Treino ABC para hipertrofia: rotina completa para resultados rápidos

Por Equipe Hipertrofia

Textos escritos pela redação do Hipertrofia.org são escritos e revisados por profissionais de várias áreas que circundam o universo da musculação para que você tenha acesso às melhores informações, com respaldo científico e empírico.

Existem centenas de treinos para hipertrofia, mas o lendário treino ABC se destaca quando o objetivo é hipertrofia seja você um iniciante, intermediário ou avançado.

Sim.

Através da divisão ABC é possível separar os grupos musculares da forma mais eficiente para proporcionar hipertrofia.

Em um dia podemos treinar todos os músculos que empurram como peitoral, tríceps e ombros.

No outro, podemos treinar todos os músculos que puxam como costas, bíceps e antebraços.

E quadríceps, posteriores e panturrilhas isoladamente no terceiro.

Basicamente,podemos treinar grupos musculares com sinergia sem um afetar a recuperação do outro.

Mas o principal benefício da rotina é permitir treinar cada grupo muscular duas vezes na semana.

O que pode fazer toda a diferença para quem busca hipertrofia.

Rotina de treino ABC para hipertrofia máxima

como elaborar um treino ABC

Um treino ABC poderá ser feito com três a seis dias de treino semanais.

Publicidade

  • Se você está em bulking e quer hipertrofia acima de tudo é altamente recomendado treinar seis dias na semana;
  • Se você está em cutting, está em restrição calórica ou quer apenas manutenção dos ganhos, três dias de treino por semana serão mais do que suficientes.

O texto explicará como realizar um treino ABC 2x (6 dias na semana) para hipertrofia máxima.

O treino será dividido dessa forma no decorrer da semana:

  • Segunda – treino A;
  • Terça – treino B;
  • Quarta – treino C;
  • Quinta – treino A;
  • Sexta – treino B;
  • Sábado – treino C;
  • Domingo – descanso total.

Fazemos o treino A, B e C, então repetimos com um descanso total no domingo. Não há segredos aqui.

Como ficaria a ficha de treino:

Treino A

Exercício Séries Repetições Descanso
Supino reto com barra 3 6-8 90/120 segundos
Supino inclinado no com halteres 3 8-10 90/120 segundos
Crucifixo na polia 3 10-12 60 segundos
Desenvolvimento com halteres 3 6-8 60/90 segundos
Elevação lateral na polia 3 10-12 60 segundos
Tríceps corda 3 10 60 segundos
Rosca francesa 3 12 60 segundos

Treino B

Exercício Séries Repetições Descanso
Barra fixa 3 6-8 90/120 segundos
Remada curvada 3 8-10 90/120 segundos
Pull down 3 10-12 60 segundos
Encolhimento com barra 3 6-8 60/90 segundos
Crucifixo invertido na polia 3 10 60 segundos
Rosca direta 3 10 60 segundos
Rosca inversa 3 12 60 segundos

Treino C

Exercício Séries Repetições Descanso
Agachamento livre 3 6-8 90/120 segundos
Leg press 3 8-10 90/120 segundos
Stiff 3 10-12 60 segundos
Passada 3 8 passos ida/8 passos volta 60 segundos
Mesa flexora 3 10-12 60 segundos
Cadeira extensora 3 10 60 segundos
Panturrilhas em pé 3 12-15 60 segundos
Panturrilhas sentado 3 12-15 60 segundos

Abaixo veremos o porquê de cada exercício e algumas particularidades importantes.

Baixe o treino em PDF

Treino A

No treino A treinaremos todos os músculos que empurram (peitoral, tríceps e ombros).

Publicidade

  • Supino reto com barra – 3 séries com 6 a 8 repetições e 90/120 segundos de descanso;

Começar o treino pelo supino é a melhor forma de treinar peitoral, tríceps e ombros.

O supino com barra é o exercício que mais conduz aumento de força, algo que será transferido para outros exercícios.

  • Supino inclinado com halteres – 3 séries com 8 a 10 repetições e 90/120 segundos de descanso;

Fazer supino usando uma inclinação de 30 a 45 graus é eficiente para atingir a cabeça clavicular (superior) do peitoral.

Nenhum outro exercício fará isso de forma tão eficiente quanto o supino inclinado.

O fato de usarmos os halteres aqui será útil para aliviar o estresse extra gerado nos ombros por conta da inclinação.

  • Crucifixo na polia – 3 séries com 10 a 12 repetições e 60 segundos de descanso;

Gerar trabalho localizado através de um exercício isolado, como o crucifixo, é útil para deixar o peitoral maior e mais forte que os músculos sinergistas.

Ter um peitoral fraco em comparação a ombros e tríceps é a razão mais comum para assimetrias e dores nos ombros.

  • Desenvolvimento com halteres – 3 séries com 6 a 8 repetições e 60/90 segundos de descanso;

Desenvolvimento com halteres é o principal construtor de massa muscular dos ombros.

Realize o exercício sentado usando um ângulo de 80-90 graus para minimizar a requisição da cabeça clavicular do peitoral e necessidade de estabilização com a lombar.

  • Elevação lateral na polia – 3 séries com 10 a 12 repetições e 60 segundos de descanso;

A cabeça lateral do deltoide precisa ser atingida diretamente para ficar a par das demais.

Publicidade

Ao fazer elevação lateral na polia podemos atingir esta cabeça com máxima eficiência através de toda a amplitude do movimento.

  • Tríceps corda – 3 séries com 10 repetições e 60 segundos de descanso;

Tríceps corda permite atingir o tríceps usando o máximo de amplitude já que a barra não limitará a extensão do cotovelo.

Apenas lembre-se de usar uma carga que permita que todas as repetições sejam feitas com boa amplitude.

Do contrário, estaremos desperdiçando o benefício que a corda nos traz.

  • Rosca francesa – 3 séries com 12 repetições e 60 segundos de descanso.

Fazer alguma forma de extensão do cotovelo com eles acima da cabeça é essencial para dar ênfase a cabeça longa do tríceps.

Esta cabeça não é atingida com eficiência quando realizamos exercícios usando a polia alta.

Treino B

No treino B treinaremos todos os músculos que puxam (costas, trapézio, bíceps e antebraço).

  • Barra fixa – 3 séries com 6 a 8 repetições e 90/120 segundos de descanso;

A barra fixa é o principal exercício para gerar massa muscular e força em todos os músculos das costas.

Mas se você ainda não desenvolveu força suficiente para treinar com 6 a 8 repetições, não há problema em fazer o movimento usando assistência (no gravitron) ou substituindo pela puxada frontal na polia.

  • Remada curvada – 3 séries com 8 a 10 repetições e 90/120 segundos de descanso;

Um treino de costas também precisa conter uma puxada na horizontal.

A mudança de ângulo muda a ênfase que cada músculo das costas recebe, tornando o treino de costas mais completo.

  • Pull down – 3 séries com 10 a 12 repetições e 60 segundos de descanso;

Diferente do pull over, o pull down use a porção do movimento que garante a maior ênfase para o dorsal.

Isto torna o exercício em um ótimo isolador para costas.

  • Encolhimento com barra – 3 séries com 6 a 8 repetições e 60/90 segundos de descanso;

Trapézio é exigido em praticamente todos os exercícios para costas.

Contudo, para atingir as fibras superiores do músculo, precisamos incluir alguma forma de encolhimento no treino.

Apenas o encolhimento com barra já é suficiente para dar estímulos suficientes para deixar o trapézio proporcional ao restante das costas.

  • Crucifixo inverso na polia – 3 séries com 10 a 12 repetições e 60 segundos de descanso;

Assim como a cabeça lateral do deltoide, a cabeça posterior também precisa ser atingida diretamente para receber toda a atenção que merece.

O crucifixo inverso na polia faz justamente isto e gerando tensão constante durante todo o movimento (algo que não ocorre com halteres).

  • Rosca direta – 3 séries com 10 repetições e 60 segundos de descanso;

A rosca direta atinge com eficiência todas as cabeças do bíceps e outros músculos que ajudam na flexão do cotovelo.

Não há diferença gritante entre os tipos de barra usada para fazer rosca direta.

Use a que permite a maior carga mantendo seus punhos confortáveis e livres de dores.

  • Rosca inversa – 3 séries com 12 repetições e 60 segundos de descanso.

Incluir um exercício de flexão do cotovelo com as mãos pronadas é essencial para atingir os músculos do antebraço.

Treino C

No treino C treinaremos todos os músculos dos membros inferiores (quadríceps, posteriores e panturrilhas).

  • Agachamento livre – 3 séries com 6 a 8 repetições e 90/120 segundos de descanso;

Começar o treino de pernas pelo agachamento é essencial para começar com o pé direito e atingir todos os músculos dos membros inferiores de uma só vez.

  • Leg press – 3 séries com 8 a 10 repetições e 90/120 segundos de descanso;

O leg press trabalha praticamente os mesmos músculos trabalhados pelo agachamento livre com o bônus de não exigir tanto da lombar.

Isto é útil para gerar trabalho adicional usando uma faixa de repetições diferente sem ter o estresse adicional na coluna.

  • Stiff – 3 séries com 10 a 12 repetições e 60 segundos de descanso;

Stiff com barra trabalha os posteriores de uma posição de alongamento.

Não é necessário tentar “subir cargas” aqui, mas sim focar-se em realizar o exercício com forma perfeita.

Acredite, mesmo com pouca carga, quando realizado corretamente o stiff vai fazer você se lembrar dele por dias.

  • Passada- 3 séries com 8 passadas na ida e mais 8 na volta com 60 segundos de descanso

Passada trabalha o quadríceps ao mesmo tempo que recruta glúteos.

Com isto em mente, tenha certeza de que cada passo tenha uma distância suficiente para que você sinta o glúteo sendo ativado no fim de cada passada.

  • Mesa flexora – 3 séries com 10 a 12 repetições e 60 segundos de descanso;

A mesa flexora é uma exceção entre os exercícios isoladores.

Este exercício atinge todos os músculos posteriores de forma completa e é essencial em qualquer treino de pernas.

  • Cadeira extensora – 3 séries com 10 repetições e 60 segundos de descanso;

A cadeira extensora é útil para isolar o quadríceps sem gerar estresse nos músculos próximos.

Mas é essencial para ser usada no fim do treino, com pouco descanso, como um finalizador.

  • Panturrilha em pé – 3 séries com 12-15 repetições e 60 segundos de descanso;

Exercícios de panturrilhas feitos em pé, com o joelho estendido, são úteis para atingir o gastrocnêmio.

Gastrocnêmio é o principal responsável por dar forma e tamanho às panturrilhas.

  • Panturrilha sentado – 3 séries com 12-15 repetições e 60 segundos de descanso.

O músculo sóleo das panturrilhas fica localizado abaixo do gastrocnêmio.

Apesar de não impactar na estética das panturrilhas, ele ajuda a gerar tamanho total.

A única forma de atingir este músculo é realizar exercícios de panturrilha onde os joelhos estejam dobrados.

Por isso incluir alguma forma de flexão plantar sentado é essencial para gerar hipertrofia máxima nas panturrilhas.

Abdômen

Abdômen poderá ser treinado em todo treino A ou B para que não hajam dias consecutivos de treino, assim permitindo descanso suficiente.

Progresso de carga

Para tirarmos o máximo de proveito deste treino ABC (na verdade, qualquer treino), precisamos constantemente forçar o corpo a realizar mais trabalho.

Somente desta forma nosso corpo terá um motivo para se adaptar, ficando cada vez maior e mais forte.

Uma das formas mais simples de garantir isto é através do progresso de cargas, ou seja, aumento progressivo dos pesos usados nos exercícios.

Portanto procure aumentar a carga nos exercícios a cada semana, mesmo que isto signifique aumentar 1kg de cada lado.

Cada aumento, por menor que seja, significará uma tensão maior exercida e o estímulo que o corpo precisa para se adaptar.;

Isto deve ser feito principalmente nos exercícios básicos livres.

Por isso o primeiro exercício de todo treino é um exercício como supino, agachamento ou barra fixa.

E por isso também que o tempo de descanso nestes exercícios é superior.

Isto é feito não só porque exercícios básicos possuem um desgaste maior.

Mas para permitir maior recuperação de ATP e treinar com o máximo de força em todas as séries.

Porque uma rotina de treino ABC 2x (duas vezes na semana) é superior para hipertrofia

Uma das principais forças por trás da hipertrofia muscular é a síntese ou, de forma grosseira, a criação de novas proteínas.

É este acúmulo gradual de novas proteínas que fazem nossos músculos ficarem maiores e mais fortes com (1).

E a maneira mais eficiente para elevar a síntese de proteína é com o treino.

Depois que treinamos, a síntese de proteína aumenta de forma exponencial pelas próximas 48 horas (2).

Em outras palavras, quando treinamos um músculo, deixamos ele em “estado anabólico” por cerca de dois dias.

Isto significa que se treinarmos este músculo novamente depois desse período podemos manter o músculo treinado crescendo por mais tempo durante a semana.

A maioria dos estudos sobre frequência de treino mostra que o “meio termo” mais efetivo para gerar o máximo de anabolismo é treinando cada músculo duas vezes na semana (3).

E o treino ABC nos permite fazer justamente isto da forma mais organizada possível.

Por isso o famoso “ABC 2x” (um treino ABC feito duas vezes na semana) é o treino para hipertrofia que mais gera resultados.

Claro, existem outros treinos de musculação eficientes para hipertrofia, mas este tem o potencial para ser o melhor para a maioria das pessoas.

Contudo isto não pode ser aplicado de forma genérica para todos os casos.

Se você pretende treinar cada grupo muscular duas vezes na semana, você precisa estar disposto a realizar trabalho duro.

E isto não significa apenas treinar corretamente, mas fornecer todos os nutrientes que o corpo precisa para tirar proveito da frequência de treino elevada.

Enfim, neste texto veremos todos os aspectos importantes para realizar o treino ABC perfeito para hipertrofia.

Palavras finais

Um treino ABC feito duas vezes na semana tende a gerar mais ganhos para a maioria das pessoas na maioria das vezes.

Não é uma coincidência que a maioria dos treinos com comprovação científica e elaborados por treinadores de renome são construídos usando esta divisão como base.

O treino ABC simplesmente funciona mais do que a maioria dos treinos que vemos na academia.

Claro, não existe treino perfeito e outras divisões também poderão ser efetivas.

A questão é que o treino ABC costuma a funcionar com alto grau de eficiência para a maioria das pessoas, sejam elas iniciantes, intermediários ou avançados.

Referências

  1. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27219125;
  2. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19164770;
  3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27102172.

Este texto ajudou você ?

Ainda está com dúvidas sobre alguma questão? Visite nosso fórum de discussões e compartilhe suas dúvidas com mais de 270 mil pessoas cadastradas.