O que é metabolismo, anabolismo e catabolismo ?

Se você é um estudante ou praticante de musculação assíduo, já deve ter ouvido as palavras metabolismo, anabolismo e catabolismo, mas não sabia exatamente como diferenciar cada uma delas ou seus respectivos significados.

Neste texto veremos a importância de cada um em nosso organismo e como isso pode influenciar seus resultados (ou ajudar você em seus estudos).

O que é metabolismo ?

Para o organismo funcionar, são necessárias inúmeras reações bioquímicas que ocorrem a nível celular.

O conjunto – o todo – dessas reações é definido como metabolismo.

Dentro dessas inúmeras reações bioquímicas são divididas em dois tipos: anabolismo e catabolismo.

Anabolismo

Todas as reações que geram armazenamento de energia e construção de novos tecidos no corpo fazem parte do anabolismo.

Durante um processo anabólico, moléculas menos complexas, conhecidas como substratos, se juntam para sintetizar moléculas mais complexas.

A síntese (criação) de proteínas no tecido muscular a partir dos aminoácidos é um processo anabólico.

A formação de glicogênio a partir do agrupamento de moléculas de glicose, também no tecido muscular, é considerado outro tipo anabolismo.

Estes processos ocorrem, por exemplo, após uma sessão árdua de treino resistido quando ingerimos carboidratos e proteínas.

Publicidade

Os carboidratos serão convertidos em glicose e, em partes, serão transformados em glicogênio.

Já as proteínas fornecerão os aminoácidos necessários para gerar a síntese de novas proteínas, algo fundamental durante o processo de hipertrofia muscular.

O anabolismo só ocorre quando há uma oferta de energia e substratos suficientes para sustentar suas reações.

É através do processo anabólico que realizamos a manutenção e regeneração de diversos tecidos e órgãos do corpo.

Catabolismo

No lado oposto das reações do metabolismo, temos o catabolismo.

Durante um processo catabólico nosso organismo irá realizar o processo inverso do anabolismo, desmontando moléculas mais complexas e tornando-as em moléculas mais simples.

Este processo é capaz de aumentar a disponibilidade de substratos disponíveis para o organismo.

O exemplo mais comum de catabolismo é o processo de digestão de alimentos onde o organismo a desmembramento dos nutrientes presentes na comida, transformando-os em elementos mais simples para serem usados pelo metabolismo (inclusive por processos anabólicos).

Proteínas presentes em um alimento serão transformadas em aminoácidos e estes, através de vários outros processos, serão colocados dentro da corrente sanguínea para serem usadas pelo corpo.

Outro exemplo comum do catabolismo (e o menos desejável) ocorre quando há uma escassez de energia no organismo e manter os níveis de substratos disponíveis o corpo “destrói” os próprios tecidos para conseguir aminoácidos e glicoses que posteriormente serão usados como energia.

Publicidade

Durante um treino de musculação, inevitavelmente, o organismo é obrigado a fazer isso para suprir a demanda de energia.

Por conta disso, fica claro que o anabolismo, no caso o crescimento muscular, não ocorre quando estamos treinando.

Na verdade, durante o treino, estamos perdendo massa muscular.

A construção de massa muscular virá durante o período de descanso e somente na presença de substratos (glicose e aminoácidos) suficientes para o processo de hipertrofia ocorrer.

fases metabólicas: anabolismo e catabolismo

Um cabo de aço entre anabolismo e catabolismo

Anabolismo e catabolismo acontecem a todo momento no organismo e de forma transitória.

O que definirá se você estará “anabolizando” mais do que “catabolizando” é o resultado final dessas reações através do balanço metabólico.

  • Se houve mais anabolismo do que catabolismo, no final teremos um balanço metabólico positivo.
  • Se houve mais catabolismo do que anabolismo, no final teremos um balanço metabólico negativo.
  • Se a quantidade dos dois é igual, o balanço será nulo.

O balanço entre um e outro vai muito além da quantidade de substratos disponível.

Eles também são regulados pelo sistema hormonal, onde alguns hormônios, atuam como sinalizadores e desencadeadores desses processos.

Por exemplo: o hormônio cortisol é capaz de desencadear catabolismo, gerando uma quebra rápida de tecidos para gerar glicose rapidamente em situações de estresse.

Já a testosterona e a insulina fazem o contrário, sinalizando anabolismo muscular.

Publicidade

Por isso formas sintéticas de testosterona (e até insulina) são usadas com intuito de aumentar a quantidade de massa muscular.

a) Caso a quantidade de anabolismo tenha sido maior do que a de catabolismo, teremos um balanço metabólico positivo.
b) Caso a quantidade de catabolismo tenha sido maior do que a de anabolismo, teremos um balanço metabólico negativo.
c) Caso a quantidade de anabolismo tenha sido igual à de catabolismo, teremos um balanço metabólico nulo.

O catabolismo e anabolismo são regulados pelo sistema hormonal, onde alguns hormônios específicos atuam como sinalizadores e desencadeadores destes estados metabólicos.

Por Prof Benito Olmos

Referências Bibliograficas:

  • Fox, E.L., and Mathews, D.K. Bases fisiológicas da educação física e dos desportos. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 1986.
  • McCardle,W.D., Katch,F.I. and Katch, V.L. Exercise physiology: energy nutrition and human performance. 3rd ed., Lea & Febiger, Phyladelphia, 1991.
  • Warren, M.P.,Constantini, N.M., Sports Endocrinology , Totowa, Humana Press, 2000.

Ainda está com dúvidas sobre alguma questão? Visite nosso fórum de discussões e compartilhe suas dúvidas com mais de 270 mil pessoas cadastradas.

×