Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Clique aqui

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''OBESIDADE''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Hipertrofia
    • Venda de Suplementos
    • Nutrição e Suplementação
    • Treinamento
    • Esteróides Anabolizantes
    • Geral
    • Diário de Treino
    • Saúde e Qualidade de Vida
    • Academia em Casa
    • Área Feminina
    • Assuntos Acadêmicos
    • Entrevistas
    • Arquivo
  • Assuntos gerais
    • Off-Topic
    • Mixed Martial Arts
    • Fisiculturismo, Powerlifting e Outros
  • Fisiculturismo
  • Multimídia
    • Vídeos de Fisiculturismo e Strongman
    • Fotos Fisiculturismo
    • Fotos de Usuários
  • Fórum
    • Críticas, Sugestões e Suporte ao Fórum
    • Lixeira
  • Off-Topic

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Localização


Peso


Altura


Idade

Conteúdo continua após a publicidade.

Encontrado 22 registros

  1. Link para o primeiro tópico dessa nova temporada: Olá, bem-vindo(a) a meu diário! Deu uns probleminhas técnicos aí com meu diário antigo, mas como eu tinha reativado há poucos dias, recomeço aqui, sem problemas. Meus dados básicos são: 51 anos 1,83 m 140,2 kg em 29/06/2019 Minha meta é baixar o BF ... vai que alguém tenha dúvidas, né? Tenho diversos problemas de saúde associados à obesidade. Diversos. O que você verá nesse diário? Os seguintes registros: como foi meu sono na noite anterior funciona como uma mola propulsora básica para o resto das coisas que vierem minha dieta diária a parte mais importante do diário. Serão expostos os macros e o valor energético total Estou querendo postar algumas refeições-lixo, pois vi que esse conteúdo costuma gerar algumas curiosidades para os colegas da IIFYM meu treino diário aquelas rotinas de sempre e meu peso diário é a consequência do correto cumprimento dos três aspectos acima há colegas que preferem se pesar semanalmente, outros quinzenalmente, mas eu prefiro o dia a dia. Não é uma batalha: É UMA GUERRA Talvez durante a semana eu use um "modo econômico" e, nos fins de semana eu seja mais detalhista. Bom, era isso, pessoal. Abraços.
  2. Bom...nunca escrevi nenhum relato ou nada do tipo antes, então isso tudo é novo pra mim. Sou um garoto que quer vencer a obesidade e ganhar massa muscular no processo, então aí vai meus dados: Idade: 17 anos Peso: 115kg Altura: 1,80 BF: Não faço a MÍNIMA ideia Treinei jiu jitsu durante 5 anos, profissionalmente por 2, treinando cerca de 3 ou 4 horas por dia, o que na época fazia as pessoas perguntarem: E como tu não emagrece?A resposta é simples, eu sempre comi que nem um cavalo, chegando assim ao auge do meu peso com 16 anos, pesando 130kg. Em janeiro desse ano resolvi deixar o JJ de lado, pois a vida adulta está chegando, então tem toda aqueles problemas que só o jovem que está se formando no ensino médio sabe. Mas pra não ficar parado, comecei a correr 2 vezes na semana e cortar 100% do açúcar da minha dieta, o que me fez perder 15kg(Estagnou à uns 3 meses). Pra ajudar nessa perda de peso, à uns 2 meses resolvi começar na musculação, e estou curtindo pra caralho. Segunda vou começar num treino de força e vou fazer a cetogênica, cortando 100% dos carbs da minha dieta, o que eu ACHO que vai ser fácil(Oremos que seja). Então, digamos que esse vai ser um relato duplo, onde vou mostrar minha perda de peso e meu progresso de cargas. Meu treino terá uma divisão ABC, sendo assim: A - Supino reto com barra 5x4a6 Supino reto com halteres 5x4a6 Supino com pegada fechada 5x4a6 Desenvolvimento com halteres 5x4a6 B - Agachamento 5x4a6 Leg Press 5x4a6 Terra 5x4a6 C - Barra fixa no graviton 5x4a10 (Achei melhor fazer assim pra ir gradativamente diminuindo o auxilio do equipamento) Remada baixa 5x4a6 Rosca direta 5x4a6 Encolhimento com halteres 5x4a6 Abdominais vou fazer em casa, provavelmente nas terças e quintas. Meu objetivo principal vai ser chegar aos tão sonhados dois dígitos na balança, com 99kg, totalizando 16kg off. A pesagens vão ser feitas todo sábado, em completo jejum, e os relatos pretendo fazer à cada novo treino e no dia da pesagem, totalizando uma media de 4 relatos semanais.Qual o real motivo de eu estar aqui relatando isso? Simples, sou indisciplinado pra dieta, então eu acabo desistindo muito fácil de tudo, então esse relato vai me ajudar a não desistir, porque eu obviamente vou ter vergonha de chegar aqui e dizer "bom gurizada, desisti da dieta" Aí vai uma foto minha: Qualquer dica vai ser bem vinda, em qualquer aspecto do treino/dieta. Segunda começam os relatos
  3. Casca do amendoim ajuda no controle do diabetes e na prevenção da obesidade Compostos presentes na casca reduzem a absorção de açúcar e gordura pelo organismo. Compostos naturais da pele de amendoim podem auxiliar na prevenção da diabete e da obesidade. Esse é o resultado de um estudo desenvolvido na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, sediada em Piracicaba. De autoria do cientista de alimentos Adriano Costa de Camargo, o trabalho resultou em uma tese que segue a linha de estudos recentes e demonstra que subprodutos da indústria de processamento de amendoim e uva podem ser ricos em compostos bioativos. "O que acontece é que esses compostos neutralizam a ação de radicais livres a partir da sua função antioxidante. Os radicais livres causam danos no DNA, que podem levar a modificações genéticas e progredir para um câncer, por exemplo", explica Adriano. Além disso, o pesquisador afirma que "os radicais livres também causam danos no LDL [colesterol ruim], o que desencadeia processos inflamatórios e a formação de placas nas artérias, o que pode prejudicar e até impedir o fluxo sanguíneo até o coração, podendo levar a um infarto". No caso da pele do amendoim, Adriano Camargo explica que, quando ingerimos alimentos que contêm carboidratos (açúcares) e lipídios (gorduras), é necessário que haja quebra dessas moléculas gerando outras moléculas menores, que podem ser absorvidas e utilizadas pelo nosso organismo. "Essa quebra ocorre a partir da ação de enzimas. Os compostos presentes na pele do amendoim se ligam a essas enzimas e é como se impedíssemos completa ou parcialmente a quebra dos açúcares e das gorduras. Neste caso, a diminuição da absorção de açúcares e gorduras pode ser benéfica para o gerenciamento e prevenção do diabetes e da obesidade, respectivamente", complementa o especialista. Outra ação comprovada em laboratório foi a atividade antimicrobiana. "Testamos os compostos extraídos do amendoim e da sua pele em nove bactérias e houve inibição do crescimento bacteriano em todas elas. O teste foi feito comparando-se com o antibiótico comercial Ampicilina. Esses compostos podem vir a ser utilizados como fontes de substâncias antimicrobianas naturais, que podem auxiliar na prevenção de doenças de origem bacteriana", diz Adriano Camargo. (com Jornal da USP e Acom da Esalq).
  4. Obesidade não é bonito, muito menos saudável, entenda o porquê O tecido adiposo e seus diferentes papéis na obesidade "Não faz muito tempo que foram descobertas funções endócrinas nos adipócitos (células que armazenam lipídeos), aqui eu tratarei sobre como algumas estão diretamente relacionadas à obesidade. Estrógenos: Há a presença da enzima aromatase P450 no tecido adiposo, ela é responsável pela conversão da testosterona e androstenediona em e2 (estradiol) e e1 (estrona) respectivamente. Quanto mais gordo o indivíduo for, mais aromatização ele realizará, logo, mais estrogênio e menos testosterona. Sabendo que a testosterona é responsável pela caracterização masculina física e comportamental do homem (veja mais aqui), o estrogênio não só reduzirá a ação da testosterona, como fará a oposta, já que é o hormônio responsável pela caracterização feminina, tenderá a desenvolver tais características (físicas, psicológicas e comportamentais) ao homem. Num exemplo mais claro de efeitos dos estrogênios no corpo: aumento da retenção de líquidos (1), aumento da gordura corporal (2), desenvolvimento de ginecomastia (crescimento da glândula mamária masculina) (3), etc. Angiotensinogênio: uma proteína comumente sintetizado no fígado, também é secretada em abundância pelo tecido adiposo. Quando a enzima renina atua na proteína, ela é convertida em Angiotensina I, finalmente convertendo-se em Angiotensina II através da enzima ECA ou pela quimase. As funções da Angiotensina II são: constrição das veias, constrição das arteríolas e liberação de aldosterona, as quais levam ao aumento da pressão arterial. Um bom detalhe à frisar: Leptina: Fator de sinalização do tecido adiposo ao sistema nervoso central, regula a ingestão alimentar e o metabolismo, assim, fazendo a homeostase do peso corporal e das quantidades de gordura. É conhecida a correlação positiva entre os níveis circulantes de Leptina e a quantidade de gordura corpórea – quanto mais gordo, mais leptina deveria produzir; outro fator de suma importância na secreção deste hormônio são as alterações agudas no balanço energético, daí surgem todas as estratégias de refeed para dietas em baixo carbo, que tendem a baixar a leptina. No que concerne à regulação hormonal, a insulina, os glicocorticóides, os estrógenos e TNF-alfa (Fator de necrose tumoral-alfa) são estimuladores da leptina, por outro lado, as catecolaminas e os andrógenos a reduzem. Insulina e leptina também apresentam regulação retrógrada negativa. Enquanto a insulina estimula a secreção de leptina, a hiperleptinemia – muita leptina no sangue – inibe a secreção de insulina, evitando um aumento ainda maior nos níveis de leptina. Adiponectina: Proteína específica e abundante no tecido adiposo, correlaciona-se negativamente com o IMC e área da gordura visceral abdominal. Funciona como contrarregulador, aumenta asensibilidade insulínica, lipólise, reduz a inflamação, atenua a progressão da aterosclerose e age como fator protetor para doenças cardiovasculares (5). Estudos mostraram que havia uma correlação inversa entre o peso corporal e os valores de adiponectina plasmática, ao contrário do verificado para a leptina circulante (4). Por mais que seja produzida no tecido adiposo, ela é reduzida em obesos, a perda de peso aumenta sua concentração sanguínea. Tire suas próprias conclusões. Um indivíduo obeso terá níveis de estrogênio maiores que os normais (o que o leva a ter pressão arterial aumentada, tendências de desenvoltura de características femininas, ganho de gordura acentuado, enquanto perde os benefícios da testosterona, as características masculinas, o ganho de massa magra e perda de gordura), terá níveis de angiotensinogênio aumentados (levando à reabsorção de sódio e água e excreção de potássio, causando hipertensão, também inibindo a lipólise e estimulando a lipogênese), terá níveis de leptina reduzidos (por mais que os níveis sejam proporcionais à massa gorda, obesos são resistentes à ela {6}) e níveis de adiponectinareduzidos. Foram vistas acima todas as funções destes hormônios no corpo e suas consequências, como se não bastasse, os obesos vivem em estadopró-inflamatório devido aos macrófagos do tecido adiposo secretarem TNF-a (fator de necrose tumoral-alfa, citocina pró-inflamatória que está relacionada com a resistência à insulina {7}), IL-6 (interleucina-6, citocina pró-inflamatória), MCP-1 (proteína quimiotática de monócitos 1, citocina pró-inflamatória) e resistina (proteína pró-inflamatória, também relacionada com a resistência à insulina). (8, 9, 10) Obesidade, má alimentação e riscos neuronais Um estudo (6) mostrou que até os próprios alimentos que os obesos comem – e que causam sua obesidade – passam a tomar posição inversa. O prazer gerado pela alimentação, pelos doces, podem vir ou do seu índice glicêmico alto, gerando picos de insulina, por consequência, aumentos transitórios da serotonina, ou pela concentração de triptofano no alimento, sendo combustível para a via de conversão de triptofano em serotonina, com os dois findando num estado de bem-estar. Pode-se ver nessa cadeia de acontecimentos: a ingestão de carboidratos de alto indice glicêmico levam à resposta insulinêmica, aumento transitória da serotonina, levando a um estado de bem-estar (stato di bennessere), gerando mais necessidade por aquele carboidrato (ânsia por doce), tornando o indivíduo resistente à insulina, finalizando com o aumento de peso. Aqui entra o problema, mesmo que o obeso esteja numa dieta saudável, o triptofano ingerido, que normalmente entra na síntese da serotonina, devido ao estado pró-inflamatório explicado anteriormente, é desviado para a síntese de Ácido Quinolínico. Ácido quinolínico, este, que causa: excitação neuronal excessiva, morte neuronal e depressão. Obesidade e alterações clínicas Uma meta-análise (11) analisou 12 dentre os maiores estudos sobre mortalidade e eventos cardiovasculares desde metade do século passado, totalizando 61.386 indivíduos e 3988 eventos cardiovasculares. Foram divididos em grupos por pessoas bem nutridas com e sem alterações metabólicas e obesos com e sem alterações metabólicas. Concluindo que, comparado aos indivíduos saudáveis de peso normal, pessoas obesas têm risco aumentado para adversidades à longo prazo – até mesmo sem a presença de alterações metabólicas graves, sugerindo que não há quadro positivo e saudável em estar com sobrepeso. Obesidade não é bonito, e também não é saudável Por fim, por mais que haja campanhas defendendo a auto-estima de pessoas com sobre-peso, mostrando que isso é normal, é “cotidiano” e deve ser forçosamente aceitado socialmente, isso é errado, isso é doentio e perigoso. Ponha de lado o politicamente correto e analise a realidade como ela é, não só é feio e desagradável – em termos estéticos, como também é grave e riscoso, como foi mostrado acima. Se há a possibilidade de ser mudado, o estado de obesidade deve ser fortemente combatido, não caiam nem deixem que seus próximos caiam no papo de aceitação social, isso é ridículo, se de fato fosse algo bom, não necessitaria de campanhas em via de alterar os prismas de percepção de realidade e a forma com a qual lidamos com eles." Texto feito por Lucas Maia, retirado do blog: http://www.vivendolowcarb.com/obesidade-nao-e-bonito-muito-menos-saudavel-entenda-o-porque/
  5. Oie genteeee Sou Bárbara e tenho 27 anos. Eu acompanho algumas discussões do fórum e matérias do blog há um bom tempo, somente agora tomei uma decisão de me apresentar e pra isso decidi também abrir um tópico pra minha evolução. Tenho como objetivos: Emagrecimento saudável e uma suave hipertrofia. Um pouco sobre mim: Sou gastrônoma, com especialização em nutrição. Nunca fui magérrima, mas também nunca tive problemas com obesidade. Entre meus 16 e 23 anos sempre pesei entre 65 e 70kg. Nunca passei disso. (vejam fotos desta época); Sempre cultuei meu corpo, presando a feminilidade, com treino na academia semanal, muitos tratamentos de estética, e alimentação balanceada saudável. Nunca tive problemas com comida.. Na verdade, eu não fazia questão de ter um corpo nos padrões da sociedade, de ser magra.. Nem que eu quisesse, pois minha estrutura corporal é grande.. Meu objetivo sempre foi gostar do que eu via no espelho, era bem exigente com o espelho, biquini e medidas. Entretanto. Há uns 4 anos venho enfrentado dificuldades. Fui diagnosticada com depressão profunda, enxaqueca, diabetes e obesidade (engordei cerca de 52kg). eu literalmente me afundei, foi muito difícil. Após um quase suicídio, enfrentei tratamento de 2 anos para a depressão e a enxaqueca. Graças a Deus agora eu tenho pouquíssimas crises, e já sei prevê-las e lidar com elas. Tenho pré-diabetes que comecei a tratar através da alimentação e alguns suplementos vitamínicos. A obesidade eu tive somente agora coragem de enfrentar. Foi difícil encarar o espelho.. mas.. O tempo vai passar... Independente o que eu fizer (ou se eu nada fizer..) o tempo vai passar.. Eu não suporto estar assim, isso me consome.. A vida só começa quando saímos de nossa zona de conforto. Então, decidi agir, a reagir, finalmente. E se eu fui capaz de me afundar, eu sou capaz de me restabelecer, eu sou capaz de ser quem eu quero ser. Ficar assim não é opção. Então, convido a todos me acompanhar nesta jornada. Vou colocando aqui as atualizações da minha dieta, suplementação e também dos treinos. Fico agradecida de quem leu até aqui. ✿
  6. Sou mulher, tenho 21 anos, 162cm e peso 90kgs Malhei durante anos mas infelizmente fiquei parada por algum tempo e quero/necessito voltar. Pretendo amanhã fazer uma avaliação e recontratar personal, mas cada profissional fala uma coisa e quando pesquiso na internet as opiniões não batem. Pretendo seguir treino AB e treinar 4x por semana. Pesquisei sobre a dieta de 1800kcal e me pareceu interessante. Um personal me indicou o uso de sineflex. Alguma sugestão? Revirei o forum e já absorvi muitas informações mas ainda estou insegura sobre o que realmente será funcional para mim. Sou muito ansiosa e por isso estou apreensiva sobre os thermogenicos com alto teor de cafeína. no passado fiz uso de CL, LA, L carnitina e outros.. Agradeço desde já!
  7. Alimentação, não exercício, é 'chave para combater obesidade' A atividade física tem um papel relativamente pequeno no controle do peso e a atenção de políticas públicas contra a obesidade deveria estar na qualidade da alimentação - é o que defende um artigo assinado por médicos em uma publicação científica britânica. "A atividade física regular reduz o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, demência e algumas formas de câncer em até 30%", escrevem pesquisadores no British Journal of Sports Medicine. Eles dizem querer desfazer o que chamam de "mitos" sobre exercício e obesidade. "A atividade física não promove a perda de peso", argumentam. O texto, assinado por três especialistas da Grã-Bretanha, Estados Unidos e África do Sul, põe a culpa do problema da obesidade no alto consumo de açúcar e carboidratos nas dietas modernas. E ataca a indústria alimentícia por incentivar a percepção equivocada de que o exercício possa compensar os efeitos negativos da má alimentação. "A Coca-Cola, que gastou US$ 3,3 bilhões em publicidade em 2013, empurra a mensagem de que 'toda caloria vale'; eles associam seus produtos com o esporte, sugerindo que é tudo bem consumir suas bebidas desde que você se exercite", escrevem. "A ciência nos diz que isto é enganoso e equivocado. O que é crucial é a origem das calorias. As calorias do açúcar promovem depósitos de gordura e fome. As calorias da gordura promovem saciedade." Mau hábito Os cientistas dizem que até 40% dos indivíduos com peso considerado normal enfrentarão anormalidades metabólicas associadas com a obesidadepor causa de hábitos alimentares inadequados. Também observam que a obesidade representa "apenas a ponta do iceberg" dos efeitos adversos da má alimentação na sociedade. "Segundo o relatório sobre o peso global das doenças da (publicação científica) Lancet, uma dieta pobre já gera mais doenças que a inatividade física, o álcool e o fumo juntos." Para o cardiologista Aseem Malhotra, da Academy of Medical Royal Colleges, na Grã-Bretanha - um dos médicos que assinam o artigo - "uma pessoa obesa não precisa fazer nenhum exercício para perder peso, só precisa comer menos". "Minha maior preocupação é que a mensagem que está sendo transmitida ao público sugere que você pode comer o quanto quiser, desde que se exercite." "Isto não tem base científica. Você não pode compensar os efeitos de maus hábitos alimentares fazendo exercício." 'Pouco científico' Mas para outros médicos, minimizar a importância do exercícios físico é arriscado. Mark Baker, do Instituto Nacional de Saúde e Excelência do Tratamento, recomenda "uma dieta equilibrada em combinação com a atividade física". Para ele, seria uma "idiotice" abrir mão de uma coisa ou de outra. A federação britânica de comidas e bebidas disse que "os benefícios da atividade física não são uma moda ou conspiração da indústria". "Um estilo de vida saudável deve incluir tanto uma dieta equilibrada quanto exercício físico", disse uma porta-voz. A indústria diz que se compromete com esse objetivo ao incluir informação nutricional nas embalagens e oferecer alimentos com menor teor de sal, açúcar e gordura. "Esse artigo parece questionar a raiz de recomendações oficiais para o consumidor que se baseiam em fatos", atacou a porta-voz. "Isso cria confusão." Reportagem original (Inglês): http://www.bbc.com/news/health-32417699 Publicacäo no British Journal of Sports Medicine (inglês): http://bjsm.bmj.com/content/early/2015/04/23/bjsports-2015-094911.full Opiniöes? Que comecem os jogos!
  8. Comer fast food como sanduíches, comidas gordurosas e pizza pode estar fazendo mal para a sua saúde. Segundo uma pesquisa conduzida pelo professor de epidemiologia genética Tim Spector, do King´s College London, na Inglaterra, esse tipo de comida mata bactérias importantes do estômago que ajudam a proteger contra a obesidade, diabetes, câncer, doenças do coração e condições inflamatórias. Ter uma dieta baseada em comidas altamente processadas pode diminuir em um terço a flora estomacal. A pesquisa envolveu o filho do pesquisador, Tom, de 23 anos, que passou 10 dias comendo apenas comidas fast food como frango frito, batatas fritas e hamburgueres. Para hidratação, apenas refrigerante. Antes da dieta, o estômago dele tinha 3,5 mil espécies de bactérias. Após a dieta, cerca de 1,3 mil morreram e um dos tipos de bactéria tornou-se dominante. A conclusão é que alguns tipos de bactéria do estômago podem ajudar as pessoas a controlar peso. "A maior parte das pessoas consome menos de 20 tipos de comida, e a maioria delas é refinada artificialmente. Está claro que quanto mais você diversifique sua dieta, mais diversos serão os micróbios do seu estômago", afirmou o pesquisador ao jornal britânico Telegraph. Fonte: Goodrich JK, Waters JL, Poole AC, Sutter JL, Koren O, Blekhman R, Beaumont M, Van Treuren W, Knight R, Bell JT, Spector TD, Clark AG, Ley RE Human genetics shape the gut microbiome Cell. 2014 Nov 6;159(4):789-99. doi: 10.1016/j.cell.2014.09.053. (O estudo em questäo eu näo encontrei por isso citei esse estudo do mesmo autor para quem quiser alguma base teórica) Link para o estudo (em inglês):http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25417156 Matéria do jornal Telegraph (em inglês): http://www.telegraph.co.uk/foodanddrink/11595559/Junk-food-kills-bacteria-that-protect-against-obesity-heart-disease-and-cancer-study-finds.html Segunda matéria do jornal Telegraph (em inglês): http://www.telegraph.co.uk/foodanddrink/11603430/My-dad-made-me-eat-McDonalds-for-10-days.-This-is-what-happened.html
  9. Sinto-me um "alien" aqui no fórum por causa da minha idade e pela minha obesidade. Porém tenho quase certeza de que há um monte de tiozão que tem vontade de ter *** E MANTER *** um diário de treinamento, reportar seus progressos, encontrar um time de apoio, etc, como todos aqui utilizam dessa máquina de sinergia que é esse fórum. Acontece que definitivamente após os 40 anos, às vezes antes, o ser humano começa a ser acometido de uma série de males, como hipertensão, baixa produção de testosterona, diabetes tipo 2 e a rainha das doenças, a obesidade. E, a partir disso, o cidadão, mesmo visitando ocasionalmente o fórum, convence-se de que a única saída é a cirurgia bariátrica, o acompanhamento medicamentoso, enfim, torna-se "manso" no preparo para receber uma velhice com fraldas e com mais remédios em suas concentrações máximas. Acontece entretanto também que, podem ter tiozões meio invocados, teimosos, com sangue nos olhos, que foram punks ou metaleiros, que sentiram ódio, que simplesmente não gostam de aceitar como única saída as ações citadas no parágrafo anterior. E, tais pessoas, assistem impressionadas a emagrecimentos de 30 kg em seis meses, cutts espetaculares, enfim, transformações de pessoas jovens, saudáveis, que os fazem sentirem-se desencorajados a fazerem qualquer coisa, sem ao menos saberem que seus metabolismos são mais lentos, que as coisas acontecem em passos de tartaruga. Face ao exposto, sugiro a este formidável fórum a criação de uma seção 40+, para concentrar pessoas interessadas a ingressarem - ou ainda a relatarem suas experiências, dúvidas e problemas peculiares, caso já sejam provenientes de algum destes mundos - tanto no bodybuilding quanto no powerlifting, pois são as atividades físicas que observei que recebem gente de qualquer idade. Uso-me, HUMILDEMENTE, como exemplo: no ranking mundial de powerlifting raw (sem equipamentos), observei que, na minha categoria de peso/idade, eu não ficaria em último lugar...rs Isso pra mim é uma puta duma conquista. Pra endossar a sugestão, cito o fórum bodybuilding.com, o qual mantém uma seção 40+. Enfim, que os colegas moderadores, supermoderadores e administradores pensem a respeito da sugestão, ok? Agradeço ao espaço pra poder escrever isso!
  10. Boa noite, tenho 18 anos, 1,80 de altura de 103 kg,no começo de 2013 eu tinha 118 kg,porém comecei a fazer esteira,cheguei a 98 e nas ferias engordei um pouco comecei o ano com uma duvida bem normal,oque é melhor pra mim? eu continuar fazendo 1 hora de esteira por uns 5 meses e no sexto mês tomar um oxyelite pro,e ai partir pra musculação,emagrecer tudo que eu posso com aerobicos ou eu ja começo 2014 fazendo 20 ou 30 minutos de aej,e a noite faço muusculação e mais 20 minutos de esteira depois? eu to querendo fazer a primeira opção,pq tive bastante resultado legal com aerobico e nao fiquei tão flacido,e outra é que nao quero gastar dinheiro com suplemento pois estou economizando pra comprar uma moto a vista,e eu não iria conseguir fazer musculação sem fazer a dieta e suplementação certa,eu sei que o principal é a dieta,porém meu dia é corrido,e eu precisaria de uma boa suplementação pra me auxiliar no dia a dia. queria saber que se eu fizer 5 meses de aerobico,em junho fizer aerobico e tomar um bom termogenico,e teria um resultado legal,e claro,com uma boa dieta 6 meses de aerobico eu teria bons resultados e partiria tranquilo pra musculação,gostaria de saber se isso é um bom planejamento,obrigado.
  11. to com 100 kg e 1,79 de altura oque é melhor pra mim? continuar a fazer 1 hora de esteira por dia,jogar bola no domingo, até eu ficar mais magro,e ai começar a fazer musculação fazer 1 hora de esteira de manha e jiu jitsu a noite,pra caprichar no aerobico,e começar musculação ano que vem ou ja fazer musculação de manha,mesmo sendo gordo,1 hora de esteira a noite e jogar aquela bolinha no domingo?
  12. Olá a todos, sou novo no fórum e nesse mundo em geral. Li bastante coisa aqui e fora daqui desde que comecei a mudança de vida. Vou postar um pouco do que já ocorreu até então e depois, se houver quórum pra ouvir minhas chorumelas, hehe, irei postando novidades e atualizações. Li as regras e farei o possível pra deixar esse diário o mais organizado possível. Histórico Tive excesso de peso durante toda a minha infância e boa parte da adolescência. Mas nos últimos dois anos, para me eximir da culpa, coloco ela nos ombros da rotina de trabalho/vida de concurseiro/mestrando! Claro que noites em claro tomando Red Bull e comendo pizza pra estudar pras provas não ajudaram em nada, mas pelo menos o título de mestre está quase na mão e estou tendo o prazer de escolher qual cargo assumir no serviço público. O preço disso: Obesidade leve. Alerta e a Dieta Sedentária Depois de toda a leitura e aprendizado, sei que o IMC é um dos péssimos índices para obesidade. Mas foi ele que identificou a minha, não sou forte (longe disso), mas meu IMC bateu 32,9. Seguindo o exemplo de um amigo com um caso de obesidade bastante pior que o meu, iniciei tratamento numa clínica. Foram (e voltarão a ser, mas volto a isso mais tarde) consultas quinzenais com nutricionista e mensais com nutrólogo. Por questões profissionais, não vou dizer os nomes ou a clínica, ou postar em detalhes as dietas que me foram passadas. Mas em linhas gerais, elas consistiram de: 1ª Etapa: Hiperprotéica (Ausência total de carboidratos); 2ª Etapa: Inclusão leve de carboidratos por frutas e alguns vegetais do "tipo B" (cenoura, beterraba, vagem, ervilhas e outros); 3ª Etapa: Inclusão de carboidratos de índice glicêmico baixo; 4ª Etapa: Ganho de Imunidade (inclusão de castanhas de caju e algumas frutas/vegetais de índice glicêmico um pouco mais elevado) Depois o ciclo volta à primeira etapa. Nisso, tive bons resultados e já me despedi da obesidade. Esse diário aqui será o adeus definitivo. ___________________________________________ Início do Tratamento Idade: 26 anos Altura: 182cm Peso: 108,9 Kg Massa de Músculo Esquelético: 42,3 Kg Massa de Gordura Corporal: 34,7 Kg IMC: 32,9 Percentual de Gordura Corporal: 31,9% Relação Cintura - Quadril: 0,92 Área de Gordura Visceral: 149,3 cm² Primeira Meta Traçada (antes de mudar o foco, seja o novo foco qual seja): 87,3 Kg ___________________________________________ Me mantive com o tratamento por seis meses. A última bioimpedância que fiz foi dia 25/5/2013, meu tratamento teve ótimo resultado, entretanto, já estou estagnado (muito por minha culpa) há dois meses e por isso resolvi mudar a forma de lidar com o assunto, pelo menos por três meses, um aspecto dessa mudança é justamente este diário que eu espero, muito, ter apoio de alguns aqui. ___________________________________________ Última Bioimpedância (25/5/2013) Idade: 26 anos Altura: 182 cm Peso: 97,1 Kg Massa de Músculo Esquelético: 40,1 Kg Massa de Gordura Corporal: 26,7% IMC: 29,3 Percentual de Gordura Corporal: 27,5% Relação Cintura - Quadril: 0,89 Área de Gordura Visceral: 117,9 cm² ___________________________________________ Mudança de Atitude Bom, como dá pra ver, esse diário é um pouco diferente. A idéia aqui não é um ciclo de bulking ou cutting... A idéia é tentar mudar de mentalidade e se manter longe da obesidade. E poder sonhar com a idéia de "ciclar" hehehe Esse diário já começa com uma data de término. Porque estabeleci pra mim mesmo que voltarei às consultas em Setembro deste ano. São 3 meses nesse diário de treinos, e sim... Pretendo postar aqui na maior frequencia que for possível (tenho diversos compromissos tanto profissionais quanto acadêmicos que destróem meu tempo, infelizmente). Com o dinheiro que eu estava usando para pagar a clínica, durante esses três meses eu pretendo comprar suplementos alimentares que se façam necessários. ___________________________________________ Suplementação Nos artigos que li aqui, nos posts do fórum e nos artigos científicos sobre o assunto, vi uma diversidade de opiniões e resultados com a suplementação. Uma coisa é certa, a suplementação acaba nos forçando a pensar e viver o clima dieta/treinos. Seja por vê-los toda hora na estante ou por te forçar a ir treinar depois de você já ter tomado o suplemento "pré-treino". De qualquer forma, não fui à loja sem uma pesquisa prévia e, pro meu caso, além da reza braba, a pesquisa apontou como possíveis ajudantes: - Termogênico Pré-Treino (comprei o Lipo-Droll e estou tomando - há uma semana, hehe - 2 capsulas antes do treino. Sou estudante hard-core! hehe Então tenho bastante resistência à cafeína); - Whey Protein Isolado - Pós Treino, um scoop - Vitamina C pela manhã - Aumentar minha imunidade, não adianta perder 2 kg na academia e perder 3kg na cama. - Ômega 3 (óleo de peixe) ___________________________________________ Dieta Manterei a dieta que me foi passada pelos nutricionistas, no momento estou na 2ª etapa, de reinclusão leve de carboidratos. ___________________________________________ Treino Estou fazendo treino de adaptação na academia, aqui é a minha maior deficiência. Não apenas na dificuldade física, mas não sei quais os melhores treinos para mim. O que me passaram foi Corrida - 20min (aqui é o que sou menos pior, tenho feito Velocidade Média de 8,5 Km/h... mesmo há uma semana lá, eu já corri bastante na adolescência... muito mais que hoje, só que hoje tem a pochete atrapalhando) Agachamento Hack: 3x15 - 10Kg (Cada lado, acho que é essa a forma padrão de postar né? quanto de cada lado?) Supino Reto (Máquina): 3x15 - 26Kg Mesa Flexora: 3x15 (Não lembro a carga, mas edito com a correta) Puxada Supinada (Máquina): 3x15 - 33Kg Panturrilha (Esqueci o nome, mas é uma máquina do capeta): 3x15 - 110Kg Tríceps Polia: 3x15 - 20Kg Bíceps Rosca: 3x15 - 15Kg Transport - 10min diminuindo gradativamente a pulsação. ___________________________________________ Intuito com o Diário Além do chororô aqui, também pretendo contar com o apoio de vocês corrigindo meu treino e dando dicas, sugestões ou puxões de orelha quanto à alimentação ou suplementação. Minha idéia é baixar esse imenso percentual de gordura para a próxima bioimpedância, em setembro. (Queria frisar que, durante o tratamento, fiz uma medida com o método de 7 dobras de Pollock na academia e o percentual de gordura ficou sensivelmente menor do que com a bioimpedância, cerca de 4%). Se eu conseguir chegar perto dos 20% de gordura, a felicidade será grande! Conto com o apoio de todos, me desculpo pela bíblia que ficou o post e agradeço de antemão as visitas e posts. Abraços! E um dia sonho em poder postar um de Bulking, como a galera aqui!!
  13. Boa noite pessoal,vamos para oque interessa? Tenho 19 anos,1,79 de altura e no momento exatos 107,3 kg. O objetivo é simples,perder 12 kg em 2 meses,quero chegar a 95kg no final de julho,ai traço mais um objetivo,e mudamos o treino e meta. Minha rotina vai ser: Segunda:45 minutos de esteira de manha,1 hora de jiu jitsu a noite. Terça:45 minutos de esteira de manha,1 hora de jiu jitsu a noite. Quarta:45 minutos de esteira de manha,1 hora de jiu jitsu a noite. Quinta:45 minutos de esteira de manha,1 hora de jiu jitsu a noite. Sexta:45 minutos de esteira de manha,2 hora de jiu jitsu a noite. Sabado : Descanso. Domingo:Futebol de manhã. A dieta vai ser bastante variada,nem preciso dizer que vou cortar refrigerante,frituras e doces,vou tentar ingerir o minimo de carbo e o maximo de proteina,e complementar com algumas gorduras boas como azeite extra virgem. Inicialmente é isso galera,vou postar fotos de semana a semana pra ver se vcs percebem alguma mudança,meu real objetivo é chegar a 88 kg para começar a fazer musculação,nao me sinto confortável em malhar com o corpo assim agora,aceito dicas,sugestões,opiniões,e mesmo que ninguém acompanhe esse relato,vai ser importante pra mim ter ele aqui ativo pois vou ver como vai ser meu desenvolvimento e evolução. obrigado pela atenção,todo dia vou deixar aqui escrito como foi meu treino,fotos,todos os relatos possiveis,vamos acompanhar uma mudança de vida.
  14. Fala galera, beleza? Estou começando a praticar atividades físicas e a controlar minha alimentação, e além de encontrar aqui motivação e debates que sei que vão me ajudar, ainda tenho uma forma de acompanhar meu progresso, fazer alguns ajustes na Dieta e no treino pra que tudo fique melhor. Bom, vamos ao que interessa. Histórico Medidas Idade: 19 anos Altura: 1,84m Peso Atual: 100,10kg IMC: 29,57 (Sobrepeso Elevado) (Avaliação física agendada para dia 12/06, em breve todas as informações) Meta Atual: 94kg em 1/7 Fotos
  15. Adoçantes, adiposidade e distúrbios metabólicos Felipe Nassau 12/03/2013 Adoçantes e ganho de peso A obesidade é uma epidemia global, e a busca pelo emagrecimento, por motivos estéticos ou de saúde, é uma preocupação comum na sociedade moderna. Assim, várias estratégias nutricionais tem sido adotadas a fim de evitar o ganho de gordura, uma delas é o uso de adoçantes dietéticos (AD) não-calóricos, uma vez que o açúcar é um importante responsável na adipogênese. Porém, há evidências de que populações que buscam o uso dos AD engordam cada vez mais (YANG, 2010). Confirmando isso, modelos experimentais mostram que o uso de adoçantes induz ganho de peso e redução da saciedade (SWITHERS E DAVIDSON, 2008; SWITHERS et al., 2013). No caso do uso do aspartame ou sacarina sódica, com o mesmo consumo calórico, esse ganho pode ser superior ao induzido pelo consumo do próprio açúcar (FEIJÓ et al., 2013). Em outro trabalho, ratos expostos aos adoçantes ganharam peso mesmo sem alterar o consumo calórico (POLYÁK et al., 2010). E o mais grave é que esse ganho de gordura que pode ocorrer pela exposição ao sabor doce pode continuar mesmo após a interrupção do consumo de adoçantes (SWITHERS et al., 2009). Mecanismos de ação Os adoçantes, mesmo sem possuírem valor energético, induzem uma liberação de insulina independente do tipo de adoçante ao sensibilizarem sensores de sabor para o doce no trato digestivo(JEPPESEN, et al., 2000; BROWN et al., 2009; NAKAGAWA et al., 2009; ANTON et al., 2010). Este mecanismo ocorre pela produção de hormônios intestinais como incretinas e GLP-1 (BROWN et al., 2009) e, no caso da estévia, por mecanismo direto nas células-beta pancreáticas (JEPPESEN, et al., 2000). Com uma maior liberação de insulina, ocorre maior síntese de gordura no fígado. Além disso, o aspartame pode causar intolerância à glicose, principalmente na presença de glutamato monossódico, o que é comum em industrializados (COLLISON et al., 2012) Além da maior liberação de insulina, o consumo de adoçantes provoca maior absorção de glicose no intestino (ZHENG E SARR, 2013) por expressão de hormônios intestinais como GLP-1 e peptídeo YY (BROWN et al., 2012) ou no caso do acessulfame-K pela maior captação de glicose pelo GLUT2 (MACE et al., 2007). O consumo de substâncias muito doces causa alteração na percepção do sabor doce, induzindo preferência por esse tipo de sabor e fazendo com que o indivíduo necessite de alimentos cada vez mais doces para sentir o mesmo sabor (GREEN E MURPHY, 2012; ZUKERMAN, et al., 2013). Em modelos experimentais, o uso de acessulfame-K na gravidez e lactação pode induzir tais preferências aos filhos (ZHANG et al., 2011). O mesmo pode ocorrer pela exposição a disruptores endócrinos como o Bisfenol A (BPA), que é um contaminante plástico (Xu et al., 2011), ou pelo consumo de xenoestrógenos como a genisteína presente na soja (Kouidhi et al., 2013) Outro mecanismo importante para promover o ganho de gordura é que adoçantes como a sucralose, aspartame, sacarina sódica e ciclamato de sódio são capazes de alterar a microbiota intestinal, reduzindo bactérias benéficas e aumentando a população de bactérias patogênicas (PRETORIUS, 2012, QIN, 2012). Com a instalação da disbiose intestinal é reduzida a produção de beta-glicuronidase, o que reduz a conversão de bilirrubina conjugada para bilirrubina livre, diminuindo a inativação de proteases digestivas, aumentando a degradação de muco na parede intestinal e facilitando a exposição do epitélio intestinal para substâncias indutoras de danos, como as próprias toxinas das bactérias patogênicas. Esse maior dano no epitélio intestinal causa inflamação no intestino e alteração da permeabilidade seletiva dos enterócitos, fazendo com que macromoléculas tais como cadeias proteicas, fragmentos de membranas bacterianas (Lipopolissacarídeos ou LPS), e mesmo bactérias possam translocar do intestino e ganhar a circulação sanguínea, induzindo inflamação em outros tecidos (QIN, 2012). Essa alteração da permeabilidade intestinal é indutora de obesidade, adiposidade visceral e resistência à insulina (GUMMERSON et al., 2011). Com o organismo resistente à insulina, ocorre catabolismo muscular e maior lipogênese hepática induzida pela maior insulinemia. Esse estado favorece a piora do quadro metabólico, aumentando a resistência à insulina em função da perda de massa muscular, fundamental à regulação da homeostase da glicose (CAUZA et al., 2005) e potencializando a atividade inflamatória mediada por adipocinas (ex. TNF-a), produzidas em maior quantidade em pessoas com mais gordura corporal (KOPP et al., 2003). Adoçantes e riscos Saúde Apesar de serem liberados por órgãos reguladores, há indicativos de que adoçantes podem induzir patogênese. Em 2008, Andreatta et al. (2008) verificaram, em humanos, correlação positiva entre tumores no trato urinário e uso prolongado de adoçantes. Trabalhos que encontraram possíveis mecanismos de carcinogênese em diversos tecidos e alteração na função reprodutiva de primatas (TAKAYAMA et al., 2000) são prontamente atacados por apresentarem baixa significância estatística (HUFF e TOMATIS, 2000), porém, vale observar que apenas o grupo exposto aos adoçantes apresentou tais patologias, demonstrando evidências que devem ser consideradas. Estudos utilizados pelo FDA (órgão regulador americano) para liberação do consumo de aspartame são realizados com exposição por períodos curtos (LIM et al., 2006) como sugerido por Davis et al. (2008). No caso do acessulfame de potássio, os testes toxicológicos não são adequados para este tipo de análise (KARSTADT, 2010). Segundo Bandyopadhyay et al. (2008) o acessulfame de potássio e sacarina são capazes de induzir mutações genéticas na medula óssea. Os estudos utilizando modelos experimentais também merecem atenção, devido a gravidade das possíveis patologias associadas a esse distúrbio. Principalmente se for levado em consideração que o consumo de bebidas adoçadas artificialmente pode induzir acidose metabólica prolongada, que é uma condição extremamente catabólica e associada com algumas formas de neoplasia (DAHL et al., 2012). A administração de sacarina sódica em animais pode ocasionar diminuição da função renal, estresse hepático, maior proliferação de células brancas, alteração na morfologia e funcionalidade das hemácias, redução no hematócrito e hemoglobina e aumento da contagem de plaquetas (ABDELAZIZ E ASHOUR, 2011). Em 2011, Jang et al. demonstraram que o uso de adoçantes causa alterações na apoliporoteína A e redução na atividade antioxidante em LDL-colesterol, aumentando a fagocitose das mesmas por macrófagos, que por fim confere maior risco pró-aterosclerótico e aumenta a senescência de fibroblastos dermais, favorecendo o envelhecimento precoce. O consumo de adoçantes pela mãe durante a gestação e lactação aumenta o risco do desenvolvimento de asma e rinite nas crianças (MASLOVA et al., 2013). Estudo de Reddy et al. (2012) demonstrou que metabólitos do sorbitol podem aumentar a incidência de catarata. Além disso, o consumo de aspartame, sacarina sódica, sucralose ou qualquer outro adoçante que induza disbiose intestinal pode favorecer doenças inflamatórias intestinais graves como colite ulcerativa e granuloma (QIN, 2012). Adoçantes e neurotoxicidade Há algum tempo se fala sobre neurotoxicidade induzida por adoçantes, principalmente o aspartame, o que parece ser ignorado pelos órgãos reguladores de saúde. O aspartame é formado por fenilalanina e ácido aspártico (aminoácidos), além do metanol (álcool utilizado também na produção de combustíveis). Esses aminoácidos participam da regulação de alguns neurotransmissores. Há evidência de que consumo de aspartame pode causar dificuldade de concentração, insônia e outros distúrbios mentais em função do desequilíbrio das catecolaminas. Além disso, metabólitos do metanol como o formaldeído e a diketopiperazina, são neurotóxiocos e potencialmente cancerígenos (HUMPHRIES et al., 2008). Sabe-se que o formaldeído é um dos fatores mais importantes na patogenia da enxaqueca (JACOB E STECHSCHULTE, 2008). Há evidência de que o consumo de aspartame reduza escores de memória, o que parece estar associado ao estresse oxidativo (radicais livres) neuronal e redução da disponibilidade de glicose no cérebro (ABDEL-SALAM et al., 2012). Esse estresse oxidativo parece ser causado não só pelo desequilíbrio das catecolaminas, mas também pela diminuição do potencial antioxidante natural no cérebro por redução da glutationa e glutationa redutase (ABHILASH et al., 2013). Esse fato é potencializado em indivíduos mais inflamados, principalmente, na presença de LPS (ABDEL SALAM et al., 2012), indicando que a disbiose intestinal, possivelmente induzida pelos adoçantes, potencialize os efeitos neurotóxicos do aspartame. Possíveis efeitos benéficos da estévia. Ao contrário dos outros adoçantes, a estévia parece ser menos prejudicial ao organismo humano. Em estudo com animais, foi capaz de melhorar a sensibilidade à insulina, com efeito hipotensor e hipoglicemiante (LAILERD et al., 2004; JEPPESEN et al., 2003). Alguns desses efeitos são relacionados aos fitoquímicos presentes no extrato cru da planta (KUJUR et al., 2010). Desse modo, é necessário ter atenção e senso crítico, visto que na indústria de alimentos, dificilmente haverá tanta cautela na extração do adoçante, o que pode reduzir o possível benefício da estévia. Outro dado relevante é que boa parte do seu efeito hipoglicemiante acontece em função da secreção de insulina potencializada pela estévia (JEPPESEN et al., 2003; ANTON et al., 2010). Sendo assim, a estévia também pode causar ganho de gordura e estresse das células-beta pancreáticas. Considerações Finais É cada vez mais claro que artifícios sintéticos utilizados pela indústria para promover emagrecimento, além de ineficazes, podem colocar a saúde humana em maior risco. No caso dos adoçantes, não só aumentam o ganho de gordura, como podem causar patologias graves. A maioria dos estudos que defendem a utilização de adoçantes são inconclusivos ou apenas realizados em animais, e devem ser olhados com certa desconfiança já que a indústria do adoçante, ou mesmo de qualquer produto que promete emagrecimento sem esforço, movimenta grandes quantias de dinheiro, além de possuírem muito poder e influência. Esse poder pode interferir na publicação de trabalhos científicos que denunciam prejuízos no consumo ou que atestam uma falsa segurança na utilização tais substâncias. Deste modo, é fundamental entender que aprender a se alimentar e se exercitar de modo adequado, preferencialmente sob a prescrição de profissionais competentes, é o caminho mais seguro e efetivo para bons resultados, principalmente, se associados a uma melhor qualidade de sono e redução do estresse cotidiano. Referências Abdel-Salam OM, Salem NA, El-Shamarka ME, Hussein JS, Ahmed NA, El-Nagar ME. Studies on the effects of aspartame on memory and oxidative stress in brain of mice. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 16(15):2092-101. Dec, 2012. Abdelaziz I, Ashour Ael R. Effect of saccharin on albino rats' blood indices and the therapeutic action of vitamins C and E. Hum Exp Toxicol. 30(2):129-37. Feb, 2011. Abhilash M, Sauganth Paul MV, Varghese MV, Nair RH. Long-term consumption of aspartame and brain antioxidant defense status. Drug Chem Toxicol. 36(2):135-40. Apr, 2013. Andreatta MM, Muñoz SE, Lantieri MJ, Eynard AR, Navarro A. Artificial sweetener consumption and urinary tract tumors in Cordoba, Argentina. Prev Med. 47(1):136-9. Jul, 2008. Anton SD; Martin CK, Han DH, Coulon S, Cefalu, WT, Geiselman P, Williamson DA. Effects of stevia, aspartame, and sucrose on food intake, satiety, and postprandial glucose and insulin levels. Appetite. 55(1): 37–43. Aug, 2010. Bandyopadhyay A, Ghoshal S, Mukherjee A. Genotoxicity testing of low-calorie sweeteners: aspartame, acesulfame-K, and saccharin. Drug Chem Toxicol. . 31(4):447-57. 2008. Brown RJ, Walter M, Rother KI. Ingestion of diet soda before a glucose load augments glucagon-like peptide-1 secretion. Diabetes Care.,32(12):2184-6. Dec, 2009. Brown RJ, Walter M, Rother KI. Effects of diet soda on gut hormones in youths with diabetes. Diabetes Care. (5):959-64. May, 2012. Collison KS, Makhoul, NJ, Zaidi, MZ, Al-Rabiah R, Inglis A, Andres BL, Ubungen R, Shoukri M, Al-Mohanna FA. Interactive effects of neonatal exposure to monosodium glutamate and aspartame on glucose homeostasis . Nutrition & Metabolism. 9:58. 2012 Dahl GT, Woldseth B, Lindemann R. Metabolic acidosis mimicking diabetic ketoacidosis after use of calorie-free mineral water. Eur J Pediatr. 171(9):1405-7. Sep, 2012. Davis DL, Ganter L, Weinkle J. Aspartame and Incidence of Brain Malignancies. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 17:1295-1296. 2008 Feijó Fde M, Ballard CR, Foletto KC, Batista BA, Neves AM, Ribeiro MF, Bertoluci MC. Saccharin and aspartame, compared with sucrose, induce greater weight gain in adult Wistar rats, at similar total caloric intake levels. Appetite. 60 (1):203-7. Jan, 2013. Green E, Murphy C. Altered processing of sweet taste in the brain of diet soda drinkers. Physiol Behav. 5;107(4):560-7. Nov, 2012. Gummesson A, Carlsson LM, Storlien LH, Bäckhed F, Lundin P, Löfgren L, Stenlöf K, Lam YY, Fagerberg B, Carlsson B. Intestinal permeability is associated with visceral adiposity in healthy women. Obesity (Silver Spring).;19(11):2280-2. Nov, 2011. Humphries P, Pretorius E, Naudé H. Direct and indirect cellular effects of aspartame on the brain. Eur J Clin Nutr. 62(4):451-62. Apr, 2008. Huff, J. Tomatis, L. Letter to the editor. Toxicol Sci. 57, P 186, 2000. Jacob SE, Stechschulte S. Formaldehyde, aspartame, and migraines: a possible connection. Dermatitis. 19(3):E10-1. May-Jun 2008 Jang W, Jeoung NH, Cho KH. Modified apolipoprotein (apo) A-I by artificial sweetener causes severe premature cellular senescence and atherosclerosis with impairment of functional and structural properties of apoA-I in lipid-free and lipid-bound state. Mol Cells. 31(5):461-70. May, 2011. Jeppesen PB, Gregersen S, Poulsen CR, Hermansen K. Stevioside acts directly on pancreatic beta cells to secrete insulin: actions independent of cyclic adenosine monophosphate and adenosine triphosphate-sensitive K+-channel activity. Metabolism. 49(2):208-14. Feb, 2000. Jeppesen PB, Gregersen S, Rolfsen SE, Jepsen M, Colombo M, Agger A, Xiao J, Kruhøffer M, Orntoft T, Hermansen K. Antihyperglycemic and blood pressure-reducing effects of stevioside in the diabetic Goto-Kakizaki rat. Metabolism. 52(3):372-8. Mar, 2003. Karstadt M. Inadequate toxicity tests of food additive acesulfame Int J Occup Environ Health. 16(1):89-96. Jan-Mar, 2010 . Kouidhi W, Bergès R, Tiffon C, Desmetz C, El May M, Auger J, Canivenc-Lavier M. Perinatal xenohormone exposure impacts sweet preference and submandibular development in male rats. Oral Dis. Jan, 2013. Kujur RS, Singh V, Ram M, Yadava HN, Singh KK, Kumari S, Roy BK. Antidiabetic activity and phytochemical screening of crude extract of Stevia rebaudiana in alloxan-induced diabetic rats. Pharmacognosy Res. 2(4):258-63. Jul, 2010. Lailerd N, Saengsirisuwan V, Sloniger JA, Toskulkao C, Henriksen EJ. Effects of stevioside on glucose transport activity in insulin-sensitive and insulin-resistant rat skeletal muscle. Metabolism. 53(1):101-7. Jan, 2004. Lim et al. Consumption of aspartame-containing beverages and incidence of hematopoietic and brain malignancies. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 15:1654 – 9. 2006. Mace O, Affleck J, Patel N, Kellett GL. Sweet taste receptors in rat small intestine stimulateglucose absorption through apical GLUT2. J Physiol. 1,582(Pt 1):379-92. Jul, 2007 Maslova E, Strøm M, Olsen SF, Halldorsson TI. Consumption of artificially-sweetened soft drinks in pregnancy and risk of child asthma and allergic rhinitis. PLoS One. 8(2). 2013. Nakagawa Y, Nagasawa M, Yamada S, Hara A, Mogami H, Nikolaev VO, Lohse MJ, Shigemura N, Ninomiya Y, Kojima I. Sweet taste receptor expressed in pancreatic beta-cells activates the calcium and cyclic AMP signaling systems and stimulates insulin secretion. PLoS One. 4(4):e5106. 2009. Polyák E, Gombos K, Hajnal B, Bonyár-Müller K, Szabó S, Gubicskó-Kisbenedek A, Marton K, Ember I. Effects of artificial sweeteners on body weight, food and drink intake. Acta Physiol Hung. 97(4):401-7. Dec, 2010. Pretorius E. GUT bacteria and aspartame: why are we surprised? Eur J Clin Nutr. 66(8):972. Aug, 2012. Qin X. Etiology of inflammatory bowel disease: a unified hypothesis. World J Gastroenterol. 21;18(15):1708-22. Apr, 2012. Reddy PY, Giridharan NV, Reddy GB. Activation of sorbitol pathway in metabolic syndrome and increased susceptibility to cataract in Wistar-Obese rats. Mol Vis. 18:495-503. 2012. Swithers, SE, Baker, CR, Davidson, TL. General and persistent effects of high-intensity sweeteners on body weight gain and caloric compensation in rats. Behav Neurosci. 123(4):772-80. Aug, 2009. Swithers SE, Davidson TL. A role for sweet taste: calorie predictive relations in energy regulation by rats. Behav Neurosci. 122 (1):161-73. Feb, 2008. Swithers SE, Sample CH, Davidson TL. Adverse Effects of High-Intensity Sweeteners on Energy Intake and Weight Control in Male and Obesity-Prone Female Rats. Behav Neurosci. Feb, 2013. Takayama S, Renwick AG, Johansson SL, Thorgeirsson UP, Tsutsumi M, Dalgard DW, Sieber SM. Long-term toxicity and carcinogenicity study of cyclamate in nonhuman primates. Toxicol Sci. 53(1):33-9. Jan, 2000. Xu X, Tan L, Himi T, Sadamatsu M, Tsutsumi S, Akaike M, Kato N. Changed preference for sweet taste in adulthood induced by perinatal exposure to bisphenol A-A probable link to overweight and obesity. Neurotoxicol Teratol. 33(4):458-63. Jul-Aug, 2011. Yang, Q. Gain weight by "going diet?" Artificial sweeteners and the neurobiology of sugar cravings. J Biol Med. 83(2):101-8. Jun, 2010. Zhang GH, Chen ML, Liu SS, Zhan YH, Quan Y, Qin YM, Deng SP. Effects of mother's dietary exposure to acesulfame-K in Pregnancy or lactation on the adult offspring's sweet preference. Chem Senses.;36(9):763-70. Nov, 2011. Zheng Y, Sarr MG. Effect of the artificial sweetener, acesulfame potassium, a sweet taste receptor agonist, on glucose uptake in small intestinal cell lines. J Gastrointest Surg. 17(1):153-8, discussion p. 158. Jan,2013. Zukerman S, Ackroff K, Sclafani A. Post-oral glucose stimulation of intake and conditioned flavor preference in C57BL/6J mice: a concentration-response study. Physiol Behav. 17;109:33-41. Jan, 2013. Fonte: http://gease.pro.br/artigo_visualizar.php?id=238
  16. galera,to com 109 kg e 1,79 de altura,só to correndo pra mim,quem é magro faz musculação,e precisa de proteina e outros meios nutritivos pra ingerir e fazer o musculo ter energia para a recuperação e crescimento,correto? por isso o pessoal toma suplement,whey,etc eu que to focado para apenas emagrecer,e fizer musculação,sem suplementação,e com ma dieta de deficit calorico,vou ter resultados?ou vou ficar puxando ferro por nada? vale mais a pena eu ficar 1 hora na esteira todo dia,ou 30 minutos de esteira de manha e a noite um treino pra hipertrofia?eu preciso de suplementação?ou posso engordar mais ainda? no momento só to tomando oxyellite pro
  17. Boa tarde galera,sem delongas aqui estão minhas informações 19 anos 1,79 de altura 112 kg comecei academia fim de janeiro,eu pesava 117kg,de maneira geral meu treino é 30 minutos de esteira (2 minutos andando a 5kg e 1 minuto correndo a 7km) hoje estou pesando 112,meu objetivo é chegar a uns 90 kg,e ai começar a fazer musculação para ficar com um corpo atletico,não pretendo ser gigante não,só quero ser definito. meu treino hoje esta sendo 30-40 minutos de esteira em jejum (anda 2 minutos a 5km e corre 1 minuto a 7 km) e a noite 20 minutos de esteira,mesmo esquema,porem segunda e quarta vou iniciar no jiu jitsu. minha dieta ta sendo almoço(frango grelhado,alface,tomate,cebola,feijão,arroz integral ou macarrão integral e cha ligth) a tarde eu trabalho,nao como nada,e a noite eu tomo um iogurte ou se não uma fruta citrica. sabado eu descanso e domingo jogo futebol todos os dias vou postar meu peso,minha evolução,e eu preciso muito de dicas da galera,pois sou muito leigo no assunto de academia e dieta. em questão de suplementos,eu só tomo cafeina de manha pra acordar,tenho oxyelite aqui parado,pois ele me dava pontada no coração e dor na hora de mijar. a foto a baixo eu tinha 116 kg.
  18. to querendo emagrecer,faço 30 minutos de esteira em jejum e a noite um treino de hipertrofia AB2x basico porem a tarde eu trabalho e não posso comer,e a noite nao sinto fome se eu substituir essas refeições por whey,ajuda?ou eu coro o risco de engordar ou até mesmo jogar dinheiro fora pq whey sozinho nao é alimento?
  19. galera,tenho 1,79 de altura e 115 kgs,to levantando peso,mas meu personal trainer não entende nada de treino e tals queria saber qual o melhor tipo de treino pra mim,se só musculação basta,se tenho que fazer 3 series de 15 ou menos repetições com carga maxima em relação ao aerobico,vou dar umas corridinhas na rua e a partir de janeiro voltar pro jiu jitsu odeio correr,pedalar e tals,a luta vai ser meu aerobico preciso de ajuda,pois estou bem perdido vlw galera ps:tenho 19 anos
  20. Então galera,aqui esta minha situação,tenho 1,80 , e 114 kg ,sou um gordo distribuído,mas mesmo assim a coisa ta muito feia. A questão é que não adianta,odeio fazer aerobico,e to focado a ficar gigante mesmo,estilo o Tom hardy mesmo kkk mas falando sério agora,quero focar na musculação,e quero saber qual o melhor treino pra mim,se tenho que malhar rapido ou devagar,etc.Meu personal na academia é mais burro que eu,então tenho que contar com a ajuda de vocês vou fazer uns 15 minutinhos de esteira,mas meu aerobico mesmo vai ser o futebolzinho de sexta e algum esporte de luta que vou fazer,não sei se muay thai ou boxe,jiu jitsu,não sei,tenho que ver. to aqui pra saber também se eu me dedicar a musculação vai dar resultado,vou perder barriga e tals,além de ficar grande e definido relaxem,não sou imbecil,eu sei que nao vou ficar com um bom condicionamento e corpo definido em 6 meses,sei que demora mt tempo,mas to aqui pra mudar e outra coisa,to tomando oleo de cartamo,e futuramente penso em tomar oxyelite pro,mas tenho medo de dar algo no meu coração,eu nunca tive problemas,mas nunca se sabe,se alguem ai ja usou esse cartamo,porfavor,me da umas dicas e tals ao longo dos dias vou tentar postar aqui como ta sendo minha mudança,espero que de certo,porfavor,conto muito com a ajuda de vocês
  21. Li em algum tópico falando sobre a boa forma dos bombeiros... mas acho que foi noutra área que não a "geral". "Entre os que relataram ter tido mais problemas com a balança estão: agente de viagem; procurador/juiz; assistente social; professor; artista/designer/arquiteto; assistente administrativo; médico; profissionais de serviços de proteção (policiais, bombeiros etc), profissionais da área de marketing/relações públicas; e profissionais de tecnologia da informação." Fonte: O Globo
  22. Bem, tive que me encher de coragem para criar esse tópico. Se vcs observarem meu perfil verão que não estou dentro do estereótipo da grande maioria das mulheres que frequentam o fórum. Tenho 26 anos, 1,56 e 86 kg. Engordei cerca de 25 kgs em um ano. Passei por problemas de saúde que me empediram de fazer exercicio físico por um bom tempo. Tenho sindrome miofascial, que gera dores no corpo todo. Sentia dor só de me encostar, dor ate na pele rsrs, bizarro. Enfim, foram quase um ano para achar medicamento que desse certo mais um de tratamento. Pra melhorar a situação o único medicamento que funcionava era o que mais engordava. Resultado 86 kgs, pré diabetes, cortisol e insulina alta. Uma senhora bola de neve. Estou voltando a me exercitar hoje, farei treino funcional 1 hora três vezes por semana. Tenho elíptico em casa, que amo fazer. Pista de caminhada do lado de casa. Enfim, não tem desculpa pra não exercitar. Sei que passarei um periodo de dor até que o corpo acostume. Já tentei voltar a exercitar antes e a dor era certa rs. Era ir pra academia e tomar relaxante muscular. Mas estou disposta enfrentar tudo. Meu corpo está gritando por movimento. No final, atividade física será um elixir pela produção de endorfina e fortalecimento muscular. Com relação a alimentação: não sou nada carnívora, curto frutas, vegetais e óbvio (senão nao estaria gorda) carboidratos. Gosto dos integrais tbm. Estou tomando medicamento, com acompanhamento médico e é o que tem me ajudado a recuperar meus hábitos alimentares antigos, já que a gulodisse veio muito por conta da medicação. Por fim, gostaria de pedir uma força nesse início. Gostaria de perder peso com uma certa rapidez. Isso regularia meu quadro endocrinológico e facilitaria muito o resto do processo. Além de me ver livre tbm do peso em si e da dor que ele me causa. Decidi postar pq acredito que poderei ajudar outras pessoas que estão na minha situação. Por esse mesmo motivo dei tanto detalhamento. Quero iniciar um novo tempo em minha vida e gostaria de sugestões para isso. Atividade física e alimentação saudável deverá ser prioridade para o resto da minha vida. Preciso manter a saúde e não quero nunca mais voltar ao quadro em que me encontro. Agradeço a atenção de todos Letícia.
×
×
  • Criar Novo...