Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

β-Alanina: Uma Nova Estratégia


zinduck100

Posts Recomendados

β-ALANINA: UMA NOVA ESTRATÉGIA

Evidências indicam que a fadiga em atividades de alta intensidade é causada em grande arte pelo acúmulo de íons H+. Logo, estratégias que melhorem a capacidade de tamponamento são potencialmente ergogênicas. A carnosina é um tampão intracelular que apresenta grande contribuição para a capacidade tamponante total da fibra muscular.

A Síntese endógena de carnosina, realizada a partir dos aminoácidos histidina e β-alanina, é limitada pela disponibilidade de β-alanina. Portanto, a suplementação de β-alanina promove aumento da carnosina intramuscular e contribui para o desempenho em atividades de alta intensidade, especialmente naquelas limitadas pela acidose intramuscular.

A fadiga muscular pode ser definida como a incapacidade do músculo em manter uma determinada tensão ou de manter o exercício físico a uma dada intensidade. As causas da fadiga podem ser múltiplas e incluem a inibição de enzimas que participam da transferência de energia, a diminuição da sensibilidade ao cálcio (Ca++) do aparato contrátil, a diminuição da liberação ou da recaptação de Ca++ ao retículo sarcoplasmático e a depleção de substratos energéticos (SAHLIN, 1986; 1992; ALLEN, LAMB e WESTERBLAD, 2008).

Diante dessa importância da regulação do pH (medida que indica a capacidade de liberação ou de captação de íons H+), durante o exercício de alta intensidade, estratégias que contribuam para a manutenção do equilíbrio ácido-base tornam-se potencialmente ergogênicas.

A carnosina (-alanil-L-histidina) é um dipeptídeo intracelular citoplasmático encontrado em altas concentrações no músculo esquelético de vertebrados e invertebrados (HARRIS, TALLON, DUNNETT et al., 2006).

O mais bem documentado efeito da carnosina é o de manutenção do equilíbrio ácido-base intracelular (HARRIS, TALLON, DUNNETT et al., 2006),

A carnosina é sintetizada primordialmente no músculo esquelético (e em alguns outros tecidos que não serão aqui contemplados) a partir dos aminoácidos L- histidina e B-alanina em uma reação catalisada pela enzima carnosina sintase.

A carnosina é sintetizada no músculo e em outros tecidos a partir dos aminoácidos B-alanina e L-histidina, pela enzima carnosina sintase. Como essa enzima tem afinidade maior para a histidina do que para a B-alanina e como a concentração de histidina tanto no meio extra quanto no intracelular é substancialmente maior do que a de B-alanina, fica claro que in vivo a síntese de carnosina é, em condições fisiológicas, limitada pela disponibilidade de B-alanina (HARRIS, TALLON, DUNNETT et al., 2006).

Assim sendo, o aumento da concentração intramuscular de B-alanina é a mais eficiente maneira de se aumentar a síntese endógena de carnosina e, consequentemente, a capacidade tamponante das células musculares via esse composto.

Doses Testadas em alguns Estudos

40 mg/kg e 20 mg/kg --> Sintoma neurológico caracterizado por sensação de “formigamento”.

Utilizando-se a dose única máxima tolerável de 10 mg/kg, os mesmos autores demonstraram que os níveis plasmáticos de B-alanina retornam ao normal cerca de 3 horas após a ingestão.

Isso significa que, para se obter uma ingestão diária mais elevada de -alanina, pode-se repetir diversas vezes a ingestão de 10 mg/kg, desde que haja intervalo mínimo de 3 horas entre as doses (HARRIS, TALLON, DUNNETT et al., 2006).

Efeitos

Antes da suplementação de B-alanina, estima-se que a contribuição da carnosina para a capacidade tamponante total seja de aproximadamente 10% (HARRIS, TALLON, DUNNETT et al., 2006).

O aumento relatado de cerca de 65% no conteúdo muscular de carnosina pode elevar essa contribuição para cerca de ~15% e se considerarmos apenas as fibras do tipo II, que são justamente as que apresentam maior conteúdo de carnosina e as que mais estão sujeitas à acidose, a contribuição estimada sobe para cerca de 25% ou mais (HARRIS, TALLON, DUNNETT et al., 2006).

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Publicidade

  • Respostas 50
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

boa informação, tenho testado a beta alanina em mim e em outros musculadores, assim como em corredores tbm, aliando À ribose pra endurance, e tenho tido otimos resultados, considero juntamente com a leucina isolada o aminoácido mais importante pra performance, logico que a arginina ajuda mas na minha visao ele ajuda mais na imunidade e no bem estar do metabolismo como um todo, ja a beta-alanina realmente vc faz e só para a hora que o braço nao mexe mais, e no caso dos corredores sentem baixar o tempo com certeza

abc

andré

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

tbm venho testando a beta alanina e to gostando bastante

atualmente to usando 4g por dia dividido em 2 doses e tbm to tomando creatina junto

o formigamento acaba q em 2 semanas ja nao pra sentir mais e se vc consumir junto com algum tipo de carboidrato, o formigamento eh reduzido pra caramba

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

EFEITOS COLATERAIS -> B-ALANINA

- Parestesia ( formigamento );

- Redução da captação de taurina;

As duas substâncias competem pelo mesmo receptor.De fato, estudos com modelo animal mostram que a adição de 3% de B-alanina na água resulta em uma dramática queda no conteúdo de taurina em alguns tecidos, especialmente tecidos nervoso, hepático e cardíaco (PARILDARKARPUZOGLU,

DOGRU-ABBASOGLU, BALKAN et al., 2007). Como a taurina exerce importantes efeitos de proteção ao

estresse oxidativo e à peroxidação lipídica, a diminuição da taurina intracelular poderia tornar a célula mais exposta a tais

agentes agressores. Entretanto, os dados de PARILDAR-KARPUZOGLU, DOGRU-ABBASOGLU, BALKAN et al. (2007),

mesmo mostrando grande redução na taurina intracelular, não observaram nenhuma evidência de maior susceptibilidade

tecidual à peroxidação lipídica ou desregulação no equilíbrio pró-oxidante/anti-oxidante. O mesmo grupo mostrou no ano

seguinte (PARILDAR, DOGRU-ABBASOGLU, MEHMETCIK et al., 2008) que ratos idosos podem estar mais sujeitos aos danos

causados pela redução intracelular de taurina induzida pelo aumento de B-alanina. Contudo, vale mencionar que a dose utilizada

nesses trabalhos foi muitas vezes maior do que a dose tipicamente utilizada em estudos com humanos (HARRIS, TALLON,

DUNNETT et al., 2006), a qual é relativamente próxima ao que se pode obter diretamente da dieta quando consumidos

alimentos ricos em dipeptídeos histidínicos. Além disso, os estudos de HARRIS, TALLON, DUNNETT et al. (2006) e HILL,

HARRIS, KIM et al. (2007) não observaram em humanos nenhuma redução na concentração intramuscular de taurina em

decorrência da suplementação de -alanina. Diante disso, desde que respeitadas as doses máximas sugeridas, a suplementação

de B-alanina provavelmente não terá nenhum efeito adverso importante.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

pois é, beta alanina funciona para quem usa repetições mais altas.. melhora a resistência, não a força... além de ter alguns uns efeitos irritantes em algumas pessoas

Mesmo não aumentando a força máxima, a suplementação de b-alanina mostrou-se capaz de melhorar a

qualidade de uma sessão de treinamento de força (HOFFMAN, RATAMESS, ROSS et al., 2008), permitindo que os atletas

realizassem um treino com maior volume, sendo esse definido pelo produto das repetições pelas cargas utilizadas.

Mas vc está certo já que a produção de força máxima não é limitada pela queda intramuscular do pH.

Por outro lado, os estudos que utilizaram exercícios contínuos de alta intensidade com duração

superior a 60 segundos (HILL, HARRIS, KIM et al., 2007; STOUT, CRAMER, ZOELLER et al., 2007) ou que utilizaram múltiplas

séries supra-máximas de exercícios intermitentes (DERAVE, OZDEMIR, HARRIS et al., 2007), nos quais a redução do pH

intramuscular é bastante acentuada e verdadeiramente limitante para o desempenho (GRANIER, DUBOUCHAUD, MERCIER

et al., 1996), verificaram que a suplementação de b-alanina melhora o rendimento.

Considerando o que foi acima discutido, pode-se afirmar que, assim como já foi demonstrado para outras substâncias

tamponantes, a suplementação de b-alanina é capaz de melhorar o desempenho em atividades que sejam limitadas de fato pela

queda no pH intramuscular. Isso inclui exercícios com envolvimento de grandes grupos musculares, sejam eles contínuos de

alta intensidade com duração superior a 60 segundos, ou múltiplas séries intermitentes de esforços supra-máximos. Embora

essas informações sejam suficientes para a formulação de hipóteses sobre quais modalidades esportivas poderiam ou não ser

beneficiadas pela suplementação de b-alanina, estudos futuros deverão testar esse suplemento em situações mais próximas

possíveis do real em diversos ambientes competitivos.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

O formigamento chega a irritar, é tenso.

Diminua a dose para 10mg/kg, e use essa dose a cada 3hs.

O ruim é que os pré workout em sua dosagem ultrapassam esse número.

Abçs

+ de 60 segundos = + que 10 repetições; logo para um treino de hipertrofia não ajudaria tanto...

já crossfit, resistência, e outros tipo de treino pode ajudar

Por outro lado, os estudos que utilizaram exercícios contínuos de alta intensidade com duração

superior a 60 segundos (HILL, HARRIS, KIM et al., 2007; STOUT, CRAMER, ZOELLER et al., 2007) ou que utilizaram múltiplas

séries supra-máximas de exercícios intermitentes (DERAVE, OZDEMIR, HARRIS et al., 2007), nos quais a redução do pH

intramuscular é bastante acentuada e verdadeiramente limitante para o desempenho (GRANIER, DUBOUCHAUD, MERCIER

et al., 1996), verificaram que a suplementação de b-alanina melhora o rendimento.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    • Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×
×
  • Criar Novo...