Dietas Hiperprotéicas vs. Problemas de Saúde

rins Dietas Hiperprotéicas vs. Problemas de Saúde

Desde o primeiro dia que eu toquei em um peso na academia, eu já escutava vários mitos que rondavam o levantamento de peso e o fisiculturismo. Tenho certeza de que você também já ouviu algum. Desde “Musculação vai impedir o seu crescimento”; “Musculação diminui o pinto” até “Animal Pak é um anabolizante, cuidado!”

Enquanto vários destes mitos são facilmente quebrados por serem ridículos, os mitos que cercam a ingestão de proteína são mais complexos. Existem vários rumores que espalham a impressão de que dietas ricas em proteínas não são saudáveis. Envolvendo problemas nos rins, no fígado, no coração, osteoporose e vários outros. Até mesmo a Associação Americana do Coração (American Heart Association – AHA) fez uma declaração de que indivíduos que seguem dietas hiperprotéicas estão vulneráveis a problemas renais, cardíacos e hepáticos. Felizmente esta declaração foi baseada em poucos ou quase nenhum estudo científico.

Mito Um – Problemas nos Rins

Os rins estão envolvidos na excreção de nitrogênio, conseqüentemente foi teorizado que uma dieta com alta ingestão de proteína pode gerar estresse aos rins. Um estudo científico realizado com fisiculturistas profissionais com dietas hiperproteicas com consumo acima de 2.8g de proteína por kg do corpo comparado com pessoas com uma baixa ingestão de proteína não mostraram diferenças nas funções dos rins. Foi concluído que não existe razão para restringir o uso de proteína em indivíduos saudáveis.




Mito Dois – Problemas no Fígado

Não existe absolutamente nenhuma evidência científica que suporte a teoria de que uma dieta hiperprotéica provoque danos ao fígado. Muito pelo contrário, a proteína irá ajudar na reparação dos tecidos do fígado provendo metionina que ajuda na conversão de gorduras para lipoproteínas que então são removidas do fígado.




Aminoácidos também são o principal fonte de combustível para o fígado. O consumo elevado de proteína pode ajudar a melhorar o desempenho do fígado em pessoas com problemas devido ao alto consumo de álcool.

Mito Três – Problemas nos Ossos

Mais um rumor sobre dietas com alta ingestão de proteínas é que elas causam um excesso de excreção de cálcio no corpo. Em hipótese, dietas com muita proteína irão contribuir para a osteoporose.

O que é osteoporose ?
É uma doença onde os ossos ficam porosos(com pequenas fissuras) e ficam vulneráveis a fraturas e lenta recuperação.




Existem evidências de que uma dieta de baixa ingestão de proteínas pode contribuir para o enfraquecimento dos ossos a longo prazo e não uma dieta hiperproteíca. Em vários estudos epidemiológicos foram descobertos uma associação positiva entre ingestão de proteína e o aumento da densidade dos ossos.

Mito 4 – Problemas no Coração

A literatura científica não suporta de nenhuma maneira que dietas hiperproteícas podem causar doenças no coração, é justamente o contrário, uma dieta com alta ingestão de proteína pode previnir algumas doenças do coração. Estudos recentes sugerem que a substituição de carboidratos por proteínas pode diminuir o risco de Isquemia no coração.

O que é Isquemia ?
Isquemia é a falta de suprimento sangüíneo para um tecido orgânico. Como o sangue, através das hemácias (glóbulos vermelhos) é o responsável por levar o oxigênio às células, a isquemia dá origem à hipóxia. Como exemplo, a isquemia de uma parte do coração leva ao enfarte ou infarto agudo do miocárdio (conhecido popularmente como infarte do coração, ou IAM) e a isquemia de uma parte do cérebro leva ao acidente vascular cerebral (AVC), conhecido como “trombose”(embora nem sempre seja causada por “trombos”(coágulos)pode ser também por estenose (estreitamento e/ou bloqueio de uma artéria) e assim por diante.

A ingestão de proteínas no lugar de carboidratos pode diminuir o número de triglicerídeos e aumentar os níveis do bom colesterol (HDL).




Conclusão

Os verdadeiros riscos a saúde estão em dietas com poucas proteínas, não existe motivo para pessoas saudáveis se privarem de uma boa dieta hiperproteíca. Evitando proteínas você só estará fazendo mal a sua saúde.

Referências:

1. Poortmans JR, Dellalieux O. Do regular high-protein diets have potential health risks on kidney function in athletes? Int J Sports Nutr 2000;10:28-38.
2. Walser M. Effects of protein intake on renal function and on the development of renal disease. In: The Role of Protein and Amino Acids in Sustaining and Enhancing Performance. Committee on Military Nutrition Research, Institute of Medicine. Washington, DC: National Academies Press, 1999, pp. 137-154.
3. Klahr S, Levey AS, Beck GJ et al. The effects of dietary protein restriction and blood-pressure control on the progression of chronic renal failure. N Engl J Med 1994;330:877-884.
4. Navder KP, Lieber CS. Nutrition and alcoholism. In: Bronner, F. ed. Nutritional Aspects and Clinical Management of ChronicDisorders and Diseases. Boca Raton, FL: CRC Press, 2003, pp. 307-320.
5. Mendellhall C, Moritz T, Roselle GA et al. A study of oral nutrition support with oxadrolone in malnourished patients with alcoholic hepatitis: results of a Department of Veterans Affairs Cooperative Study. Hepatology 1993;17:564-576.
6. Suzuki K, Kato A, Iwai M. Branched-chain amino acid treatment in patients with liver cirrhosis. Hepatol Res. 2004 Dec;30S:25-29.
7. Ginty F. Dietary protein and bone health. Proc Nutr Soc 2003;62:867-76.
8. Dawson-Hughes B, Harris SS, Rasmussen H et al. Effect of dietary protein supplements on calcium excretion in healthy older men and women. J Clin Endocrinol Metab 2004;89:1169-73.
9. Geinoz G, Rapin CH, Rizzoli R et al. Relationship between bone mineral density and dietary intakes in the elderly. Osteoporos Int 1993;3:242-8.
10. Cooper C, Atkinson EJ, Hensrud DD et al. Dietary protein intake and bone mass in women. Calcif Tissue Int 1996;58:320-325.
11. Kerstetter JE, Svastislee C, Caseria D et al. A threshold for low-protein-diet-induced elevations in parathyroid hormone. Am J Clin Nutr 2000;72:168-173.
12. Hu FB, Stampfer MJ, Manson JA et al. Dietary protein and risk of ischemic heart disease in women. Am J Clin Nutr 1999;70:221-227.
13. Layman DK, Boileau RA, Erickson DJ, Painter JE, Shiue H, Sather C, Christou DD. A reduced ratio of dietary carbohydrate to protein improves body composition and blood lipid profiles during weight loss in adult women. J Nutr. 2003 Feb;133(2):411-7.
14. Mohanty P, Ghanim H, Hamouda W et al. Both lipid and protein intake stimulates increased generation of reactive oxygen species by polymorphonuclear leukocytes and mononuclear cells. Am J Clin Nutr 2002;75:767-772.
15. Paolisso G, Esposito R, D’Alessio MA, Barbieri M. Primary and secondary prevention of atherosclerosis: is there a role for antioxidants? Diabetes Metab. 1999 Sep;25(4):298-306.
16. Layman DK, Baum JI. Dietary protein impact on glycemic control during weight loss. J Nutr. 2004 Apr;134(4):968S-73S.
17. Layman DK. Protein Quantity and Quality at Levels above the RDA Improves Adult Weight Loss. J Am Coll Nutr. 2004 Dec;23(6 Suppl):631S-6S.
18. Hill AJ, Blundell JE. Composition of the action of macronutrients on the expression of appetite in lean and obese human subjects. Ann N Y Acad Sci. 1990;580:529-31
19. Stubbs RJ, van Wyk MC, Johnstone AM, Barbron CG. Breakfasts high in protein, fat or carbohydrate: effect on within-day appetite and energy balance. Eur J Clin Nutr 1996;50:409-17

Redação Hipertrofia.org

Os artigos enviados pela redação foram escritos pelos mais diversos profissionais da área e entusiastas, sempre baseados em estudos científicos recentes em conjunto de evidências empíricas.

Outros artigos interessantes...

Clique aqui!

1 Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>