Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Clique aqui

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''detonado''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Hipertrofia
    • Venda de Suplementos
    • Nutrição e Suplementação
    • Treinamento
    • Esteróides Anabolizantes
    • Geral
    • Diário de Treino
    • Saúde e Qualidade de Vida
    • Academia em Casa
    • Área Feminina
    • Assuntos Acadêmicos
    • Entrevistas
  • Assuntos gerais
    • Off-Topic
    • Mixed Martial Arts
    • Fisiculturismo, Powerlifting e Outros
  • Fisiculturismo
  • Multimídia
    • Vídeos de Fisiculturismo e Strongman
    • Fotos Fisiculturismo
    • Fotos de Usuários
  • Fórum
    • Críticas, Sugestões e Suporte ao Fórum
    • Lixeira
  • Off-Topic

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Localização


Peso


Altura


Idade

Encontrado 1 registro

  1. Mais um mito indo pro cemitério. Esse então parece consagrado. Dieta com canela etc... Posso estar errado mas evidências científicas sugerem uso numa dieta e dizem que está "baseado em evidência científica". Como se isso fosse suficiente para provar que funciona. Esquecem de perguntar "Isso faz sentido mas foi testado? Se funciona, qual o benefício que posso esperar disso?" Para uma teoria funcionar, mesmo baseada em evidências ela precisa ter comprovação prática em seres humanos com controle rigoroso e verificar se os benefícios EXISTEM E SÃO SIGNIFICANTES. Então não adianta nada montar um protocolo e dieta inteligente baseado em evidências científicas se as mrsmas não comprovadas na prática com mensuração de benefícios. Pode parecer que funciona mas na verdade é mais placebo na dieta que algo que dá resultado significativo. Tem que pensar em deixar as coisas simples e não complicar sem mensuração de benefícios. Pensar que podemos perguntar "Isso faz sentido mas o foi feito um teste pra saber se funciona e se o ganho é significativo?" Dizer "na prática isso funciona" é afirmar um paradigma. Não é argumento, deixar de fazer uma coisa que se faz há décadas dá medo mesmo, tem que ter coragem e discernimento para abarcar a verdade relativa de ponta. Estudo de 22-fev-2019 aceito pela Sociedade Coreana de Endocrinologia com 40 referências bibliográficas. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6435844/ MITO: A RESISTÊNCIA À INSULINA CAUSA O GANHO DE PESO Qualquer medida de obesidade está positivamente associada à resistência à insulina, e o ganho de peso provavelmente aumenta a resistência à insulina. Um mito popular surgiu que defende a ideia de que a resistência à insulina aumenta o ganho de peso e / ou previne a perda de peso. Esta é a premissa para livros best-seller de perda de peso, como "O código da obesidade" por Fung [34]. Indivíduos resistentes à insulina compensam uma diminuição na ação da insulina com um aumento na concentração plasmática de insulina [35]. Como a insulina estimula a lipogênese [36], alguns afirmam que o estado hiperinsulinêmico - necessário para compensar a resistência à insulina - pode impedir a perda de peso. Zavaroni et al. [37], no entanto, refutaram essa hipótese e mostraram que o grau de resposta à insulina durante um teste oral de tolerância à glicose não prediz o ganho de peso ao longo de 14 anos de acompanhamento. Neste estudo, os adultos com uma média de idade basal de 40 anos foram estratificados em quartis com base na sua concentração de insulina de 2 horas após um desafio oral de 75 g de glicose. As concentrações de insulina variaram de 18 µIU / mL no quartil mais baixo a 106 µIU / mL no mais alto. Embora tenha havido uma diferença de quase seis vezes nas concentrações de insulina e, presumivelmente, na mesma faixa de resistência à insulina, o ganho de peso foi semelhante entre os quartis em 14 anos de acompanhamento. McLaughlin et al. [38] também mostraram que as diferenças na linha de base na resistência à insulina medida pelo teste de supressão de insulina não previam o grau de perda de peso em resposta a uma dieta hipocalórica. Em outro estudo, mulheres obesas (IMC 30 a 36 kg / m2) que foram caracterizadas como sensíveis à insulina ou resistentes à insulina com base no teste de supressão de insulina perderam o mesmo grau de peso em resposta a uma dieta hipocalórica e sibutramina medicação para perda que foi subsequentemente descontinuada) durante um período de 4 meses [39]. As mulheres resistentes à insulina perderam 8,6 kg e as mulheres sensíveis à insulina 7,9 kg. As mulheres resistentes à insulina também melhoraram significativamente seu grau de resistência à insulina em 34%, sugerindo que a IMGU pode ser modificada pela perda de peso. Recentemente, Gardner et al. [40] mostraram que indivíduos com sobrepeso / obesidade perderam a mesma quantidade de peso em dietas com baixo teor de gordura e baixo teor de carboidrato, independentemente de suas concentrações plasmáticas de insulina (medida em 30 minutos durante o teste oral de 75 g de tolerância à glicose). Quando os indivíduos foram estratificados por tercis das concentrações plasmáticas de insulina, o grau de perda de peso não variou entre os tercis, reforçando ainda mais a ideia de que o grau de hiperinsulinemia não altera a capacidade dos indivíduos de perder peso. Além disso, o tipo de dieta (baixo teor de gordura versus baixo teor de carboidrato) ou o genótipo da dieta (que sugeriu maior resposta a dietas com baixo teor de gordura ou baixo teor de carboidrato, ou nenhum) também não alteraram a capacidade dos indivíduos de perder peso. Em conclusão, os indivíduos com excesso de peso / obesos resistentes à insulina podem perder peso na mesma proporção que os indivíduos sensíveis à insulina.
×
×
  • Criar Novo...