Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Clique aqui

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''estudos''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Hipertrofia
    • Venda de Suplementos
    • Nutrição e Suplementação
    • Treinamento
    • Esteróides Anabolizantes
    • Geral
    • Diário de Treino
    • Saúde e Qualidade de Vida
    • Academia em Casa
    • Área Feminina
    • Assuntos Acadêmicos
    • Entrevistas
    • Arquivo
  • Assuntos gerais
    • Off-Topic
    • Mixed Martial Arts
    • Fisiculturismo, Powerlifting e Outros
  • Fisiculturismo
  • Multimídia
    • Vídeos de Fisiculturismo e Strongman
    • Fotos Fisiculturismo
    • Fotos de Usuários
  • Fórum
    • Críticas, Sugestões e Suporte ao Fórum
    • Lixeira
  • Off-Topic

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Localização


Peso


Altura


Idade

Conteúdo continua após a publicidade.

Encontrado 8 registros

  1. Olá, Reuni nesse tópico alguns estudos e artigos que já havia postado em outros tópicos sobre frequência de treinamento. A ideia geral é que, caso o volume seja igualado, a maior frequência promoverá maiores resultados tanto em força quanto em hipertrofia. Um novo estudo do Schoenfeld mostrou vantagem de uma maior frequência caso o volume seja igualado - em atletas treinados. http://www.researchg...ell-Trained_Men No link abaixo o próprio Brad fez uma review sobre o estudo, onde conclui que uma freqüência de pelo menos 2x por semana seria ideal e que a periodização dessa frequência - alternando com 3 ou mais dias por semana - poderia otimizar os resultados. http://www.lookgreat...ds-more-muscle/ O estudo abaixo, feito em mulheres, comparou um mesmo volume de treino feito em uma ou duas seções diárias. Os resultados foram significativamente superiores para quem dividiu o volume em duas seções por dia: http://www.ncbi.nlm..../pubmed/8187678 Segue trecho da conclusão: "...the distribution of the volume of intensive strength training into smaller units, such as two daily sessions, may create more optimal conditions not only for muscular hypertrophy but by producing effective training stimuli especially for the nervous system. These kinds of training conditions may lead to further strength development in athletes being greater than obtained during "normal" strength training of the same duration." Abaixo, série de artigos do Lyle sobre treinos 2x por dia (mesmo grupo muscular): http://www.bodyrecom...om-part-1.html/ Agora, dois artigos (um do Greg Nuckols e um do Borge Fagerli) sobre um projeto que não teve estudo publicado, mas que é bem interessante, o Norwegian Frequency Project, feito com powerlifters. Dois grupos fizeram basicamente o mesmo treino, com o mesmo volume total, mas com frequência de 3 ou 6 vezes por semana. O grupo com maior frequência obteve resultados superiores, o que coaduna com o estudo do Brad, acima: http://www.strengtheory.com/high-frequency-training-for-a-bigger-total-research-on-highly-trained-norwegian-powerlifters/#axzz3ksQkSRBI http://www.elitefts....th-new-science/ Resumindo, aumentar a frequência tende a ser superior, caso o volume seja igualado. O aumento de frequência com duas seções de treinamento por dia ou 4+ vezes por semana também tende a permitir um volume ligeiramente superior. Entretanto, é difícil especular o que aconteceria em caso de se treinar com uma frequência moderada (duas vezes por semana, por exemplo), mas com um volume significativamente superior - o que seria possível graças ao tempo de descanso maior -, em comparação com uma frequência mais alta e volume inferior. Brad Schoenfeld, que é mais esperto que a gente, sugere que sejam alternados períodos de maior frequência com outros de maior volume. Abraços, Lucas
  2. E aí, galera. Tudo bem com vocês? Estou criando este tópico, porque me encontro com dúvidas acerca de como conciliar os estudos voltados ao ENEM e a academia. Minha escola começa às 7 h e termina às 11 h, mas chego a minha residência, na maioria dos casos, às 11h30min; vou à academia sempre às 3h30min volto às 4h30min, gasto 1 h com todos os meus afazeres domésticos, p.ex., cozinhar, varrer e limpar e a duração de meu sono é de 7 a 8 horas diárias. Portando, sobra-me no dia aproximadamente umas 6 horas de estudos diários (como exceção dos fins de semana, onde posso estudar mais devido a ausência da escola). A partir dos fatos citados acima, vocês acham certo eu abdicar da academia, visando ganhar mais uma "horinha" extra, até eu conseguir conquistar meu objetivo (uma boa nota no ENEM)?
  3. Eu tomei uma decisão. Eu sempre odiei estudar, cada dia levantar pra ir pra escola era um inferno e eu hoje com 16 anos nem sei que faculdade iria fazer, mas tomei uma decisão que vai mudar a minha vida, eu vou parar de estudar pra lutar boxe É isso que vou fazer, não tenho talento mas eu amo lutar, é a coisa que mais amo na vida, eu já decidi mas gostaria de saber a opinião de vocês
  4. Aless

    Vídeos Interessantes

    Olá, Eu estou seguido vendo vídeos no YouTube que considero interessantes e dessa vez resolvi compartilhar. O vídeo acima mostra como que 'correlation does not prove causation' ou 'correlação não prova causa'. Basicamente o vídeo mostra estudos observacionais sendo usados como 'provas' para afirmações sem sentido e que causam a fama para 'estudos mal feitos' ou idiotisses como publicações sobre ovo causando colesterol. Ele também explica as afirmações do tipo 'dieta com alto teor de gordura aumenta as chances de problemas de coração' e como estudos observacionais chegam a esse tipo de conclusão falha. A tradução do vídeo está postada abaixo.
  5. Olá primeiro me desculpem se estiver no lugar errado essa foi a unica seção que se encaixa na minha duvida (eu acho). Bom pessoal é o seguinte, tenho 17 anos e desdos 13 pratico artes marciais, com 15 comecei a praticar Calistenia e agora no inicio do ano iniciei na academia de musculação, e assim eu estou terminando a escola e nsse tempo vi diversos amigos meus fazendo cursos e pensando nas suas formações da faculdade etc.. Meus amigos sempre fazendo cursos para se especializarem enquanto sao de menores e não cairem de paraquedas em uma possivel faculdade, realizando varios cursos, Industriais, cursos referentes a T.I, Administração e etc tds tinham por onde começar na sua futura carreira desde jovens. Eu tenho uma paixão mt grande por exercicios de forçar e artes marciais, não imagino minha vida não praticando uma delas entao eu decidi que vou cursar Ed.Fisica por ser algo que eu amo e que mesmo que trabalhassa 10hrs por dia, eu trabalharia feliz pq é oque eu realmente gosto de fazer e sou bom.. enfim eu decidi isso ano passado (2015) e tipo eu sempre estudei bastante sobre o assunto, treino, nutrição etc.. tudo referente ao assunto do bom e do ruim, mas entao um certo dia resolvi que eu precisava de alguem para realmente me ensinar sobre o assunto ou seja fui atras de um curso, foi então que percebi que não existe nada referente a isso a nãr ser a faculdadew (pelo menos eu nunca achei nada), isso me deixou mt desanimado porem esse e o meu sonho e não vou desistir dele, uma área tão solicitada nos dias de hoje e não existe um cursinho meia boca so pra ter uma noção, poxa é mt triste, e as aulas de Ed.Fisica da escola publica eu nem considero pq são um verdadeiro LIXO, o "professor" pega uma bola de futsal dá pros meninos, pega uma de volei e dá pras meninas, montam se os times, meia quadra pra cada um e pronto fica a aula td assim e o "professor " fica sentado a aula td olhando a bunda das meninas (Desculpe me os Professores responsáveis e que realmente querem ensinar desconsiderem essa parte). Então assim gente pretendo iniciar a faculdade ano que vem e na boa as unicas coisas que sei sobre o assunto, foram coisas que EU pesquisei, coisas que eu passei e que aprendi com minha propria experiencia e isso é bem triste pq por sorte desde pequeno meus pais tiveram condições de bancar essas minhas vontades mas e quem não tem essa condições ? Como fica? Então assim isso desanima bastante, eu tocriando esse topico pq sinceramente precisava desabafar um pouco com pessoas que entendem oque estou falando,e tbm queria saber a sincera opinião de vocês.. MT OBRG!!
  6. Abdominais tradicionais vs. prancha? Qual é o melhor exercício para treinar os abdominais? Se quer construir um tronco fantástico com costas invejáveis e abdominais fortíssimos é preferível fazer exercícios de prancha em vez dos tradicionais crunches (abdominais). Alguns dos melhores treinadores já afirmavam isso há alguns anos e, agora, um estudo da Pennsylvania State University, publicado no Journal of Strength & Conditioning Research, prova que estes treinadores estavam correctos. [*1] A longo prazo, a realização destes exercícios, pode conduzir a problemas nas costas, devido à pressão que estes criam nos discos entre as vértebras. Os músculos na área abdominal não têm como função principal a movimentação do tronco, mas sim manter a estabilidade do tronco quando a sua coluna está sujeita a tensão. Assim, os exercícios mais indicados para a parte inferior das costas e para o abdómen são aqueles em que os músculos na área abdominal trabalham para a estabilização total da vértebra, ou seja, para que esta não se movimente. É por isso que a prancha é um exercício mais eficaz do que os abdominais tradicionais, assim como a prancha lateral é melhor do que o crunch lateral. Confirmação científica Durante o estudo, os investigadores colocaram eléctrodos nos músculos de 20 indivíduos, que posteriormente realizaram 16 exercícios básicos. Os eléctrodos permitiram aos investigadores medir a intensidade da estimulação dos músculos em cada exercício. Quanto maior for a actividade eléctrica no músculo, maior é o esforço e, por consequência, o resultado. A figura e o gráfico abaixo mostram que os músculos centrais trabalham mais durante a prancha do que durante o crunch [*2]. [*2] - AD = anterior deltoid, RA = Rectus Abdominus, EO = External Abdominal Oblique, TE = Thoracic Erector Spinae, LE = Lumbar Erector Spinae, GM = Gluteus Maximus. O super-homem é um exercício de isolamento, tal como o crunch. O exercício consiste em, uma vez deitado no chão, levantar as pernas e o peito, ao mesmo tempo que contraímos os glúteos e os músculos das costas. O ponteiro é mais parecido com a prancha. O exercício consiste em manter a estabilidade, numa posição em que a área abdominal suporta uma grande pressão para manter esse equilíbrio. A figura abaixo indica qual dos dois é o exercício melhor. [*2] - AD = anterior deltoid, RA = Rectus Abdominus, EO = External Abdominal Oblique, TE = Thoracic Erector Spinae, LE = Lumbar Erector Spinae, GM = Gluteus Maximus. ---------------------------------------- Performing a basic yoga pose for a few minutes a day reduced spinal curving by as much as 50% in scoliosis patients, according to a small but intriguing study in the current issue of Global Advances in Health and Medicine. Researchers suggest practicing the side plank, or vasisthasana, pose on the curved side can strengthen muscles in the lower back, abdomen and spine that allow the spine to straighten. Patients who practice the pose regularly may not need corrective bracing or surgery, they said. An estimated six million people in the U.S. have scoliosis, an often painful condition that causes the spine to curve in an S-shape, according to the National Scoliosis Foundation. Scoliosis can affect a person’s gait, posture and self-esteem if left untreated, the study said. Researchers at the Columbia College of Physicians and Surgeons in New York City recruited 25 patients, 21 women and four men ages 14 to 85, from a private medical clinic. The subjects spent a week learning the pose, which involves leaning on one arm on the floor so the shoulders, hips and ankles are in a straight line, with the other arm pointing straight up. For the study, subjects also elevated their ribs so the curved side of their upper body was facing out. Slight variations of the pose were used to accommodate participants’ physical abilities. They were instructed to hold the pose for 10 to 20 seconds or longer at least once a day. Spinal improvements were compared. X-rays were taken before the study and three to 22 months later. After 6.8 months of follow-up, spinal curving decreased by an average of 41% in 19 subjects who practiced the pose daily. The average improvement in the group was 32%. Curve reduction among regular practitioners was highest in seven teenage subjects—49.6% compared with 38.4% in adults. Patients who performed the pose fewer than four days a week improved by an average of 0.5%. Studies with longer follow-up are needed to clarify the relationship between the duration of treatment and the length of improvement and the possible side effects of prolonged treatment, researchers said. Caveat: The study didn’t include a control group. Compliance was self-reported. -------------------------------------------- Postura da Prancha Lateral (Side Plank Pose Yoga) De acordo com o Medscape Medical News do WebMD , as pessoas com escoliose que praticaram a prancha durante 2 minutos por dia durante vários dias por semana experimentaram reduções significativas na curvatura de suas colunas . No estudo, o Dr. Loren Fishman M. do Colégio de Médicos e Cirurgiões da Universidade de Columbia , em Nova York estudaram a prancha lateral em relação à escoliose. Os participantes no estudo (25 no total) praticaram a postura da prancha lateral durante 10-20 segundos por dia durante uma semana, passando depois para uma permanência de um minuto e meio do lado menos desenvolvido. Os resultados foram surpreendentes : em média , os pacientes viram uma redução de 32 por cento na sua curvatura primária. Dividido em subgrupos , os resultados foram ainda mais promissores . Crianças com idades entre os10-18 que fizeram a postura, pelo menos, quatro vezes por semana apresentaram uma melhora de 49,2 por cento na curvatura da coluna vertebral . Adultos com escoliose degenerativa -a condição comum em pessoas com mais de 65 anos de idade , de acordo com a Coluna Saúde - mostraram uma melhora média de 38,4 por cento. Isso pode significar uma grande mudança na forma como a escoliose é tratada , especialmente entre os adolescentes com a doença , que são frequentemente confrontados com uma cinta corretiva durante 23 horas por dia. Pacientes com curvatura da coluna vertebral grave pode passar por uma cirurgia , que envolve enxertos ósseos e fusão espinhal e não corrige totalmente a condição. ------------------------------------------------------------------- Na prática profissional tenho notado o aumento da utilização do exercício de prancha nos praticantes de atividade física. A prancha é um exercício utilizado tanto na reabilitação quanto no condicionamento físico. Dentre os efeitos benéficos desse exercício destaca-se a melhora da estabilidade dos músculos do CORE, definido como “habilidade dos músculos passivos estabilizadores da região lombo-pélvica em manter a postura apropriada do tronco e do quadril, equilíbrio e controle das ações isométricas e dinâmicas”. O aumento da estabilidade do CORE permite a essa musculatura resistir às forças externas aplicadas e manter o controle postural em resposta a perturbações. Sendo assim, pode resultar em melhor desempenho funcional. Este fortalecimento do CORE pode ajudar em diversos exercícios complexos do treinamento de força como desenvolvimentos e agachamentos, entre outros, minimizando forças compressivas e diminuindo o risco de lesões. Tradicionalmente, a realização da prancha se dá em uma posição similar a flexão de braços. Contudo, os antebraços são apoiados no solo e cotovelos permanecem alinhados a articulação glenoumeral (articulação do ombro). Mas será que os praticantes e profissionais sabem que variações do exercício de prancha podem ser mais eficazes na ativação do CORE do que a prancha tradicional?! Hoje eu trago para vocês um estudo que avaliou 4 variações do exercício de prancha. Os pesquisadores registraram a atividade eletromiográfica dos músculos do CORE para identificar em qual posição havia maior ativação muscular. Participaram desse estudo 19 indivíduos jovens de 18-35 anos com experiência mínima de um ano com treinamento de força, os quais foram submetidos a quatro execuções diferentes da prancha, todas durante 30 segundos em isometria: tradicional (cotovelos abaixo da articulação do ombro); prancha com contração (contração dos glúteos o quão fortemente for possível – movimento do púbis em direção ao umbigo e cóccix em direção aos pés); com o cotovelo mais afastado do corpo (aproximadamente 6 cm a frente da linha do nariz); com o cotovelo mais afastado do corpo e contração. O estudo concluiu que a prancha com o cotovelo mais afastado do corpo e contração resultou em maior ativação eletromiográfica na musculatura do CORE (porção superior do reto abdominal, estabilizadores do abdominal inferior e oblíquo externo). Sendo assim, esta variação do exercício de prancha pode ser interessante para indivíduos treinados e para aplicar o princípio da sobrecarga progressiva nessa musculatura. É importante salientar que a prancha não deve substituir os exercícios convencionais de musculação, mas sim, utilizada como ferramenta coadjuvante na prescrição de exercício. Isso porque estudos que investigaram a ativação dos músculos paravertebrais (eretor da espinha) durante a execução de exercícios tradicionais da musculação (LEVANTAMENTO TERRA e AGACHAMENTO LIVRE a 80% de 1 Repetição Máxima – 1RM) comparados aos exercícios de PRANCHA LATERAL e SUPERMAN evidenciaram maior atividade muscular nos exercícios tradicionais. Nesse sentido, é importante acompanharmos a tendência e adotarmos novas estratégias na prescrição do treinamento (CORE), mas é também necessário sermos críticos para utilizarmos essas ferramentas de maneira adequada, voltado para o objetivo do treinamento (condicionamento físico, saúde e estética) e fase do treinamento (iniciante, avançado). Referências: Hamlyn N, Behm DG, Young WB. Trunk muscle activation during dynamic weight-training exercises and isometric instability activities. J Strength Cond Res. 2007 Nov;21(4):1108-12. Schoenfeld BJ, Contreras B, Tiryaki-Sonmez G, Willardson JM, Fontana F. An electromyographic comparison of a modified version of the plank with a long lever and posterior tilt versus the traditional plank exercise. Sports Biomech. 2014 Sep;13(3):296-306.
  7. Fala ae marombagem...agradeço muito se vcs me ajudarem em um trabalho de Informática É sobre um suíte, ou seja, uma alternativa para criação e administração de documentos é um office chamado Calligra Suite, Criado por uma pequena empresa chamada Calligra. Ele inclui todas as ferramentas do famigerado Microsoft Office. Valeu monstros! Questionário: http://goo.gl/mvA7TW Página do Facebook : www.facebook.com/calligragroup Website: calligragroup.yolasite.com
  8. Bom, minha ideia com esse tópico é que a gente possa discutir sobre os novos tratamentos que estão surgindo e que irão surgir contra a calvície. Tenho apenas 22 anos e já apresento algumas entradas, e alguns fios de cabelo branco... tenso Enfim, segue um novo tratamento que encontrei. Cafeina na ajuda contra a calvície We all are used to drinking coffee and consuming caffeine-containing products to keep our energy levels high. But it turns out that it does more than just that. Recent medical studies have observed that caffeine can stimulate hair loss and slow down hair loss, even if applied topically to the affected area. But before we go further into the study, let’s first explain the natural hair growth cycle so you could better understand the problem in question. Our head in general normally has about 85% of hair going through the growth stage (which usually lasts between 2 and 6 years) and the remaining 15% being in the resting stage. In between there’s a transition stage that takes a week in average during which the hair follicle’s size is reduced and the hair shifts from the growth to resting stage. The study aimed at learning the effects of caffeine on hair loss conducted by Dr. Fisher at the University of Jena involved patients who were suffering from the early stages of androgenic alopecia, also known as male pattern hair loss. As the name suggests, this form of hair loss occurs primarily in men and involves a gradual hair thinning and balding in the hairline and crown areas of the head. There were four different groups of study participants, using placebo, typical nutrients, testosterone and caffeine. The main surprise during the study was that caffeine was very effective in reducing the effects of DHT. Dihydrotestosterone (DHT) is a specific hormone derived from testosterone, which when in abundance starts to shrink hair follicles and cause hair loss. Today it is seen as the main factor contributing to male pattern hair loss and drugs like propecia are aimed at preventing the development of DHT in the body in order to stop hair loss. So it appeared that caffeine may provide the same effects as Propecia. The only problem was finding a way for applying caffeine to the affected area, since the main research was done in laboratory test tubes. After experimenting, it was found that topical application allows for the caffeine to be absorbed into the skin. Scientists have added caffeine into shampoo and it was found that it takes at least two minutes for the caffeine to be effectively absorbed into the skin for the desired effect. Most of test subjects suffering from male pattern hair loss have shown improvements with a moderate dose of caffeine added into their typical shampoo. However, if you’re thinking about your daily coffee intake for the sake of hair loss treatment, you’re going the wrong way. High doses of caffeine consumed internally have been observed to actually worsen hair loss. So it’s only a matter of topical application with the right dosage. There are a lot of additional studies to be made as it’s still unclear how exactly caffeine affects the hair follicle and what’s the mechanism behind it. So don’t rush to switching Propecia for coffee-based shampoos you might find on the Internet, since no-one knows how these new products will actually affect your hair condition. E já encomendei um shampoo a base de cafeina http://www.ebay.com/itm/Alpecin-Double-Effect-Shampoo-Hairloss-Dandruff-200ml-/140279521901?pt=UK_Health_HairLoss_RL&hash=item20a94fa26d Quando chegar farei um relado falando se tive melhoras ou não. Quem tiver outros estudos recentes postem ai...
×
×
  • Criar Novo...