Ir para conteúdo
Fórum Hipertrofia
  • Cadastre-se
Clique aqui

Andrey Soares

Membro

Conteúdo continua após a publicidade.

  • Total de itens

    447
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Andrey Soares postou

  1. Ele fez algum teste em você para falar que vc tinha depressão?
  2. Não adianta comer nem suplementar tudo, isso só fará você gastar grana. Você diz que quer ganhar peso, não treina, você quer simplesmente subir dígitos na balança e nada mais? O treino de musculação ajudaria no ganho de peso, na perda de gordura, logicamente que associado a uma alimentação(de homem). O seu suplemento é ZMA, minerais encontrados no feijão e no peixe.
  3. Passamos de eremitas para estatuas, estamos cada vez mais limitados em funcionalidades, nossas valências físicas são inúmeras, mas nos limitamos a pouquíssimas, muito potencial é perdido nisso. Por isso admiro muito as pessoas que vivem da terra, que buscam o alimento de algum animal ou do solo.
  4. Dudu passando sempre textos embasados e didáticos, um dos melhores estudiosos(da área da nutrução/fisiologia) da atualidade na minha opinião Existe uma grande variação na população na forma em que as pessoas respondem à dieta, para o ganho ou perda de peso, e melhor dizendo, para o ganho e/ou perda de gordura corporal. O entendimento da importância e da influência variável de fatores genéticos e ambientais é importante para qualquer pessoa que estude o metabolismo, pois ao tratar diferentes indivíduos o peso desses fatores para cada indivíduo pode ser muito variável, e diferentes estratégias de intervenção nutricional, farmacológica e de treinamento devem ser pensadas para cada caso. Embora muitos acreditem que “uma caloria é uma caloria”, alguns estudos mostram que nem todos os indivíduos ganham a mesma quantidade de peso quando expostos a dietas hipercalóricas [1, 2]. Como disse em um texto anterior a eficiência dos processos metabólicos pode ser diferenciada dependendo da dieta escolhida e dependendo do metabolismo do indivíduo. Na física a resposta para isso é dada pela segunda lei da termodinâmica. Essa lei determina que existe uma ineficiência metabólica inevitável em todos os processos biológicos e bioquímicos com calor e moléculas de elevada entropia (dióxido de carbono, água, ureia) como os produtos mais comuns [3]. Dessa forma, o perfil genético de um indivíduo é determinante na forma em que ele responde aos fatores ambientais, produzindo eficiência metabólica variável entre vários indivíduos em uma população, e isso pode se traduzir em diferentes respostas à insulina e leptina (regulação do peso e apetite diferenciada), diferenças na taxa metabólica, diferentes taxas de oxidação de gorduras etc [4]. Apesar da sequência de DNA nuclear entre dois indivíduos de uma mesma espécie ser muito semelhante, chegando à quase 99,9% de similaridade, é justamente a pequena fração restante do DNA que é responsável pela variabilidade geneticamente determinada entre dois indivíduos, o que nos torna diferentes uns dos outros [5]. Entre as várias formas de variação genética entre indivíduos, muitas delas estão associadas à diferenças no metabolismo entre os indivíduos, e como foi dito acima e nos interessa discutir aqui, diferentes respostas metabólicas associadas ao ganho e/ou perda de gordura. Frequentemente a variação genética do DNA é também chamada de “polimorfismo”. Polimorfismos são variações genéticas que podem ou não refletir em uma alteração fenotípica (caracteres observáveis do indivíduo: cor dos olhos, cabelo, aparência física etc) [5]. Um gene é um segmento de DNA que contém a informação para síntese de uma determinada proteína, e são as proteínas, na forma de enzimas, receptores, hormônios (insulina, GH, IGF-1 etc), proteínas transportadoras, que vão regular nosso metabolismo. A ação do DNA, ou expressão gênica, está diretamente relacionada à síntese de proteínas, e indivíduos com perfis genéticos diferenciados expressarão esses genes de forma também diferenciada, provocando diferentes respostas metabólicas (hormonais, enzimáticas), o que fará com que a perda e/ou ganho de gordura possa ter uma grande variação entre diferentes indivíduos. A obesidade é considerada uma doença poligênica, o que significa que vários genes estão envolvidos na determinação do fenótipo da obesidade, genes que podem estar associados à sensibilidade à insulina, como o gene que codifica a adiponectina (ADIPOQ), uma molécula secretada pelo tecido adiposo e que está reduzida em indivíduos obesos, mais resistentes à insulina. Variantes desse gene são associadas a maior resistência à insulina, diabetes tipo 2 e outras características da síndrome metabólica. Existem outros genes associado à sensibilidade à insulina, como PPARG. Existem variantes genéticas de genes associados à lipólise, como os genes que codificam os receptores beta-adrenérgicos do tipo beta-2 (ADRB2) e beta-3 (ADRB3). Polimorfismos desses genes estão associados à resistência na perda de peso e aumento do IMC e da circunferência da cintura. Ainda existem outros genes relacionados à regulação do apetite (como LEPR), genes relacionados ao gasto energético (relacionados à proteínas desacopladoras mitocondriais: UCP1, UCP2 e UCP3), genes relacionados ao metabolismo de lipídeos (como FABP2 e PLIN1) [5]. Longe de querer dar uma resposta pronta ou sugerir alguma estratégia mágica para perda de gordura, a intenção desse texto é mostrar que o metabolismo diferenciado das pessoas está associado à perfis genéticos diferenciados, e uma estratégia que visa mudar o físico de uma pessoa, seja um obeso, ou um indivíduo comum que deseje uma melhora de composição corporal, precisa considerar essa variabilidade de respostas. Estudos recentes têm mostrado por exemplo que indivíduos mais resistentes à insulina respondem melhor à dietas low carb para perda de peso, enquanto indivíduos mais sensíveis à insulina respondem melhor à dietas com maior conteúdo de carboidratos [6]. Outros estudos têm mostrado também que gorduras poli e monoinsaturadas podem ter um papel benéfico na expressão gênica, enquanto a ingestão aumentada de ácidos graxos saturados um papel desfavorável no perfil de genes envolvidos no processo inflamatório [5] (penso que a composição de carboidratos pode ser relevante nesse caso). Muitas pessoas podem achar que se elas têm dificuldade para perda de peso através da dieta e da atividade física, o uso de hormônios e outros fármacos seria uma solução. O problema é que muitos poliformismos de genes associados à perda de peso/gordura implicam em respostas diferenciadas desses receptores (sensibilidade ao ligante/hormônio), de forma que a resposta do corpo não será a mesma de um indivíduo sem as mesmas variantes genéticas. É preciso ter em conta que algumas pessoas simplesmente nasceram para serem mais magras e secas que outras (diferentes “set point”), enquanto outros nasceram com mais facilidade para ganhar músculos, e embora você possa alterar isso pela influência dos fatores ambientais na expressão gênica, o perfil genético estabelece um limite para o potencial de cada um. Longe de ser apenas um texto pessimista sobre suas limitações genéticas em relação à sua composição corporal, estou aqui para dizer que as estratégias adotadas em relação ao treinamento, dieta e uso de fármacos, deve ser pensada de forma individual, pois isso sim fará diferença na forma que seu corpo vai responder a essas estratégias. Seria mais fácil se você conhecesse seu perfil genético através de exames genéticos, mas por enquanto é uma realidade para poucos. abraços, Dudu Haluch
  5. E quando você estiver progredindo na dose de efedrina? Terá também que progredir na dose de cafeina, sendo que uma capsula de oxy tem aproximadamente umas 200mg, você vai dobrar a dose do nada? Manipular é melhor se você quiser seguir o combo Efedrina + Cafeína, faça o uso do oxy depois separado, ele é um composto cheio de plantas que irá ferrar com o seu apetite, junto com a efedrina você ficará praticamente um zumbi.
  6. Cara uma variação de 20kg no espaço de duas semanas é algo a ser visto com atenção, 20kg não é pouca coisa, nós que praticamos musculação dificilmente passamos da faixa de 5kg de variações durante um período de uma semana, enfim, tente avaliar com as recomendações supracitadas, aconselho também a avaliação corporal com outro método, dobra-cutânea é um deles, o padrão ouro é o DEXA e a pesagem hidrostática, sendo que o custo para ambos é alto, sendo dobra-cutânea e bioimpedância os mais acessíveis.
  7. Antes de uma avaliação de bioimpedância é necessário atender algumas recomendações se não as chances de você está sub/superestimando sua composição corporal é grande.
  8. Cara, o que parece é que o deltoide anterior está sendo sobrecarregado em exercícios que envolvam extensão/flexão/abdução horizontal ou seja todos os movimentos que o músculo faz. Caso persista o incomodo procure outro ortopedista.
  9. A dor é na região anterior do ombro? É uma queimação durante o treino? Se não faça o teste, abra os braços o máximo que conseguir e depois volte devagar.
  10. Se você treina a muito tempo usando grandes amplitudes em; cruxifixo, crossover, supino ou voador pois esses exercícios trabalham no plano horizontal e grandes amplitudes nesse plano geram problemas no ombro que ao longo do tempo vão causando dores e impossibilitando a continuidade dos treinos. Grandes chances de você ter fodido o tendão do manguito ou do ombro, você disse ter feito exames, quais?
  11. Aumenta o volume do treino de costas, apenas isso.
  12. Cara, não parece haver nenhuma falha a não sera da pegada na barra, segura ela firme com o polegar por baixo. Outra coisa é a filmagem, por ser um exercício de flexão/extensão(eixo latero-lateral) uma melhor análise seria feita filmando de lado, para ver se existe algum tipo de alteração biomecânica(hiperlordose, retroversãopélvica).
  13. Treinos com objetivo de força enfatizam intensidades acima de 85% de 1 RM, treinos com objetivo de resistência pode se utilizar intensidades entre 60% a 70% de 1RM. Escolha um, e treine por um tempo(periodize), depois migre para outro.
  14. Não vi critérios na elaboração desse treino, divisão ilógica, treino ruim.
  15. Controlar apenas por facebook? Esse tipo de informação/relato você acha facilmente aqui no fórum, pra fazer algo bem feito teria que ser controlado, com amostra, e profissionais monitorando tudo detalhadamente.
  16. Melhorou pra caramba, só em relação ao volume, tente distribuir bem o volume do seu treinamento, fazer mais séries em compostos que citei \/, nos isoladores faz menos séries, tenta executar com perfeição, cadência e controle. Priorize a progressão nos exercícios; supino, remada, terra, agachamento, desenvolvimento.
  17. Fiz o teste de por no congelador e não congelou, ficou mole, fiquei impressionado por ter pago 10 conto numa caixa com 30 na farmácia do trabalhador.
  18. Treinando em casa prefiro um Upper/lower ABofAB focando em básicos(agachamento,remada curvada,terra,supino).
  19. Seu post vai ser fechado, veja os modelos de post de dieta!
  20. O treino está muito ruim, frustrante ver prescrições como essa.
  21. Apesar do entusiasmo que esta planta possa gerar, nenhum estudo científico comprovou os seus efeitos no aumento dos níveis hormonais. Num estudo que durou 12 semanas, homens entre os 21 e os 56 anos de idade consumiram diariamente 1,5gr, 3gr de maca peruana ou um placebo. Os investigadores recolheram regularmente amostras sanguíneas para verificar se a maca peruana foi capaz de provocar alterações significativas nos níveis hormonais, em relação ao grupo placebo. Não foi [*1]. A maca peruana também não aumenta a performance desportiva, de acordo com um estudo em que atletas com experiência de treino consumiram 10gr de extrato de maca peruana durante duas semanas. No entanto, foi verificado um aumento na libido dos atletas [*2]. De facto, a maca peruana parece ser eficaz a aumentar a libido [*3] e a melhorar o desempenho sexual [*4], no entanto, estas melhorias não são mediadas pela produção hormonal. Não parece haver dúvidas de que, neste ponto, a suplementação com maca peruana em indivíduos com problemas de disfunção erétil pode ser interessante. Doze semanas de suplementação com 2,4gr diários de maca peruana foi eficaz a melhorar a percepção de satisfação sexual de 50 homens caucasianos [*5]. Uma dose de 3,5 gramas do extrato desta planta também pode ajudar a reduzir os sintomas da menopausa, segundo demonstrado num estudo de 6 semanas [*6]. REFERÊNCIAS OU NOTAS:
  22. Cara, não tem muita coerência dividir um ab com perna nos 2 dias, preferiria um A- superior/B- inferior, focando em compostos progredindo na carga, esporadicamente usando alguns isoladores.
×
×
  • Criar Novo...