Clique aqui

Calorias são importantes. Estudos após estudos mostram que quando você come menos e se move mais, você perde peso 1-4.

No entanto, você ainda escuta argumentos dizendo que isso não é verdade. Algumas dessas ideias parecem idiotas, mas outras te fazem pensar. Elas te fazem duvidar e achar que “calorias ingeridas vs calorias gastas” não funcione para você.

comidas de fisiculturista

Vamos analisar as principais razões que levam as pessoas a pensarem que contar calorias não ajuda a perder peso, e porque elas estão erradas.

Mito #1: O que você come é mais importante do que a quantidade

Você poderia ficar rasgado comendo MMs e coca-cola.

Esse é um exemplo extremo, e você talvez não vá gostar dessa dieta. No entanto, em termos de apenas perda de peso, não importa o que você coma desde que esteja em déficit calórico. Você vai perder peso.

Não há nenhuma evidência de que “fast food” engorde mais do que “comidas saudáveis” se elas tiverem o mesmo número de calorias5.

Aqui estão alguns bode expiatórios:

  • Toxinas como bisfenol-A 6
  • Comidas geneticamente modificadas
  • Açúcar 7
  • Frutose 8
  • Glúten
  • Laticínios

Não há nenhuma evidência de que comer esse tipo de comida irá lhe fazer engordar mais, ou reduzir a sua perda de gordura, enquanto você estiver em déficit calórico 5,6,9-11. Não há nenhuma evidência de que outros tipos de comida irão lhe fazer perder mais gordura quando você estiver de dieta.

Isso não significa que a qualidade da comida não importa. Comidas integrais, nutritivas, e alimentos saciantes irão ajudar a se manter saudável e controlar a fome por mais tempo 12-15.

No entanto, ingerir pequenas quantidade de comidas “sujas” não irão causar nenhum impacto na sua habilidade de perder gordura se você se manter em déficit calórico.

Certos tipos de comida são mais saciantes que outros, e portanto será mais fácil manter o déficit. No entanto, se você se manter em déficit, irá perder peso.

A “qualidade” da comida (o que quer que isso queira dizer) não faz nenhuma diferença.

Mito #2: Se você comer a quantidade certa de proteína, gordura e carboidrato, você não irá ganhar gordura

Virtualmente toda dieta de perda de peso possui uma proporção entre macronutrientes – um percentual de calorias vindas de proteína, gordura e carboidrato, que você supostamente deva seguir.

A maioria dessas dietas não têm sentido. Quase 100 anos de estudos mostram que não há nenhuma combinação de macronutrientes que irá fazer com que você perca mais peso do que outra 1,3,16-18. As pessoas perdem a mesma quantidade de peso quando elas comem mais ou menos carboidratos (high-carb vs low-carb), se elas continuarem comendo a mesma quantidade de proteína 1-4,19.

Isso nos leva a uma exceção – dietas com alta quantidade de proteína.

Dietas com grandes quantidade de proteína geralmente ajudam as pessoas a perder menos músculos e mais gordura com a mesma quantidade de calorias ingeridas 20-30. No entanto, após um certo ponto, comer mais proteína não irá lhe fazer perder mais gordura.

Note que nenhuma das pessoas nesses estudos teriam perdido peso se elas não estivessem em um déficit calórico. Elas também normalmente perderam a mesma quantidade total de peso que pessoas em dietas com menor quantidade de proteína.

Qualquer macro nutriente pode fazer você ganhar peso se ele também contribuir para um superávit calórico. Nenhuma proporção de macro nutrientes irá evitar ou reduzir a perda de gordura enquanto você estiver em déficit calórico. As calorias importam.

Mito #3: As pessoas não perdem *exatamente* a mesma quantidade de peso que elas esperam, portanto as calorias não são importantes

Um quilo de gordura tem aproximadamente 8000 calorias. Se você comer 500 calorias a menos por dia, você deve perder aproximadamente meio quilo por semana.

Isso nunca acontece.

Até mesmo em estudos controlados, as pessoas quase nunca perdem exatamente a mesma quantidade de peso que elas esperam da calculadora 31,32. As pessoas dizem que isso é prova de que as calorias não importam.

Não é.

Cientistas sabem por anos que ambos os lados da equação de balanço de energia – o quanto você ingere e o quanto você gasta – são variáveis que são difíceis de serem medidas 1,2.

Aqui está porque as pessoas não perdem exatamente a mesma quantidade de peso elas esperam, e porque isso não é prova de que calorias não importam:

  1. As pessoas não sabem estimar quantas calorias estão ingerindo ou gastando 33-62 63-81. É por isso que referências anedóticas (aconteceu com um amigo, vizinho, irmão etc) e estudos fora de uma clínica nunca irão provar que calorias não importam.
  2. Quando as pessoas perdem peso, elas queimam menos calorias quando se movem, e por várias outras razões. O déficit calórico torna-se menor, e elas perdem gordura mais lentamente 82-84.
  3. As pessoas também normalmente perdem um pouco de massa magra, mesmo seguindo uma dieta correta, e isso pode influenciar no total de peso perdido.
  4. É muito difícil calcular a ingestão exata de calorias, mesmo com refeições controladas.
  5. Quando pesquisadores estão estimando o gasto calórico, eles podem errar um pouco. Se isso acontecer, elas podem estar em um déficit calórico um pouco maior ou menor ao longo de todo o estudo.
  6. As pessoas retém diferentes quantidades de água, o que pode influenciar no peso total perdido.

Em todos estudos controlados onde as pessoas são forçadas a comer menos, elas perdem peso. Elas nem sempre perdem a mesma quantidade de peso, mas normalmente é perto do esperado se você considerar que um quilo significa 8000 calorias 32.

Mito #4: As pessoas não ganham *exatamente* a mesma quantidade de peso que elas esperam quando estão em superávit, portanto as calorias não importam.

Estudos onde as pessoas comeram mais do que a manutenção nem sempre mostram um ganho de peso exatamente conforme esperado 85,86.

Novamente, as pessoas dizem que isso é prova de que calorias não importam.

Novamente, elas estão erradas.

Assim como quando elas perdem peso, o corpo tende a se defender do ganho de peso.

Algumas pessoas ganham exatamente a quantidade de peso baseada na quantidade de calorias ingeridas. Quando elas comem 3.500 calorias a mais por semana, elas ganham quase exatamente uma libra (450 gramas) por semana 87-89. Que chato.

No entanto, há pessoas que não ganham. Em alguns casos, elas mal ganham peso independentemente da quantidade de calorias que ingerirem a mais 90.

Há várias razões para isso:

1 – As pessoas se movem mais sem perceber, gastando calorias extras.

As pessoas aumentam o nível de gasto calórico em repouso, NEAT (non-exercise activity thermogenesis) enquanto estão em dieta. Elas ficam mais de pé, sentam menos, ficam agitadas, e normalmente ficam se movendo ou são hiperativas. Esses pequenos movimentos podem se somar e ter um grande impacto ao longo do dia 91,92.

Em alguns casos, elas podem gastar quase 1.000 calorias extras por dia e não ganhar nenhuma gordura 90. Elas ainda ganham um pouco de peso, mas nada que você possa perceber.

2 – As pessoas ganham peso, o que faz com que elas tenham que transportar mais peso, o que queima mais calorias.

Quando você ganha peso, você tem que mover um corpo maior. Isso queima mais calorias, o que é parcialmente suficiente para queimar um pouco de calorias e reduzir o ganho de peso 93.

3 – Quando você come mais calorias, você queima mais calorias devido à digestão.

A maioria das pessoas gasta em torno de 10% das calorias apenas digerindo a comida 94. Se você comer 1.000 calorias extras por dia, você vai queimar 100 calorias extras devido à digestão.

4 – As pessoas não sabem o quanto elas estão comendo.

Em situações não controladas, pessoas magras que pensam comer “uma tonelada de comida” normalmente não comem tanto. Pessoas magras ou leves normalmente subestimam a quantidade de comida que elas ingerem, da mesma forma que pessoas obesas subestimas a quantidade de calorias.

O fato de que as pessoas não ganham peso de forma linear conforme a quantidade de calorias que elas ingerem não significa que calorias não importam. Isso apenas prova que o seu gasto calórico muda conforme você come mais, ou ganha peso.

Mito #5: O seu metabolismo desacelera quando você reduz as calorias, portanto reduzir as calorias não funciona.

Se isso fosse verdade, não existiria fome.

Conforme você perde peso, você queima menos calorias. Isso vai acontecer com qualquer dieta, e isso é válido para todo mundo 82,84,95,96. Exceto em circunstâncias extremas, no entanto, no entanto, isso quase nunca vai ser suficiente para parar completamente a perda de peso.

Na maioria dos casos, a redução na queima de calorias é pequena, e tem um pequeno impacto na taxa de perda de peso 82.

Quando pessoas obesas foram forçadas a praticar exercícios físicos por horas e reduzir a ingestão calórica em 30%, elas perderam 56Kg em 30 semanas. A taxa metabólica basal caiu apenas 504 calorias por dia além da quantidade reduzida por carregarem menos peso 97.

No Minnesota Starvation Study, as pessoas foram forçadas a reduzir a ingestão calórica em 50% e caminhar 35Km por semana. Depois de 6 meses de dieta eles perderam 25% do peso corporal. A taxa metabólica basal caiu apenas 225 calorias por dia. Essas pessoas já eram magras quando começaram o estudo 98.

Não há nenhuma evidência de que a queda no metabolismo enquanto você está em dieta é capaz de fazer você ganhar peso. Isso nunca aconteceu em um único estudo em 100 anos. Se fosse verdade, já teria acontecido.

O seu metabolismo vai um pouco quando você perde peso, mas esse é o preço que você pagar por perder peso. Isso acontece com todo mundo, e é uma coisa que você pode minimizar com certos comportamentos. As calorias ainda são importantes.

Mito #6: A perda de peso é uma coisa complexa demais para ser gerenciada por uma coisa tão simples quanto dieta e exercício.

Há centenas de fatores que influenciam a perda de peso e composição corporal.

O seu set point (zona de conforto onde o corpo ficou vários anos e tem dificuldades de sair da inércia), preferências alimentares, sensibilidade à sugestão de comida (convite para sair ou alguém oferecendo um chocolate), tipo de exercício, gasto calórico em repouso, controle pessoal, habilidade de estimar a quantidade de comida, níveis hormonais e sensibilidade à eles, e centenas de outras variáveis que ajudam a determinar a sua capacidade de perder gordura.

A perda de gordura é extremamente complexa e é provavelmente impossível definir cada coisa que afeta a sua capacidade de perder ou ganhar.

A boa notícia é que você não precisa fazer isso.

Quando as pessoas criam um déficit calórico, elas perdem peso sem se preocupar com todos esses fatores. Elas comem menos, se movem mais, e perdem peso 1-4.

Você não pode controlar tudo que influencie a perda de gordura. E é por isso que você precisa focar-se no que pode controlar. A ingestão de calorias e os seus níveis de atividade física.

O fato de que a sua ingestão calórica e gasto calóricos são influenciadas por diversos fatores não muda o fato de que calorias são importantes, e que você não vai perder gordura se não estiver em déficit.

Mito #7: Quando ou o que você come é mais importante do que quanto.

Falar sobre os horários corretos de se alimentar está cada vez mais popular, e isso é uma vergonha.

Há razões para as pessoas dizerem que certos horários são mais importantes que outros:

Equívoco 1: Comer 5 ou 6 refeições por dia controla a fome e mantém o metabolismo acelerado.

Verdade: Não há absolutamente nenhuma evidência de que pessoas que comem mais frequentemente aumentam a sua taxa metabólica basal ou as ajudam a perder gordura 99. Há muito pouca evidência de que comer mais frequentemente ajude a reduzir o apetite melhor do que 3 refeições por dia 100-102.

Equívoco 2: Jejum intermitente ajuda a perder mais gordura e menos músculo enquanto você estiver em dieta. Também ajuda a ganhar menos gordura quando você estiver com superávit calórico.

Verdade: Há pouca evidência de que jejum intermitente é apenas uma outra forma das pessoas organizarem a sua dieta de forma estruturada.

Equívoco 3: Café da manhã ajuda você a perder peso.

Verdade: Não há nenhuma evidência de que pessoas que fazem o café da manhã percam mais peso se comparadas com outras pessoas com a mesma quantidade de calorias 103.

Equívoco 4: Comer mais das suas calorias ou carboidratos à noite ajuda a perder mais peso.

Verdade: A pesar de alguns estudos não controlados 104,105, não há nenhuma evidência controlada de que isso seja verdade, desde que as pessoas nos estudos estejam ingerindo a mesma quantidade de calorias.

Equívoco 5: Você vai ganhar mais músculos e perder mais gordura se você se alimentar 30 minutos após o treino.

Verdade: A grande maioria dos estudos mostram que “a janela anabólica pós-treino” não ajuda a ganhar mais músculos ou perder mais gordura 106,107.

Em resumo, a frequência não influencia na perda de peso ou queima de calorias. Provavelmente é má ideia passar fome por uma semana e então ficar beliscando outra semana, mas aplicada de forma inteligente, a frequência das refeições não importa.

Se você estiver consumindo a mesma quantidade de calorias você irá perder ou ganhar a mesma quantidade de peso. Isso é verdade se você comer 10 pequenas refeições ou 1 grande refeição por dia.

Mito #8: Hormônios afetam o seu peso corporal, portanto, manipular os hormônios é mais importante do que calorias.

Hormônios como leptina, cortisol, tireoide, insulina e testosterona afetam a quantidade de calorias que você queima e quanta gordura ou massa magra você perde enquanto estiver de dieta 108-111. Eles também afetam a quantidade de músculo e gordura você ganha em superávit.

Algumas pessoas dizem que por causa disso, você não deve se preocupar com as calorias que você ingere, apenas em “otimizar” os seus hormônios. E então elas recomendam algo do tipo:

  • Uma dieta especial para melhorar a produção hormonal.
  • Evitar certos tipos de comida ou macronutrientes porque eles podem aumentar os níveis de estrógeno ou reduzir testosterona, ou afetar outro hormônio.
  • Suplementos, é claro.

Hormônios são importantes, mas não há nenhuma evidência de que você pode mudar a forma que eles te ajudam a perder peso sem criar um déficit calórico.

Quando você reduz a ingestão de calorias, hormônios como leptina e tireoide irão cair, o que faz com que você queime menos calorias 112,113.

No entanto, as mudanças são pequenas, e elas não acontecem se você não estiver com déficit calórico. Também não há nenhuma evidência de que pessoas que estejam ingerindo calorias suficientes para manter o peso irão reduzir o peso se elas começarem a “otimizar” os hormônios.

Redução drástica nas calorias, se exercitar demais, ficar sem dormir, níveis de estresse altíssimos, e outros comportamentos nada saudáveis podem reduzir a sua capacidade de perder gordura. Isso não muda o fato que de você ainda precisa estar com déficit calórico para perder gordura.

Mito #9: Com a combinação certa de suplementos, você não precisa comer menos calorias para perder gordura.

Suplementos para perda de gordura são completamente inúteis, nenhum deles vai te ajudar a perder gordura se você não estiver em déficit calórico. Até mesmo os que funcionam apenas ajudam a perder um pouco mais gordura.

Suplementos como CLA nunca mostraram funcionar de forma eficientes em humanos 114,115. Baseado nas evidências atuais, eles são desperdício de dinheiro.

Até mesmo os compostos mais poderosos para perda de gordura, como efedrina e cafeína tem efeitos pequenos. Eles ajudam a queimar 100-200 calorias extras por dia, e os efeitos tendem a diminuir com o tempo 116-118.

Os únicos suplementos que ajudam a perder gordura são os que fazem você comer menos ou se mover mais, o que apenas apoia a ideia de que as calorias são importantes.

Mito #10: Reduzir as calorias te deixa com fome; portanto, não é efetivo ao longo do tempo.

Comer menos geralmente faz com que você queira comer mais.

No entanto, se você escolher alimentos mais densos, você não necessariamente precisa passar fome quando estiver em dieta. Quando as pessoas ingerem mais proteínas, por exemplo, elas normalmente ingerem menos calorias por dia sem perceber 24,27,28,119-121. A mesma coisa acontece quando as pessoas ingerem mais frutas, vegetais e fibras 122.

Em alguns casos, as pessoas ainda sentem fome ingerindo apenas alimentos ‘que enchem’. Infelizmente, às vezes você terá que aguentar. Não há nenhuma regra que diga que você não pode passar fome enquanto estiver de dieta. Ao longo do tempo, o corpo se adapta à nova quantidade de comida e os níveis de fome são reduzidos.

Outra coisa a se lembrar é que a ingestão de comida é afetada por várias coisas que não estão relacionadas com a fome.

  • Nós comemos mais quando a comida tem sabor melhor.
  • Nós comemos mais se utilizarmos tigelas ou pratos maiores.
  • Nós comemos mais quando temos uma oferta grande de alimentos (buffet, por exemplo).
  • Nós comemos mais quando estamos entediados.
  • Nós comemos mais porque a comida está disponível.
  • Nós comemos mais porque as pessoas ao nosso redor estão comendo.
  • Nós comemos mais porque comemos muito rápido.
  • Nós comemos mais porque perdemos as contas das calorias.
  • Nós comemos mais porque estamos distraídos.

Exercícios físicos tendem a ajudar as pessoas a controlar a fome, apesar do fato de que os exercícios aumentam o déficit calórico 123,124.

A não ser que você esteja em uma dieta com níveis de gordura corporal extremamente baixos, você geralmente consegue gerenciar a fome com uma estratégia apropriada.

Entenda essa mensagem:

Comer menos nem sempre te deixa com fome.

Só porque comer menos às vezes te deixa com fome, isso não quer dizer que você possa perder peso sem reduzir as calorias.

Mito #11: “Eu não perdi peso enquanto estava comendo menos e me exercitando mais”

A piada.

E é assim que ela é contada normalmente:

“Eu não perdi gordura comendo menos e me exercitando mais; portanto isso não é pra mim. Eu segui uma dieta com pouco carboidrato [ou qualquer outro tipo de dieta] e perdi 10 quilos, veja só”.

Veja 4 razões que fazem com que esse tipo de argumento seja inválido:

  1. A maioria das pessoas não sabe contar as calorias que ingerem ou queimam. Não há nenhuma razão para achar que essa pessoa seja diferente.
  2. Não há nenhuma forma de verificar a quantidade de calorias que essa pessoa estava ingerindo ou queimando antes de perder peso, então você deve acreditar na palavra delas. Veja o ponto 1 para saber porque isso é uma má ideia.
  3. Não importa qual dieta foi, elas começaram porque acreditaram que as ajudaria a perder peso. Elas queriam que funcionasse, o que significa que elas vão deixar passar qualquer coisa que prove que a dieta não funciona. Da mesma forma, se começarem a contar calorias achando que é uma má ideia, provavelmente vão se desestimular e falhar de propósito.
  4. Mesmo se essas pessoas seguissem um estudo “controlado” nelas mesmas, elas saberiam os detalhes dos estudos, o que é um resultado tendencioso.

Depois de escutar todos os pontos acima, essas pessoas vão jogar essa carta:

“Você não fez um estudo em mim. Você não sabe se esses resultados se aplicam em mim.”

Resposta: E que evidência você tem que você é diferente?

As chances são de que elas não são diferentes. Em quase 100 anos de estudos sobre perda de peso, nós não conseguimos achar 1 único ser humano que não perde peso quando está com déficit calórico.

Com tantos estudos feitos até hoje, as chances são de que essa pessoa não seja o ponto fora da curva.

Fato: As calorias importam.

Todos os estudos controlados feitos nos últimos 100 anos mostram que as pessoas não perdem peso se não estiverem com déficit calórico.

Isso não quer dizer que você seja fraco ou incapaz se você tentou emagrecer. Isso quer dizer que você estava gastando o seu tempo nas coisas erradas, algo que todo mundo faz. Simplifique esforços; crie um déficit calórico.

Você vai escutar todo tipo de argumento dizendo que isso não é verdade, mas todos eles são esmagados quando você olha os estudos. Isso não quer dizer que as calorias são a única coisa que você deva pensar, mas se você quer perder peso, você precisa comer menos calorias e queimar mais. Ponto.

Tradução: Aless
Fonte: http://evidencemag.com/calories-count/

[spoiler]1. Buchholz AC, Schoeller DA. Is a calorie a calorie? Am J Clin Nutr. 2004;79(5):899S–906S. Available at: http://eutils.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/eutils/elink.fcgi?dbfrom=pubmed&id=15113737&retmode=ref&cmd=prlinks.

2. Schoeller DA. The energy balance equation: looking back and looking forward are two very different views. Nutr Rev. 2009;67(5):249–254. doi:10.1111/j.1753-4887.2009.00197.x.

3. Schoeller DA, Buchholz AC. Energetics of obesity and weight control: does diet composition matter? J Am Diet Assoc. 2005;105(5 Suppl 1):S24–8. doi:10.1016/j.jada.2005.02.025.

4. Westerterp KR. Physical activity, food intake, and body weight regulation: insights from doubly labeled water studies.Nutr Rev. 2010;68(3):148–154. doi:10.1111/j.1753-4887.2010.00270.x.

5. Surwit RS, Feinglos MN, McCaskill CC, et al. Metabolic and behavioral effects of a high-sucrose diet during weight loss.Am J Clin Nutr. 1997;65(4):908–915. Available at: http://ajcn.nutrition.org/content/65/4/908.full.pdf.

6. Hengstler JG, Foth H, Gebel T, et al. Critical evaluation of key evidence on the human health hazards of exposure to bisphenol A. Crit Rev Toxicol. 2011;41(4):263–291. doi:10.3109/10408444.2011.558487.

7. Lustig RH, Schmidt LA, Brindis CD. Public health: The toxic truth about sugar. Nature. 2012;482(7383):27–29. doi:10.1038/482027a.

8. Lustig RH. Fructose: it’s “alcohol without the buzz”. Adv Nutr. 2013;4(2):226–235. doi:10.3945/an.112.002998.

9. Bizzaro N, Tozzoli R, Villalta D, Fabris M, Tonutti E. Cutting-edge issues in celiac disease and in gluten intolerance. Clin Rev Allergy Immunol. 2012;42(3):279–287. doi:10.1007/s12016-010-8223-1.

10. White JS. Straight talk about high-fructose corn syrup: what it is and what it ain’t. Am J Clin Nutr. 2008;88(6):1716S–1721S. doi:10.3945/ajcn.2008.25825B.

11. Louie JCY, Flood VM, Hector DJ, Rangan AM, Gill TP. Dairy consumption and overweight and obesity: a systematic review of prospective cohort studies. Obes Rev. 2011;12(7):e582–92. doi:10.1111/j.1467-789X.2011.00881.x.

12. Rebello CJ, Liu AG, Greenway FL, Dhurandhar NV. Dietary strategies to increase satiety. Adv Food Nutr Res. 2013;69:105–182. doi:10.1016/B978-0-12-410540-9.00003-X.

13. Slavin JL. Position of the American Dietetic Association: health implications of dietary fiber. J Am Diet Assoc. 2008;108(10):1716–1731.

14. Aune D, Chan DSM, Vieira AR, et al. Fruits, vegetables and breast cancer risk: a systematic review and meta-analysis of prospective studies. Breast Cancer Res Treat. 2012;134(2):479–493. doi:10.1007/s10549-012-2118-1.

15. Slavin JL, Lloyd B. Health benefits of fruits and vegetables. Adv Nutr. 2012;3(4):506–516. doi:10.3945/an.112.002154.

16. Freedman MR, King J, Kennedy E. Popular diets: a scientific review. Obes Res. 2001;9 Suppl 1:1S–40S. doi:10.1038/oby.2001.113.

17. Hu T, Mills KT, Yao L, et al. Effects of low-carbohydrate diets versus low-fat diets on metabolic risk factors: a meta-analysis of randomized controlled clinical trials. Am J Epidemiol. 2012;176 Suppl 7:S44–54. doi:10.1093/aje/kws264.

18. Bradley U, Spence M, Courtney CH, et al. Low-fat versus low-carbohydrate weight reduction diets: effects on weight loss, insulin resistance, and cardiovascular risk: a randomized control trial. Diabetes. 2009;58(12):2741–2748. doi:10.2337/db09-0098.

19. Soenen S, Bonomi AG, Lemmens SGT, et al. Relatively high-protein or “low-carb” energy-restricted diets for body weight loss and body weight maintenance? Physiol Behav. 2012;107(3):374–380. doi:10.1016/j.physbeh.2012.08.004.

20. Layman DK, Boileau RA, Erickson DJ, et al. A reduced ratio of dietary carbohydrate to protein improves body composition and blood lipid profiles during weight loss in adult women. J Nutr. 2003;133(2):411–417. Available at: http://jn.nutrition.org/content/133/2/411.full.

21. Layman DK, Evans E, Baum JI, Seyler J, Erickson DJ, Boileau RA. Dietary protein and exercise have additive effects on body composition during weight loss in adult women. J Nutr. 2005;135(8):1903–1910. Available at: http://jn.nutrition.org/content/135/8/1903.long.

22. Leidy HJ, Carnell NS, Mattes RD, Campbell WW. Higher protein intake preserves lean mass and satiety with weight loss in pre-obese and obese women. Obesity (Silver Spring). 2007;15(2):421–429. doi:10.1038/oby.2007.531.

23. Layman DK. Protein quantity and quality at levels above the RDA improves adult weight loss. J Am Coll Nutr. 2004;23(6 Suppl):631S–636S. Available at: http://pmid.us/15640518.

24. Wycherley TP, Moran LJ, Clifton PM, Noakes M, Brinkworth GD. Effects of energy-restricted high-protein, low-fat compared with standard-protein, low-fat diets: a meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Clin Nutr. 2012;96(6):1281–1298. doi:10.3945/ajcn.112.044321.

25. Wycherley TP, Noakes M, Clifton PM, Cleanthous X, Keogh JB, Brinkworth GD. A high-protein diet with resistance exercise training improves weight loss and body composition in overweight and obese patients with type 2 diabetes.Diabetes Care. 2010;33(5):969–976. doi:10.2337/dc09-1974.

26. Kerksick C, Thomas A, Campbell B, et al. Effects of a popular exercise and weight loss program on weight loss, body composition, energy expenditure and health in obese women. Nutr Metab (Lond). 2009;6:23. doi:10.1186/1743-7075-6-23.

27. Westerterp-Plantenga MS, Lemmens SG, Westerterp KR. Dietary protein – its role in satiety, energetics, weight loss and health. Br J Nutr. 2012;108 Suppl 2:S105–12. doi:10.1017/S0007114512002589.

28. Paddon-Jones D, Westman E, Mattes RD, Wolfe RR, Astrup A, Westerterp-Plantenga M. Protein, weight management, and satiety. Am J Clin Nutr. 2008;87(5):1558S–1561S. Available at: http://ajcn.nutrition.org/content/87/5/1558S.long.

29. Demling RH, DeSanti L. Effect of a hypocaloric diet, increased protein intake and resistance training on lean mass gains and fat mass loss in overweight police officers. Ann Nutr Metab. 2000;44(1):21–29.

30. Helms ER, Zinn C, Rowlands DS, Brown SR. A Systematic Review of Dietary Protein During Caloric Restriction in Resistance Trained Lean Athletes: A Case for Higher Intakes. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2013.

31. Hall KD, Sacks G, Chandramohan D, et al. Quantification of the effect of energy imbalance on bodyweight. Lancet. 2011;378(9793):826–837. doi:10.1016/S0140-6736(11)60812-X.

32. Hall KD. What is the required energy deficit per unit weight loss? International Journal of Obesity (2005). 2008;32(3):573–576. doi:10.1038/sj.ijo.0803720.

33. Yanetz R, Kipnis V, Carroll RJ, et al. Using biomarker data to adjust estimates of the distribution of usual intakes for misreporting: application to energy intake in the US population. J Am Diet Assoc. 2008;108(3):455–64– discussion 464. doi:10.1016/j.jada.2007.12.004.

34. Millen AE, Tooze JA, Subar AF, Kahle LL, Schatzkin A, Krebs-Smith SM. Differences between food group reports of low-energy reporters and non-low-energy reporters on a food frequency questionnaire. J Am Diet Assoc. 2009;109(7):1194–1203. doi:10.1016/j.jada.2009.04.004.

35. Tooze JA, Vitolins MZ, Smith SL, et al. High levels of low energy reporting on 24-hour recalls and three questionnaires in an elderly low-socioeconomic status population. J Nutr. 2007;137(5):1286–1293. Available at: http://jn.nutrition.org/content/137/5/1286.long.

36. Lichtman SW, Pisarska K, Berman ER, et al. Discrepancy between self-reported and actual caloric intake and exercise in obese subjects. N Engl J Med. 1992;327(27):1893–1898. doi:10.1056/NEJM199212313272701.

37. Price GM, Paul AA, Cole TJ, Wadsworth ME. Characteristics of the low-energy reporters in a longitudinal national dietary survey. Br J Nutr. 1997;77(6):833–851.

38. Pryer JA, Vrijheid M, Nichols R, Kiggins M, Elliott P. Who are the “low energy reporters” in the dietary and nutritional survey of British adults? Int J Epidemiol. 1997;26(1):146–154.

39. Brehm BJ, Spang SE, Lattin BL, Seeley RJ, Daniels SR, D’Alessio DA. The role of energy expenditure in the differential weight loss in obese women on low-fat and low-carbohydrate diets. J Clin Endocrinol Metab. 2005;90(3):1475–1482. doi:10.1210/jc.2004-1540.

40. Burrows TL, Martin RJ, Collins CE. A systematic review of the validity of dietary assessment methods in children when compared with the method of doubly labeled water. J Am Diet Assoc. 2010;110(10):1501–1510. doi:10.1016/j.jada.2010.07.008.

41. Cook A, Pryer J, Shetty P. The problem of accuracy in dietary surveys. Analysis of the over 65 UK National Diet and Nutrition Survey. J Epidemiol Community Health. 2000;54(8):611–616.

42. Maurer J, Taren DL, Teixeira PJ, et al. The psychosocial and behavioral characteristics related to energy misreporting.Nutr Rev. 2006;64(2 Pt 1):53–66.

43. Rennie MJ, Bohe J, Smith K, Wackerhage H, Greenhaff P. Branched-chain amino acids as fuels and anabolic signals in human muscle. J Nutr. 2006;136(1 Suppl):264S–8S. Available at: http://pmid.us/16365095.

44. Johansson L, Solvoll K, Bjorneboe GE, Drevon CA. Under- and overreporting of energy intake related to weight status and lifestyle in a nationwide sample. Am J Clin Nutr. 1998;68(2):266–274.

45. Poslusna K, Ruprich J, de Vries JHM, Jakubikova M, van’t Veer P. Misreporting of energy and micronutrient intake estimated by food records and 24 hour recalls, control and adjustment methods in practice. Br J Nutr. 2009;101 Suppl 2:S73–85. doi:10.1017/S0007114509990602.

46. Livingstone MBE, Black AE. Markers of the validity of reported energy intake. J Nutr. 2003;133 Suppl 3:895S–920S.

47. Pietilaninen KH, Korkeila M, Bogl LH, et al. Inaccuracies in food and physical activity diaries of obese subjects: complementary evidence from doubly labeled water and co-twin assessments. International Journal of Obesity (2010). 2010;34:37–445.

48. Ferrari P, Slimani N, Ciampi A, et al. Evaluation of under- and overreporting of energy intake in the 24-hour diet recalls in the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition (EPIC). Public Health Nutr. 2002;5(6B):1329–1345. doi:10.1079/PHN2002409.

49. Azizi F, Esmaillzadeh A, Mirmiran P. Correlates of under- and over-reporting of energy intake in Tehranians: body mass index and lifestyle-related factors. Asia Pac J Clin Nutr. 2005;14(1):54–59.

50. Buhl KM, Gallagher D, Hoy K, Matthews DE, Heymsfield SB. Unexplained disturbance in body weight regulation: diagnostic outcome assessed by doubly labeled water and body composition analyses in obese patients reporting low energy intakes. J Am Diet Assoc. 1995;95(12):1393–400– quiz 1401–2. doi:10.1016/S0002-8223(95)00367-3.

51. Samaras K, Kelly PJ, Campbell LV. Dietary underreporting is prevalent in middle-aged British women and is not related to adiposity (percentage body fat). International Journal of Obesity (2005). 1999;23(8):881–888.

52. Lafay L, Mennen L, Basdevant A, et al. Does energy intake underreporting involve all kinds of food or only specific food items? Results from the Fleurbaix Laventie Ville Sante (FLVS) study. International Journal of Obesity (2005). 2000;24(11):1500–1506.

53. Lafay L, Basdevant A, Charles MA, et al. Determinants and nature of dietary underreporting in a free-living population: the Fleurbaix Laventie Ville Sante (FLVS) Study. International Journal of Obesity (2005). 1997;21(7):567–573.

54. Garriguet D. Under-reporting of energy intake in the Canadian Community Health Survey. Health Rep. 2008;19(4):37–45.

55. Shahar DR, Yu B, Houston DK, et al. Misreporting of energy intake in the elderly using doubly labeled water to measure total energy expenditure and weight change. J Am Coll Nutr. 2010;29(1):14–24.

56. Krebs-Smith SM, Graubard BI, Kahle LL, Subar AF, Cleveland LE, Ballard-Barbash R. Low energy reporters vs others: a comparison of reported food intakes. Eur J Clin Nutr. 2000;54(4):281–287.

57. Bratteby LE, Sandhagen B, Fan H, Enghardt H, Samuelson G. Total energy expenditure and physical activity as assessed by the doubly labeled water method in Swedish adolescents in whom energy intake was underestimated by 7-d diet records. Am J Clin Nutr. 1998;67(5):905–911.

58. Tooze JA, Subar AF, Thompson FE, Troiano R, Schatzkin A, Kipnis V. Psychosocial predictors of energy underreporting in a large doubly labeled water study. Am J Clin Nutr. 2004;79(5):795–804.

59. Rennie KL, Siervo M, Jebb SA. Can self-reported dieting and dietary restraint identify underreporters of energy intake in dietary surveys? J Am Diet Assoc. 2006;106(10):1667–1672. doi:10.1016/j.jada.2006.07.014.

60. Macdiarmid J, Blundell J. Assessing dietary intake: Who, what and why of under-reporting. Nutr Res Rev. 1998;11(2):231–253. doi:10.1079/NRR19980017.

61. Bathalon GP, Tucker KL, Hays NP, et al. Psychological measures of eating behavior and the accuracy of 3 common dietary assessment methods in healthy postmenopausal women. Am J Clin Nutr. 2000;71(3):739–745.

62. Ventura AK, Loken E, Mitchell DC, Smiciklas-Wright H, Birch LL. Understanding reporting bias in the dietary recall data of 11-year-old girls. Obesity (Silver Spring). 2006;14(6):1073–1084. doi:10.1038/oby.2006.123.

63. Champagne CM, Bray GA, Kurtz AA, et al. Energy intake and energy expenditure: a controlled study comparing dietitians and non-dietitians. J Am Diet Assoc. 2002;102(10):1428–1432.

64. Bedard D, Shatenstein B, Nadon S. Underreporting of energy intake from a self-administered food-frequency questionnaire completed by adults in Montreal. Public Health Nutr. 2004;7(5):675–681.

65. Hendrickson S, Mattes R. Financial incentive for diet recall accuracy does not affect reported energy intake or number of underreporters in a sample of overweight females. J Am Diet Assoc. 2007;107(1):118–121. doi:10.1016/j.jada.2006.10.003.

66. Muhlheim LS, Allison DB, Heshka S, Heymsfield SB. Do unsuccessful dieters intentionally underreport food intake?Int J Eat Disord. 1998;24(3):259–266. doi:10.1002/(SICI)1098-108X(199811)24:3<259::AID-EAT3>3.0.CO;2-L.

67. Black AE, Goldberg GR, Jebb SA, Livingstone MB, Cole TJ, Prentice AM. Critical evaluation of energy intake data using fundamental principles of energy physiology: 2. Evaluating the results of published surveys. Eur J Clin Nutr. 1991;45(12):583–599.

68. Singh R, Martin BR, Hickey Y, et al. Comparison of self-reported, measured, metabolizable energy intake with total energy expenditure in overweight teens. Am J Clin Nutr. 2009;89(6):1744–1750. doi:10.3945/ajcn.2008.26752.

69. Bingham SA, Day NE. Using biochemical markers to assess the validity of prospective dietary assessment methods and the effect of energy adjustment. Am J Clin Nutr. 1997;65(4 Suppl):1130S–1137S.

70. Black AE, Bingham SA, Johansson G, Coward WA. Validation of dietary intakes of protein and energy against 24 hour urinary N and DLW energy expenditure in middle-aged women, retired men and post-obese subjects: comparisons with validation against presumed energy requirements. Eur J Clin Nutr. 1997;51(6):405–413.

71. Novotny JA, Rumpler WV, Riddick H, et al. Personality characteristics as predictors of underreporting of energy intake on 24-hour dietary recall interviews. J Am Diet Assoc. 2003;103(9):1146–1151.

72. Heerstrass DW, Ocke MC, Bueno-de-Mesquita HB, Peeters PH, Seidell JC. Underreporting of energy, protein and potassium intake in relation to body mass index. Int J Epidemiol. 1998;27(2):186–193.

73. Zhang J, Temme EH, Sasaki S, Kesteloot H. Under- and overreporting of energy intake using urinary cations as biomarkers: relation to body mass index. Am J Epidemiol. 2000;152(5):453–462.

74. Scagliusi FB, Ferriolli E, Pfrimer K, et al. Underreporting of energy intake in Brazilian women varies according to dietary assessment: a cross-sectional study using doubly labeled water. J Am Diet Assoc. 2008;108(12):2031–2040. doi:10.1016/j.jada.2008.09.012.

75. Heitmann BL. The influence of fatness, weight change, slimming history and other lifestyle variables on diet reporting in Danish men and women aged 35-65 years. International Journal of Obesity (2005). 1993;17(6):329–336.

76. Scagliusi FB, Polacow VO, Artioli GG, Benatti FB, Lancha AHJ. Selective underreporting of energy intake in women: magnitude, determinants, and effect of training. J Am Diet Assoc. 2003;103(10):1306–1313.

77. Heitmann BL, Lissner L. Dietary underreporting by obese individuals–is it specific or non-specific? BMJ. 1995;311(7011):986–989. doi:10.1136/bmj.311.7011.986.

78. Hebert JR, Peterson KE, Hurley TG, et al. The effect of social desirability trait on self-reported dietary measures among multi-ethnic female health center employees. Ann Epidemiol. 2001;11(6):417–427.

79. Johnson RK, Soultanakis RP, Matthews DE. Literacy and body fatness are associated with underreporting of energy intake in US low-income women using the multiple-pass 24-hour recall: a doubly labeled water study. J Am Diet Assoc. 1998;98(10):1136–1140. doi:10.1016/S0002-8223(98)00263-6.

80. Taren DL, Tobar M, Hill A, et al. The association of energy intake bias with psychological scores of women. Eur J Clin Nutr. 1999;53(7):570–578.

81. Horner NK, Patterson RE, Neuhouser ML, Lampe JW, Beresford SA, Prentice RL. Participant characteristics associated with errors in self-reported energy intake from the Women’s Health Initiative food-frequency questionnaire.Am J Clin Nutr. 2002;76(4):766–773.

82. Dulloo AG, Jacquet J, Montani J-P, Schutz Y. Adaptive thermogenesis in human body weight regulation: more of a concept than a measurable entity? Obes Rev. 2012;13 Suppl 2:105–121. doi:10.1111/j.1467-789X.2012.01041.x.

83. Tremblay A, Royer M-M, Chaput J-P, Doucet E. Adaptive thermogenesis can make a difference in the ability of obese individuals to lose body weight. International Journal of Obesity (2005). 2012. doi:10.1038/ijo.2012.124.

84. Muller MJ, Bosy-Westphal A. Adaptive thermogenesis with weight loss in humans. Obesity (Silver Spring). 2013;21(2):218–228. doi:10.1002/oby.20027.

85. Joosen AMCP, Westerterp KR. Energy expenditure during overfeeding. Nutr Metab (Lond). 2006;3:25. doi:10.1186/1743-7075-3-25.

86. Bray GA, Smith SR, de Jonge L, et al. Effect of dietary protein content on weight gain, energy expenditure, and body composition during overeating: a randomized controlled trial. JAMA. 2012;307(1):47–55. doi:10.1001/jama.2011.1918.

87. Klein S, Goran M. Energy metabolism in response to overfeeding in young adult men. Metab Clin Exp. 1993;42(9):1201–1205.

88. Diaz EO, Prentice AM, Goldberg GR, Murgatroyd PR, Coward WA. Metabolic response to experimental overfeeding in lean and overweight healthy volunteers. Am J Clin Nutr. 1992;56(4):641–655. Available at: http://ajcn.nutrition.org/content/56/4/641.long.

89. McDevitt RM, Poppitt SD, Murgatroyd PR, Prentice AM. Macronutrient disposal during controlled overfeeding with glucose, fructose, sucrose, or fat in lean and obese women. Am J Clin Nutr. 2000;72(2):369–377. Available at: http://ajcn.nutrition.org/content/72/2/369.long.

90. Levine JA, Eberhardt NL, Jensen MD. Role of nonexercise activity thermogenesis in resistance to fat gain in humans.Science. 1999;283(5399):212–214. Available at: http://www.sciencemag.org/content/283/5399/212.long.

91. Levine JA, Schleusner SJ, Jensen MD. Energy expenditure of nonexercise activity. Am J Clin Nutr. 2000;72(6):1451–1454. Available at: http://ajcn.nutrition.org/content/72/6/1451.long.

92. Levine JA. Nonexercise activity thermogenesis (NEAT): environment and biology. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2004;286(5):E675–85. Available at: http://ajpendo.physiology.org/content/286/5/E675.long.

93. Casazza K, Fontaine KR, Astrup A, et al. Myths, presumptions, and facts about obesity. N Engl J Med. 2013;368(5):446–454. doi:10.1056/NEJMsa1208051.

94. Westerterp KR. Diet induced thermogenesis. Nutr Metab (Lond). 2004;1(1):5. doi:10.1186/1743-7075-1-5.

95. Rosenbaum M, Leibel RL. Adaptive thermogenesis in humans. International Journal of Obesity (2005). 2010;34 Suppl 1:S47–55. doi:10.1038/ijo.2010.184.

96. Major GC, Doucet E, Trayhurn P, Astrup A, Tremblay A. Clinical significance of adaptive thermogenesis. International Journal of Obesity (2005). 2006;31(2):204–212. doi:10.1038/sj.ijo.0803523.

97. Johannsen DL, Knuth ND, Huizenga R, Rood JC, Ravussin E, Hall KD. Metabolic slowing with massive weight loss despite preservation of fat-free mass. J Clin Endocrinol Metab. 2012;97(7):2489–2496. doi:10.1210/jc.2012-1444.

98. Kalm LM, Semba RD. They starved so that others be better fed: remembering Ancel Keys and the Minnesota experiment. J Nutr. 2005;135(6):1347–1352. Available at: http://jn.nutrition.org/content/135/6/1347.full.

99. Bellisle F, McDevitt R, Prentice AM. Meal frequency and energy balance. Br J Nutr. 1997;77 Suppl 1:S57–70.

100. Leidy HJ, Tang M, Armstrong CLH, Martin CB, Campbell WW. The effects of consuming frequent, higher protein meals on appetite and satiety during weight loss in overweight/obese men. Obesity (Silver Spring). 2011;19(4):818–824. doi:10.1038/oby.2010.203.

101. Leidy HJ, Armstrong CLH, Tang M, Mattes RD, Campbell WW. The influence of higher protein intake and greater eating frequency on appetite control in overweight and obese men. Obesity (Silver Spring). 2010;18(9):1725–1732. doi:10.1038/oby.2010.45.

102. Ohkawara K, Cornier M-A, Kohrt WM, Melanson EL. Effects of increased meal frequency on fat oxidation and perceived hunger. Obesity (Silver Spring). 2013;21(2):336–343. doi:10.1002/oby.20032.

103. Brown AW, Bohan Brown MM, Allison DB. Belief beyond the evidence: using the proposed effect of breakfast on obesity to show 2 practices that distort scientific evidence. Am J Clin Nutr. 2013;98(5):1298–1308. doi:10.3945/ajcn.113.064410.

104. Sofer S, Eliraz A, Kaplan S, et al. Greater weight loss and hormonal changes after 6 months diet with carbohydrates eaten mostly at dinner. Obesity (Silver Spring). 2011;19(10):2006–2014. doi:10.1038/oby.2011.48.

105. Keim NL, Van Loan MD, Horn WF, Barbieri TF, Mayclin PL. Weight loss is greater with consumption of large morning meals and fat-free mass is preserved with large evening meals in women on a controlled weight reduction regimen. J Nutr. 1997;127(1):75–82.

106. Aragon AA, Schoenfeld BJ. Nutrient timing revisited: is there a post-exercise anabolic window? J Int Soc Sports Nutr. 2013;10(1):5. doi:10.1186/1550-2783-10-5.

107. Schoenfeld BJ, Aragon AA, Krieger JW. The effect of protein timing on muscle strength and hypertrophy: a meta-analysis. J Int Soc Sports Nutr. 2013;10(1):53. doi:10.1186/1550-2783-10-53.

108. Klok MD, Jakobsdottir S, Drent ML. The role of leptin and ghrelin in the regulation of food intake and body weight in humans: a review. Obes Rev. 2007;8(1):21–34. doi:10.1111/j.1467-789X.2006.00270.x.

109. Meier U, Gressner AM. Endocrine regulation of energy metabolism: review of pathobiochemical and clinical chemical aspects of leptin, ghrelin, adiponectin, and resistin. Clin Chem. 2004;50(9):1511–1525.

110. Pearce EN. Thyroid hormone and obesity. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2012;19(5):408–413.

111. Strohacker K, McCaffery JM, Maclean PS, Wing RR. Adaptations of leptin, ghrelin or insulin during weight loss as predictors of weight regain: a review of current literature. International Journal of Obesity (2005). 2013. doi:10.1038/ijo.2013.118.

112. Li M-D. Leptin and beyond: an odyssey to the central control of body weight. Yale J Biol Med. 2011;84(1):1–7. Available at: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3064240/.

113. Hukshorn CJ, Saris WHM. Leptin and energy expenditure. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2004;7(6):629–633.

114. Whigham LD, Watras AC, Schoeller DA. Efficacy of conjugated linoleic acid for reducing fat mass: a meta-analysis in humans. Am J Clin Nutr. 2007;85(5):1203–1211.

115. Onakpoya IJ, Posadzki PP, Watson LK, Davies LA, Ernst E. The efficacy of long-term conjugated linoleic acid (CLA) supplementation on body composition in overweight and obese individuals: a systematic review and meta-analysis of randomized clinical trials. Eur J Nutr. 2012;51(2):127–134. doi:10.1007/s00394-011-0253-9.

116. Hursel R, Viechtbauer W, Dulloo AG, et al. The effects of catechin rich teas and caffeine on energy expenditure and fat oxidation: a meta-analysis. Obes Rev. 2011;12(7):e573–81. doi:10.1111/j.1467-789X.2011.00862.x.

117. Hursel R, Viechtbauer W, Westerterp-Plantenga MS. The effects of green tea on weight loss and weight maintenance: a meta-analysis. International Journal of Obesity (2005). 2009;33(9):956–961. doi:10.1038/ijo.2009.135.

118. Phung OJ, Baker WL, Matthews LJ, Lanosa M, Thorne A, Coleman CI. Effect of green tea catechins with or without caffeine on anthropometric measures: a systematic review and meta-analysis. Am J Clin Nutr. 2010;91(1):73–81. doi:10.3945/ajcn.2009.28157.

119. Westerterp-Plantenga MS, Nieuwenhuizen A, Tome D, Soenen S, Westerterp KR. Dietary protein, weight loss, and weight maintenance. Annu Rev Nutr. 2009;29:21–41. doi:10.1146/annurev-nutr-080508-141056.

120. Halton TL, Hu FB. The effects of high protein diets on thermogenesis, satiety and weight loss: a critical review. J Am Coll Nutr. 2004;23(5):373–385. Available at: http://www.ysonut.fr/pdf/Ysodoc/C0302.pdf.

121. Soenen S, Westerterp-Plantenga MS. Proteins and satiety: implications for weight management. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2008;11(6):747–751.

122. Champagne CM, Broyles ST, Moran LD, et al. Dietary intakes associated with successful weight loss and maintenance during the Weight Loss Maintenance trial. J Am Diet Assoc. 2011;111(12):1826–1835. doi:10.1016/j.jada.2011.09.014.

123. King NA, Caudwell PP, Hopkins M, Stubbs JR, Naslund E, Blundell JE. Dual-process action of exercise on appetite control: increase in orexigenic drive but improvement in meal-induced satiety. Am J Clin Nutr. 2009;90(4):921–927. doi:10.3945/ajcn.2009.27706.

124. King NA, Hopkins M, Caudwell P, Stubbs RJ, Blundell JE. Individual variability following 12 weeks of supervised exercise: identification and characterization of compensation for exercise-induced weight loss. International Journal of Obesity (2005). 2008;32(1):177–184. doi:10.1038/sj.ijo.0803712.[/spoiler]

Este texto ajudou você ?

39 Comentários

  1. Melhor artigo que li nos últimos tempos.
    Informações valiosas e super bem organizadas.

    Obrigado pela tradução, Aless

    • Com certeza. Acredito que este artigo reuniu a maior parte das informações sobre dieta que já li. Parabéns ao Aless pela tradução e ao autor Armi Legge.

  2. Jonathan Bressan Responda

    vo começar a comer na forma então pra eu comer mais hauhauehuaheuah… vamo ve se nao vem fome kkkkkk’

  3. Nao concordo de forma alguma com o item 1 .. “vc pode comer comidas sujas desde q esteja no valor calorico” errado..pra q vc vai comer algo q tenha pura gordura sendo q pode comer uma com a msma quantidade soq + saudavel q ainda acelara a queima de gordura corporal?

    • Ele diz que comer comidas ‘sujas’ DENTRO das kcal diarias nao te faz engordar. Voce PODE, nao quer dizer que DEVE.

  4. “Não há nenhuma evidência de que comer esse tipo de comida irá lhe fazer engordar mais”
    QUando você se alimenta com junk food, bebidas alcoolicas, refrigerantes e segue este estilo de vida moderno, a MENOR de suas preocupações é perda de gordura. De fato, soa hipócrita dizer “vou comer este hamburger cheio de soja aqui porque não atrapalha perder gordura. O que importa é o saldo calórico.” E as consequências a longo prazo? E a experimentação holística e simbiotica que tanto faltam aos experimentos científicos? Eu tenho entendido que simplesmente deixar de comer uma picanha por achar que vai engordar é errôneo, quando na verdade o que conta é a visão de sua dieta como um todo, mas se valer disso para dizer que não há evidências de que seguir comendo porcarias não terão consequências para a saúde cardíaca, hormonal, dentre outras, também é muito infundada.

    • Quem disse que não faz mal? o artigo mostra somente que o que importa para perder ou ganhar peso é o saldo calorico…Se vc vai fzr de maneira saudavel ou não, já sao outros 500…Acontece é que muita gente fala “ah ta comendo fast food vai engordar”. isso não necessariamente é verdade.

  5. Parabens Aless. Se o Brasil tivesse 5 aless por Estado, nao estariamos nesse ocio cientifico dos anos 70-80 de nutricao e treinos.

  6. Muitas besteiras, infeliz de quem seguir dicas como essas. O mito 1 que foi considerado mito demonstra uma total falta de conhecimento teórico e prático. Isso que dá qualquer um postar o que quiser ou sair traduzindo artigos de outros quem não fazem a mínima idéia do que falam. A alimentação é MUITO MAIS do que apenas aumentar ou diminuir o peso, é MUITO MAIS que apenas rasgar o abdomem. Apenas deixo uma pergunta? O que irá prejudicar mais, 1 kilo de batata doce ou 300 gramas de qualquer coisa a base de farinha de trigo? Eu sei e comprovo que são as 300 gramas de farinha de trigo. Em termos de vitaminas, etc e etc e os benefícios para o funcionamento do corpo não tem nem como comparar a batata doce com a farinha de trigo. Então quem acredita em artigos obsoletos como esse faça um teste, apenas 1 semana, priorize a qualidade e não a quantidade. Artigos como esse são feitos por pessoas que não tem capacidade de se alimentar direito e para satisfazer o ego procura motivos ou inventa para deixar bom os alimentos lixos que consomem

    • Discordo. Sou estudante de medicina e uma coisa que aprendi foi a trabalhar com evidências. Tudo que foi colocado tem um embasamento científico que está correto. Se você quer contra argumentar, se o que você pratica é ciência, você deve mostrar o embasamento científico, e não sair falando “experimente”. Me desculpe, mas isso não é ciência, é achismo. Eu sei que existe alimentos de melhor composição de micronutrientes que outros, mas esse não foi o cerne da questão do artigo. Por isso ele ainda é muito informativo e quebra muitos mitos da década de 70/80 que ainda são ensinados em faculdades de nutrição/medicina. Claro que isso se tratando de um indivíduo saudável, quando se vai pro patológico, alguns ‘mitos’ ainda valem..

      • Não precisa de embasamento científico pra saber que o que julgaram com o mito 1, não é mito. Se você já tentou ganhar massa magra ou emagrecer, deve saber que esse “artigo” é sem noção

      • Cara, ciência sem prática não é nada, desde quando “experimente” é achismo? Se você não soube interpretar, eu quis dizer que vendo as diferenças e sentindo na própria pele as pessoas chegam as verdades e daí estudantes e formados se separam. Esse artigo não quebra nenhum mito das décadas de 70 e 80, pelo contrário, ele ajuda a mantê-los sob a ignorância do assunto. Contar calorias é sim um dos mitos mais difíceis de serem quebrados, porque a maioria das pessoas não saem da zona de conforto,e te pergunto, por que a maioria das pessoas não alcançam seus objetivos corporais e de saúde de forma satisfatória? Porque seguem as mesmas recomendações furadas de sempre? Quantos emgrecem mas logo depois engordam e muito mais que antes? Quantos emagrecem e ficam fracos de saúde e condicionamento físico? Pode ter certeza absoluta, o autor dessa matéria (o original) e quem a traduziu são pessoas frustradas em seus objetivos que em vez de evoluir procuram recompensar o ego aceitando o que fazem como certo e culpando fatores fictícios como responsáveis pelos seus fracassos

        • Sobre o autor e o tradutor, não posso falar nada, pois os desconheço. Ciência nada mais é do que a prática aplicada, não o contrário. Ciência é tentar isolar o máximo de variáveis possíveis para identificar qual a responsável pelo ‘output’. Ciência gera guidelines para serem seguidos como correto. Não existe essa de ‘experimente’ em ciência, e sim prove. Ou você tomaria um remédio que ainda não foi testado? Duvido muito. Não entendi onde você quis chegar nas suas afirmações a partir das indagações sobre o porque da maioria das pessoas não atingirem seus resultados. Eu sai de gordo (110 kg para um corpo atlético 88 kg, com 1,88 cm) em apenas 1 ano, contando calorias de acordo com a filosofia IIFYM. Conheço várias pessoas que também atingiram seus objetivos assim. Não entendo como voce diz que o mito 1 pode não ser um mito, e ainda afirma que é falta de conhecimento teórico, como assim? O.o Visto que você pode comer 1 kg de batata doce, 1 kg de frango sem gordura, e gorduras insaturadas, entretanto, se você tiver com balanço positivo de calorias, não tem segredo, você vai engordar e vai sofrer de todos os problemas relacionados à obesidade, não diferindo se você engordou comendo coisas ‘limpas’ ou ‘sujas’, ou seja, quantidade importa sim. Só quero que me mostre referencias cientificas do contrário. Já ta mais que provado, há tempos, que diferentes dietas, se forem isocalóricas terão o mesmo output, sem diferença ente hormonios e risco cardiovascular.

          • Caio, tudo bem?
            Os seus primeiros meses de academia vc teve alguma mudança na balança? Tipo os 3 primeiros meses?

            Obrigado. Se eu não me engano, você postou algo parecido no forum do blog.

            Obrigado.

      • O que se ensina nas faculdades de medicina e nutrição atualmente está errado, sinto muito lhe informar amigo. Não existe embasamento científico nas coisas que este artigo está falando e existem para provar o contrário (que ironia). Achismo é contar calorias. Adivinha, o que é ensinado nas faculdades de medicina e que são esses conhecimentos ultrapassados não comprovados pela ciência. Se você comer os alimentos certos você não vai engordar, isso está escancarado por todo lado, só não vê quem tem mentalidade limitante.

  7. Concordo demais com o comentário do Luciano aqui em cima. Melhor artigo em português que li nos últimos tempos, disparado o melhor.

  8. “Você poderia ficar rasgado comendo MMs e coca-cola.”

    parei por aí, coca é veneno, incrivel como tem gente que quer mudar algo que sabemos a séculos, vc vê o Ronnie Coleman comendo porcarias mesmo q em pouca quantidade? pra quem não sabe o Ronnie faz uns videos no youtube, se quiser algo que preste procura os videos dele sobre dieta, não essas porcarias q o povo inventa;

  9. Pessoas comentando que o post é uma total mentira são aquelas que seguem uma dieta restrita 24/7 e viram que poderia ter o mesmo resultado comendo arroz feijão e frango fritado no oléo com um deficit de kcal HAHAHAHAHAHHA

    • Justamente pelo contrário. O que o artigo está sugerindo é que você faça dietas com restrição calórica etc

  10. Nossa..quem escreveu este texto realmente esta por fora do que pesquisas, medicos, especialistas da area de nutricao e saude vem abordando sobre …realmente e muito facil se fazer afirmacoes sem nenhum conhecimento…sem baseamento cientifico…

  11. O povo precisa entender que existem, basicamente, duas formas de ver a nutrição: macronutrientes e micronutrientes. Com raras exceções, não faz diferença os tipos de macros que você está ingerindo, mas é aquela coisa. Um MacDonald não tem nenhuma vitamina, tem muito sódio e etc… Claro que você vai ficar debilitado se você comer só isso. Mas, separando teoricamente, pela sua mente, só os macros do macdonald, vai dar na mesma a perca e ganho de peso.

    • A comparação vem de duas pessoas que consomem o mesmo valor energético. ex: 2000 calorias; mas uma ingeriu mais proteínas e carbos e gorduras boas, também micronutrientes como vitaminas C, A , D… e a outra ingeriu as 2000kcal vindas de fastfood e pizza, obviamente os nutrientes próprios para massa muscular não foram ingeridas e quanto desses carbos não se tornaram gorduras ruins no organismo? veja bem esses alimentos tem muito colesterol, gordura trans, e tantos malefícios que é impossível ficar bem, fisicamente. qualidade no treino e nos resultados.

  12. O pior post que já li nesse site. Totalmente sem noção. Nunca vi uma dieta de MM’s e Coca Cola. Que piada cara…

  13. Tem um grupo de coaches no YouTube que prepara atletas para competições de fisiculturismo e basismo natural (sem uso de AEs de qualquer tipo). Eles usam um conceito de pirâmide, onde, em ordem, as coisas que devem ser pensadas em uma dieta são:
    Calorias
    Macronutrientes e fibras
    Micronutrientes, Vitaminas, Minerais e água
    Horário das refeições e frequência
    Suplementação
    EStilo de vida e comportamento
    Quem souber inglês, é só jogar no google you youtube: GAvW6xBZjSk

    Uma hora eu ainda traduzo isso.

  14. Vinicius Fortuna Responda

    Belo post, mas não é preciso contar calorias pra td.
    Emagreci 3 kg no fim do ano comendo menos (colocando uma colher a menos de feijão, tres a menos de arroz e bebendo pouco nas festas), não contei 1 caloria sequer. Na musculação continuei com a intensidade e mudei o treino para o estilo Gironda principalmente nos exercícios de Pernas, Costas, Ombros e Peito.

  15. Ótimo artigo, Aless!

    O pessoal deve ler o artigo com mais cuidado, tem muita abrobrinha sendo dita aí. Ninguém nega que certos alimentos são piores para a saúde, isso é óbvio; a questão é que contando kcals a perda de peso será igual.

    Eu acredito na IIFYM, mas não quer dizer que como só “porcarias”. É uma filosofia que possibilita seguir a dieta de forma flexível. Essa mentalidade de comer de 3 em 3 horas, levar comida em Tuper Ware, etc; não trás diferença de resultados e só torna a socialização da pessoal mais difícil. Meu IIFYM é bem saúdavel, tenho macros pra proteína, carboidrato, gorduras e fibras. E como frutas e vegetais 2-4x por dia. O intuito do IIFYM é tornar a consciência nutricional algo mais fácil se seguir, mais flexível; ninguém precisa deixar de ir em churrasco com amigos e familiares, deixar de sair final de semana com os amigos bebendo moderadamente.Com a flexibilidade e moderação, vem uma adesão BEM mais fácil ao mundo da musculação.

    Pra fechar, vi o Dorian Yates falar, numa entrevista no youtube (london real), algo que concordei: “Eu só levei o estilo de vida de um ficulturista porque tinha potencial pra ser o melhor. Uma pessoa normal não precisa passar por isso e nem tem necessidade.” E, hoje, ele diz que leva a vida como uma pessoa normal e, surpreendentemente gosta disso, de poder comer fora de vez em quando, não ter tudo programado para cada hora do dia. Fica o recado: poucos aqui são fisiculturistas, e menos ainda tem um potencial real de ser algo no esporte; não há o porquê de toda essa mentalidade anti-social quanta ao que tange a musculação.

    • Errado amigo. Come 1000kcal de peito de frango ou tome 1000kcal de açúcar definitvamente a perda de peso não será igual.

  16. Algumas pessoas estão lendo o item 1 e vindo falar asneiras aqui.
    .
    No contexto de CALORIAS, não importa se elas vêm de Mcdonalds ou de batata-doce. ISSO NÃO QUER DIZER QUE VOCÊ DEVA COMER PORCARIAS. O texto diz que você pode comer algumas porcarias no meio da dieta, SEM ATRAPALHAR os resultados.
    .
    Eu li outro texto ou tem pessoas com sérios problemas de interpretação.

    • Do texto: “Não há nenhuma evidência de que “fast food” engorde mais do que “comidas saudáveis” se elas tiverem o mesmo número de calorias5”. De onde que o autor tirou isso?

  17. Não sou médico a ponto de debater com o texto,obviamente parece ser uma pessoa instruída ou que leu muito antes de escreve-lo.Porém o texto é escrito de forma arrogante e diz que as teses do autor são fatos incontestáveis,tem muita coisa aí que não é mito consumado e autor faz uma bela forçação de barra com exemplos esdrúxulos.

    Em segundo lugar eu acredito em pessoas que atravessam por experiencias para comprovar o que dizem,o autor é um ex-gordo magrelo de 18(DEZOITO ANOS)CICLISTA E NADADOR.Ou seja,academicamente ele não é nada e duvido que tenha pegado em algum haltere em toda sua vida pra poder ajudar especificamente um praticante de fisiculturismo,logo excluo sua análise de refeição pós atividade física.

    Em terceiro lugar eu dei uma olhada nas fotos dele,ele não tem o menor aspecto de pessoa saudável,não digo que todos os caras grandes entendem de como ficar grande e nem que todo cara que entende como ficar grande tem obrigatoriamente que ser grande.Mas vc confiaria em um dentista com dentes tortos e amarelos?,vc confiaria em um instrutor de auto-escola com CNH suspensa?,vc confiaria em um personal trainer gordo?

    Prefiro manter essa minha base de dieta e alimentação que segundo ele é um mito e um absurdo e que colocou bodybuilders no palco do que ir pelas teses dele.Pode ser uma análise simplista mas foi assim que eu consegui e consigo os meus ganhos.

  18. Não concordo. Acho que qualidade na alimentação influencia na qualidade do ganho sim. A comparação vem de duas pessoas que consomem o mesmo valor energético. ex: 2000 calorias; mas uma ingeriu mais proteínas e carbos e gorduras boas, também micronutrientes como vitaminas C, A , D… e a outra ingeriu as 2000kcal vindas de fastfood e pizza, obviamente os nutrientes próprios para massa muscular não foram ingeridas e quanto desses carbos não se tornaram gorduras ruins no organismo? veja bem esses alimentos tem muito colesterol, gordura trans, e tantos malefícios que é impossível ficar bem, fisicamente. qualidade no treino e nos resultados.

    Concordo por a questão das calorias em outro sentido. Avalio por mim mesma, quando faço cutting e bulking, geralmente para ‘definir’ eu mantenho a mesma ingestão diária de calorias, porem a quantidade de carbo e proteina. porem eu mudo a qualidade desses carbos, apenas integral e ig baixo. vão dar as mesmas calorias porem auxilia em outros aspectos como redução de gorduras, colesterol etc.
    Porem para ‘engordar’ ganhando massa magra eu aumento uma ou duas refeições a mais gerando um salto positivo muito maior na ingestão calorica diaria. Sem aumentar consideravelmente a gordura pois a quantidade e qualidade de gordura continuam sendo boas.

    Conclusão: a ingestão calórica deve ser observada de acordo com o objetivo, mas a qualidade dos alimentos é o mais importante. A grande diferença não é dos macros, mas sim micronutrientes, e de como esse alimento age no nosso organismo.

  19. só completando: alguns alimentos que controlam o colesterol e o estress e glicemia por eexemplo mudam a sensibilidade a insulina consequentemente aumentando a testosterona, nos deixando em estado anabolico por mais tempo.
    Geralmente esses alimentos não tem valores de macro consideráveis, mas não são encontrados nas comidas ‘porcarias’ … então mais uma vez vemos que a QUALIDADE é o mais importante. Pois a maioria desses alimentos nem tem calorias expressivas, como alho e sementes.

  20. Esse artigo não condiz com a qualidade dos demais artigos do site, deveria ser retirado.
    Comer 1000kcal em junk good é igual a comer 100kcal de forma saudável?? Fazer uma refeição de 1000kcal é igual a fazer 10 de 100??
    Essa pessoa simplesmente ignora que alimentos como junk food e grandes refeições aumentam os níveis de glicose no sangue e causam o acúmulo de gordura.
    Fracionar as refeições é importante SIM, e essa pessoa fez parecer ridículo. Está passando informações erradas. Repito que o artigo deveria ser retirado.

  21. mesmo o exemplo da coca cola e mms ser radical, tem sentido. Porém uma dieta com baixo teor nutritivo pode desencadear problemas a longo prazo. Mas entendi o que o autor quis dizer. Para obter perda de peso deve se manter o defcit calórico. Um exemplo são aquelas pessoas que tomam shake duas vezes por dia .. elas emagrecem mas isso nao quer dizer que é saudável.

  22. 11 razões pelas quais pessoas não contam calorias – e porque elas estão erradas – o autor esta frisando a importância de contar as calorias para perda de peso. Pra quem quer perder gordura, vc pode treinar muito mas se não tiver o defict calorico não conseguira obter o resultado.

  23. Boa tarde.
    Encontrei neste artigo a resposta que tanto eu precisava. Estou muito impressionado.
    Vou reformular minha dieta e rotina.
    Agradeço muito pelo trabalho.

Escreva um comentário