Ir para conteúdo
Fórum Hipertrofia
  • Cadastre-se
Clique aqui
Entre para seguir isso  
Andrey Soares

Foda-Se A Motivação...

Avalie este tópico:

Posts Recomendados

Levar as tarefas a cabo causa os estados interiores que procrastinadores crônicos acreditam que precisam para iniciar as tarefas.

Para fazer qualquer coisa, há basicamente duas formas de se colocar numa situação em que aquilo efetivamente vai ser feito.

A primeira opção, mais popular e devastadoramente errônea, é tentar se automotivar.

A segunda, uma escolha um tanto impopular e completamente correta, é cultivar a disciplina.

Trata-se de uma daquelas situações onde adotar uma perspectiva diversa redunda em resultados superiores imediatamente. Poucos usos do termo “mudança de paradigma” são realmente legítimos, mas aqui temos um deles. É como acender a lâmpada em cima da cabeça.

Qual é a diferença?

A motivação, falando de modo geral, opera sob a presunção errônea de que é necessário um estado mental ou emocional particular para que uma tarefa seja realizada.

Isso está completamente invertido.

A disciplina, em vez disso, separa o funcionamento externo dos sentimentos e mudanças de humor, e assim ironicamente, ao melhorar as emoções de modo consistente, evita o problema.

As implicações disso são enormes.

Levar as tarefas a cabo efetivamente causa os estados interiores que procrastinadores crônicos acreditam que precisam para iniciar as tarefas em primeiro lugar.

Colocando de forma mais simples, não se deve esperar até se estar em boa forma para começar a treinar. Treina-se para se chegar à boa forma.

Quando a ação se condiciona pelas emoções, esperar um estado de humor ideal se torna uma forma particularmente insidiosa de procrastinação. Conheço isso muito bem, e gostaria que alguém tivesse me apontado isso vinte, quinze ou dez anos antes de eu acabar aprendendo a diferença ralando na vida.

Quem espera até ter vontade de fazer as coisas para fazê-las, está fodido. É exatamente disso que surge o temido círculo vicioso de procrastinação.

O ciclo da procrastinação

Mais tarde eu faço! -> Droga, não tô fazendo nada. -> Talvez eu deva considerar começar essa tarefa... -> ... mas não estou disposto o suficiente para fazê-la bem. (repete)

A essência de correr atrás da motivação é a insistência na fantasia infantil de que só devemos fazer as coisas que estamos a fim de fazer. O problema então se coloca da seguinte forma: “Como eu chego ao ponto de estar a fim de fazer o que eu racionalmente decidi fazer?” Isso é ruim demais.

A pergunta certa seria “Como deixo meu humor de lado e faço as coisas que conscientemente quero fazer, sem frescura?”

O ponto é cortar a ligação entre os sentimentos e as ações, e fazer a coisa de qualquer jeito. Você vai se sentir bem, energético e excitado depois de agir.

A motivação inverte tudo isso. Estou 100% convencido de que esta perspectiva defeituosa é o principal motor da epidemia de “sentar de cuecas jogando videogame e batendo punheta” que atualmente ataca os países desenvolvidos.

Também há problemas psicológicos na dependência da motivação.

A vida e o mundo reais algumas vezes exigem que se faça coisas com que ninguém em sã consciência conseguiria se entusiasmar, e assim a “motivação” se depara com o obstáculo insuperável de tentar produzir entusiasmo por aquilo que objetivamente jamais o mereceria. Fora a preguiça, a única solução é acabar com a sanidade das pessoas. Esse é um dilema horrível, e felizmente falacioso.

Tentar martelar o entusiasmo por atividades fundamentalmente chatas e miseráveis é literalmente uma forma de automutilação psicológica deliberada, uma insanidade voluntária: “GOSTO TANTO DESSAS PLANILHAS, MAL POSSO ESPERAR PARA PREENCHER A EQUAÇÃO PARA O VALOR FUTURO DA ANUIDADE, AMO TAAAAANTO MEU TRABALHO!”

Não considero episódios autoinfligidos de hipomania os melhores impulsionadores da atividade humana. É inevitável que ocorra algum tipo de compensação tímica com episódios de depressão, uma vez que o cérebro humano não tolera o abuso por tempo indetermiando. Estão presentes travas e válvulas de segurança. Ocorrem ressacas hormonais.

A pior coisa que pode acontecer é ser bem sucedido na coisa errada – temporariamente. Um cenário muito superior é reter a sanidade, o que infelizmente tende a ser confundido com fracasso moral: “Eu ainda não amo meu trabalho fútil de tirar um papel daqui e colocar ali, devo estar fazendo algo errado.” “Ainda prefiro comer bolo, e não brócolis, e assim não consigo perder peso, talvez eu seja fraco mesmo.” “Eu devia comprar outro livro sobre motivação.” Besteira. O erro crucial aqui é encarar essas questões em termos de presença ou ausência de motivação. A resposta é a disciplina, não a motivação.

Há outro problema prático com a motivação. Tem validade restrita, precisa ser constantemente revigorada.

A motivação é como dar corda manualmente numa manivela pesada para através disso obter uma grande força instantânea. No melhor dos casos, ela armazena e converte a energia para uma finalidade particular. Há situações onde ela é a atitude correta, exceções em que ficar superanimado e armazenar um montão de energia mental de antemão é o melhor a fazer. Corridas olímpicas ou fugas de prisões seriam casos assim. Mas fora esses casos limítrofes, ela é uma base terrível para o funcionamento regular cotidiano, e para qualquer coisa que exija resultados consistentes em longo prazo.

Em contraste a isso, a disciplina é como uma máquina que uma vez colocada em funcionamento, na verdade passa a fornecer energia ao sistema.

A produtividade não exige nenhum estado mental. Para resultados consistentes em longo prazo, a disciplina supera em muito a motivação, de fato a disciplina acaba correndo ao redor, humilhando a motivação.

Em resumo, a motivação é tentar encontrar aquela vontade de fazer as coisas. Disciplina é fazer mesmo se não se tem vontade.

Você se sente bem depois.

A disciplina, enfim, é um sistema que funciona, já a motivação é semelhante aos objetivos em si. Há uma simetria. A disciplina mais ou menos se autoperpetua e é constante, já a motivação é uma coisa meio aos solavancos.

Como se cultiva disciplina? Construindo hábitos – começando com coisas bem pequenas, com que se consegue lidar, coisas até mesmo microscópicas, e assim ganhando impulso, reinveste-se nela em mudanças cada vez maiores na rotina, dessa forma construindo um círculo virtuoso de retroalimentação positiva.

A motivação é uma atitude contraproducente. O que conta é a disciplina.

* * *

Nota: Este texto foi originalmente publicado no Wisdomination.com.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Conteúdo continua após a publicidade.

Me dá calafrio só de lembrar a época que eu ficava atrás de frases, textos e vídeos motivacionais.

Essa merda é como se fosse uma droga, o sujeito precisa cada vez mais dela pra se sentir motivado. No início, qualquer coisa já o motiva, o cara assiste aqueles vídeos do Rocky Balboa e já fica com sangue no zóio. Só que passa um tempo e o seu cérebro se torna cada vez mais exigente.

E o pior é que essa bosta tem mercado: youtube. artigos e livros.

Fujam da motivação. A ''essência'' pela busca da motivação para fazer alguma coisa já leva a pessoa ao fracasso: ela precisa se sentir bem para começar aquela atividade chata. Isso significa que a pessoa deu uma ''opção'' ao seu cérebro, pois se ela não se sentir suficientemente animada, ela pode ficar enrolando até que se sinta bem, e essa hora provavelmente nunca chegará.

A disciplina é diferente. Vc estando bem ou mal, que se foda. Vc vai começar aquela atividade independente disso. Ou seja, não há opções.

Motivação só serve se vc já deu início ou quer aumentar o ritmo, e nunca para começar a agir.

Quer descobrir se a pessoa é indisciplinada? Vai no facebook dela. Se ela frequentemente compartilha textos motivacionais, é quase certeza que é indisciplinada, ou, no mínimo, é fogo de palha e logo desistirá.
Não lembro quem disse, mas tem uma frase mais ou menos assim: ''um grande sacrifício é fácil, os pequenos sacrifícios diários é que são difíceis''.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

não concordo com o texto, para mim motivação e disciplina não são auto-excludentes, pelo contrário, eles se completam. Mas acredito que o problema está na definição de motivação que o autor dá (livros e videos de auto-ajuda, etc) o que nesse caso eu concordo que só gera um curto período de falsa motivação.

Com a disciplina vc constroi os hábitos, com a motivação, vc os mantem

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A produtividade não exige nenhum estado mental. Para resultados consistentes em longo prazo, a disciplina supera em muito a motivação, de fato a disciplina acaba correndo ao redor, humilhando a motivação.

O autor do texto parece que confunde disciplina com foco. Não há qualquer possibilidade de se manter uma disciplina sem a motivação necessária para tal. Isso é óbvio demais. O que ocorre, muitas vezes, é que a pessoa já adquiriu uma certa habitualidade numa tarefa, facilitando assim sua execução e repetição, porém a automotivação é indispensável para que se possa evoluir nessa execução.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

nem li tudo mas entendi doque estão falando.

Antigamente eu ia no you tube antes de treinar e logo pesquisava "bodybuilding motivation" e aquilo realmente me animava. Hoje se estou com desamino e assisto isso não muda nada fica na mesma até tento me animar encaixando umas poses mais nada. Mas mesmo assim, mesmo sem animo eu lembro do meu objetivo e vou e ai que esta a verdadeira motivação

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O autor do texto parece que confunde disciplina com foco. Não há qualquer possibilidade de se manter uma disciplina sem a motivação necessária para tal. Isso é óbvio demais. O que ocorre, muitas vezes, é que a pessoa já adquiriu uma certa habitualidade numa tarefa, facilitando assim sua execução e repetição, porém a automotivação é indispensável para que se possa evoluir nessa execução.

Veja esse então;

COMO MANTER A MOTIVAÇÃO ELEVADA (vale a pena ler)

Quando as mulheres estão tristes, deprimidinhas, desmotivadas, para elas é suficiente reclamar de seus problemas para todo mundo, e uma legião de miguxos e amigas falsas surgem para consolar a coitadinha. Frases de apoio, de motivação chovem aos montes. Todo mundo para pra dar atenção à chorona, como se os problemas dela fossem mais importantes que qualquer outra coisa.

Enquanto isso, homens tristes, deprimidinhos e desmotivados são vistos com nojo pelas mulheres e pelos falastrões. Os amigos dão uns tapas nas costas do cara, chamam ele para fazer qualquer programa de merda e tudo volta a estar ok. Foda-se o problema do cara ser realmente sério. Ele é homem, e tem que superar essa tristeza e falta de ânimo sozinho!

A grande real é que ninguém, incluindo sua mãe, seu pai, seus parentes e melhores amigos, se importa minimamente com os seus problemas existenciais. E qualquer reclamação de sua parte só irá provocar o afastamento deles. Homens deprimidos causam nojo nas pessoas, ao contrário de mulheres deprimidas, que despertam pena.

Por causa disso, aprender a se manter motivado é de fundamental importância para o homem. Você deve saber identificar quando está desmotivado, o que está provocando essa desmotivação e o que você deve fazer para corrigir este quadro. Além disso, muito mais importante que vencer um desânimo temporário, é saber como se manter motivado praticamente todo o tempo. Você tem metas enormes para cumprir, e, francamente, não pode ficar perdendo tempo com momentos de tristeza.

Para começo de conversa, se você faz muita força para se manter motivado, isso é um sintoma gravíssimo de desmotivação profunda. Tudo o que funciona de forma forçada é artificial. Não é de se estranhar que, de vez em quando, você cai em profunda desmotivação, e fica sem vontade para fazer nada.

O mesmo se pode falar de quem fica procurando videozinhos motivacionais de merda, palestras motivacionais, frases de efeito e outras merdas que me deixam puto, para se manter motivados! Esse monte de bosta só serve para motivar artificialmente as pessoas, jogando as mesmas em profunda depressão logo em seguida. Não se diferenciam em nada de drogas injetáveis.

O esforço que você deve fazer para se motivar deve ser razoavelmente baixo. Em outras palavras, você deve contar com uma certa "motivação natural", a qual você não precisa se esforçar muito. Só deve contar com uma "motivação extra" em momentos específicos.

Se a sua "motivação natural", que é a motivação que você tem sem fazer qualquer esforço, está baixa, então tem algo que você está fazendo de muito errado, que está te jogando para baixo. Ou então, é algo que você está deixando de fazer. Não vai adiantar nada se motivar de forma artificial, porque o problema em você é de outra ordem.

E como se faz para se ter uma motivação natural?

Primeiro, uma mudança de mentalidade. Tome consciência de que você NÃO É ESPECIAL! Não, você não é nenhum ser único, especial, poderoso, nascido para brilhar e chegar ao topo! Se você se considera especial, estará a meio caminho de cair em depressão e desmotivação!

Tenha consciência de que você é só um merda, em meio a outros seres humanos de merda, lutando para conquistar seu espaço de merda e construir alguma coisa que não seja merda. Só isso!

Você não nasceu com direito a nada! Não está escrito em lugar nenhum que você merece se tornar um ser fodão, rico, bombado e pegador! Não há garantia nenhuma de que seu esforço irá resultar em qualquer coisa parecida com isso! E ninguém está obrigado a te ajudar em nada!

Eu reconheço que a orientação acima é meio estranha, quando falamos de motivação. Mas a grande real é que, quando você acha que tem direito a qualquer coisa, quando você não conquista aquilo que você imaginava ter direito, se desmotiva. Fica frustrado porque as outras pessoas não reconhecem em você a imagem que você tinha de si mesmo (wtf???)!

A partir do momento que você reconhece que não é merda nenhuma, que não tem direito a nada, que não pode exigir nada dos outros e que não há garantias de que seu esforço resultará em alguma coisa, aí você passa a reconhecer o valor do seu esforço, da sua perseverança, e passa a se motivar mais.

É só olhar as empresas: elas sabem que não têm direito a ter um público cativo, sabem que os produtos que elas levaram meses (e muito dinheiro) para produzir poderão não ser aceitos pelo mercado, sabem que não há nenhuma garantia de que seu faturamento continuará crescendo, como vem acontecendo há anos a fio. E também sabem que nenhuma delas não irá dominar o mercado; no máximo, conseguirão atender a um pequeno nicho, a nível local, e terão de dividir esse nicho com outras empresas.

Isso as desmotiva? Pelo contrário: elas se empenham cada vez mais em oferecer o melhor, em superar o concorrente e em surpreender o consumidor. A total falta de garantias traz às empresas uma característica essencial para qualquer um que aspira construir alguma coisa: humildade! E essa humildade de saber que só terão alguma coisa se arregaçarem as mangas é que as mantém motivadas!

A partir do momento que você tomar consciência de que não é merda nenhuma, que não tem direito a nada e que ninguém é obrigado a reconhecer o seu esforço, você passará a buscar formas e mais formas criativas de alcançar os seus objetivos, analisará melhor os seus passos, aprenderá melhor com os seus erros e irá se desenvolver mais rápido.

Aproveitando a dica acima, já levantamos outra grande verdade: justiça não existe! Essa história que vemos nos filmes, que o bem vence o mal sempre (não existem vilões na vida real) é pura falácia! Vence não o "bem" ou o "mal"; vence aquele que se mantém motivado.

Falar que justiça não existe desperta a fúria de muita gente. É uma matrix difícil de se derrubar essa matrix da justiça. Mas a verdade é que, se você se esforçar mais que o outro, isso não dá garantias de que você será mais bem-sucedido! Pode ser que o outro, que não se esforça quase nada, seja mais bem-sucedido que você! Pode ser, ainda, que você, que se esforçou, seja mal sucedido, enquanto o outro pode chegar ao topo, mesmo se esforçando pouco.

Porque eu estou pegando nessa ferida? Para que você PARE DE RECLAMAR DAS "INJUSTIÇAS"!

Não existe justiça! Assim como NÃO EXISTE INJUSTIÇA! Existem apenas fatos da vida! Aceite isso!

Ao invés de reclamar que o outro está melhor que você (ficar se comparando com os outros é altamente desmotivador), compare a si mesmo com o que você era no passado! É só isso que importa!

Se você está melhor do que estava há um ano atrás, foda-se se o outro, que estava ainda pior que você, está agora lá no topo! Foda-se o fulano que nasceu em berço de ouro e está levando uma vida que você, com todo o seu trabalho, não consegue chegar à metade! Foda-se o ciclano que nasceu bonito, alto e pega muito mais mulher naturalmente do que você, que tem que se esforçar pra cacete para pegar uma ou duas!

Isso não significa que você deva ficar cego à realidade que está na sua cara. Negar a realidade também é desmotivador. O que você deve fazer é reconhecer a realidade de que outros estão melhores que você com menos esforço, e NÃO LIGAR A MÍNIMA PARA ISSO!

Outro erro muito comum de pessoas que se desmotivam fácil são metas gigantes. Se você está como funcionário raso e a sua meta é chegar a presidente da empresa, está fazendo errado! Sua meta deveria ser chegar a auxilar do chefe do seu setor, ou fazer curso técnico ou faculdade para ter alguma profissão, ou juntar dinheiro para abrir um negócio pequeno por fora!

Se você traça objetivos que só poderão ser cumpridos daqui há alguns meses ou anos, você está traçando o caminho ideal para te jogar no abismo da depressão! Isso porque o seu cérebro tem necessidade de sentir o sabor da vitória em intervalos de tempo relativamente curtos, e esperar meses ou anos para saborear é altamente desmotivador!

Ao invés disso, trace objetivos curtos, que poderão ser cumpridos em intervalos curtos de tempo. Lembre-se de praticar a humildade de que falamos há alguns parágrafos acima! Depois que esses objetivos curtos forem cumpridos, trace outros maiores, mas que possam ser cumpridos em intervalos curtos de tempo.

Porra, para quê esperar meses ou anos para saborear uma vitória? Quantas pequenas vitórias você poderia saborear ao longo de todo esse tempo? Quantas coisas boas poderiam acontecer a você enquanto aguarda o cumprimento de uma meta gigante? Pense nisso!

Anote cada vitória em algum lugar. Pode ser uma planilha, um caderno, qualquer lugar onde você faça um histórico das suas conquistas. Olhe para esse histórico de pequenas conquistas quando aquela desmotivação bater.

Tenha várias metas de uma vez só. Aquela história de de que pato anda, nada e voa, e não faz nada direito, é balela! Pelo contrário: quem faz várias coisas consegue fazê-las melhor do que quem se foca em uma única tarefa, porque a visão de quem trabalha em várias tarefas simultâneas é muito maior.

Tenha a meta de fazer academia, ganhar dinheiro, fazer cursos que dêem retorno, poupança e investimentos, lazer, fazer novas amizades, enfim, trace várias metas.

E, mais importante que traçar várias metas, é se envolver com elas o máximo de tempo possível. Ficar parado é desmotivador! Repare que todas as vezes que te bateu a desmotivação, você estava parado, ou então estava muito tempo focado em uma única tarefa. Não dê chances para a desmotivação!

Não desperdice suas energias. Você deve tomar ciência de que suas energias são limitadas, e não devem ser desperdiçadas, porque, senão, vai faltar energia em outra atividade urgente. Se você está empenhado em uma tarefa, e aquilo não está andando, não fique concentrado naquela tarefa por muito tempo. Limite a quantidade de tempo que você vai ficar concentrado ali e, esgotado o tempo, esqueça aquela tarefa e procure outra.

Lembre-se que o seu cérebro precisa saborear vitórias em intervalos de tempo, e ficar concentrado muito tempo em uma tarefa que não anda irá te desmotivar. Esqueça aquela tarefa por algum tempo, foque em outra e, quando você voltar a se dedicar àquela tarefa, você vai perceber que irá executá-la mais facilmente. Essa dica vale para absolutamente tudo, seja na vida profissional, pessoal, familiar e social.

E, por último, mas não menos importante, faça sexo! Não, eu não falei em se masturbar ou assistir filme pornô: é sexo mesmo! Homens que não fazem sexo são desmotivados, não importa o que façam! Faça sexo, nem que, para isso, tenha que recorrer a prostitutas!

Desenvolver uma motivação natural, que não dependa de "palavras de conforto" para se manter, não é algo tão difícil assim. Uma mudança de mentalidade acompanhada de mudanças de atitude resolvem 99% dos problemas de desmotivação. São estratégias simples, mas de grande efeito. Não é nada exatamente novo ou superelaborado, mas funciona! E é só isso que importa!

Homens devem saber como se manter motivados. Uma das bases da masculinidade é a automotivação constante e natural. As pessoas esperam que você se mantenha motivado, e buscam em você inspiração para se motivarem também. E o seu sucesso, ainda que não garantido, depende de você se manter motivado até o fim.

-Sr. X

----------------------------------------

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Concorso mais c o segundo texto mesmo, de resto assino embaixo o post do Manel... motivação na maior parte tem de vir de vc e disciplina não se mantém sem motivação.. nas forças armadas há incentivo e nao só disciplina.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  

  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×
×
  • Criar Novo...