Ir para conteúdo
Fórum Hipertrofia
  • Cadastre-se
Clique aqui

SeuMadrugão

Membro

Conteúdo continua após a publicidade.

  • Total de itens

    228
  • Registro em

  • Última visita


Histórico de Reputação

  1. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Minato Namikaze em A Fase De Transição Entre Cutting E Bulking   
    A Fase De Transição Entre Cutting E Bulking
    Por Lyle McDonald
     
    Recebi uma questão, no meu e-mail, relacionada à manipulação de calorias e macronutrientes para transição de bulking para cutting e vice-versa, e isso me pareceu um ímpeto excelente para escrever sobre este tópico com certo detalhe. Porque enquanto muitas pessoas tendem a pular de uma dieta para outra, adotar um objetivo a longo prazo, uma periodização nutricional, pode ser benéfica ao lidar com a fisiologia inerente ao corpo.
     
    Fase De Transição De Bulking Para Cutting: A Fase Pré-Dieta
     
    Voltando para os primeiros dias do fisiculturismo, você ouviria os atletas dizerem sobre "fase de consolidação", a qual se referia à transição do bulking off-season para a dieta de competição. Hoje em dia, isso provavelmente mudou muito devido à substituição de drogas derivadas de andrógenos pesados por mais compostos anabólicos capazes de reduzir a retenção de água, sendo basicamente denominada de "dieta de limpeza" para preparação oficial. Na verdade, isso sempre foi muito mal definido, mas provavelmente tem a ver com a escolha dos alimentos, retirando junk food da sua dieta e comendo "mais limpo". O pessoal dizia que perdia um pouco de gordura enquanto ganhavam um pouco de musculatura e, assim, consolidavam os ganhos.
     
    Particularmente, eu acho que há muito mérito nessa ideia, valendo a pena revisitá-la. Eu até mesmo escrevi, de maneira extensa, sobre isso no Livro das Mulheres, embora eu tenha chamado de Fase Pré-Dieta lá. A ideia era ocasionar uma margem de 2-4 semanas, em que as calorias eram trazidas para a manutenção e o treinamento era ajustado para a fase de cutting.
     
    Ao menos dentro do contexto feminino, é fundamental manter as mulheres distantes do que sempre fazem: cortar muitas calorias de uma vez e adicionar muito cárdio, medidas as quais causam todos os tipos de problemas. As mulheres podem, até, causar problemas com ciclos menstruais e disfunção da tireoide com apenas 5-7 dias de cárdio excessivo e restrição calórica. A Fase Pré-Dieta é estruturada para evitar tais problemas, apenas permitindo a alteração de um ou de outro fator por vez.
     
    Mas o mesmo conceito se aplica aos homens (os homens não tem ciclo menstrual, muito embora alguns agem como se o tivessem). As pessoas sempre esquecem que o crescimento e a recuperação são processos que demandam tempo e, pular de uma dieta para outra, como de bulking para cutting, não permite o crescimento máximo que ocorreu durante a primeira fase. Uma transição de duas semanas, ao menos, faz sentido.
     
    Alterações na dieta na Fase de Transição
     
    As mudanças que ocorrerão dependem de como a dieta anterior era. Obviamente calorias devem ser trazidas à manutenção. Uma boa estimativa é de 31-35 kcal/kg do peso corporal atual, mas isso pode variar de acordo com a atividade. Mulheres geralmente utilizam os valores menores, enquanto os homens, os maiores. A proteína deve permanecer igual ou aumentar ligeiramente, uma vez que a necessidade de proteína é aumentada durante a fase de cutting. Quanta proteína depende da porcentagem de gordura corporal do indivíduo. No entanto, para um homem com menos de 15% de BF, eu recomendaria, talvez, 2.6g de proteína por quilograma de massa magra (NÃO do total do peso). Mulheres ou homens com valores de percentual de gordura diferentes, utilizam valores ligeiramente diferentes.
     
    Isto nos traz à manipulação de carboidrato e lipídeos e, quanto cada macronutriente deve ser reduzido, depende da dieta anterior. Alguém com uma dieta com high-carb/low-fat deverá reduzir os carboidratos. Alguém que come toneladas de gordura, irá reduzi-la. Muitos farão de metade em metade. Fisiculturistas, por muito tempo, utilizaram a ingestão de carboidratos de ~2.2-3.3g/kg para propostas de perda de peso e é um bom começo de partida. Gordura deverá ser estabelecida em cerca de 25-35% do total das calorias ou 0.91-1.33g/kg.
     
    Alterações no treinamento durante a Fase de Transição
     
    Bem, se o treinamento para a fase de cutting será ajustado, por exemplo, adicionando trabalho metabólico ou reduzindo o volume do trabalho pesado, essa é a hora de fazer isso. Pular direto para um treinamento de high-heps quando você não tem o hábito de fazê-lo é um crime e você pode usar a  fase de transição para gradualmente inseri-lo na sua rotina de treino. Reduzir o volume proporciona ao corpo um pouco de deload, de modo que o indivíduo conseguirá se recuperar. Sobre a intensidade, e aqui eu quero me referir à carga na barra, é mantida, volume e frequência de treinamento podem ser cortados por cerca de 2/3 sem perda de massa muscular. Alguém fazendo 6 séries pesadas por grupo muscular poderia fazer apenas 2 para manutenção.
     
    Se o cárdio não estava sendo feito, essa é a hora de trazê-lo gradualmente. Comece com 20 minutos em baixa intensidade, de 3 a 4 vezes por semana na primeira semana e aumente para 30 minutos na segunda semana. Eu sou um rígido crente de que a besteira "cárdio queima músculo" é apenas verdade para aquelas pessoas que pulam da faixa de zero cárdio para horas, de uma vez. O corpo perderá a habilidade de efetivamente utilizar gordura como combustível quando calorias e carboidratos são altos e a atividade aeróbica é baixa e levam algumas semanas até que o corpo reaprenda a utilizar gordura como combustível de uma maneira eficaz.
     
    Reduzir os carboidratos enquanto se adiciona um pouco de trabalho de depleção trará o glicogênio do músculo para baixo, e isso, somado ao aumento gradual de cárdio, ajuda a "reciclar" (por falta de uma palavra melhor) os caminhos da queima de gordura. Assim, a dieta terminará sendo alta em proteínas com quantidades moderadas de carboidratos e níveis baixos ou moderados de gorduras (entre 25-35% das calorias). De duas a quatro semanas fazendo isso, seu corpo estará em uma posição sólida para perda efetiva de gordura. O próximo passo será reduzir as calorias para colocar a pessoa em um déficit, a fim de começar a verdadeira fase de cutting, após esta fase de transição ter acabado.
     
    Resumindo a fase de transição de bulking para cutting
    Trazer as calorias à manutenção (31-35 kcal/kg) Aumentar ligeiramente a ingestão de proteínas (~2.6 g/kg de massa magra para homens com menos de 15% de gordura corporal) Reduzir carboidratos a níveis moderados (~2.2-3.3 g/kg) Reduzir a ingestão de gorduras para níveis baixos ou moderados (25-35% do total de calorias) Trazer à rotina atividades aeróbicas gradualmente Reduzir o volume de treinamento à manutenção Adicionar treinamento metabólica é desejado  
    Exemplo de dieta para fase de transição
    Vamos supor que temos um levantador de 81,6kg com 15% de gordura corporal. Ele possui 69,3kg de massa magra e o restante de gordura.
    Sua manutenção é estimada em 33cal/kg ou 2700 kcal/dia. Proteína será 69,3kg * 2.6g/kg = 180g/dia. Sendo 4 kcal/g seriam 720 calorias. Carboidratos são 3.3 g/kg * 81,6kg = 270 g/dia. Sendo 4kcal/g seriam 1080 calorias. 2700 calorias por dia com 180g de proteína, 270g de carboidratos e 93g de gordura, ficando 27% proteínas, 40% carboidratos e 32% gorduras. Se desejado, proteínas podem ser elevadas ligeiramente e, as gorduras, reduzidas até atingir a proporção mágica de 30/40/30.  
    Fase De Transição De Cutting Para Bulking: A Completa Quebra Da Dieta
     
    Então, essa é a transição para o cutting (e claro, se alguém está sob alguma agenda para ficar em forma, o exposto acima deve ser fatorado para o tempo de quando começar a dieta), mas e sobre a transição do cutting para o bulking? Aqui, o problema é que, ao seguir uma dieta, o corpo é instruído para recuperar a gordura. Há infinitas adaptações metabólicas a partir de um gasto reduzido de energia para aumentar o potencial de armazenamento de gordura a fim de diminuir a sua oxidação. Já escrevi bastante sobre isso.
     
    Lembro que há uma afirmação muito veiculada de que dieta com déficit muito alto aumenta a quantidade de massa magra ganha em um excedente, mas isso não é correto. Indivíduos naturalmente magros ganham uma proporção maior de massa corporal magra quando ganham peso, mas aquela afirmação é falsa devido às alterações na fisiologia.
     
    Uma afirmação similar também é muito feita pelos fisiculturistas após os campeonatos, noticiando um efeito anabólico extraordinário após a dieta de competição. Eles aparentam ganhar massa corporal magra e quase nenhuma gordura. Isto é verdade, com exceção de que tudo o que estão fazendo é apenas readquirir qualquer músculo perdido, glicogênio, etc. Eles nunca terminam maiores do que estavam e esse anabolismo não é verdadeiro se você simplesmente está readquirindo o que perdeu (praticamente glicogênio e IMTG).
     
    Alterações na dieta na Fase de Transição
     
    Em qualquer caso, pular direto de uma dieta de cutting para um excedente calórico é um erro enorme e somente resultará em ganho de gordura excessivo. O método seguro é primeiro trazer as calorias de volta para a manutenção; isto é apenas meu conceito de Completa Quebra da Dieta, mas aplicado à transição para bulking, ao invés de cutting. Aqui, eu recomendo o uso de 31-35 kcal/kg do peso atual com uma redução de 10% como válvula de segurança.
     
    Aqui, há um decréscimo adaptativo no gasto de energia, o qual ocorre durante o cutting, que torna a estimativa da manutenção muito alta. Então, se nosso levantador perdeu 4,5kg de gordura (e nenhuma massa magra, desde que tenha feito uma boa dieta) e está com 77,1kg, sua nova manutenção seria de 77,1kg * 33kcal/kg = 2545 kcal. No entanto, eu ajustaria um decréscimo de 10% ou 250kcal, levando em conta a taxa adaptativa de diminuição do metabolismo. Assim, 2300kcal seria um melhor alvo, ao menos para o começo.
     
    Seria ideal atingir isso o quanto antes, como trazer as calorias a este nível imediatamente após o cutting ter acabado e manter a manutenção por 2 semanas. Isso pode causar, para muitas pessoas, estresse mental e uma enorme retenção de água. Para bitolados, aumentem as calorias a cada dia, mas não demorem mais de 2 semanas para atingir a estimativa de manutenção. Seria ainda melhor permanecer nesse nível de calorias por mais 2 semanas, a fim de proporcionar às adaptações metabólicas tempo para dissipar mais (pode levar uma semana inteira para T3 exercer seus totais efeitos genômicos, por exemplo), mas nem todo mundo é tão paciente.
     
    Em relação aos macros, muito embora a necessidade de proteínas tecnicamente diminua conforme as calorias aumentam, eu recomendaria manter a ingestão protéica no mesmo nível que estava no cutting. Isso é primariamente para o controle das calorias. A fome pode ser enorme depois que a dieta tenha acabado e manter as proteínas em níveis altos ajuda a controlá-la. Também, manter a ingestão de proteína alta quando o ganho de peso ocorre logo após o cutting, não só limita o ganho total de peso como garante que a maior parte desse ganho será de massa corporal magra. Este efeito será ainda mais pronunciado se o treinamento com pesos for bem realizado.
     
    No tocante aos outros macronutrientes, um aspecto crítico é que a ingestão de carboidratos deve ser trazida à faixa de 120-150 gramas por dia como um mínimo (2.2-3.3 g/kg seria uma boa estimativa). Isto tem a ver com os efeitos hormonais na leptina e, especialmente, no eixo da tireóide. Manter os carboidratos muito baixos não permitirá a melhor recuperação da conversão de T4 para T3 no fígado. Não cometa erros, os carboidratos podem ser maiores, mas não menores.
     
    Quanta gordura será aumentada dependerá do total de ingestão calórica conforme os carboidratos são aumentados. Dada a tendência da gordura ser estocada após a fase de cutting, manter a ingestão de lipídeos um pouco menor (talvez 20-25% do total das calorias) faz algum bom sentido. Conforme o ganho de gordura não ocorre no ajuste de estimativa da manutenção, as calorias podem ser gradualmente aumentadas.
     
    Alterações no treinamento durante a Fase de Transição
     
    Sobre o treinamento, seria uma boa hora para eliminar o HIIT caso ele esteja sendo feito ou, ao menos, reduzir o trabalho aeróbico para recuperação. Manter algum cárdio pode ajudar a queimar algumas calorias para compensar qualquer perda do controle de ingestão de comida e manter aeróbico durante a fase de bulking pode ter seus próprios benefícios. Treinamento metabólico/depletivo também pode ser eliminado e substituído com um aumento gradual de volume de trabalho pesado. A intensidade aqui pode ser reduzida; uma vez que as calorias estão na manutenção, o músculo não será perdido e isso funciona como um ótimo deload/rampa para começar a fase de bulking. A intensidade do treinamento aumentará paulatinamente durante essa fase, quando a transição tiver acabado (novamente, de 2-4 semanas) e as calorias forem aumentadas ligeiramente acima da manutenção (não mais do que 10-20% acima da manutenção).
     
    Resumindo a fase de transição de cutting para bulking
    Trazer as calorias para a manutenção e diminuir 10% (31-35 kcal/kg - 10%) Manter a ingestão de proteínas em 2.6 g/kg de massa corporal magra Aumentar os carboidratos para um mínimo de 150g/dia Manter as gorduras baixas Reduzir os exercício aeróbicos Eliminar o treinamento metabólico Aumentar o volume de trabalho pesado, mas com pesos submáximos  
    Exemplo de dieta para a fase de transição
    Vamos imaginar que nosso levantador terminou seu cutting com uma perda de 4,5kg. Ele agora tem 77,1kg, com 69,3kg de massa corporal magra e o restante de gordura.
    77,1kg * 33cal/kg = 2545 kcal -10% = 2300 kcal. Proteínas serão 69,3kg * 2,6g/kg = 180 g/dia. Sendo 4 kcal/g, serão 720 calorias. Carboidratos serão considerados como 3.3 g/kg ou 255 gramas/dia. Sendo 4 kcal/g, serão 1020 calorias. 2300 calorias - 720 calorias - 1020 calorias = 560 calorias de gordura. Sendo 9 kcal/g, serão 62 gramas de gordura. Então, a quebra da dieta será com 2300 calorias, 180 gramas de proteína, 255 gramas de carboidratos e 62 gramas de gordura, o que signifca 30% de proteínas, 45% carboidratos e 23% de gorduras.  
    Comentários Finais Sobre A Fase De Transição
     
    Para muitos leitores, o exposto acima não somente soará como muito trabalho, mas eles se rebelarão contra qualquer fato que intefira em suas impaciências a fim de atingir seus objetivos. Quando as pessoas querem emagrecer, elas querem emagrecer AGORA. Gastar de 2-4 semanas em uma fáse de pré-dieta (onde pequenas quantidades de gordura podem ser perdidas) é tempo gasto sem emagrecer. Mas isso ainda é uma ideia melhor do que ficar pulando de dieta em dieta (pequenos cuttings seriam uma exceção). Permita que os ganhos do ciclo de treinamento anterior estabilizem e retreine seu corpo para usar a gordura de forma mais eficaz e a dietá funcionará melhor.
     
    O mesmo é dito para a transição de cutting para bulking. Enquanto todo mundo quer voltar a comer após a dieta ter acabado, o resultado será ganho de gordura rápido, a menos que algumas adaptações metabólicas tenham permitido a dissipação. A parte mais difícil da transição é, na verdade, fazê-la. Quando a dieta acaba, frequentemente há uma mudança psicológica que torna mais difícil restringir calorias do que durante a própria fase de dieta; isso é somado com as adaptações metabólicas. Mas, se a pessoa quiser evitar o ganho rápido de gordura novamente, é crítico que ela faça o exposto para a garantia dos melhores resultados.
     
    Fonte: bodyrecomposition.com
  2. Gostei
    SeuMadrugão recebeu reputação de Samuka22 em Ajuda com ciclo de oxandrolona   
    Cara, oxan não afeta tanto o eixo e não vai levar meses pra recuperar. É bem rápido. Umas duas semanas de tamoxifeno devem ser suficientes. Não fica paranoico com isso. Faça exames pra ver. Pode ser que esteja tomando outra coisa, pq oxan é muito falsificada.
     
    Não recomendo mandar testo em dose baixa agora, ainda mais uma dura por semana, que aí sim vai dar problema e dificultar a recuperação. Oxan sozinha dá pouco ganho mas é mais fácil de manter e a recuperação do eixo é rápida. É melhor usada em cutting.
  3. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a mpcosta82 em Sardinha Evolution Curso   
    Puro marketing.
     
    Aqui no fórum você aprende a montar seu próprio treino e a executar corretamente os exercícios... De graça.
  4. Gostei
    SeuMadrugão recebeu reputação de gamer87 em Duvida consumir besteiras 1x na semana   
    Não dá nada SE estiver contabilizando os macros corretamente e não exagerar. Pode até ajudar mandar mais carboidrato uma vez na semana para aumentar os estoques de glicogênio e atrasar uma eventual redução do metabolismo, mas tem que manter o déficit calórico semanal.
  5. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a HenriqueChooser em Eixo não volta apos cruise   
    Galera, só pra falar que não esqueci não em, TPC acaba em 1 semana, creio que depois do ano novo faço os exames, mais pelo menos pra MIM, tô me sentindo extremamente bem, animado, força, libido, ganhei 3kg já novamente, bf já baixou, claro que é a dieta e treino, porém antes nem com dieta e treino não tava indo... 
  6. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Defusionx em Primeiro ciclo - Oxandrolona 60mg   
    Tendi foi nada desse ciclo, vi até um 34 graus ali, acho que o calor ta afetando minha mente.
    A dose você aumenta por semana irmão, ex:
    1° semana  40mg    tsd
    2° semana 40mg     tsd
    3° semana 50mg     tsd
    4° semana 60mg     tsd
    5° semana 70mg      tsd
    6° semana 70mg      tsd
    as doses você divide no horario, ou se você for um mutante tu toma tudo de uma vez.
  7. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a AlexandreMM89 em P   
    10% de BF e tem dificuldade de secar? Quem dera eu.
    E quer secar mais? 
     
    ABaixo disso é nível de atleta, pra manter depois é um inferno. 
     
     
  8. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a MadrugaDentista em Testosterona baixa intra "ciclo"   
    Ta injetando só a base do óleo mano, princípio ativo nenhum. Suspende imediatamente e tenta comprar de famarcia.
     
    E dica, geralmente quando prometem dosagens tão grande por ml(tipo 300mg/ml) é sinal forte que estão te enganando, tem um limite possível para diluir 
  9. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Schrödinger em Porque Utilizar Uma Ampla Faixa De Reps E Como Selecionar Os Exercícios Para Otimizar A Hipertrofia   
    Olá,
     
    Resolvi criar esse tópico em função de algumas discussões eternas do fórum - algumas bem recentes -, especialmente low reps versus high reps e compostos (sobretudo os três básicos) versus isoladores e afins. Vou falar sobre as faixas de repetição para hipertrofia e sobre seleção de exercícios com o mesmo fim.
     
    Faixa de repetições para hipertrofia
     
    As evidências científicas e anedóticas mostram que para a hipertrofia, caso o volume seja igualado, não faz diferença fazer 3, 10 ou 35 reps (o último até a falha). Mas qual o melhor dos três? Se por melhor você entender mais eficiente, a resposta é 10 reps. Por que? Porque 10 reps permite um maior volume do que 3 reps em um mesmo tempo (e sem prejudicar tanto as articulações) e não faz o cara vomitar no meio do treino como as 35 reps até a falha.
     
    Ok. Então por que não fazer todo o treino com 10 reps? Porque, ao contrário do que tem sido falado por alguns, a progressão de cargas é importantíssima (senão essencial) pra hipertrofia e uma faixa mais baixa de repetições permite maior progressão do que uma faixa intermediária - mesmo que esta permita alguma progressão também, porém mais lenta.
     
    E as high reps, não servem pra nada? Servem. Um dos estímulos que causam hipertrofia é o estresse metabólico, que é alcançado com altas repetições. Na verdade, existem 3 componentes principais: tensão mecânica, estresse metabólico e dano.
     
    Seleção de exercícios para otimizar a hipertrofia
     
    Para otimizar a hipertrofia a seleção de exercícios deve atender aos três estímulos principais: tensão mecânica, estresse metabólico e dano.
     
    A tensão mecânica será alcançada obviamente com exercícios em que seja possível colocar carga na barra (não necessariamente na barra). Aqui os 3 básicos são provavelmente os melhores, já que além disso, eles tem um potencial enorme pra progressão de cargas. Além dos 3 básicos e suas variações, temos os exercícios mais famosos e comuns como barras, remadas, desenvolvimentos, paralelas, entre outros. Para atingir este objetivo deve-se priorizar performance, preferencialmente com poucas repetições.
     
    O dano pode ser causado em qualquer tipo de exercício, mas para otimizar esse processo o ideal é utilizar exercícios que provoquem o estiramento do músculo alvo. Nesse sentido, o RDL pode ser superior ao terra, por exemplo (pensando nesse objetivo). Exercícios como o agachamento profundo, avanço, supinos e desenvolvimentos com halteres (que propiciam maior alongamento por terem maior amplitude), paralelas, além de isoladores como crucifixo, tríceps francês, entre outros, seriam ótimas escolhas para atender a esse fim, qual seja, de pré-estiramento da musculatura alvo. Aqui sugiro a faixa intermediária de repetições, podendo tentar utilizar um pouco de conexão mente-músculo.
     
    O estresse metabólico pode ser atingido com qualquer exercício feito em altas repetições. Entretanto, levando em consideração que este é um estímulo complementar e, a princípio, seria feito no final do treino – quando já se está fatigado –, a opção melhor seria utilizar os isoladores. Assim, a perda de forma é menos provável e menos perigosa também e a falha ou quase falha pode ser atingida com maior segurança – é mto mais seguro fazer 15-20 repetições até o limite na extensora ou flexora do que no agachamento ou no terra. Os calistênicos podem ser boas opções nesse sentido, portanto, barras, paralelas e avanços são interessantes para esse fim.
     
    A ideia é não se limitar a uma faixa de repetições nem a uma gama pequena de exercícios como os 3 levantamentos básicos. Sim, esta deveria ser a base da maioria dos treinos, mas não é o único caminho nem o mais otimizado/eficiente. Utilizar várias faixas de repetições e uma ampla gama de exercícios - cada um com seus objetivos específicos - é o ideal. Nesse contexto isoladores, high reps e afins são de grande utilidade, se usados corretamente.
     
    Seleção de exercícios do ponto de vista biomecânico e de equilíbrio muscular
     
    Sempre defendo a ideia de não treinar músculos, mas movimentos, quais sejam: empurrar, puxar, agachar e extensão de quadril. Dessa forma não tem como o treino ficar desequilibrado - se forem feitas quantidades iguais de exercícios de puxar e empurrar (verticais e horizontais) e de agachar e de extensão de quadril.
     
    Ao fazer um exercício de empurrar são trabalhados o peitoral, o tríceps e a porção anterior do deltoide, o que vai trabalhar um volume semelhante de músculos a um exercício de puxar, que trabalhará dorsais, trapézio, bíceps e a porção posterior do deltóide.
     
    Na prática, pra cada supino deve-se fazer uma remada, pra cada desenvolvimento deve-se fazer uma barra fixa/puxada e pra cada agachamento deve-se fazer um terra (ou variações).
     
    Isoladores devem ser feitos como complemento, visando dar ênfase em alguma parte geneticamente desfavorável (panturrilhas, bíceps, antebraços, trapézio...) e para provocar estresse metabólico. Podem ser utilizados também para acrescentar volume ao treino, de forma mais rápida e sem sobrecarregar tanto as articulações - utilizando baixas cargas e focando na conexão mente-músculo.
     
     
    Espero com esse texto tentar dar um panorama mais amplo às discussões que envolvem faixa de repetições e seleção de exercícios. Além disso, a intenção é tentar a ajudar os usuários do fórum na montagem de treino, sobretudo no que diz respeito à utilização de ampla faixa de repetições e seleção adequada de exercícios de modo a otimizar a hipertrofia e ter equilíbrio biomecânico e muscular.
     
    Abraços,
     
    Lucas
     
     
    Seguem algumas referências de artigos e reviews de estudos que corroboram com as ideias acima:
     
    http://www.lookgreat...gth-and-muscle/
    http://www.lookgreat...t-build-muscle/
    http://www.lookgreatnaked.com/articles/mechanisms_of_muscle_hypertrophy.pdf
    http://www.bodyrecom...ch-review.html/
    http://bretcontreras...owth-explained/
    http://www.strengtheory.com/the-new-approach-to-training-volume/
    http://www.strengthe...w-lifter-again/
    http://users.telenet.be/aaitee/HST%20Faq_book.pdf
     
  10. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Schrödinger em Qual o volume ótimo pra hipertrofia?   
    Sobre DMT/fadiga e volume, segue trecho de texto do Bryan Haycock:
    Increase volume if:
    You are never sore
    You are never tired
    You are not growing

    Maintain volume if:
    You are slightly sore most of the time
    You are tired enough to sleep well, but not so tired you lose motivation to train.
    You are noticeably “fuller”

    Decrease volume if:
    You are experiencing over use pain, and strain symptoms in joints and/or muscles.
    You are tired and irritable all the time, yet don’t sleep well.
    Strength levels are significantly decreasing.
     
  11. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Schrödinger em Qual o volume ótimo pra hipertrofia?   
    Olá,
     
    Queria escrever esse tópico há algum tempo já. O problema é que é muito difícil traçar diretrizes claras sobre volume de treinamento pra hipertrofia. O que os autores mais renomados e estudos dizem? Vejamos:
     
    Nesse artigo, Bryan Haycock, criador do HST, sugere 30 repetições pra cada grupo muscular (60 pra pernas), por seção de treinamento, três vezes por semana, numa faixa de intensidades de 70-85% da 1RM. 
     
    O Lyle McDonald fala em 40-60 repetições por grupo muscular, por seção de treinamento - mas sem falar em frequência -, com intensidade entre 60 e 85%, nesse outro artigo.
    Ambos baseiam suas recomendações na famosa meta análise de Wernbom, que pode ser encontrada aqui. Fora essas recomendações de volume, me parece que Wernbom chegou a uma frequência ótima de 2-3 vezes por semana.
     
    Segundo o Lyle pode-se utilizar qualquer combinação de reps x sets, 5x5 + 3x10, 4x6 + 2x12, ou até mesmo algo como o 8x8 do Vince Gironda, por exemplo. Entretanto, recentemente li esse artigo muito convincente de um novato da área, Nathan Jones, onde ele argumenta que o aspecto mais importante do volume seria o número de séries. Assim, seria diferente fazer 2x12 e 3x8, apesar do número total de reps ser idêntico - nesse caso o maior número de séries promoveria maior hipertrofia. Ele faz uma análise de diversos estudos pra chegar a essa conclusão, inclusive alguns recentes do Schoenfeld sobre o tema. No tópico Porque Utilizar Uma Ampla Faixa De Reps E Como Selecionar Os Exercícios Para Otimizar A Hipertrofia, eu escrevi como a faixa de repetições, ao menos entre 3 e 35 reps, não influenciam tanto na hipertrofia, quando o volume é igualado, o que condiz com as observações feitas pelo Nathan.
     
    Segue quadro comparativo (retirado do mencionado artigo do Nathan Jones), contendo estudos avaliando hipertrofia, força e endurance em diferentes faixas de repetições:
     
     

     
     
    Brad Schoenfeld defende a existência de uma correlação entre um aumento no volume e um aumento na hipertrofia. Entretanto, ele deixa claro que existe um teto de volume, a a partir do qual os resultados começam a diminuir (no artigo supramencionado do Lyle ele fala em uma faixa de 10-100 repetições como limiares mínimo e máximo encontrados por Wernbom).
     
    Em um artigo do Borge Fagerli, encontrei esse gráfico bem bacana sobre essa relação de volume versus hipertrofia, que é uma curva em U invertido:
    O gráfico dá a entender que 4-8 sets por grupo muscular, por seção de treinamento, é o ponto ótimo. Interessante a utilização de número de sets e não de número total de repetições, o que condiz com o artigo do Nathan Jones.
     
    Então, de todas as informações acima, podemos chegar ao seguinte:
     
    A faixa de intensidade ótima pra hipertrofia está mais ou menos compreendida entre 60 e 85%, o que equivale a uma faixa de reps entre 5~6 e 12~15 repetições; O número total de repetições por seção de treinamento é qualquer coisa entre 30 e 60 repetições totais; A faixa média de intensidades coincidentemente é igual a faixa clássica do bodybuilding, qual seja, 8-12 reps (eles sabem de alguma coisa, afinal!); O número de sets é mais importante do que o número total de repetições (salvo as situações extremas).  
    De todo o exposto, me parece razoável afirmar que o volume ideal pra hipertrofia é qualquer coisa entre 4-8 sets de 5-15 reps por seção de treinamento. Levando em consideração uma frequência média de 2-3 vezes por semana, caberia extrapolar pra um volume semanal de 8-24 séries por grupo muscular por semana (sendo 24 séries algo bem extremo em minha opinião, porém comum no mundo do bodybuilding). Eu dividiria ao menos pela metade esse número pros músculos ditos "pequenos" (ombros, bíceps, tríceps...).
     
    Com o intuito de otimizar ainda mais a hipertrofia, é interessante utilizar uma ampla faixa de repetições, dentro das recomendações acima.
     
    Pra complementar, falando sobre frequência, tentei expor no tópico Porque Utilizar Alta Frequência de Treinamento, que uma maior frequência de treinamento produz maiores ganhos de hipertrofia e força, caso o volume seja igualado.
     
    Portanto, o volume recomendado (8-24 séries por semana) deve ser ajustado dentro da maior frequência possível/exequível (aqui o tempo de recuperação deve ser levado em consideração), utilizando uma ampla faixa de repetições. 
     
    Abraços,
     
    Lucas
     
    P.S.: No decorrer do tópico tem mais algumas boas informações e discussões sobre volume.
     
  12. Obrigado
    SeuMadrugão recebeu reputação de alucard722 em Surto de acne   
    Pelo que falou parece que tá metendo blast sem parar, e não fazendo ciclos. Fez cruise entre eles?
     
    Primobolan e masteron em bulking? 100mg de dianabol? Tem que dar uma estudada sobre anabols.
     
    Tem que fazer exames para verificar como vai a coisa.
     
    Obs.: tente estruturar melhor o texto (pontos, parágrafos etc).
     
  13. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a matheuskr em Eixo não volta apos cruise   
    depois que encerrar o HCG, espera a ação dele terminar (verifica a meia vida de acordo com a dose que usou) e começa o SERM quando ele não estiver mais atuando no teu organismo. é o que eu faria...
    duas coisas que impedem bem a recuperação são: um ambiente endocrino desregulado onde os estrogenos estão mais altos do que a testosterona (ler sobre feedback negativo), prolactina extremamente alta (prejudica a produção hormonal), SHBG muito elevado, problemas sérios de tireoide (produção exacerbada de TSH, por exemplo)
  14. Gostei
    SeuMadrugão recebeu reputação de phodelaul em 1º Ciclo apenas OXANDROLONA   
    Manda bala. Não mencionou objetivo, mas seria mais interessante um cutting. Dá pra ter bons resultados só com oxan sim, só não espere muito. A libido vai cair e tribulus não deve ajudar em nada.
     
    Não adianta fazer ciclo e TPC com injetáveis, ter mais ganhos e perder quase tudo depois, sem falar nos colaterais.
  15. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Puchalski em Queda De Cabelo   
    FISICULTURISMO E A QUEDA DE CABELO

    O QUE CAUSA A QUEDA ?

    Um grande numero de tópicos existente nos fóruns sobre fisiculturismo é referente aos medicamentos comumente usados pelos atletas e sua relação com a queda de cabelo.

    Um primeiro ponto a se ressaltar, é que as drogas utilizadas podem causar queda de cabelos por diferentes meios e, GENETICAMENTE, um individuo pode estar propenso a sentir maiores efeitos com um ou outro deles. Por isso, a impossibilidade de se definir quais os medicamentos que atuam “mais forte†neste sentido.

    Os principais agentes causadores de queda são:

    a ) Androgênicos: -> São os principais causadores da calvície, num processo conhecido como AAG (alopecia androgenética). Neste grupo se enquadram todos esteróides anabolizantes e outros esteróides (ex: mesterolona).
    b ) Hipervitaminoses -> A deficiência de biotina causada por hipervitaminose, principalmente A, é fator determinante em vários casos de alopecia areata. Neste grupo se enquadram o ADE (e similares) e o ROACUTAM.
    c ) Hipertireoidismo -> Induzido ao utilizarmos medicamentos estimulantes da tireóide, ou hormônios da tireóide exógenos. Neste grupo se enquadram o T3, o T4 e o tiratricol (redulip, triac, trimag, etc).
    d ) Deficiência mineral – Alguns dietas rigorosas, tidas por fisiculturistas, podem causar deficiências de minerais como o zinco e ferro, que são essenciais para a saúde dos folículos.
    e ) Colaterais de medicamentos diversos. Neste grupo se enquadram estrógenos sintéticos e agonistas (pílulas anticoncepcionais e o tamoxífeno), bem como as anfetaminas / sibutramina (moderadores de apetite, etc).


    Segue abaixo relação das principais drogas utilizadas por fisiculturistas que podem causar queda de cabelos e MINHA avaliação pessoal sobre o risco de cada uma delas (5 = maior risco, 1= menor risco)

    ESTEROIDES ANABOLIZANTES E OUTROS ANDROGENICOS:
    Testosteronas (todas) – 5
    Finaplix – 5
    Dianabol – 5
    Hemogenin - 5
    Stanozolol – 4
    Nandrolona – 3
    Boldenona – 2
    Oxandrolona – 2
    Primobolan - 2
    GH – 2
    Mesterolona – 4

    PROTEÇÕES CONTRA GINECOMASTIA:
    Tamoxifeno – 1

    PROTEÇÕES CONTRA ACNE:
    Roacutam – 3 (em altas doses)

    EMAGRECEDORES
    T3 (triiodotironina) – 2
    T4 – 2
    Tiratricol – 1
    Anfetaminas – 2

    OUTROS ANABOLIZANTES:
    IGF-1 – 2
    Précursores da testosterona (pré hormonais)– 2
    Pré hormonais de GH – 1

    RECOMPOSITORES DA PRODUÇÃO HORMONAL
    Clomifeno, HCG – 1

    OUTRAS DROGAS
    ADE - 1
    Pílulas anticoncepcionais - 1



    VERDADES E MITOS:


    Minoxidil não deve ser utilizado durante o ciclo - MITO
    Por se tratar de um vasodilatador, muitos alegavam que o uso de minoxidil durante o ciclo acabaria por expor os folículos a uma maior ação dos androgênicos. Entretanto recentes pesquisas demonstraram que o minoxidil não aumenta a irrigação de sangue no couro cabeludo. Apesar de não servir como “proteção†durante o ciclo, quem faz tratamento com minoxidil não precisa interrompê-lo.

    Para evitar a queda de cabelos durante o ciclo basta usar finasterida. – MITO
    A Finasterida, bem como outros inibidores da 5 alfa reductase, agem nas enzimas de 5AR inibindo a conversão de testosterona em DHT. Ela não tem ação nenhuma sobre a influencia de outros androgênicos ! Alem disso, a finasterida não age nas enzimas do tipo 1, que são as encontradas na pele e no couro cabeludo, mas somente nas enzimas do tipo 2, encontradas na próstata. Não há prova que nenhum medicamento comercializado no Brasil realmente atue nas enzimas do tipo 1.

    Manipular finasterida é mais barato e a eficiência é a mesma - MITO
    Com certeza a finasterida manipulada é muito mais barata. Porem, a experiência de muitos usuários tem demonstrado que não é a mesma coisa. A finasterida é extremamente sensível a luz, alem de que a pequena quantidade utilizada (1mg), é de difícil manipulação. Todos os testes realizados foram feitos com o Propécia. Alem deste, eu recomendo os genéricos, tais como EUROPHARMA ou MERCK. Não há como garantir que similares (Finalop) ou manipulados tenham a mesma eficiência.

    Finasterida atrapalha os resultados do ciclo – MITO
    O DHT tem uma grande afinidade ao SHBG, sendo muito pouco encontrado livre no corpo. Como a finasterida reduz a conversão testo-DHT, há um processo de feedback aonde o corpo passa a produzir mais testosterona. Ou seja, mesmo em níveis baixos, o nível de testosterona livre aumentam, aumentando o anabolismo.

    Finasterida não deve ser utilizada junto com nandrolona (DECA) – VERDADE
    As enzimas de 5AR atuam na nandrolona convertendo-a em dihidronandrolona. Entretanto, inversamente a testosterona-dht, o dhn se liga mais fracamente ao receptor andrógeno que a própria nandrolona. Por isso, não é interessante o uso de inibidores de 5AR, tendo em vista que os mesmos teriam efeito maléfico.

    Os cabelos perdidos pelo uso de medicamentos nunca mais retornam – MITO
    Uma alopecia areata provocada pelo uso de medicamentos é facilmente revertida se o individuo não tiver tendência a Alopecia Andro-Genética. Caso tenha, normalmente a AAG se antecipa e a calvície não pode mais ser revertida.
    Entretanto, enquanto não houver atrofia dos folículos, pode haver reversão e o cabelo voltar a crescer. Nenhum dos medicamentos vendidos no Brasil promete a recapilação, porém, capriche no tratamento pós ciclo, preferencialmente com 1 anti androgênico, 1 inibidor de 5AR, um suplemento vitamínico e o vasodilatador Minoxidil, e aguarde bons resultados !

    Musculação causa queda de cabelo - MITO
    Nenhuma atividade física causa queda de cabelo. Mesmo pequenas variações no níveis de testosterona não são suficientes para provocar este colateral. Esteróides anabolizantes provocam queda de cabelo. Outro cuidado a ser tomado é com o excesso de oleosidade no couro cabeludo causado pelo suor após as atividades físicas.


    Alguns medicamentos contra calvície:


    Alguns medicamentos contra calvície, e MINHA avaliação pessoal (5 = maior valor, 1 = menor valor)

    Finasterida (5)– Continua sendo a base dos melhores tratamentos para calvície. A dosagem recomendada é a de 1mg/dia, porem costumo recomendar doses maiores quando usar junto com testosterona exógena.

    Saw Palmetto (3) – É apontado como sendo eficaz na inibição da 5AR tipo 1 e tipo 2. A qualidade do Saw Palmetto é diretamente proporcional a quantidade de ácidos glaxos que ele possui em sua composição, por isso aonselho que só seja usadas marcas que possuam no mínimo 80% de ácidos glaxos, sendo o Permixon o melhor, na minha opinião. Não é comprovada a eficiência deste medicamento no combate a AAG. Há relatos de bons resultados em loções tópicas.

    Zinco (4) – A deficiência de zinco é apontada como uma das causas da queda de cabelo. Além disso, zinco peritiona é muito usado em shampoos contra seborréia (em concentrações de 1 e 2%), e o sulfeto de zinco em loções tópicas (em concentração de 0,1 a 0,2 %)no combate a calvície. Tem boa ação anti androgênica e funciona como inibidor da 5AR.

    Progesterona (1) – Apesar de bastante usada e recomendada por dermatologista em loções tópicas, não há provas que realmente a progesterona funcione no combate a queda. As altas concentrações usualmente recomendadas (acima de 5%), já foram apontadas como causa de ginecomastia causadas por absorção sistêmica.

    Avicis (3) – O Avicis é um medicamento comprovadamente eficaz no controle da AAG. Ao contrário do que muitos pensam (inclusive vários médicos), o Avicis não é um inibidor da 5AR. Ele é 17 alfa estradiol, que induz a aromatização da testosterona no couro cabeludo e 17 beta estradiol., e desta forma diminui a incidência dos androgênicos nos folículos. O Avicis é patenteado, e não pode ser manipulado. Como possui absorção sistêmica, podem ocorrer casos de ginecomastia, por isso não aconselho seu uso junto com Aes que aromatizem. Devido a seu mecanismo de funcionamento, ele não possui ação contra outros androgênicos.

    Dutasteride (3): Alguns importadores já estão trazendo para o Brasil este que foi considerado revolucionário no tratamento da calvície. Lembro que o produto foi inicialmente lançado em cápsulas de 0,5 mg, ideal para o tratamento de câncer na próstata. Mas, segundo o site da Glaxo, nesta concentração o dutasteride possui eficácia semelhante a finasterida. Possivelmente a versão para combate a calvície terá 2,5mg, o que tornaria o medicamento bastante caro. Os testes para lançamento desta versão estão suspensos.

    Chá Verde (2): Apesar de ser encontrado também em versões para uso tópico, seu uso mais difundido é em comprimidos, até mesmo pela alta dosagem necessária para que tenha o efeito desejado. Normalmente usa-se dosagem próxima a 1g /dia.

    Espironolactona (5) - A espironolactona é um diurético e anti-hipertensivo, com elevadas propriedades anti-androgênicas. Aconselho que seja manipulada na proporção de 2%, usando para diluição no mínimo 20% propilenoglicol ou glicerina. Esta sendo muito utilizado no combate a calvície e tem trazido excelentes resultados. Como possui MV curta, deve ser usdo varias vezes ao dia. Especula-se que tenha ação anti-5AR.

    Flutamida (2) – A flutamida é mais usada que a espirolactona por ser muito mais barata. Entretanto, a sua eficiência em uso tópico é bastante discutida. Outro problema seria sua fácil absorção pela pele, atingindo facilmente altos níveis sistêmicos, o que não é desejado por praticantes de musculação..Normalmente é utilizada na proporção de 2 ou 3%.

    Minoxidil (4): Primeiro tratamento contra calvície aprovado pela FPA, e de ação comprovada através de inúmeras pesquisas, o vasodilatador minoxidil, ao contrário do que se pensava, parece não funcionar pela maior irrigação sanguínea no couro cabeludo. Isso explica porque vários médicos se opunham ao uso, alegando que o couro cabeludo já era uma área bastante irrigada, e porque outros vasodilatadores não funcionam de igual maneira. Alguns componentes do minoxidil induzem a formação de novos cabelos, que alguns dermatologistas consideram como pêlos, mas realmente são capazes de recobrir áreas afetadas. O tratamento com minoxidil deve ser continuo, pois a paralisação constantemente causa perda dos cabelos “salvos†pelo tratamento. Homens devem utilizar na concentração de 5%, bem mais eficiente que a de 2%.

    Acido Retinóico (3) – Potente anti-androgênico, especula-se que tenha ação anti 5AR. Deve ser usado em concentrações menores, preferencialmente com acompanhamento médico, por quem faz seu uso pela primeira vez. É usado topicamente em concentrações de até 0,025%.

    Complexos vitamínicos (3) – Não irei avaliar isoladamente cada uma das inúmeras marcas existentes no mercado. A pillfood tem sido a mais utilizada dos existentes, porem o urinozinc, o centrum e o viviscal também tem tido bastante aceitação. Tem melhores efeitos em quem sofre de insuficiência de alguma das vitaminas que os compõem.

    Shampoo de cetaconazol (5) – O shampoo de cetaconazol tem boa ação anti-androgênica tópica, além de ser um bom fungicida/ antibactericida. Recomendo que seja usado diariamente durante ciclos, deixando agir por até 10 minutos no couro cabeludo. É muito usado em concentrações de 2%, como os comerciais Cetonil, Cetomax e Nizoral. Quem tem problemas de ressecamento dos cabelos, pode usar em concentração de 1%, como o comercial Triatop.

    Shampoo de Zinco Peritiona (3) – Varias marcas famosas como Seda, Revlon e até a Dimension tem usado zinco peritiona em seus shampoos anti caspas, porém não revelam a concentração do componente. Por isso, recomendo a utilização do xampu ZN.

    Outros Shampoos - O Sulfeto de Selênio (2), o Coaltar (4) e o Jaborandi (3) também são comprovadamente eficientes no controle a queda de cabelos. Além disso, outros shampoos que usam Colágeno, D-pantenol, Ceramidas e outros componentes têm sido bastante utilizados.



    Existem inúmeras outras opções de tratamento, mas não é nossa intenção discutir todas. Acredito que tenha feito um breve resumo das mais utilizadas e recomendadas pelos dermatologistas.
  16. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a CHACALLL em Cortisol - Perdas Pós Ciclo   
    Muitos usuários de anabolizantes, e potenciais usuários, preocupam-se e não entendem porque ocorrem perdas após ciclos de esteróides, perdas que, muitas vezes, vão além dos ganhos ocorridos. Tal reação pode ocorrer por diversos fatores, entre os quais: elevados níveis de cortisol, genética desfavorável, treinamento e/ou alimentação insuficientes, desequilíbrio no eixo formado entre o Hipotálamo, a Pituitária e Linha Central dos Testículos (The Hipothalamic/ Pituitary/ Testicular Axis - hpta), desânimo psicológico pós ciclo, entre outros. Aqui, irei comentar mais sobre o hormônio catabolizante: cortisol.

    As respostas ao estresse, físico (exercícios físicos) e emocional (ansiedades, tensões), classificamente conhecidas, incluem a ativação do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA), que provoca a liberação do hormônio ativador da corticotrofina (CRH) e a subseqüente liberação do hormônio adrenocorticotrofico (ACTH) e de glicocorticóides pelo córtex da glândula adrenal, entre eles o CORTISOL.


    Esta substância é o esteróide circulante mais abundante e o glicocorticóide majoritário secretado pelo córtex da adrenal. É fisiologicamente efetivo na manutenção da pressão sangüínea e atividade antiinflamatória, e também está envolvido na gluconeogênese, absorção de cálcio e secreção de ácido gástrico e pepsina. Entretanto, o cortisol tem características que, para nós, são indesejáveis em determinadas situações. Ocorre que para exercer suas funções ele irá fazer com que haja degradação de tecido muscular a partir da oxidação dos aminoácidos e da desidratação dos músculos.

    Este catabolismo ocorre em toda situação de estresse orgânico ou emocional. As pessoas tensas e angustiadas produzem maiores quantidades de cortisol durante todo o dia. Em relação aos exercícios, os níveis dessa substância aumentam muito durante os primeiros 15 minutos de trabalho físico e permanece constantes até os 90 min. seguintes. Nestes momentos seus músculos serão catabolizados pelo cortisol, pois ele irá favorecer o catabolismo glicoprotéico e a pronta disponibilização de energia.

    Mas porque o cortisol interessa aos usuários de anabolizantes? De acordo com algumas estudoss (ação controvertida e ainda não totalmente comprovada!!) os anabólicos são capazes de: 1-bloquear a ligação do cortisol aos seus receptores musculares e 2-diminuir a sua estimulação pelo córtex adrenal, evitando assim o catabolismo. Um efeito bastante benéfico se considerarmos que o cortisol atual justamente quando não gostaríamos que atuasse.

    Estudos mais recentes, porém vêm demonstrando que anabolizantes 17aa (portanto, os orais) têm ação contrária, ou seja aumentam o número de recptores de glicocorticóides. Esse fato pode explicar a perda de massa vista após ciclos com hemogenin, entre outros anabolizantes orais.

    Mas considerando que potencialmente todos os demias anabólicos possam diminuir a produção e regulação dos receptores dos glicocorticóides, após o ciclo, estes benefícios não só deixarão de existir, como vai acotecer um efeito reverso, advindo um rebote do cortisol. Isto ocorre porque o corpo mantém uma homeostase constante de suas substâncias reguladoras através de um mecanismo de controle, no qual uma substância em abundância inibe outra e vice-versa. Esses mecanismos é conhecido como feed-back. Essa talvez seja a principal razão que faz com que freqüentemente haja grandes perdas no pós-ciclo de esteróides. São adaptações ocorridas em resposta à anormal quantidade de hormônio masculino anteriormente presente no corpo do atleta. Este rebote também causa uma queda sensível no sistema imune (auto-defesa), permitindo que a pessoa se torne mais facilmente vítima de doenças oportunistas.


    Ocorre também que o cortisol e a testosterona atuam antagonicamente, ou seja, agem de forma que se crie um equilíbrio no anabolismo e no catabolismo muscular. Além disso, sabemos que os esteróides causam uma supressão na produção natural de testosterona, pela inibição do eixo hpt (anteriormente citado), o que permite ao cortisol atuar sem o seu correspondente antagônista.

    Como diminuir então a ação do cortisol? O primeiro passo, e o mais certo, é ter certeza de que o cérebro e os tecidos têm adequado suprimento de energia, por meio de uma alimentação balanceada. Com pouco respaldo científico, entretanto, alguns atletas se utilizam dos métodos descritos abaixo para tentar controlar os níveis de cortisol:


    #1 “Fosfatidilserina”: grupo de fosfolipídeos, conhecido por seu impacto na melhora da saúde mental. Este suplemento também é conhecido por seu efeito de abaixar os níveis de cortisol sérico. Recente estudo realizado com 12 atletas masculinos mostrou sensível redução dos níveis de cortisol (aproximadamente 45%) quando usado diariamente em doses que giram em torno de 600mg a 800mg por 6, 12 e 24 horas. Sua ação não é bem conhecida nesse campo, mas poderia advir de sua capacidade de melhorar o desempenho cerebral diminuindo o estresse e a tensão. Aparentemente não possui nenhum efeito colateral.



    Vejam o texto abaixo {1}:



    Phosphatidylserine also appears to protect against the stress response and to reduce anxiety, as demonstrated in previous studies. In a 1990 study (Monteleone, P., et al.), the response of BC-PS to physical stress was tested in eight healthy men who underwent three experiments with a bicycle ergometer in a double-blind format. The physical stress from exercise induced a clear cut increase in plasma epinephrine, norepinephrine, ACTH, cortisol, growth hormone, and prolactin, whereas pretreatment with 50-75 mg of BC-PS significantly blunted the (ACTH and cortisol response to the exercise. Plasma growth hormone and prolactin responses to physical stress were not affected by BC-PS.

    In 1995, a 2-month treatment study (Gindin, J. et al.) using plant-derived phosphatidylserine(S-PS) showed positive effects on daily functioning, emotional state and self-reported general condition of Alzheimer's disease patients. (See figure 2) In a post-trial consumption survey, nearly half of the participants of the treatment group decided to continue treatment at their own expense, in contrast to none in the placebo group. These results of a short-term treatment which had no negative side effects encourages the use of S-PS with AD patients in order to evaluate on an individual basis possible improvement in patient condition. These results also encourage further investigation into long-term treatment and on larger groups with regard to the patient's AD status, i.e. early, mild and severe AD.


    #2 Clembuterol: há evidências de que os beta agonistas como o clem possa inibir a produção de cortisol.


    #3 Vit-C: alguns estudos indicam uma diminuição dos níveis de cortisol quando a vitamina C é administrada em doses de 3 gramas por dia (Peters, Anderson & Theron, 2001).


    #4 Benzodiazepínicos e ansiolíticos: diminuem os níveis de estresse emocional, diminuindo assim os níveis de cortisol.

    #5 DHEA- dehidroepiandrosterona: tipo de pré hormônio produzido a partir do colesterol pelas glândulas supra-renais. É quimicamente similar à testosterona e ao estrogênio e é facilmente convertido nesses hormônios pelo próprio organismo. Apesar de possuir estrutura semelhante à testosterona, possui efeitos colaterais que podem inviabilizar o seu uso para a finalidade que comentamos.


    Antiestrógenos e o clomid, em hipótese, também podem diminuir a ação do cortisol, uma vez que estimulam a produção do hormônio luteinizante (LH) e por conseqüência a testosterona. Dianabol, 20mg por dia, também tem o efeito de abaixar os níveis do cortisol (mais que outros anabolizantes), em até 42 % após 7 dias e 63% após 14 dias de administração, mas tem pouca aplicação uma vez que, como qualquer outro ae, deprime os níveis de testosterona endógena.

    Outras substâncias, usadas em medicina (dexametazona, por exemplo) também podem decrescer os níveis de cortisol, mas são potencialmente perigosas já que deve ficar esclarecido que níveis muito baixos trazem sérios prejuízos à saúde, dentre eles inflamações articulares, problemas estomacais e até morte.

    Cytadren é uma outra droga que também pode clivar a enzima responsável pela biosíntese do cortisol, a desmolase. Originalmente destinava-se ao tratamento da Síndrome de Cushing (termo utilizado para descrever o complexo sintomático causado por excesso de glicocorticóides na circulação). Esta substância já foi utilizada por fisiculturistas, com essa finalidade, mas poucos ainda a usam, pois não sobreviveu a evolução de outras drogas menos prejudiciais. O cytadren pode levar a níveis quase nulos de cortisol. Dizem alguns que este era o grande segredo de fisiculturistas do passado.

    Cytadren (aminoglutatimida), em doses moderadas é também efetivo em inibir a aromatase e um fraco inibidor da desmolase, já em altas dosagens se torna um efetivo inibidor da desmolase. Pode ser, então, útil quando se está utilizando esteróides aromatizáveis, entretanto não é uma droga que deva ser utilizada com este propósito.

    Caso a droga esteja inibindo fortemente a desmolase, um efeito rebote pode vir após a descontinuação do medicamento. Muitas atletas costumavam usar dois a quatro comprimidos por dia (500 a 1000mg). Porém, essas dosagens são muito altas, e o cytadren não deve ser usado em doses maiores que 250mg por dia, e ainda divididas em duas dosagens de 125mg pela manha, 60mg seis horas depois e mais 60mg 12 horas após.

    De todos os métodos descritos, a fosfatidilserina parece ser a melhor forma de se controlar os níveis de cortisol no pós-ciclo, já que foi verificado, em diversos estudos, essa característica desacompanhada de efeitos colaterais.

    Depressão, ansidade, falta de motivação e letargia são frequentes no pós ciclo. Todos esses sintomas são temporários e frequentemente causados pela pela retirada dos anabólicos e pela diminuição subsequente da testosterona .Portanto, é extremamente importante procurar meios de manter o estado psicológico que se desenvolve quando se está ciclando. Este estado (caracterizado pela sensação de bem estar, euforia, aumento da agressividade e da tolerância ao estresse físico e psíquico) é difícil de ser mantido, mas é importante não deixar o desânimo e os colaterias pós ciclo, ou nem mesmo eventuais perdas de massa, acabarem se tornando problemas contínuos, pois tenho visto serem estes problemas as principais causas ( juntamente com a falta de acompanhamento laboratorial) pelo início precoce de outro ciclo, o que, obviamente, acaba por trazer complicações futuras.

    Por: Observador (Marco)

    Referências:

    1- Thomas D. Fahey
    Exercise T.D. (1998). Anabolic-androgenic steroids: mechanism of action and effects on performance. In: Encyclopedia of Sports Medicine and Science, T.D.Fahey (Editor). Internet Society for Sport Science: 7 March 1998.

    2- American Medical Association, Council on Scientific Affairs. Medical and non-medical uses of anabolic-androgenic steroids. J. Amer. Med. Assoc. 264: 2923-2927, 1990.
    3- Bahrke, M.S., C.E. Yesalosk, and J.E. Wright. Psychological and behavioural effects of endogenous testosterone levels and anabolic-androgenic steroids among males: a review.
    4- Buckley, W.E., C.E. Yasalis, K.E. Friedl, W.A. Anderson, A.L. Streit, and J.E. Wright. Estimated prevalance of anabolic steroid use among male high school seniors. J. Amer. Med. Assoc. 260: 3441-3445, 1988.

    5- Rogozkin, V. Metabolism of Anabolic Androgenic Steroids. Leningrad: Nauka, 1988.
    United States Olympic Committee. USOC Drug Education Handbook. Colorado Springs: USOC, 1989.

    6-. Jumpsen JA, Lien EL, Goh YK, Clandinin MT. During neuronal and glial cell development diet n - 6 to n - 3 fatty acid ratio alters the fatty acid composition of phosphatidylinositol and phosphatidylserine. Biochim Biophys Acta. 1997 Jul 12;1347(1):40-50.

    7. Eur J Clin Pharmacol. 1992;42(4):385-8. Blunting by chronic phosphatidylserine administration of the stress-induced activation of the hypothalamo-pituitary-adrenal axis in healthy men. Monteleone P, Maj M, Beinat L, Natale M, Kemali D.

    8- Cytadren, by Bill Roberts.

    postado por:rdov6
  17. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a TêJota em Opinião sobre recomendação médica   
    Uma dieta bem ajustada bem mais importante que esse caminhão de coisa que está tomando. 
  18. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Bamor em Oxandrolona 20mg   
    Dietas de zero carboidratos são contraproducente em termos de energia
    Tirar os carboidratos não fará mágica. Geralmente o que acontece nos primeiros dias é uma grande perda de peso, mas é geralmente água, devido à retenção de água causada por carboidratos,
    O que domina na perda de peso são as calorias, termodinâmica, basicamente:
     
    menos calorias ingeridas do que gastas = perda de peso
    mais calorias ingeridas do que gastas = ganho de peso
     
    sugiro que leia: http://www.hipertrofia.org/forum/topic/50050-iifym-se-encaixa-nos-seus-macronutrientes-com-video-explicativo/
  19. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a MBD em Oxandrolona 20mg   
    Você entende que as duas coisas estão diretamente ligadas, certo?
    A probabilidade de "secar" mantendo o peso é baixa. Até pode ocorrer, mas de toda forma, é necessário estar em déficit calórico. E isso só é possível contando as quantidades de cada comida.
     
    Por exemplo: 
     
    Qual proteína? Quanto dela? 100g ou 800g? Entende a diferença?
     
    Você não faz low carb, você faz zero carb. Ai ai meu metabolismo... Ciclo de krebs mandou um abraço.
     
    Já pensou em ir em um nutricionista sério?
  20. Gostei
    SeuMadrugão recebeu reputação de matheuskr em Eixo não volta apos cruise   
    Na primeira vez talvez teria sido mais interessante usar HCG em mais doses fracionadas, tipo 2500ui umas 2 vezes, daí uns 1250ui umas 4 vezes com intervalo de uns 4 dias entre as aplicações e tamox por umas 8 semanas (me corrijam se estiver errado). Agora segue a tua última proposta de TPC.
     
    Vou seguir o tópico pq esse assunto me interessa muito. Tomara que recupere bem.
  21. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a erikmf em Oxandrolona Ciclo   
    Oxandrolona tem resultados bons, mas não espere ficar shaypado com um ciclo de Oxandrolona se não tiver uma base boa, o que vai mandar é a dieta, eu consegui perder 10kg e manter minhas medidas com 200caps de 20mg, não fiz TPC, único colateral foi espinhas no rosto; mas o que vai mandar SEMPRE é a dieta e o treino, muita ênfase na dieta.
    Primeiro tera que aprender a fazer dieta, se não vai se perder no caminho.
    Você não perguntou, mas ta jogando dinheiro fora com BCAA e Tribulus.
  22. Gostei
    SeuMadrugão recebeu reputação de krebz em Minoxdil + fina + trt   
    Tem na internet em farmácias de manipulação minoxidil com outras substâncias que ajudam contra a queda e até no crescimento. Eu usaria um desses, mas não finasterida. Só não pega na oficial farma. Não é confiável.
  23. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a matheuskr em Minoxdil + fina + trt   
    cara, essa tua pergunta é bem interessante mas eu iria num dermatologista pra elucidar. realmente, 0.5 mg de finasterida já inibe cerca de 60% do DHT (verificar estudos, quem quiser). o que a testosterona sintética fizer por ti, a tua testosterona natural também fará, porque a tua também é convertida pra DHT. a diferença é que uma pessoa normal não produz 600 mg de testosterona por semana (esses ditos "ciclos" de esteróides anabolizantes". o que vai acontecer se tu usar doses maiores que teu corpo produz, é que teu DHT vai ir nas alturas, podendo gerar esse problema que tu quer evitar.  eu entendo perfeitamente o que tu quer fazer, mitigar os efeitos deletérios dos esteróides nos foliculos pilosos do couro cabeludo. não tenho como te dar essa certeza, acredito que tu terá que fazer uns exames de sangue pra dosar DHT e ir num dermato, conversar.
     
    em vez de fazer testes no teu corpo, eu iria num dermatologista homem ou mulher e perguntaria exatamente isso que tu está perguntando, pra ter o mais alto nível de certeza.
  24. Obrigado
    SeuMadrugão deu reputação a Diego_Pereira em Ciclo Finalizado - Enantato de Testo + Deca   
    Cara, eu acho que não estou retido. Até to achando estranho, pq todos falaram q eu ia virar um balão. 
     
    Cargas eu nao me ligo muito. Mas em alguns exercicios, notei uma melhora. Ex: Supino, Rosca Scott. Porém tenho uma certa limitação devido a uma lesão no pulso (que foi um dos motivos de ter escolhido a Deca). Sinto que consigo pegar mais peso (não deixando de lado a correta execução), porém essa dor, não me permite ultrapassar.
     
    Pois é cara. Passo várias horas do domingo preparando tudo pra semana. Chato, mas necessário.
     
    Meu temperamento é igual ao seu. Mesmo antes de usar qqr coisa... Não senti nada de diferente com a Deca....
  25. Gostei
    SeuMadrugão deu reputação a Hannibal Lecter em A Bíblia Do Estrogênio - Por Gh15   
    Mecanismos da GINECOMASTIA

    Primeiramente, existem 3 tipos de ginecomastia: induzida pelo estrogenio, induzida pela progesterona e induzida pela prolactina. É claro que você pode evitar todos os 3 tipos de gyno ao manter seu estrogênio dentro do normal. O precursor de qualquer tipo de gyno é o estrogênio. Uma vez q vc deixa o estrogenio aumentar de concentração você sinaliza para o seu cérebro que você procriou, não importando se você eh homem ou Mulher. Saiba que neste ponto o seu corpo terá que passar por certos processos para preparar você para a lactação. Em primeiro lugar, o seu corpo irá se apressar em usar o estrogênio e construir tecido mamário (você percebe isso quando aparece o caroçinho) o que eh primordial para o processo de lactação. Uma vez que este estagio seja completo, e se você ainda estiver com uma alta concentração de estrogênio no seu organismo, a sua progesterona irá aumentar (mesmo depois disso a concentração de estrogênio ainda pode permanecer alta) isso é uma tentativa do seu corpo de fazer que o seu tecido mamário fique maior, fazendo que as suas aerolas fiquem maiores (mamilos saltados e sensíveis), isso tudo, novamente, para te preparar para o processo da lactação. O último estagio da gyno é a prolactina/lactação, os estágios anteriores estavam preparando o seu corpo para este momento e agora os seus níveis de progesterona e estrogênio irão diminuir e a sua prolactina vai crescer, aqui é quando você começa o processo de lactação.

    ESTROGÊNIO ESTROGÊNIO ESTROGÊNIO!!

    O hormônio mais desafiador para o usuário de esteróides é, de longe, o estrogênio. Pense, ele é a causa de qualquer mudança nos seus peitos, humor, libido, condicionamento, retenção, pele, próstata, apetite, você escolhe. Em 90% das vezes q vc se sente estranho é por conta de baixo/alto nível de estrogenio.
    Uma vez que você encontrar o seu ponto ideal (em relação ao nível de estrogênio) você vai saber, não tem erro. Você vai se sentir mais feliz, contente, vai meter feito um ator pornô, comer feito um boi, treinar como um rinoceronte e além disso tudo, você também vai estar muito feliz.
    Aqui vai um indicativo que eu usei desde q comecei com os AES:
    Baixo E2 = Ereções fortes, dificuldade pra ejacular, orgasmo fraco.
    Alto E2 – Dificuldade pra manter ereção, sendo assim, GRANDE dificuldade pra gozar..esqueça.
    E2 Normal – Ereções normais, habilidade de controlar a ejaculação, orgasmo forte.
    Os colaterais de baixo e alto nivel de estrogênio sao bem parecidos, quanto mais experiente você for, mais fácil vai ser diferenciá-los, porém, não importa o quão experiente você seja, isso sempre vai ser uma coisa complicada, se você ficar na dúvida meça o seu e2 em um exame de sangue.

    Colaterais de alto nível de E2

    Acne, perda de libido, retença de agua, urinando menos agua do que você ingere, cara de syndrome de down, testiculos atrofiados, o escroto fica mais grudado com o pênios, testiculos macios, oleosidade extrema pra todo lado, roid rage, depressaão, frescura, letargia, insonia, ereções fracas, MUITA vontade de açúcar e chocolate, PA alta, Picos de PA, prostata aumentada, uma pressao na parte inferior dos abdominais quando estiver urinando, jato de urina muito fino, resfriados (causados pela retenção).

    Colaterais de baixo nível de E2

    Pele seca, lábios secos, desidratação, perda de libido, ereção matinal e falta de ereção na hora do sexo, perda da ereção durante o sexo, perda de sensibilidade, glande do pênis seca, glande do pênis branca, perda de “girth” (não sei o que é isso, girth é circunferência em inglês), irritabilidade, oscilações no humor, hesitação antes de urinar, transpiração excessiva de noite, perda de apetite, fadiga constante, letargia, resfriados (por conta da desidratação), efeito diurético (urinar mais água do que você toma) (por isso a dor nas juntas), coceira no couro cabeludo, pensamentos obcessivos.

    Como vocês podem imaginar, eu já tive cada um desses colaterais nesses ultimos anos em que eu venho fazendo uso de esteróides. E eu tenho certeza que estou esquecendo de citar alguns colaterais. Quando você apresentar um desses efeitos colaterais, encare isso como um sinal, use essa lista pra ter uma noção geral da coisa. Digamos que você apresenta os colaterais "perda de libido", pele seca e sem acne, pela lista de colaterais que eu passei você saberá q o seu E2 está muito baixo. Agora digamos q você apresente os colaterais perda de libido, acne, agressividade incontrolavel e retenção, novamente de acordo com a lista de colaterais você saberá q o seu E2 está alto. Nunca se baseie em apenas um colateral para tentar adivinhar o seu nível de E2, estar retido e apenas retido nao quer dizer nada, assim como estar com a colateral "pele seca" e só com a pele seca também nao significa nada.
    Tenha em mente uma coisa, estrogênio é bom para você de varias formas diferentes (libido, humor, qualidade da pele, cabelo, unhas etc) mas, MAIS IMPORTANTE AINDA, ESTROGENIO É BOM PRO SEU FIGADO. Com certeza vc já escutou que o anastrozol e o letrozol podem ser nocivos ao seu fígado e que o aromasin seria uma melhor escolha, mas, a verdade é que todos os IAs são ruins para o seu fígado. No momento q vc começa a baixar o seu nível de E2 pior o seu figado vai ficar, nao importando qual IA vc ta usando, unica coisa q importa é o QUANTO você baixou o seu E2. Se vc baixa o seu e2 para, vamos dizer 10nl/dl, você não vai perceber se você despencar o seu e2 para a casa de um dígito. Te garanto q o seu HDL e LDL estarão completamente modificados, não importanto qual IA vc optou por usar.

    IA suicidas x IAs não suicidas/que se ligam

    Anastrozol e Letrozol são IAs Não Suicidas, tudo o que eles fazem é ligar qualquer estrógeno que tenha sido convertido diretamente com a sua enzima da aromataze. Cada IA liga uma diferente porcentagem de estrogênio. O Letrozol liga mais que o Anastrozol, com certeza. O problema com esses IAS é que quando você para o uso deles, todo aquele estrogênio acumulado pelas semanas/meses que você passou usando o IA, derrepende se soltam das suas enzimas da aromataze e caem direto no seu plasma sanguíneo, esse processo é chamado de efeito rebote do estrogênio e eu tenho certeza que você já sabe que esse efeito rebote pode ser pior que a alta concentração de estrogênio no seu organismo durante o ciclo, pois, normalmente, quando você para de usar o seu IA você opta por: ou entrar em Cruise com low test ou fazer TPC. Em ambos os casos você tem bem menos testosterona no seu organismo do que você tinha antes e uma vez que todo aquele estrogênio é liberado você tem uma chance muito maior de ter ginecomastia e, com absoluta certeza, você vai ficar parecendo um daqueles peixe-balão e, além disso tudo, você vai ficar se sentindo um molenga (depressivo, sem libido) por varias semanas até q o seu nível de E2 e testosterona voltem ao normal.

    O Aromasin é a nova geração dos IAs. Ele é suicida! A diferença entre ele e outros IAS é que o Aromasin vai destruir uma certa porcentagem das suas enzimas da aromataze e, ao fazer isso, ele também acaba matando qualquer molécula de estrogênio que estava sendo criada (via processo de aromatização das moléculas da testosterona) por esta enzima. Significa que quando você para de usar o Aromasin não existe a possibilidade do efeito rebote q você teria com os IAS não suicidas..de jeito nenhum! (sem estrogênio, sem efeito rebote, visto que o estrogênio é morto, não é liberado no plasma sanguíneo). No máximo você vai ter que esperar um tempinho ate o seu corpo começar a produzir mais enzimas da aromatase (uma coisa pessíma, caso você tenha despencado com o seu nível de e2, quando comparado aos outros IAS. (não entendi mto bem essa parte, leiam o original aqui e vejam se entendem melhor: “if anything you will have to wait for a while for your body to start producing more aromataze (very bad if you crashed your estro comparing to the other AIs)”
    Cada pessoa é diferente no tocante ao tempo que leva pra que o organismo volte a criar novas enzimas aromatase, para mim esse processo demora mais ou menos 2 semanas, pra outra pessoa pode demorar de 1 à 3 semanas. A única maneira de acelerar esse processo é usando HGH, você pode usar toda a Dbol ou TNE que você quiser, se vc tiver despencado seu nível de E2 com o Aromasin e não tiver mais enzimas da aromatase atuantes, você não irá reter nada de água por conta do uso desses compostos, não vai haver aromatização, mas por outro lado você não vai ter nenhum resultado..com o Dbol pelo menos.
    Anastrozol/Arimidex

    Adex vai baixar seu E2 em 50-60 por cento. Claro que se você continuar tomando a porcentagem vai acumulando, então você baixa o seu 50 por cento de E2 em outros 50 por cento e assim vai. Você pode facilmente acabar com o seu E2 em níveis baixíssimos caso você faça o uso desse medicamento por um período de tempo suficiente aliado a uma dose alta o suficiente e ao fato de você não estar convertendo muito estrogênio por conta de AES que aromatizam (quando você está usando dose baixa de testosterona e alta de Adex). O Adex, na minha opinião, é o que se encaixa melhor para TRT, a razão é a taxa que ele baixa o seu estrogênio, quando comparado aos outros IAS, é a menor. Para TRT você só precisa de 1mg Adex/semana pra manter seu nível de E2 dentro do normal (e2 = 20-25ng/dl = ponto ideal)
    Porquê o Adex é ruim pro blast? Este pequeno post foi retirado de outro fórum, foi escrito por um médico, não são minhas palavras, mas refletem muito bem as minhas experiencias com o Adex.
    Adex nao é muito eficiente para drogas q tem tendência a aromatização “peripheral”, Dbol em particular. Muitas vezes uma dose cheia de 2mg de Adex por dia não vai dar conta da retenção do Dbol. Adex é melhor para a supressão do E1, affinity tecido, gonadal, adrenal, etc e pelo fato de ser um inibidor competitivo (não saquei mto bem..essas parada mto cientifica me fodem as vezes). Ele suprime o E1 até mesmo nas mais baixas das doses, mas precisa doses bem maiores para que se possa ver algum impacto significativo na aromatase peripheral.

    Em cutting com low test e AES não aromatizantes ele é tão bom quanto qualquer outro IA, mas quando em um bulking com drogas que aromatizam bastante o Adex é o pior IA q você pode escolher. Não importa o quanto você use, você ainda vai ficar bem mais retido do que você ficaria se estivesse usando Letro ou Aromasin.

    Dose comum qdo em blast: 0,5mg TSD/DSDN

    Dose de TRT: 0,25mg DSDN ou 1mg por semana

    Aromasin/Exemesane

    Sem duvida é a melhor escolha para o seu blast. Porém ele também tem as suas contrapartidas. Eu acabei descobrindo que quanto mais você usa o Aromasin mais sensível a ele você vai ficando. Quando você começa com Aromasin, 25mg ao dia é uma dose comum para um ciclo mediano, por exemplo 750mg Testosterona e 500mg de Decanoato de Nandrolona. Com o passar do tempo você vai precisando de cada vez menos Aromasin para controlar o seu E2, com o passar do tempo você vai acabar precisando só de 12,5mg DSDN (se não menos) para esse mesmo ciclo mediano citado. Porém saibam isso não acontece em alguns dias, demora meses. Outra coisa ruim do Aromasin é a perda de cabelo, quando comparado aos outros Ias, eu cheguei a conclusão q ele me faz perder bem mais cabelo. Um colateral do Aromasin é a Alopecia, os outros dois IAs até tem perda/afinamento do cabelo como efeito colateral, mas não essa perda não chega não é grande o bastante para chegar a se enquadrar em um quadro de Alopecia (Em tempo: Alopecia ou alopecia é a redução parcial ou total de pelos ou cabelos em uma determinada área de pele.)
    Como mencionado antes, o maior medo com o Aromasin é você acabar abaixando demais o seu E2. Se você chegar nesse ponto a única saída será esperar ou aumentar a dose de HGH. Caso isso ocorra, espere pelo menos uns 10 dias para recomeçar a administrar qualquer dosagem de Aromasin, isso vale até mesmo se você for mudar pro Arimidex ou outro qualquer.
    O melhor post que eu já vi sobre aromasin, e que reflete minha experiência em 100%, é o que segue:

    Ahhhhhhh-romasin?! O rei dos Anti-Estrogenio

    Esse post vai ser meio longo, mas tire um tempinho pra ler ele com atenção, é provavelmente a coisa mais importante que você vai ler na sua vida, caso você seja um bodybuilder (haha talvez não, mas tem umas pérolas aqui).

    O Exemesane, comercializado sob o nome de Aromasin, fabricado pela Pfizer, é um inibidor suicida das enzimas da Aromatase disponível em via oral. < essa sentença descreve examente porque o Aromasin é o rei dos IAs pra fins de bodybuilding.
    Por conta do Aromasin ser esteroidal, isto cria uma cena de supressão do estrogênio favorável, concede alguns vantagens ótimas quando comparado aos outros IAs, isso ocorre tanto no papel (ou bula) quanto em experiências na vida real. Os IAs esteroidais tem a vantagem de serem amigáveis ao perfil lipídico, todos eles abaixam o nível de SHBG o que acarreta em um aumento da proporção de testosterona livre para fazer ligações no seu organismo, o que, como muitos bodybuilder profissionais sabem, pode ter um impacto relativamente grande nos ganhos.
    Eu acho que é importante entender como as drogas trabalham para se saber como dosá-las corretamente. O Aromasin é um IA suicida, isso significa que ele se liga as enzimas da Aromatase e, ao fazer isso, ele as desliga e as destrói. Por isso que ele é chamado de “suicida”. Esse composto químico é tipo um piloto kamikaze que você soltou no seu corpo com o intuito de destruir suas enzimas da Aromatase, e é isso o que o torna tão especial.
    A meia vida do Aromasin em machos humanos é na verdade bem pequena, 9 horas, e ele é rapidamente eliminado pelo seu organismo, entretanto, já que no momento que ele entra na sua corrente sanguínea ele rapidamente destrói 80-90% das suas enzimas da Aromatase, ele mantém uma redução significativa da concentração de estrogênio no seu organismo, isso ocorre por até 72 horas depois de uma única dose de 25mg de Aromasin. Os níveis de estrogênio só começam a subir outra vez depois que o seu corpo começa a criar novas enzimas da Aromatase para substituir aquelas que foram destruídas pelo Aromasin.
    Existe um ótimo estudo acerca das consequências da administração do medicamento Aromasin em homens que descobriu o seguinte:
    -24hrs depois de uma dose de 25mg os níveis de estrogênio são reduzidos em 70-80%

    -72hrs depois os níveis de estrogênio ainda estão 40% abaixo do padrão, ainda que a droga em si tenha sido quase completamente eliminada.

    -120hrs depois da dose inicial os níveis de estrogênio voltam ao normal (sem efeito rebote)
    Isso significa dizer que você pode achar o timing e a dosagem desse medicamento que funciona melhor em você. Eu já vi alguns caras recomendarem 25mg por dia e também já vi recomendarem 12.5mg a cada 4 dias, por esse estudo você pode ver o porquê ambas são eficientes visto que promovem níveis diferentes de supressão de estrogênio, sendo corretas ou incorretas de acordo com o caso em questão. É essa flexibilidade que torna o Aromasin um IA tão versátil.

    Mas calma aí, tem mais! O Aromasin é também uma droga para TPC considerada excelente! Em homens adultos, foi descoberto que o Aromasin pode aumentar o nível de testosterona total em até 60% depois de apenas 10 dias em 25mg/dia, porém o mesmo estudo descobriu que, ao mesmo tempo que o medicamento aumentou o nível de testosterona total em 60%, a quantidade de testosterona livre no organismo foi aumentada em mais de 100%. Isso mesmo, ele duplica a testosterona bio-disponível (estamos falando da testosterona endógena, é claro. Isso não se aplica a uma injeção de testosterona sintética).
    Eu posso te falar o seguinte: Quando eu tomo Aromasin durante a TPC os resultados são dramáticos. Falando honestamente, a minha libido nunca desaparece, isso em qualquer ponto da TPC, e eu me sinto absolutamente fantástico dentro de apenas alguns dias, e isso tudo tomando apenas 12.5mg ao dia, o único colateral que eu notei foi articulações e outras áreas um pouco enrijecidas (isso se dá por conta do nível baixo de E2).

    Prós:

    -Poderoso IA capaz de parar a ginecomastia completamente sozinho (isso se aplica para compostos que aromatizam)
    -Tem efeitos poderoso contra a retenção
    - Abaixa o nível de SHBG, aumentanto a testosterona livre, tornando os outros esteroides anabólicos mais bio-disponíveis (leia: mais ganhos)
    - Pode ocasionar um aumentando da libido tanto dentro quanto fora do ciclo (TPC)
    - Aumenta o IGF-1
    - Não ocasiona mudanças adversas ao perfil lipídico em homens (Saiba que o seu perfil lipídico não ficará intacto caso você estiver ciclando, porém esse medicamento não piora a situação)
    - Não eh hepatotóxico (nocivo ao fígado)
    - Não apresenta o efeito rebote

    Contras:

    -Problemas típicos de IAs como articulações enrijecidas e possível letargia, mas isso só ocorre caso você deixe o seu nível de E2 abaixo do normal.
    - Ele é mais difícil de achar do que o Arimidex ou o Letrozol.

    Uso apropriado do Aromasin:

    1) Controle de Estrogênio dentro do ciclo – Isso mesmo, qualquer problema relacionados ao nível de estrogênio que você possa vir a apresentar deve ser tratado com esse medicamento, desde ginecomastia até acne e retenção hídrica, o Aromasin é tiro e queda. Use 12.5mg a cada 4 dias para prevenção contra ginecomastia e controle de retenção, ou use 25mg todos os dias na fase de pré-contest ou caso você seja um cara com tendência a apresentar ginecomastia ou a “cara de síndrome de down”. A beleza do Aromasin é que ele é OK para você usar como método prevenção, e não somente deixar para começar a administrar quando a ginecomastia já estiver aparente e ele não atrapalha os ganhos tanto quanto os outros IAs. Eu ainda recomendaria usar IAs só caso você realmente precise deles, mas se você faz questão de faze o uso de um juntamente com o seu ciclo, você não conseguiria escolher um medicamento melhor que esse.

    2) TPC – O Aromasin é a principal droga de TPC na minha experiencia. Honestamente, a TPC fica até legalzinha quando você inclui o Aromasin (talvez eu esteja forçando a barra um pouco) mas ele é show de bola comparado ao clomid/tamox e significativamente melhor que o Arimidex (mais potente e menos colaterais). Ele trabalha muito bem com o HCG e mantém a aromatização extra causa pelas injeções de HCG sob controle (dando até pra você usar mais HCG, mais que 500iu por injeção), outro bônus é que, jé que é um medicamento seguro e relativamente confortável para ser usado por grandes períodos de tempo, você pode esticar a sua TPC para 6 ou 8 semanas quando estiver se recuperando de ciclos muito supressivos só para ter certeza que você terá tudo funcionando em ordem denovo no momento em que você sair da TPC.

    3) Reverter a Ginecomastia – juntamente com um SERM (tamox) e/ou um composto derivado do DHT o Aromasin pode ser muito eficiente em reverter/reduzir uma ginecomastia preexistente.

    4) Aumento do nível de testosterona fora do ciclo – As vezes eu não estou afim de ciclar, mas ainda quero aquele algo a mais, então eu tomo 25mg DSDN por 4 a 6 semanas, os meus ganhos não melhoram taaaaanto assim, mas definitivamente melhoram, mas de qualquerr jeito eu faço isso mais pelos efeitos na libido e psicológico.

    5) Hipogonadismo – Então você está envelhecendo, você tem ciclado desde que tinha 21 aninhos e os seus níveis naturais de testosterona simplesmente nunca ficam em um nível aceitável, mas mesmo assim você não está afim de fazer HRT. Bom, o Aromasin vai te trazer de volta para o jogo sem que você precise mergulhar de cabeça no HRT.

    Uso inapropriado do Aromasin:

    1) Proporcionar “hot flashes” à sua namorada. (é uma piadinha, que por sinal eu não entendi, então desconsiderem.)

    Bom, isso é o que eu tinha para escrever sobre o melhor IA existente, com certeza deve ter faltado algumas coisas, então se alguém tiver alguma pergunta a fazer, sinta-se livre pra me mandar PM ou me perguntar nesse tópico (ISSO EH O CARA FALANDO LÁ! NÃO VENHAM ME MANDAR MP QUE EU NÃO SEI QUASE PORRA NENHUMA!!!!)

    Doses comuns: 12.5mg TSD/DSDN/A CADA 4 DIAS, 25mg TSD/DSDN

    Dose de TRT: 6.25mg TSD. 12.5mg 2 ou 3 vezes na semana

    Letrozol:

    Esse é um IA que você pode viver sem. É de longe o mais nocivo de todos os IAs, não necessariamente porque quando você usar ele o seu nível de estrogênio vai ficar baixo de mais, mas o composto químico/ingredientes ativos do Letrozol são considerados bem nocivos ao nosso organismo.
    Alguma vez você já subiu uns lances de escadas e quando chegou lá em cima sentiu que estava morrendo, tipo o que um cara de 250kgs sentiria depois de dar dois passos na rua? Bom, isso é o que o Letrozol pode fazer com você. O que eu quero dizer é que esse negócio afeta os seus triglicerídeos, se você fazer o uso de Letrozol por um período de tempo suficiente combinado com uma dose alta suficiente, você vai acabar com os seus triglicerídeos tão altos que até mesmo depois de ter dado uns 10 passos você já vai estar sofrendo pra respirar.
    A única aplicação para o Letrozol (que pode ser evitada/substituida por Aromasin) é na fase de pre-contest. Eu jamais usaria em um bulking, cutting ou tratamento de reversão de ginecomastia. É colateral de mais para efeito de menos.
    Alguma vez você já tomou o Letrozol e ainda assim sentiu os mamilos sensíveis? Sabe porquê? O Letrozol abaixa o SHGB dramaticamente, isso permite que o seu nível de testosterona livre tenha um pico e, como resultado disso, que alguma fração dela aromatize e se torne estrogênio, essa é a razão que os protocolos de reversão de ginecomastia com Letrozol não funcionam (especialmente quando sugerem q você use esse medicamento por apenas 1 semana). Para que você tenha pouco estrogênio livre no seu organismo (Isso os IAs não conseguem abaixar) você precisa abaixar o seu estrogênio total. Entretanto todos que estão tentando reverter a ginecomastia necessariamente já estão com o estrogênio alto, então no momento que você insere Letrozol você pode vir a liberar uma quantidade ainda maior de estrogênio livre na sua corrente sanguínea, o que pode acabar fazendo com que a sua ginecomastia piore! Para se proteger desses estrógenios livres na sua corrente sanguínea você precisa de um SERM, é por essa razão que você não pode reverter a ginecomastia sem um SERM já que todos os IAs abaixam o SHGB. (aumentando a testosterona livre, podendo fazer com que essa testosterona livre aromatize e se transforme em estrogênio livre, que então poderiam se ligar aos receptores de estrogênio localizados no seu peito o que ocasionaria em uma piora no quadro de ginecomastia. Os SERMs evitam que os estrogênios se liguem aos receptores de estrogênio localizados no seu peito, sendo assim impossibilitam que esses estrogênios extras ocasionem a ginecomastia, porém eles não evitam o aparecimento de outros colaterais por conta de um alto nível de estrogênio).
    Tenha em mente também que você não deve usar Tamoxifeno/Clomid juntamente com Anastrozol ou Letrozol, pois você minimiza a eficiência desses dois IAs em 40% (isso não ocorre vice-versa, a eficiência dos SERMS continuará em 100%)

    Dose comum: 0,62 mg TSD/DSDN , 1.25mg TSD/DSDN

    SERMS:

    Tenha em mente que todos os 3 SERMS citados aqui vão trabalhar em favor do seu fígado (Agonistas), visto que eles são estrogênios medianos e, como dito antes, estrogênio é bom para o seu fígado, sendo assim a adição de um SERM sempre vai fazer com que o seu HDL/LDL melhore. Nenhum dos SERMS abaixa o seu estrogênio, na verdade eles aumentam o seu nível de estrogênio total. Eles também bloqueiam a ação do estrogênio na área do mamilo, mas, assim como os IAs não suicidas uma vez que esses estrogênios são liberados (quando você cessa o uso do medicamento) você tem o efeito rebote, o que acarreta com que o seu nível de estrogênio fique maior do que antes.

    Nolvadex/Tamoxifene

    Agonista (significa dizer que este medicamento trará benefícios) : Figado, Utero

    Antagonista (significa dizer que este medicamento não trará benefícios, no caso em questão ele não trará benefício à região do mamilo, visto que irá bloquear a ação dos estrogênios nesta área): Seio/mamilo

    Como eu tenho certeza que você já escutou, O Nolvadex reduz os níveis de IGF-1 em 25% então isso pode parecer como a maior desvantagem do mundo, mas se você levar em conta que o seu fígado vai estar mais saudável enquanto você faz o uso deste medicamento, vai acabar equilibrando o fato de os seus níveis de IGF-1 serem reduzidos.
    O Nolvadex é mais indicado para TPC e não pra ser usado dentro do ciclo, já que promove um aumenta de 60% dos níveis de testosterona natural (o que é ótimo durante o período de TPC) e diminui os níveis de IGF-1 (o que é péssimo se você está procurando otimizar os seus ganhos).

    Dosagem no ciclo: 20-40mg/TODOS OS DIAS/DIA SIM DIA NÃO

    Raloxifene/Evista

    Agonista: Fígado, ossos (assim como o Decanoato de Nandrolona este medicamento aumenta a densidade ossea, sendo um reconhecido tratamento contra osteoporose)

    Antagonista: Seios/mamilos (Mais forte que o Nolvadex).

    O Raloxifeno não afeta os níveis de IGF-1 de jeito nenhum, ele também ele aumenta a sua densidade óssea, porém não chega nem perto de trazer o benefício aos seus tendões que o Decanoato de Nandrolona traz, então ele pode ser uma espada de duas pontas no caso de você não estar fazendo o uso conjunto de Decanoato de Nandrolona, visto que ao você ter ossos e músculos mais densos/fortes a chance de lesões nos tendões aumenta.
    O Raloxifeno é o SERM ideal pra terapia dentro do ciclo, já que é ele é agonista dos seus ossos, não afeta os níveis de IGF-1 e é perfeitamente seguro administrá-lo com um 19nor. Raloxifene não deve ser usado em TPC, já que ele aumenta os seus níveis de testosterona natural em apenas 40%, isso é 20% a menos que o Tamoxifeno.

    Dosagem dentro do ciclo: 60mg-120mg/DIA/DIA SIM DIA NÃO/A CADA 2 DIAS

    Tamox vs Raloxifene (em relação ao HGH/IGF-1)

    Objetivo do Estudo: Comparar o impacto do Tamoxifeno e do Raloxifeno no nível de GH/IGF-1 e gonadal axes (termo técnico, não consegui traduzir então deixei no original) em machos saudáveis.
    Formato: Nós conduzimos um estudo customizado, open-label crossover study (termo técnico, não consegui traduzir então deixei no original)
    Pacientes e Intervenção: 10 homens saudáveis foram submetidos a um tratamento sequencial de 2 semanas com Tamoxifeno (10 e 20mg/dia) e Raloxifeno (60 e 120mg/dia), com um período de 2 semanas de intervenção para desintoxicação dos medicamentos.
    Medidas Tomadas no Estudo: Nós medimos a resposta do GH à arginina e níveis circulantes de IGF-1, LH, FSH, Testosterona e SHGB.
    Resultados: O Tamoxifeno, porém não o Raloxifeno, diminuiu significativamente os níveis de IGF-1 em 25% (P < 0.01) e aumentou os níveis de SHGB em 20% (P < -0.05) na maior dose terapêutica administrada. Houve uma significante tendência que não foi acompanhada estatisticamente em relação a redução da resposta do GH à arginina com ambos os SERMS. (There was a nonstatistically significant trend toward a reduction in the GH response to arginine with both SERMs.) Ambas as drogas significativamente aumentaram as concentrações de LH, FSH e Testosterona. O aumento no nível de Testosterona (40% vs 25%) e LH (70% vs 30%) foi significativamente maior com o Tamoxifeno.
    Conclusões: Tamoxifeno, mas não o Raloxifeno, diminui os níveis de IGF-1. Ambos os SERMS estimularam a “gonadal axis”, com o Tamoxifeno causando um efeito maior sobre ela. Nós concluímos que, nessas doses terapêuticas, o Raloxifeno perturba o GH e as “gonadal axes” em um proporção menor que o Tamoxifeno.

    Tamox vs Ralox: Ginecomastia

    (Bom, aqui ele coloca um estudo, cheio de termos técnicos, que explica o que eles vão fazer com os pacientes, quais são os objetivos, como eles vão verificar o que aconteceu com os pacientes, enfim, é uma coisa maçante demais para ser traduzida, cheia de termos que eu sinceramente não consigo entender/traduzir e é uma coisa que não vai agregar muito para o intuito do texto, a parte que nos interessa, os resultados, foram traduzidos e são extremamente interessantes e importantes. Quanto ao estudo em si, eu vou deixar o original aqui para caso vocês tenham interesse em verificar como foi conduzido o experimento)
    OBJECTIVES: To assess the efficacy of the anti-estrogens tamoxifen and raloxifen in the medical management of persistent pubertal gynecomastia. STUDY DESIGN: Retrospective chart review of 38 consecutive patients with persistent pubertal gynecomastia who presented to a pediatric endocrinology clinic. Patients received reassurance alone or a 3- to 9-month course of an estrogen receptor modifier (tamoxifen or raloxifene).

    Resultados: A idade média dos pacientes era de 15 anos, com ginecomastia presente a 28.3 (16.4) meses. Em média, a redução do diâmetro da glândula mamária foi de 2.1 (95%) depois do tratamento com Tamoxifeno e de 2.5 (95%) depois do tratamento com Raloxifeno. Uma melhora considerável foi vista em 86% dos pacientes recebendo Tamoxifeno e em 91% dos que estavam recebendo Raloxifeno, porém uma maior proporção dos pacientes obteve uma redução significante da ginecomastia (redução maior que 50%) com o Raloxifeno (86% dos pacientes recebendo Raloxifeno tiveram uma redução da ginecomastia maior que 50%) do que com o Tamoxifeno (41% dos pacientes recebendo Tamoxifeno tiveram uma redução da ginecomastia maior que 50%). Nenhum efeito colateral foi visto em nenhum dos pacientes.
    Conclusão: A inibição da ação do receptor de estrogênio na área do peito aparenta ser segura e eficiente, proporcionando uma redução da ginecomastia recorrente desde a puberdade, com o medicamento Raloxifeno apresentando um melhor resultado em relação ao Tamoxifeno.

    Clomid

    Agonista: Fígado

    Antagonista: Seio/mamilo

    O Clomid é uma droga bem nociva. Deve ser evitada a todo custo, se você vier a apresentar os colaterais relacionados à visão que este medicamento pode vir a causar, como por exemplo, a vista embaçada, eles continuarão para o resto da sua vida. São casos raros, mas acontecem.
    O Clomid só deve ser introduzido em protocolos com a supervisão de um médico, visto que se você quer voltar a produzir esperma novamente, você irá ter que fazer o uso contínuo de Clomid, aliado ao HCG, por 9-12 meses seguidos. Este medicamento até tem algum uso para a TPC, mas ele pode ser completamente evitado usando somente um SERM ou usando o ideal (Tamox + aromasin)

    Algumas informações sobre o Clomid:

    - O Clomiphene é um misto de agonista/antagonista. Isto se dá pelo fato de o clomiphene ser composto de dois isômeros: enclomiphene e zuclomiphene. Enclomiphene é um receptor antagonista de estradiol (E2). Zuclomiphene é um receptor agonista de estradiol (E2). De qualquer maneira, o fato de o efeito antagonista ser mais pronunciado se dá pelo fato de sua composição ser 70% trans (enclomiphene) e 30% cis (zuclomiphene). O Tamoxifeno é um SERM mais estrito, diminui o efeito do estrogênio no corpo, potencializando a ação do Clomid. Esta combinação veio após 100 anos de experiências médicas.
    Então o Tamoxifeno é mais antagonista (para a região do mamilo/seio, lembram?) do que o Clomid. É melhor em bloquear o ER (ação do estrogênios na área do mamilo) do que o Clomid. O Clomid também aparente exercer efeitos agonistas nas partes que cérebro que controlam as emoções. Isso explica o porque alguns homens ficam parecendo “mulherzinhas de TPM” durante o uso de Clomid.

    - O Tamoxifeno é também feito de um pouco mais de isômeros, o isomero cis do Tamoxifeno (que é inativo), trans-tamoxifen e o isômero trans-4-OHT.

    - O Clomid vai duplicar o seu LH (em 100mg/dia) no período de 5-7 dias e aumentar o FSH em 20-50%. O LH aumenta rapidamente depois do ciclo, mas não tanto assim

    - Clomid vai aumentar a testosterona endógena (total) em 146% depois de 3 meses em 25mg/TSD.

    - Clomid em 100mg/dia vai aumentar a testosterona endógena (total) em 268% em 8 semanas e a testosterona livre em 1.410% (isso não é um erro de digitação).

    - O Tamoxifeno aumentou a testosterona na corrente sanguínea (testosterona livre) em 142% do nível padrão em apenas 10 dias. Foram necessários 150mg/dia de Clomid para conseguir o mesmo resultado de 142%. Depois de 6 semanas ele aumentou os níveis de testosterona e LH numa média de 183% e 172% dos valores iniciais.

    - Outra coisa para se tomar nota depois do estudo mencionado acima é o quão sensível a glândula pituitária ficou ao GnRH. Quanto mais sensível a glândula pituitária é ao GnRH, mais LH ela vai produzir. O Tamoxifeno aumenta a sensibilidade da glândula pituitária ao GnRH e o Clomid aparenta diminuir.

    - Estrogênio vai diminuir a sensibilidade ào GnRH. Não vai aumentar. Se o estrogênio por um acaso aumentasse a sensibilidade da pituitária ao GnRH esse acontecimento se chamaria “estrogênio no auge”. Aprimorar a pituitária a ser mais sensível ao GnRH. Isso acontece em fêmeas, mas não em machos. Não há evidencia da aprimoração do estrogênio em machos.

    -O Tamoxifeno é mais anti-estrogênico do que o CLOMID. Ambos são SERMs, com efeitos agonistas/antagonistas nos tecidos “selecionados”. Ambos irão bloquear a aromatização no tecido mamário. Ambos são agonistas ao fígado, o que deve explicar o aumento das proteínas que se ligam ao IGF e consequentemente a diminuição do IGF no plasma.

    Dose no ciclo: 50mg/DSDN

    Alguns dizem que este medicamento pode substituir o HCG, mas eu prefiro não ir por esse caminho. O Clomid causa muitos problemas mentais para ser usado em um ciclo, na minha opinião.

    Suporte à Prolactina:

    Caber/Cabergolina/Dostinex/Cabaser

    O Caber irá baixar a sua progesterona e inibir a prolactina/lactação. É um agonista da dopamina, o que significa que ele não vai deixar o seu corpo lactar pois ele vai ocupar os seus receptores de dopamina (esses receptores são os responsáveis pela lactação). Caber é o suporte perfeito para a prolactina quando você estiver administrando algum 19nor, isso na minha opinião. Os seus efeitos colaterais são mínimos, nada de sonolência, não afeta os padrões de sono e em geral, no tocante às doses, é bem mais flexível que o Pramipexole ou Bromo. Também não existe nenhum efeito adverso por você cessar o uso do Caber, diferente do que acontece com o Pramipexole.
    O Caber é um medicamente de renome, ele reduz o tempo de inatividade (pelo que eu entendi o Caber reduz o tempo que você tem que esperar até ficar sexualmente ativo outra vez), não confundam isso com ele proporcionando orgasmos múltiplos, então digamos que você precisa de 1 dia para estar inteiro denovo depois de sessão de sexo, duas semanas depois de começar com o Caber você vai sentir uma diminuição significante nesse tempo de inatividade, você passaria a precisar de apenas 12-16hrs pra estar pronto pra próxima sessão, se você precisa de 2hrs pra estar pronto de novo você passaria a precisar de 1h e assim vai.
    Esse medicamento é também conhecido pelo seu efeito de orgasmo multiplicado, então quando você ejacular vai parecer que você está ejaculando o dobro ou o triplo. Isso necessita ser explicado melhor para o usuário. Explicando, no que toca a ejaculação, mesmo que ela não seja instantâneo, quanto mais você segurar dentro de você maior será o prazer que você sentirá quando finalmente você deixá-la sair (Funciona assim: Quanto mais tempo você ficar se segurando para não gozar, maior vai ser o seu orgasmo quando você finalmente gozar). Outra coisa, digamos que você esteja sem o Caber no seu sistema, aí você deixa um pouquinho de ejaculação escapar (sabe quando você está se segurando pra não ejacular, mas um pouquinho dela escapa mesmo assim?). Geralmente, quando isso acontece, você tem uma grande chance de perder a ereção, mas uma vez que você estiver com o Caber no seu sistema, se você por um acaso deixar esse pouquinho de ejaculação escapar, a sua ereção vai ficando cada vez mais forte e o seu clímax vai ser insano. Dito isso, você pode ter, digamos 4-5 pequenos orgasmos, combinando-os com um orgasmo gigantesco no final, que irá parecer com o dobro ou triplo de um orgasmo que já seria gigante (Um orgasmo gigante triplificado!). Enfim, isso precisa de prática e auto-controle por parte do usuário.

    Dose comum em ciclo (para prevenção): 0.25-0.50mg/a cada 3 dias

    Dose comum para parar lactação: 1-1.5mg/a cada 3-5 dias.

    Pramipexole/Mirapex

    (Créditos para Nuk3d)
×
×
  • Criar Novo...