófico (observe as faixas de trabalhos do front squat, pause bench e, military press e dumbell row). · Mesociclo: a soma de vários microciclos corresponde a um mesociclo. O mesociclo é desenhado ao redor de um propósito. A maioria dos focos é voltado para força, hipertrofia ou outra habilidade física (resistência, etc). “Hm..ok, mas....parece que por essas definições micro e mesociclo são a mesma coisa”. Sim, micro e mesociclo são a mesma coisa, o que muda é o tempo total de estímulos. Se você treinar 3x na semana por 3 semanas, você fará 9 microciclos. Se todos esses 9 treinamentos focarem hipertrofia, você fez um mesociclo de 3 semanas com foco em hipertrofia. “Tá, mas quanto dura um mesociclo?” Dura o tempo necessário para gerar o propósito pelo qual foi desenhado. Mais adiante farei algumas observações a respeito do tempo necessário em cada área. Sendo assim, observe novamente meu treino atual: Na semana 2, ocorre um grande acúmulo de volume e hipertrofia, portanto esse é o mesociclo de hipertrofia. Já nas semanas 3, 4 e 5, há foco em força. Portanto, o mesociclo é de 3 semanas com foco em força. · Macrociclo: é a maior unidade de todas, compreende a soma dos mesociclos. É programado geralmente num total de semanas e reflete como foi o total de treinamento que você fez nesse determinado número de semanas. O objetivo máximo é, ao final do macrociclo, conseguir um peak de força, conseguir transformar todo o trabalho de hipertrofia e força previamente feitos em 1RM. http://articles.elitefts.com/wp-content/uploads/2011/07/ConceptualPeriodization.jpg http://articles.elitefts.com/training-articles/strength-101-part-iv-training-periodization/ http://www.t-nation.com/free_online_article/sports_body_training_performance/the_periodization_bible http://www.powerliftingtowin.com/powerlifting-training-organization/ Assim, colocando em prática e resumindo o que foi visto até agora: A) Inicialmente todos precisam ter ideia de que periodizar significa variar intensidade X volume, ou seja, variar a % de um lift por determinado numero de sets X reps. Quanto menor a %, maior o estímulo de hipertrofia, já quanto maior a %, maior o estímulo para força. Mas o volume? Enquanto a porcentagem basicamente determina o tipo de estímulo a ser dado, o volume irá determinar o quanto aquilo estímulo é imposto/induzido. B ) As faixas de trabalho entre 6 a 10-12 repetições induzem basicamente o estímulo hipertrófico uma vez que propiciam hipertrofia sarcoplasmática. Quando um músculo recebe esse tipo de estímulo, o ambiente metabólico fica propício ao desenvolvimento de hipertrofia miofibrilar. Em palavras mais simples: um músculo hipertrofiado é um músculo com potencial para desenvolver força. C) 3 e conclusão - Vejam, pessoal, que periodizar nada mais é do que organizar um determinado calendário para organizar e pautar quando e de que forma os estímulos hipertróficos e de força irão ocorrer. É aqui que entram os conceitos e a aplicabilidade de microciclo, meso e macrociclo. Tópico 5: Tipos de periodização Existem basicamente 2 tipos de periodização: periodização paralela e periodização em blocos: Periodização paralela Também chamada de “periodização complexa” ou de “periodização simultânea”, é a periodização na qual você desenvolve as características de força e hipertrofia ao mesmo tempo, de forma simultânea. Essa é uma periodização excelente para pessoas consideradas intermediárias no treinamento com pesos, pois permite ganho de força e ganho de hipertrofia em paralelo. “Legal, mas como saber se eu sou iniciante, intermediário, avançado?” Responderei isso mais adiante. Um exemplo clássico desse modelo de periodização é o treinamento 5-3-1: após o trabalho inicial do lift guiado pelo esquema 5-3-1, cujo objetivo é proporcionar hipertrofia miofibrilar (isto é, força), procede-se aos exercícios acessórios, cujo objetivo é proporcionar hipertrofia sarcoplasmática (isto é, hipertrofia). Periodização em bloco Enquanto que na periodização paralela você desenvolve todas as características físicas ao mesmo tempo, na periodização em bloco você foca em determinada característica por um determinado período de tempo. Esse tipo de periodização é voltada para indivíduos que treinam a bastante tempo e que basicamente não conseguem mais evoluir utilizando a periodização paralela. Você foca seu treinamento em hipertrofia por algumas semanas, depois foca seu treinamento em força. Esse modelo de treinamento também ganhou outras nomenclaturas, como “periodização linear” ou “periodização tradicional”. “Já li em algum lugar algo chamado periodização pendular”. Sim, existe um terceiro modelo, chamado de “periodização pendular”. Antigamente havia poucas competições de força, fazendo que o atleta se preparasse o ano todo para competir no fim do ano. Com o surgimento de mais competições, surgiu a periodização pendular. Ela tem como objetivo preparar o indivíduo para produzir vários peaks ao longo do ano. “Como assim?” Essa na prática é a periodização mais utilizada e na verdade ela simplesmente compreende um período de um ano dividido em vários blocos de várias semanas. Ao invés de atleta treinar o ano todo e fazer uma periodização de 50 semanas, ele fará 5 periodizações de 10 semanas. Agora, vamos comparar 2 treinos. Inicialmente vamos olhar o treino A: Esse é um clássico exemplo de periodização em paralelo. O primeiro movimento de cada dia é feito no sistema 5-3-1 e depois os movimentos auxiliares focam em hipertrofia na 1º e na 2º semana, ao passo que na 3º semana há um teste de força por RM. Após tudo isso, o ciclo de reinicia (indivíduo aumenta a carga e passa para o treino em vermelho). Esse formato de distribuição do treino permite ganhos de hipertrofia e força. Agora vamos observar o treino B: No treino B, a 1º e a 2º semana são semanas mais volumosas, além de possuírem mais trabalho para hipertrofia, sobretudo na 2º semana. Após, segue-se um trabalho voltado para força, nas semanas 3, 4 e 5, para na última semana haver um peak. Esse é um modelo em bloco, na qual inicialmente é focado em hipertrofia para, em seguida, focar em força. Tópico 6: aprofundamentos em periodização O objetivo final da periodização é desenvolver força e desenvolver o chamado “peak”. Peak significo “pico”, isto é, o máximo de força que se consegue colocar em prática, um “pico de força”. O peak é trabalho nas faixas de 1-3 de repetições, geralmente > 92-95% da RM. Assim, ao final de um período de semanas de periodização, o peak é a ferramenta utilizada para avaliar se aquele treinamento foi eficaz ou não. Para alcançar o peak, é necessário manipular volume X intensidade X frequência. E agora a complexidade do treinamento começa a ficar preocupante. É preciso manipular intensidade X volume X frequência associados a algum modelo de periodização, ou seja, associar essas 3 variáveis à periodização paralela ou à periodização em bloco. “Uau, como fazer isso?” Vou começar com a periodização em paralelo. Para facilitar a escrita do texto, quando eu me referir ao termo variáveis, significa que estou me referindo à associação entre volume X intensidade X frequência. Variáveis X periodização em paralelo Na periodização em paralelo, no intuito de atingir um peak ao final da periodização, o volume de treinamento deve diminuir, ao passo que a intensidade (porcentagem do lift) deve aumentar. Assim como a intensidade, a especificidade deve aumentar. “O que é especificidade?” Especificidade é o movimento principal do treinamento. Por exemplo: a especificidade do powerlifting é agachamento, supino e terra. Front squat, stiffs e paralelas constroem força? Sim, constroem, mas não são específicos do esporte uma vez que, quando o atleta sobe na plataforma para competir, ele compete no movimento específico do seu esporte: squat, bench e deadlift. Ao aumentar a especificidade, estamos aumentando a técnica do exercício. Ainda seguindo no modelo de periodização paralela, a periodização Western, que compreende uma variação da periodização em paralelo, também merece destaque, pois nesse modelo de treinamento, ignoramos a técnica do esporte e focamos apenas nas variáveis, sobretudo na intensidade e no volume. Segundo a teoria advoga, a vantagem desse tipo de treino é que, caso um indivíduo atinja um platô, mesmo assim ele manterá sua técnica apurada. Assim, mesmo sendo uma periodização paralela, a qual desenvolve hipertrofia e força ao mesmo tempo, a especificidade dos exercícios é deixada de lado. Nessas circunstâncias, esse modelo perdeu força, no entanto, nunca deixou de ser abandonado. Eventualmente, alguns atletas podem se beneficiar desse tipo de treinamento. Variáveis X periodização em bloco A periodização em bloco divide os mesociclos em trabalhos específicos: mesociclos de adaptação, mesociclos de hipertrofia, mesociclos de força. Os mesociclos foram renomeados para “blocos”, surgindo a “block periodization”, ou periodização em blocos. Aqui, a teoria afirma o seguinte: quando você se esforça ao máximo, chegará um ponto no qual a performance irá decair, contudo, passado algum tempo, o qual permitirá a adaptação do organismo ao esforço anterior, a performance estará maior em comparação a performance anterior. A disposição desse modelo de periodização é tal que o bloco anterior deve diretamente melhorar/aumentar a performance do bloco seguinte. Assim, o desenvolvimento das características ao longo do tempo deve melhorar, a ponto do atleta, ao final da periodização em blocos, atingir um peak maior do que seu peak anterior. “Legal, como funciona a disposição dos blocos?” Os blocos são divididos da seguinte maneira: -accumulation (ou bloco A): aqui você acumula trabalho, acumula alguma característica: hipertrofia, força, resistência, etc. -transmutation (ou bloco B ): aqui você novamente acumula trabalho, porém menos do que na fase anterior. Nessa etapa, o destaque é o aumento de intensidade que ocorre. -realization (ou bloco C): aqui o volume chega ao mínimo possível, com a maior intensidade possível. Também preconiza-se que a especificidade aumente aqui, no entanto esse quesito varia de autor para autor. Observe os gráficos abaixo e tudo ficará mais claro: Agora vamos observar o treino abaixo: Comentei anteriormente que esse treinamento utiliza o sistema paralelo de periodização. Esse é um modelo de treinamento para 12 semanas, na qual vocês estão observando somente as primeiras 6 semanas. No entanto, observem a nuância desse treinamento, pois ele possui, ao mesmo tempo, periodização em paralelo e em bloco. Enquanto ao longo das 12 semanas a pessoa irá executar a periodização em paralelo, desenvolvendo força e hipertrofia (sendo força basicamente pelo sistema 5-3-1 do primeiro exercício de cada dia, e hipertrofia pelos auxiliares), ela também irá trabalhar em blocos, nos exercícios auxiliares, em blocos de 3 semanas. “Como assim?!” O primeiro exercício de cada dia está voltado para o 5-3-1 de Jim Wendler, desenvolvendo força. Os demais são auxiliares estão nas faixas de repetição inicialmente de hipertrofia e, com o passar de 3 semanas, para força. Assim, note a sutileza: a primeira semana dos auxiliares possui mais volume, é o bloco de hipertrofia/accumulation dos auxiliares. A segunda semana o volume diminui um pouco e a intensidade aumenta, é o bloco intensification dos auxiliares. A última semana dos auxiliares foca em força, é o bloco de força/realization dos auxiliares. “Porra, complexo pra cacete”. Sim, complexo, mas tenha em mente sempre as seguintes palavras, escritas anteriorimente: Inicialmente todos precisam ter ideia de que periodizar significa variar intensidade X volume, ou seja, variar % de um lift por determinado numero de sets X reps. Quanto menor a %, maior o estímulo de hipertrofia, já quanto maior a %, maior o estímulo para força. Mas o volume? Enquanto a porcentagem basicamente determina o tipo de estímulo a ser dado, o volume irá determinar o quanto aquilo estímulo é imposto/induzido. Tópico 7: análises dos treinamentos X periodização de cada treinamento Aqui vou esmiuçar alguns modelos de treinamento e analizar os métodos de periodização de cada um. Isso vai esclarecer ainda mais o assunto: Westside Barbell Muito famoso, esse sistema utiliza a periodização paralela como modelo de treinamento. Nasceu da insatisfação do Louie Simmons com a periodização em bloco. Louie Simmons nomeou esse treinamento/essa periodização de periodização conjugada, na qual você desenvolve força, hipertrofia e explosão ao mesmo tempo. Na prática, o cara renomeou algo que já existia. The Juggernaut Method Esse é um modelo de treinamento espetacular, muito bom, contudo ele só é espetacular para esportes nos quais a força é uma característica secundária, e não a principal característica. Em outras palavras, não é o melhor método de treinamento para powerlifters, contudo é um excelente método para atletas de MMA, natação, atletas de futebol, basquete, etc. “Porque ele não é um bom método para quem treina exclusivamente para força?” Porque as porcentagens iniciais, nas primeiras semanas de periodização (sobretudo as 6 primeiras) são muito baixas, e, se você quer treinar para força, você deve treinar com porcentagens >80%. O juggernaut é baseado na periodização em blocos, no entanto é uma periodização em blocos mais refinada. Observe a figura abaixo: Sâo 12 semanas de treinamento, ou 16 semanas, se você fizer o deload ao final de cada 3 semanas. O treino é dividido em fases, sendo que cada fase dura 3 semanas. Vou explicar a fase dos 10s: na primeira semana você faz a chamada accumulation, acumulando trabalho. Na segunda semana da fase de 10s, você faz a intensification, na qual há aumento da intensidade e um menor volume. Na terceira semana da fase de 10s, você faz a realization, na qual a intensidade fica ainda maior, e o volume fica o mínimo. Finalizado a fase de 10s, você passa para a fase de 8s, e repete o processo accumulation, intensification e realization. Isso segue-se para as fases 5s e 3s. Agora perceba que as porcentagens aumentam da fase 10s até a fase 3s. Portanto, aqui é uma periodização em bloco mais refinada: enquanto as porcentagens aumentam dentro do período de 3 semanas em cada fase (accumulation, intensification, realization), ela também aumenta conforme gradualmente se passa da fase 10s até a fase 3s. 5-3-1 Vou comentar aqui somente o antigo 5-3-1. Esse treinamento não é propriamente uma periodização clara, o que ele é possui é uma programação. São vários mesociclos de 3 semanas, na qual na primeira semana você faz um trabalho de acúmulo, na semana semana de intensificação e na terceira semana de realização. Os exercícios auxiliares são responsáveis pela construção de hipertrofia. Assim, nessa distribuição, essa é uma periodização em paralela “mascarada”, meio escondida. Cube Method Criado pelo powerlifter Brandon Lilly, esse método de treinamento rotaciona os estímulos nas semanas. Por exemplo: na segunda-feira você treina o supino com foco em força, na quarta-feira você treina agachamento voltado para hipertrofia e na sexta-feira você treina levantamento terra voltado para explosão. Na semana seguinte, tudo é rotacionado: o squat é treinado para força, supino para explosão e terra para hipertrofia. Na semana seguinte, rotaciona novamente: terra é treinado para força, supino para hipertrofia e squat para explosão. Aos sábados, sempre é feito um trabalho bodybuilding, com isoladores. Como existe essa rotação de estímulos, é dito que existe alguma periodização, que seria uma periodização paralela não-linear, um tipo de periodização na qual eu não abordei. Como somente esses 3 lifts são periodizados, esse modelo de treino é muito fraco do ponto de vista de variação de estímulos. Starting Strength Mark Rippetoe é o cara desse programa. Embora muita gente reclame do squat que Mark Rippetoe ensina, esse cara deve ser respeitado. Ele foi capaz de deadliftear mais de 270kg. Esse não é um treino powerlifter, não é um treino voltado para força. Aqui não existe uma periodização, o que existe aqui é um progressão, linear diga-se de passagem. A cada treino se adiciona carga, progredindo, portanto, linearmente o peso do exercício. Vou colocar o vídeo do Portownz, que traduziu ao meu pedido (valeu Porto!), que é um vídeo bastante esclarecedor: https://www.youtube.com/watch?v=QiCugNay4mo Tópico 8: Como fazer a sua periodização Muito bem, chegamos ao final do estudo de periodização, agora é preciso colocar em prática o que foi aprendido. É preciso colocar em prática as variáveis volume X intensidade X frequência associadas ao modelo paralelo ou ao modelo em blocos. “Sim, agora fudeu. Como vou fazer isso?” Posto abaixo um fluxograma que irá orientar você a montar a sua periodização. Esse é um modelo geral, não leva em consideração particularidades de cada um. A ideia é que você entenda o conceito e, de forma empírica, aprenda a fazer as suas periodizações. "Mas, cara, e quanto ao deload?" Essa é uma visão pessoal, portanto vou expor o meu ponto de vista: não gosto de deload programados, como o 5-3-1 e o juggernaut advogam. Acho que para fazer deload, é preciso pesar alguns aspectos: rendimento (você gradualmente está ficando cansado?), saúde (você está gripado, com diarreia), sono (a vida está cheia de compromissos?), alimentação (você só come porcaria e fica reclamando de desempenho e que não cresce), etc. Assim, é precisar avaliar todos esses aspectos para afirmar se alguém deve ou não fazer deload. Bom pessoal, é isso. Espero que tenham gostado e espero ter ajudado. Esse é um assunto extremamente complexo, por isso estou aberto a dúvidas. Como disse, não postei tudo sobre periodizações, até porque isso seria impossível. Coloquei o essencial e apontei referências, para que cada um leia e estude o assunto. Espero ter ajudado. Abraço!
  15. Fala pessoal! Recentemente uma amiga minha ficou meio perdida nos treinos pois os professores da academia dela não fazem treino pra ela. Resolvi montar um então eu mesmo usando dos conhecimentos que tenho. Como é um treino muito diferente e cheio de limitações, quebrei a cabeça para montar algo que parecesse funcional. Gostaria que os profissionais da área avaliassem e dessem opiniões. Ela me limitou as seguintes coisas: não quer treinar mais que 5 dias (acabando com treinos de 6), não quer deixar de treinar no meio da semana (acabando com upper/lower ou semelhantes) e não quer treinar pernas 3x na semana. Sei que daria facilmente para montar algo que estimule cada grupo 1x apenas por semana, porém não acredito na eficácia disso para naturais, usando então pelo menos 2x (exceto peitoral). Os objetivos dela: pernas e glúteos, costas, braços e ombro, e por último peitoral (apenas usei dessa falta de foco no peitoral para usá-lo apenas 1x na semana e fechar a "gambiarra", também usei exercícios que dão estímulo tanto aos ombros quanto aos tríceps para não perder o volume dos mesmos). Haverá progressão de cargas conforme a força dela for aumentando. Ficou o treino assim: SEGUNDA AGACHAMENTO 4X8 LEV TERRA 3X8 LEG PRESS 45 4X10 EXTENSORA 3X12 ELEVAÇÃO PELVICA 4X10 FLEXORA 3X12 PANTURRILHA PÉ 3X15 TERÇA REMADA CURV/CAVA 4X10 PUXADA FRENTE 3X10 REMADA UNILAT 3X12 ROSCA DIRETA/ALT 3X12 ROSCA MARTELO 3X10 ROSCA INVERTIDA 3X12 QUARTA SUPINO RETO 4X10 SUPIN INCL HALTER 4X10 FLEXÃO INCLINADO 3X10 E 1XMÁXIMO TRÍCEPS PARALELAS 3X10 TRÍCEPS COICE 3X12 DESENV HALTERES 3X10 ELEV LATERAL 3X12 QUINTA AGACHAMENTO 4X8 PASSADA 3X10 LEG PRESS 45 3X15 STIFF 3X10 ELEVAÇÃO PELVICA 3X10 FLEXORA 3X12 PANTURRILHA SENT 3X15 SEXTA REMADA CURV/CAVA 4X10 PUXADA FRENTE 3X10 REMADA UNILAT 3X12 ROSCA DIRETA/ALT 3X12 ROSCA MARTELO 3X10 DESENV BARRA 3X10 TRÍCEPS PARALELA 3X10
  16. Boa tarde galera, estava conversando com um amigo que está fazendo o uso de um bracelete chamado FIR. (Bracelete Nipponflex Fir) Ele faz trilhas, musculação e joga bola comigo as quintas... E segundo ele, o bracelete ta fazendo milagres. O relato dele é que dá mais força, regula a pressão, diminui a fadiga, maior resistencia... Eu sou do tipo de cara que só acredito vendo, e sinceramente acho dificil acreditar nisso... A pulseira está na faixa de 200-250R$. E pelos relatos e videos na internet tem muita gente que ta usando e vendo os resultados. Alguém aí já fez o uso, ou esta usando esse tipo de bracelete? Realmente vale o investimento ou é o famoso placebo? Eu pretendo experimentar essa pulseira aí, só por curiosidade.... mas não acredito muito não rsrs
  17. Galera, eu treino há 3 anos e preciso ganhar força, eu ganhei 9kg de massa, mas ainda sou fraco. Pesquisei pela internet e achei esse treino do Reg Park, vocês acham que eu vou perder definição ou massa? - Hiperextensões a 45 graus 3×10 - Agachamento clássico 5×5 - Supino 5×5 - Peso morto 5×5
  18. Treinos: Hipertrofia, Força, Resistência e Potência .Hipertrofia e Força: 3s c/ 6r; .Resistência: mais repetições; .Potência: mais carga e menos repetições; Treino Upper/Lower .Segunda: Upper (A1) - Peito/Costas/Ombros/Braços: 1- Supino inclinado com halteres 3s de 6r a 8r 2- Barra fixa com pegada pronada 3s de 6r a 8r 3- Desenvolvimento com barra 3s de 6r a 8r 4- Encolhimento com barra 3s de 10r a 12r 5- Supino reto com barra 3s de 6r a 8r 6- Remada curvada 3s de 6r a 8r 7- Tríceps corda (I) 3s de 10r a 15r 8- Rosca direta (I) 3s de 10r a 15r ****Mais aeróbica (corrida) de baixa intensidade.**** .Terça: Lower (Quadríceps/Posteriores/Panturrilhas) .Quarta: Descanso .Quinta: 1- Supino reto com halteres 3s de 10r 2- Pulley frente 3s de 10r 3- Desenvolvimento com halteres 3s de 10r 4- Remada unilateral (cavalinho) 3s de 10r 5- Supino inclinado com barra 3s de 10r 6- Encolhimento com halteres 3s de 10r 7- Rosca francesa* 3s de 10r 8- Rosca alternada* 3s de 10r .Sexta: Lower .Sábado: *******Aeróbica pra manter ritmo.****** .Domingo: Descanso Bom dia! Qual a opinião dos senhores a respeito?
  19. Depois de alguns tópicos criados e com dicas, cheguei a esse treino: Minha dúvida é a seguinte, se eu diminuir o número de repetições para umas 5 e fazer progressão de carga semanalmente, ficaria um treino de força "bom" (ou até mais ou menos), ou precisa mudar muita coisa? Agachamento Livre 3 8 Levantamento Terra 2 5 Supino Reto 3 8 Supino Inclinado 3 8 Barra Fixa Supinada 2 8 Remada Curvada 3 8 Desenvolvimento 3 8 Barras Paralelas 2 8 Rosca Martelo 3 8 Rosca Direta 3 8 Panturrilha x x Panturrilha x x
  20. Ola gente sou novo no fórum e venho aqui tirar uma dúvida pertinente... Pretendo iniciar um treino de resistência, pois daqui um mês começo a treinar voltado para força, e li em artigos que o treino de resistência ajuda a fortalecer articulações, por tanto é ideal realizá-lo antes de um treinamento de força muscular. Pretendo fazer durante um mês, então, gostaria de saber sobre os exercícios, geralmente por causa do número alto de repetições é interessante fazer só 3 exercícios para peito? E em relação ao tempo, será que um mês é muito? O GVT pode ser usado junto com resistência?
  21. Fala Galera, depois de ler bastante o fórum, montei um treino FB(A-B-A, B-A-B, A-B-A), queria a avaliação de vocês. Passei um bom tempo fazendo aquele treino ABC2X padrão de academia, até resolver a treinar só, o FB me ajudou bastante visto que tinha que sacrificar algumas horas de sono quando precisava treinar 6x semana. Tenho uns 3 anos de treino, consegui um corpo legal/mediano mas estagnei bastante nas cargas, principalmente por antes querer treinar apenas visando o pump, achava que "sentir o músculo" era o ideal. Atualmente tenho 78/79kg e uma altura de 1.75. Segue abaixo o treino montado por mim, quero ganho de força porém com foco em hipertrofia, li bastante coisa, principalmente os tópicos do craw e Schrödinger, obrigado. Treino A Agachamento 4 x 3-4(Pesado foco em força) RDL 2 X 8-10 Supino Reto 4 x 6-8(Moderado foco em hipertrofia) Desenvolvimento Barra 3 x 6-8 Remada Curvada 4 x 6-8 Chin Ups 4 x 6-8 Tríceps + Biceps 2 x 12-15(Ex: Triceps Polia + Rosca Alternada) Treino B Lev. Terra 1 X 3-5 Agachamento 4 x 8-10(Moderado com foco em hipertrofia) Supino Reto 3 x 3-5 (Pesado foco em força) Desenvolvimento Halter 3 x 8-10 Remada Sentado 4 x 6-8 Pull Ups 4 x 6-8 Tríceps + Biceps 2 x 12-15(Ex: Triceps Polia + Rosca Alternada) Obs: Um dos meus objetivos com esse treino é tbm melhorar o meu supino visto que acho a carga dele um pouco baixa ainda. Segue abaixo minhas cargas nos principais exercícios: Agachamento:50 de cada lado para 3x5 reps Deadlift: 45 de cada lado para 3x5 reps Remada Curvada: 28 de cada lado para 3x5 reps Desenvolvimento:15 de cada lado para 3 x 3 reps Supino: 28 de cada lado para 3 x 5 reps
  22. Boa tarde galera, queria saber se tem como eu fazer treino de hipertrofia aumentando a força e a resistencia, pois dia 06/02 tenho teste fisico da aeronautica e preciso mudar meus treinos e andei reparando que minha resistencia está horrivel (mesmo eu sendo novo na academia/9 meses) eu sempre treinei hipertrofia, fazendo os exercicios concentrados comecei a fazer dois treinos no dia, um de manhã ou no inicio da tarde e o outro na noite (18/20h) o treino na manhã é mais "funcional" faço 12m de corrida (2/3km) corrida na rua mesmo não na esteira, abdominal (rapida, faço concentrada apenas alguns dias para manter o volume) e flexões (neste ando com problemas pois estou fazendo poucas, cerca de 28rps na primeira) Queria saber se tem como fazer esses dois treinos sem afetar no crescimento pois na primeira semana que mudei minha rotina já emagreci 3kg obs: ando fazendo 5/9 refeiçoes ao dia e aumentei minhas kcal diarias.
  23. Idade:17 Altura:165 Peso:72 BF: 17% Objetivo do treino:Força Postar a estrutura: AB Pensei em fazer o treino 5x5 stronglift, o problema é que eu acho muito pouco treinar 3 vezes na semana, já que eu treino 6 vezes... Então fiz uma variação para treinar 4 vezes na semana como podem ver abaixo: Estrutura: A B descanso A B A: Agachamento livre 5x5 Supino Reto 5x5 Remada Curvada 5x5 Barra Fixa 4x8 Stiff 4x8 Peck Deck 4x8 B: Lev. Terra 5x5 Desenv. Militar 5x5 Elev. Lateral 4x8 Rosca Direta 4x8 Supino Fechado 4x8 Pantu 5x 25 Não sei se essa divisão está boa... Por isso, peço a ajuda de vocês...
  24. Quem treina para hipertrofia come bastante proteínas para recuperar o tecido muscular depois do treino, e quem treina força ou resistência? Muda algo? Estou com essa dúvida pois os treinos trabalham diferentes tipos de fibras. Tamo junto família!
  25. Idade: 23 Altura: 184cm Peso: 97kg BF: 20-25% aparentemente Medidas: Cintura 103cm (logo abaixo do umbigo), peitoral 107cm (no meio), gluteo 108cm, perna 65cm, panturrilha 45 cm, braço direito 38,5 cm (contraído), antebraço direito 30 cm Objetivo do treino: Força Galera estou fazendo esse treino e infelizmente por falta de tempo e a vida corrida de trabalho + faculdade, estou começando a não ir todos os dias muito em prol do tempo que toma um treino de força. Estou em cutting como me havia sido indicado. Apesar desse treino estar se mostrando muito efetivo (em 1 mês aumentou 20 kg no supino, 20 kg agachamento etc.) no ganho de força, ele necessita de mais tempo para realizá-lo e as vezes acabo preferindo usar esse tempo para estudar. Estou buscando uma alimentação regrada contando calorias, como um lixosinho raramente (considero lixo--> chocolate, doces no geral). Após entrar na dieta de cutting passei a ficar mais propenso a sentir vontade de comer doces. Continuando... Estou sentindo que preciso adicionar cardios a minha rotina por causa que já entendi que ganho fácil, perco com um pouquinho de dificuldade só com os treinos de força. Não dá para adicionar cardio em horários longe do treino. Tem 3 dias na semana que chego em casa 00:30 ou durmo esse horário e acordo 6:30h. Enquanto não acaba o período de faculdade para eu entrar de cabeça nos treinos, a rotina precisa mudar. Alguns pontos que quero colocar em discussão: 1. Penso em pular corda no máximo 15 min quando acordo em jejum (por não ter tempo de comer e esperar a digestão, apesar que como sempre como ovos ao dormir nem sei se faria tão mal). Sacrificar algum tempo do descanso para isso. Gostaria de saber se isso afetaria meu treino de pernas que faço num período diferente, visto que é um cardio de alto impacto. Penso em fazer isso só nos dias que consigo chegar mais cedo em casa e dormir mais. Então conseguiria fazer cardios na quinta, sábado, domingo e segunda. Fico pensando se fazer só 4 dias na semana não seria pouco efetivo. 2. Já que não estou conseguindo fazer esse treino na semana toda, será que eu não conseguiria montar um AB para fazer AB2x fazendo A-B-CARDIO-A-B-CARDIO? 3. Outra opção é deixar como está e eu ir fazendo quando dá. Só para vocês terem noção, a primeira semana de outubro foi a última vez que consegui fazer esses treinos na semana. Fiz l1/u1/descanso/l2/u2. Semana seguinte foi só L1/U1/L2. Na outra U2/L1. E nessa fui na segunda, terça não deu e hoje decidi ir para fazer cardio. O que está me preocupando é não ir todos os dias e perder meus ganhos em força. Nesse momento a academia não é minha prioridade pela correria do semestre. Por isso decidi vir pedir sugestões. Também não consegui perder bf/peso de forma efetiva e já estou realizando ajustes nas minhas calorias. Infelizmente não consigo comer 100% limpo porque dependo de terceiros para preparar os alimentos e como convivo com meus familiares a comida é feita para todos. Consigo preparar 2kg de frango para durar na semana usando pós treino e café da manhã. Porém na marmita as vezes rola um strogonoff, linguiça(nesses dias até mesclo com frango para não ficar tão gorduroso) etc. Creio que vocês entenderam meu dilema. Título merda usado somente para chamar sua atenção.
×
×
  • Criar Novo...